ISSN 1678-0701
Número 65, Ano XVII.
Setembro-Novembro/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

18/09/2018CARACTERIZAÇÃO LIMNOLÓGICA DO RIO BUCATU, NO MUNICÍPIO DO CONDE, PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3414 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

CARACTERIZAÇÃO LIMNOLÓGICA DO RIO BUCATU, NO MUNICÍPIO DO CONDE, PARAÍBA, NORDESTE DO BRASIL





Randolpho Savio de Araújo Marinho1;Ronielly Diniz2;Wagner Falcão3;Gil Dutra Furtado



1 Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal da Paraíba, Campus I, CEP 58051-900. João Pessoa, PB, Brasil. E-mail: rando28br@gmail.com

2 Bacharel em Ciências Biológicas, Universidade Federal da Paraíba, Campus I, CEP 58051-900. João Pessoa, PB, Brasil.

3 Bacharel em Ciências Biológicas, Universidade Federal da Paraíba, Campus I, CEP 58051-900. João Pessoa, PB, Brasil.

4 Engenheiro Agrônomo/UFPB, Especialista em Psicopedagogia/UNINTER, Mestre em Manejo de Solo e Água/UFPB, Doutor em Psicobiologia/UFRN, Pós-Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente/UFPB, Professor Colaborador do PRODEMA/UFPB. Email: gdfurtado@hotmail.com



Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar os níveis de impactos ambientais em uma nascente da micro-bacia do rio Bucatu, litoral sul do estado da Paraíba, utilizando parâmetros físico-químicos e paisagísticos, além do zooplâncton e fitoplâncton. As coletas foram realizadas no ano de 2006, sendo determinadas três estações de coleta ao logo do percurso do rio. Foi aplicado o protocolo de aplicação rápida para classificar a atual situação do ambiente. Os parâmetros utilizados foram: condutividade, nutrientes, pH, profundidade, temperatura, e transparência da água. O zooplâncton foi coletado por filtragem de 40 litros de água, por uma rede de plâncton com malha de 45m, sendo acondicionado em frascos de vidro, e fixado em formol 4%. O fitoplâncton foi coletado por meio de arrastos horizontais com rede de plâncton de 20m de abertura de malha, acondicionados em frascos de polietileno e preservadas com formol a 4% neutralizado. A identificação dos organismos foi feita utilizando-se um microscópio binocular Olympus CBA. A aplicação dos protocolos propostos indicou haver um aumento da qualidade ambiental ao longo do transecto estudado, verificando-se os maiores valores em umas das nascentes do rio, e os menores valores próximos ao estuário. Assim, a estação 1 foi considerada a mais impactada por ações antrópicas. Os resultados demonstraram que não houve diferenças entre os nutrientes analisados com relação ao plâncton, nas três estações de coleta. No entanto, na estação 2, apenas a temperatura e a condutividade tiveram valores maiores em relação às demais estações, no qual foi observado uma maior diversidade de espécies.

Palavras-chave: Ambiente lótico, Fitoplâncton, Parâmetros físico-químicos, Protocolo de avaliação rápida, Zooplâncton.



ABSTRACT

The objective of this work was to evaluate the environmental impact levels in a source of the Bucatu River micro-basin, south coast of Paraíba State, using physical-chemical and landscape parameters, besides zooplankton and phytoplankton. The collections were carried out in the year of 2006, being determined three stations of collection to the logo of the route of the river. The rapid application protocol was applied to classify the current situation of the environment. The parameters used were: conductivity, nutrients, pH, depth, temperature, and water transparency. The zooplankton was collected by filtration of 40 liters of water, by a plankton net with a 45 mal mesh, being packed in glass jars, and fixed in 4% formalin. Phytoplankton was collected by means of horizontal trawls with plankton netting of 20 μm mesh, packed in polyethylene bottles and preserved with 4% neutralized formaldehyde. The organisms were identified using an Olympus CBA binocular microscope. The application of the proposed protocols indicated that there was an increase in environmental quality along the studied transect, with the highest values ​​in one of the sources of the river, and the lowest values ​​close to the estuary. Thus, season 1 was considered the most impacted by anthropogenic actions. The results showed that there were no differences between the nutrients analyzed in relation to plankton in the three collection seasons. However, in season 2, only temperature and conductivity had higher values ​​in relation to the other stations, in which a greater diversity of species was observed.

KEYWORDS: Lotic environment, Phytoplankton, Physico-chemical parameters, Rapid assessment protocol, Zooplankton.



Introdução

A água ocupa um lugar específico entre os recursos naturais. É a substância mais abundante no planeta, embora disponível em diferentes quantidades, em diferentes lugares (Tundisi 2005). Possui papel fundamental no ambiente e na vida humana, e nada a substitui, pois sem ela a vida não pode existir.

Segundo Tundisi (1999), alterações na quantidade, distribuição e qualidade dos recursos hídricos ameaçam a sobrevivência humana e as demais espécies do planeta, estando o desenvolvimento econômico e social dos países fundamentados na disponibilidade de água de boa qualidade e na capacidade de sua conservação e proteção.

A quantidade e qualidade da água das nascentes de uma bacia hidrográfica podem ser alteradas por diversos fatores, destacando-se a declividade, o tipo de solo e o uso da terra, principalmente das áreas de recarga, pois influenciam no armazenamento de água subterrânea e no regime da nascente e dos cursos d’água. Assim, o estudo das interações de recursos aquáticos e das ações antrópicas em uma bacia hidrográfica é importante, uma vez que a conservação da água não pode ser conseguida independentemente da conservação dos outros recursos naturais. (Pereira 1973)

Nas bacias com cobertura de floresta natural, a vegetação promove a proteção contra a erosão do solo, a sedimentação e a lixiviação excessiva de nutrientes (Sopper 1975), sendo essas áreas muito importantes para manter o abastecimento de água de boa qualidade.

As práticas que se seguem após a retirada das árvores tendem a produzir intensa e prolongada degradação da qualidade da água. Segundo o novo código florestal, em nascentes (mesmo intermitentes) e olhos d’água, a distância a ser preservada com mata é de 50 m (Dos Santos et al. 2013); no entanto, o que se observa muitas vezes é que as atividades agrícolas [e imobiliárias] não respeitam essa distância.

Os múltiplos impactos antrópicos sobre os ecossistemas aquáticos têm sido responsáveis pela deterioração da qualidade ambiental de inúmeras bacias hidrográficas do território brasileiro.

Entre os fatores de maior influência negativa no equilíbrio de um ecossistema aquático, principalmente nos que se encontram em zonas litorâneas, está a crescente especulação imobiliária, que ascende e se fortalece com a consolidação da sociedade como de caráter amplamente urbano.

Até a metade do século passado, as alterações nas bacias hidrográficas que alimentavam os estuários com água doce foram pequenas, e os efluentes das cidades lançados nesses corpos d’água eram adequadamente diluídos e renovados com impactos praticamente desprezíveis sobre os ecossistemas, entretanto, com o crescente aumento das populações das cidades, a expansão da agricultura e a revolução industrial, as obras portuárias e canais de navegação, a quantidade e diversidade de sedimentos e resíduos domésticos e industriais passaram a ser cada vez maiores, ameaçando as características naturais dos estuários. Sendo assim, as atividades humanas diretas ou remotas ocasionaram variações com diferentes graus de impacto, sendo as causas potenciais da degradação dos estuários (Miranda et al. 2002).

A avaliação da diversidade de habitats oferece oportunidade para avaliar os níveis de impactos antrópicos em trechos de bacias hidrográficas (Galdean et al. 2001). Assim, a qualidade de um habitat é essencial em qualquer pesquisa biológica porque a fauna aquática frequentemente tem exigências especificas de habitats que são independentes da qualidade de água (Hannaford et al. 1997).

O aumento no aporte de nutrientes pode levar a um estado de eutrofização do ambiente, resultando em mudanças na composição das comunidades presentes no corpo aquático.

Inventários da diversidade de habitats aquáticos, avaliação dos recursos tróficos disponíveis e levantamento dos organismos presentes em um meio aquático, constituem-se em um importante fator para a proposição de estratégias de conservação e entendimento dos ecossistemas aquáticos continentais (Galdean et al. 1999; Callisto et al. 2001).

O rio Bucatu, no município do Conde, estado da Paraíba (Brasil), vêm passando por um processo de deterioração, fruto das pressões ocasionadas pelas populações humanas que agem direta e indiretamente sobre sua bacia. A beleza cênica das praias próximas ao rio e a facilitação ao acesso a estas praias, promovida pela existência de uma rodovia estadual que liga a região à capital do estado, favoreceram o crescimento do setor imobiliário, que transcendeu os espaços costeiros, adentrando cada vez mais rumo ao interior do continente.

Inserida em uma área de proteção ambiental, o atual estado da bacia do rio Bucatu e de suas áreas proximais mostram quão danosas são as relações do homem com o meio ambiente, e como é preocupante a falta de políticas públicas necessárias para a preservação do ecossistema, tais como: educação das populações que usufruem do rio ou cujas ações repercutem direta e indiretamente na bacia, maior rigor na fiscalização, com a respectiva punição, além da recuperação do ambiente cuja proteção está constitucionalmente resguardada.

Diante desse cenário, é necessário um estudo de avaliação dos impactos antrópicos no referido ambiente, com o propósito de resguardar as características ainda preservadas do mesmo e propor alternativas de recuperação das áreas danificadas. Portanto, este trabalho analisou os níveis de impactos ambientais (com base no Protocolo de Avaliação Rápida da Diversidade de Habitats em Trechos de Bacias Hidrográficas, proposto por Callisto et al. 2002) em uma nascente da micro-bacia do rio Bucatu, no litoral sul do estado da Paraíba, utilizando parâmetros físico-químicos e paisagísticos, bem como as comunidades zooplanctônicas e fitoplanctônicas.



Material e Métodos

Área de Estudo

As coletas foram realizadas no rio Bucatu que está localizado entre as coordenadas 7º19’11,64” S/34º49’26,87” W, e 7º18’32,70” S/34º48’01”W, no município do Conde-PB (Figuras 1 e 2).

Foram determinadas 3 estações de coleta para que fosse possível analisar os diferentes parâmetros, e avaliar a ação impactante durante todo o percurso do rio

Fig. 1. Micro-bacia do rio Bucatu (Fonte: AESA 2016; Google Earth 2016).

Figura 2: Micro-bacia do rio Bucatu, evidenciando as três estações de coleta (Fotos: Google Earth 2016; Randolpho Marinho).

Classificação do ambiente de acordo com o Protocolo de Aplicação Rápida

O Protocolo de Aplicação Rápida, proposto por Callisto et al. (2002), expõe caracteres que devem ser observados nas estações do rio, que devem ser julgados e receber uma pontuação também estabelecida no protocolo, sendo, ao final do levantamento dos padrões observados, classificado o ambiente como em situação natural, leve ou severamente alterada.

Parâmetros físicos e químicos

A medida da transparência do ambiente será feita em campo, através do uso do disco de Secchi e as análises laboratoriais das variáveis anteriormente citadas serão realizadas de acordo com a metodologia padrão para o exame de água e efluentes (“Standard methods for the examination of water and wastewater” – APHA) (Clesceri et al. 1998).

Análise das comunidades zooplanctônicas e fitoplanctônicas

O zooplâncton foi coletado por filtragem de cerca de 40 litros de água do local de estudo, utilizando uma rede de plâncton com malha de 45m, sendo o conteúdo retido acondicionado em frascos de vidro devidamente etiquetados e fixado ainda no campo com uma solução de formol a 4% (Crispim et al. 2000)

Por outro lado, o fitoplâncton foi coletado por meio de arrastos horizontais com rede de plâncton de 20m de abertura de malha, e acondicionadas em frascos de polietileno de aproximadamente 200ml e preservadas com formol a 4% neutralizado.

A identificação dos organismos foi realizada utilizando-se um microscópio binocular Olympus CBA, com até 1000 vezes de aumento,

Os táxons foram identificados a partir de amostras populacionais, sempre que possível a níveis específicos e intraespecíficos, analisando-se as características morfológicas.



Resultados e Discussão

Classificação do ambiente de acordo com o Protocolo de Aplicação Rápida

A aplicação dos protocolo proposto indicou haver um aumento da qualidade ambiental ao longo do transecto estudado podendo-se verificar os maiores valores onde se localiza umas das nascentes do rio e os menores surgindo a partir do momento em que estes se aproximam do estuário.

Com isto, pode-se ver que a estação 3 apresentou um melhor estado de conservação, alcançando a qualidade de ambiente "natural", enquanto que a estação 2, apresentou a condição de ambiente "alterado" e a estação 1, a condição de ambiente "impactado” (Figura 3).

Figura 3. Total da pontuação do protocolo de análise ambiental das três estações de coleta do rio Bucatu.

O desenvolvimento econômico e a diversificação da sociedade resultaram em usos múltiplos e variados dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos. O aumento destes usos múltiplos da água resultou em uma multiplicidade de impactos, de diversas magnitudes, que exigem, evidentemente, diferentes tipos de avaliação qualitativa e quantitativa, além do monitoramento adequado e de longo prazo (Tundisi 2005).

Figura 4. Pontuação dos diferentes parâmetros do protocolo de aplicação rápida.

Figura 5. Pontuação dos diferentes parâmetros do protocolo de aplicação rápida.

De acordo com as figuras 3, 4 e 5, foi possível constatar que a estação 1 foi a que atingiu a maior pontuação, segundo o protocolo de análise ambiental, sendo caracterizada como um ambiente impactado. Tal resultado é fruto da localização da estação na porção mais a jusante do rio e pela conformação da bacia nas porções a montante.

A bacia encontra-se em uma região de vale, cuja curva de nível supera os 50 metros de altitude e cuja inclinação da encosta, na maior parte da bacia supera os 45°. Tais características somadas ao fato de toda a cobertura vegetal nas porções a cima de 15 metros de altitude ter sido removida, aumenta o índice de carreamento de nutrientes para o leito do rio.

Como, em um ambiente ripário, a concentração de determinados elementos é a soma do que foi acumulado nas porções a montante daquele ponto, as alterações observadas na estação 1 são, por esse motivo em grande parte justificadas.

A estação 2, um ambiente com impactos intermediários, uma vez que os níveis de degradação provocados pela desordenada ocupação do solo pelo homem, ao longo da bacia do rio Bucatu, ocorrem de relativamente de forma homogênea, a classificação do ambiente como alterado (um nível intermediário entre o alterado e o impactado) é justificado pela situação da estação, do mesmo modo, geograficamente de forma intermediaria.

A estação 3 trata-se de uma das nascentes que alimentam o rio Bucatu. Foi classificada como “ambiente natural” segundo o protocolo de análise ambiental, sendo justificada a referida classificação, seguindo os mesmos critérios das análises anteriores, devido à porção geográfica que ocupa no rio.

Segundo Callisto et al. (2002), em vários países da Europa e nos EUA, as agências de proteção ambiental têm utilizado abordagens de avaliação de condições ecológicas em rios de cabeceira e monitoramento de bacias hidrográficas, utilizando sistemas de referência (Sommerhäuser et al. 2000).

Esta abordagem visa ter um ou vários ecossistemas com suas condições naturais preservadas e alta biodiversidade para que possam ser comparados com outros em diferentes níveis de impacto antrópico (Callisto et al. 2002).

Neste sentido, o uso de protocolos e métodos de avaliação ecológica rápida são de fundamental importância e tem sido amplamente difundido por todo o mundo.

Variáveis físico-químicas e comunidades fito e zooplanctônicas

De acordo com os parâmetros físico-químicos (figuras 6 e 7) pode-se verificar que não houve diferenças entre os nutrientes analisados com relação as comunidades fito e zooplanctônicas, nas três estações de coleta,

No entanto, na estação 2 apenas a temperatura e a condutividade tiveram valores mais altos que nas demais estações, o que possa ter influenciado diretamente sobre a diversidade de espécies.

Figura 6. Parâmetros físicos analisados.

Figura 7. Parâmetros químicos analisados.

A presença de nutrientes em ambientes aquáticos é resultante de fontes naturais antropogênicas. As fontes naturais incluem a intemperização de rochas e solos, deposição atmosférica e decomposição da matéria orgânica. O ingresso no ambiente normalmente se dá pela água de escoamento superficial, precipitação direta e através da descarga de água subterrânea em rios ou riachos. As fontes antrópicas incluem as pontuais e as não pontuais, ou difusas, sendo resultantes das atividades agrícolas, industriais e de descarga de esgotos, principalmente em áreas urbanas (USGS 1999).

De acordo com as análises de ocorrência das espécies do plâncton, foi observado que a estação 2 teve uma maior diversidade de espécies zooplanctônicas e fitoplanctônicas.

Nessa mesma estação, a maior frequência na comunidade zooplanctônica, foi a de rotíferos, seguidos de copépodes calanóides e ciclopóides, além da presença de Bosmina sp. e larva de caranguejo. Com relação ao fitoplâncton, foi observado uma maior frequência de algas cianofíceas da espécie Nostoc sp. e Microcystis sp.

Tabela 1. Comunidade de zooplâncton e fitoplâncton em cada estação, Rio Bucatu, município do Conde (PB).

Estação 1

Zooplâncton

Fitoplâncton

Náuplio de Copepoda

Gyrosigma sp.

Ciclopoida

Oscillatoria sp.

Copepodito

Pleurosigma sp.

 

Bacillaria sp.



Estação 2

Zooplâncton

Fitoplâncton

Lecane sp.

Trachelomonas sp.

Monostyla sp.

Pedinomonas sp.

Keratella sp.

Chlorella sp.

Mastigophora sp.

Nostoc sp.

Ciliophora sp.

Microcystis sp.

Entocythere sp.

Pleurosigma sp.

Cyclops sp.


Coleps sp.

 

Bosmina sp.

 

Náuplio de Copepoda

 

Copepodito

 

Larva de caranguejo

 





Estação 3

Zooplâncton

Fitoplâncton

Cypronotus sp.

Cosmarium sp.

Ácaro

Elaterium sp.

Náuplio de Copepoda

Closteriopsis sp.

Chamydotheca sp.

Pinnularia sp.

 

Frustulia sp.

 

Neidium sp.

 

Navicula sp.

 

Rhopalodia sp.

 

Rhizoclonium sp.

 

Euglena sp.

 

Stauroneis sp.

 

Caloneis sp.





Conclusão



Conclui-se que no ambiente em estudo, a estação 1 foi considerada como mais impactada por ações antrópicas. Em um nível intermediário de impacto encontra-se a estação 2 e, em um nível inferior de interferência humana, encontra-se a estação 3.

Foi constatada diferença quanto a algumas variáveis físico-químicas de estação para estação.

As diferenças observadas sob o ponto de vista do protocolo de análise ambiental e dos parâmetros físico-químicos foram determinantes na diversidade de espécies observada em cada estação.



Referências BIBLIOGRÁFICAS



AESA – Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba. 2016. Disponível em: <http://www.aesa.pb.gov.br/>. Acesso: Jul 16, 2016.

Callisto M, Moreno P, Barbosa FAR. 2001. Habitat diversity and benthic functional trophic groups at Serra do Cipó, Southeast Brazil. Revista Brasileira de Biologia, 61: 259–266.

Callisto M, Ferreira WR, Moreno P, Goulart M, Petrucio M. 2002. Aplicação de um protocolo de avaliação rápida da diversidade de habitats em atividades de ensino e pesquisa (MG–RJ). Acta Limnologica Brasiliensia, 14(1): 91–98.

Clesceri LS, Greenberg AE, Eaton AD. 1998. Standard methods for the examination of water and wastewater. 20 ed. Washington: American Public Health Association (APHA), 1325 p.

Crispim, MC, Leite RL, Watanabe T. 2000. Evolução do estado trófico em açudes temporários, no Nordeste semi-árido, durante um ciclo hidrológico, com ênfase na comunidade zooplanctônica. In: Anais do V Simpósio de Ecossistemas Brasileiros: Conservação, Vitória, 3: 422–430.

Dos Santos AR, Pacca MCS, Barros Filho FR. 2013. Mata ciliar e o novo código florestal. Revista da Jornada de Iniciação Científica e de Extensão Universitária do Curso de Direito das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba, 2(2).

Galdean N, Barbosa, FAR, Callisto M, Rocha LA, Marques MMGM. 1999. A proposed typology for the rivers of Serra do Cipó (Minas Gerais–Brazil) based on the diversity of benthic macroinvertebrates and the existing habitats. Travaux du Muséum National d'Histoire Naturelle “Grigore Antipa”, 16: 445–453.

Galdean N, Callisto M, Barbosa FAR. 2001. Biodiversity assessment of benthic macroinvertebrates in altitudinal lotic ecosystems of Serra do Cipó (MG, Brazil). Brazilian Journal of Biology, 61(2): 239–248.

Google Earth. 2016. Disponível em: <https://www.google.com/earth/>. Acesso: Jun 24, 2016.

Hannaford MJ, Barbour MT, Resh VH. 1997. Training reduces observer variability in visual-based assessments of stream habitat. Journal of the North American Benthological Society, 16: 853–860.

Miranda LB, Castro BM, Kjerfve B. 2002. Princípios de oceanografia física de estuários. São Paulo: EDUSP, 414 p.

Pereira HC. 1973. Land use and water resources. London: Cambridge University Press. 246 p.

Sommerhäuser M, Podraza P, Schuhmacher H, Timm T. 2001. The classification of running waters – targets, application and state of the art. Verhandlungen des Internationalen Verein Limnologie, 27: 678–681.

Sopper WE. 1975. Effects of timber harvesting and related management practices on water quality in forested watersheds. Journal of Environmental Quality, 4(1): 24–29.    

Tundisi JG. 1999. Limnologia no século XXI: perspectivas e desafios. In: Conferência de abertura, VII Congresso Brasileiro de Limnologia, Florianópolis: Instituto Internacional de Ecologia, 24 p.

Tundisi JG. 2005. Água no século XXI: enfrentando a escassez. 2 ed. São Carlos: RIMA / IIE, 248 p.

U.S. Geological Survey (USGS). 1999. The quality of our Nation’s waters – nutrients and pesticides. U.S. Geological Survey Circular 1225, 82 p.





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias