ISSN 1678-0701
Número 59, Ano XV.
Março-Maio/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

10/03/2017MESTRES DOS MARES: O SABER DO TERRITÓRIO, O TERRITÓRIO DO SABER NA PESCA ARTESANAL.  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2654 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

MESTRES DOS MARES: O SABER DO TERRITÓRIO, O TERRITÓRIO DO SABER NA PESCA ARTESANAL

 

Doutoranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), UFPB, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA)UFPB, Glória Cristina Cornélio do Nascimento, Pesquisadora em Ciências Ambientais e etnobiologia, gccornelio@hotmail.com

 

Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), UFPB, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA) UFPB,Eduardo Beltrão de Lucena Córdula, Professor de Biologia, ecordula@hotmail.com

Resumo

O artigo apresenta de forma teórica as dificuldades no reconhecimento dos saberes que a arte haliêutica propõe, denominando os pescadores artesanais de “mestres dos mares” por terem diante de tanta diversidade e adversidades na pesca a construção dos seus saberes e de seus territórios.

 

Introdução

A pesca, uma tradição que fascina o ser humano pelo contato direto com o elemento águaé alimentada pelas crescentes descobertas das incessantes pesquisas realizadas nos oceanos do planeta. É através dos seus seres que habitam na imensidão azul dos mares, que a imaginação humana mergulha neste fascinante mundo, em suas cores e formas que tanto encantam, quanto provocam temor. Além deles, é no cotidiano da pesca que surgem mitos e lendasque enriquecem os saberes tradicionais das comunidades de pescadores e dos habitantes que vivem do mar. Os “mestres dos mares”, assim podem ser chamados por terem diante de tanta diversidade e adversidades na pesca a construção de seus saberes dando-lhes o domínio desta arte tão peculiar.

A necessidade de complementar a alimentação através da pesca, surgiu com o próprio homem desde ás épocas mais remotas, o mar além de ser explorado para desenvolvimento do comércio através da navegação via naquele vasto espaço aquático algo mais do que uma simples via de escoamento de produção (SOARES  et al., 1974). A pesca é praticada desde a pré-história e iniciou-se primeiramente na água doce para posteriormente vir a ser no mar (SOARES et al., 1974). A formação pesqueira ao longo do nosso litoral tem origens e formação na fase do período colonial, no período de 1660 a 1780 (SILVA, 1982).  O homem e a pesca trazem uma relação estreita com a natureza, tornando a pesca artesanal usada por muitas populações uma ferramenta essencial de subsistência e de cultura. Podemos entender que esse processo é uma relação da sociedade com a natureza e não apenas do homem individual, pois tal esforço representa o seu trabalho e seus produtos registrados no espaço (MADRUGA, 1992). A pesca artesanal no Brasil demorou um longo período até ser reconhecida e conceituada. Em 1967 no decreto lei nº 221, quando trata da pesca no capítulo I , não descreve a pesca artesanal em nenhum momento (BRASIL,1967), mais só a partir da apresentação no III Plano Nacional de Desenvolvimento da Pesca 1975/1979, em uma abordagem sobre os “aspectos institucionais do desenvolvimento da pesca no Brasil” é que vem analisar a pesca em duas fases: a fase pré-industrial ou artesanal e a industrial(SILVA, 1986, p.48). Ainda neste documento chega a definir a pesca artesanal como a que “não é feita por sociedade capital, e como pescadores artesanais, aqueles que não são sócios ou empregados de tais empresas”. Só a partir de um diagnóstico expresso no Plano Nacional de Desenvolvimento da pesca em 1980/1985 é que parece ter havido de fato o reconhecimento definitivo da pesca artesanal (SILVA, 1986, p.48).

Diante deste pressuposto a pesca artesanal no passado e muitas vezes até hoje é considerada ineficiente e improdutiva e a razão principal desta ineficiência é a dispersão das comunidades dos pescadores ao longo da costa e a pouca importância e visibilidade que caracterizam esse setor (VASCONCELLOS; DIEGUES; SALES, 2007).

Por muito tempo após o descobrimento do Brasil, em 1500, o litoral foi quase que única área de povoamento e por causa de sua grande extensão existe elementos culturais e sociais comuns á toda essa costa (ADAMS, 2000). Essas comunidades pesqueiras obtêm dos recursos do mar a sua subsistência e através destes constroem seus territórios. Quanto na terra quanto no mar, às populações humanas mantêm com estes ambientes uma forte ligação, seja para extração econômica de algum recurso ou para fixação de moradia. Quando o ser humano deixou de ser nômade, houve a necessidade de fixação em um determinado lugar, dependendo diretamente do que a natureza em seu entorno lhe proporcionava. Diante disso, no Brasil, a colonialização provocou uma densidade demográfica intensa em sua costa e até o desbravamento do continente, os recursos do mar provocaram o nascimento de comunidades ligadas a essa atividade haliêutica. O território é o espaço ao qual certo grupo garante aos seus membros direitos estáveis de acesso, de uso, e de controle dos recursos e sua disponibilidade no tempo (CASTRO,2000).

Os recursos sempre serão a “mola mestra” para engrenagem socioeconômica de um determinado lugar, a pressão a estes, determina o modo como serão explorados e manejados e estas comunidades pesqueiras detém de conhecimentos e saberes que auxiliam a exploração dos recursos necessários para sua economia, seja ela artesanal ou industrial. Nessa perspectiva, o território marítimo é visto como forma de apropriação da natureza.

Com isso, a pesca artesanal vem sendo usada como ferramenta pela ciência dada a sua importância a respeito do conhecimento que os seus praticantes obtém através do contato natural e direto com o meio (CARDOSO, 2004; PEREIRA; LIMA, 1997; MANESCHY, 1993).

 

O Território e a Pesca Artesanal

 

Existem muitos aspectos em se tratando de território e a pesca artesanal. Alguns trabalhos abordaram o assunto ao longo do século XX. Segundo Maldonado (1993),a aparente distribuição desordenada e de esbanjamento do espaço pela ausência de formas contínuas de apropriação, a territorialidade, e cada tribo é construída a partir de toda uma rede de contratos e pactos sociais. Ainda sob esse aspecto na pesca, Marques (1995) relata que a territorialidade pode ser expressa por meio da posse, da delimitação, da defesa e da marcação de áreas. Existem ainda outros aspectos relacionados a esses territórios: os saberes, os mitos, as lendas, as práticas, que levam a uma maior complexidade no relacionamento que esses pescadores mantêm com o seu meio, dando-lhes assim um conhecimento de manejo, cultura e sobrevivência.

Silveira (2010) retrata em seu artigo que os pescadores artesanais sofrem com a urbanização de áreas que antes eram para pesca, cita o caso do porto de Suape e da instalação de hidrelétricas e que consequentemente esses pescadores litorâneos estão sendo paulatinamente forçados a mudar de atividade, ou, quando se mantêm no ofício, são deslocados para praias mais distantes ou destinados à exploração de águas poluídas nas metrópoles. A problemática que emerge deste processo configura-se por evidenciar uma especificidade territorial que desencadeia um processo de formação de territórios articulados (terra e água) que é muito complexo, envolvendo uma gama muito grande de agentes e interesses, geradores de inúmeros conflitos (KUHN, 2009). O território não pode ser vistoisolado, ele mantém sua ligação direta com vários elementos como água, flora, questões sociais, culturais e econômicas e por causa dessa diversidade de interações gera conflitos. Segundo Cardoso (2008), numa comparação feita com a pesca artesanal do Chile e Brasil, o território para a pesca artesanal deveria ser mais bem definido (no Brasil), apesar de que na legislação brasileira até existem algumas leis para isso. Na sua maioria as comunidades tradicionais nacionais não são ouvidas e nem sempre tem o direito de se manifestar, havendo uma imposição de interesses. A criação de áreas de manejo com a participação dos pescadores poderiam trazer melhores resultados como no Chile. Esta modalidade de uso dos recursos, que possui um forte componente territorial, poderia ser encarada como um modelo para concessão de recursos às organizações de pescadores e para a gestão das pescarias. Pescadores passam desta forma a conhecer, planejar e explorar os recursos tendo em vista aspectos como a sustentabilidade, a coadministração, a distribuição dos rendimentos entre os associados de suas organizações e suas formas internas de organização (CARDOSO, 2008). A solução para esses conflitos de território na pesca segundo Dumith (2011) seria a criação de RESEXmarinhas (Reserva Extrativista, categorizada como Unidade Conservação (UC) de uso sustentável), tendo em vista o estimulo a descentralização do poder de tomadas de decisão do Estado, incorporando uma nova práxis de mudança social, muitas vezes transcendendo a escala territorial. O fato de os pescadores artesanais serem os maiores interessados em planejar, gerir e manter por gerações futuras o seu recurso vital faz com que as RESEXs Marinhas se consolidem em um instrumento essencial para o desenvolvimento e manutenção de territórios sustentáveis (DUMITH, 2011).

 

 

O Saber/Conhecimento Tradicional

 

 O conhecimento tradicional é definido como o conjunto de saberes e saber-fazer a respeito do mundo natural e sobrenatural, transmitido oralmente, de geração em geração (DIEGUES; ARRUDA, 2001). Nas sociedades tradicionais, sua estrutura social e suas práticas de produção estão ligadas intimamente relacionadas com processos simbólicos e religiosos que estabelecem um sistema de crenças e saberes sobre os elementos da natureza (LEFF, 2011).Como falado anteriormente às comunidades de pescadores detém de alto conhecimento do meio que o cerca. Através deste conhecimento podem viver e sustentar sua família e desencadear toda uma rede de relações sociais locais, além de possuíremconhecimento na arte da navegação, identificações de locais de pesca e diversidade do pescado. A pesca representa uma forma de organização que transcende os limites meramente familiares para se converter em atividade comunitária (MUSSOLINI,1980).  A busca incessante pelo recurso leva-o a ter no mar um aliado ou muitas vezes um inimigo. Esse modo de vida levao pescador ter sua imagem associada à preguiça, a pobreza, ao atraso e vida difícil (CASCUDO, 1973; CUNHA, 2004). 

 

A pesca conserva a tradição da vida difícil e modesta. No Brasil um sinônimo de miséria, não ter moeda, é “estar na pindaíba”, no idioma tupi, é a vara de pescar: pindá, anzol, uba, iba, madeira, vara, cana. Quem estiver reduzido a uma vara de pescar para obter alimentos enfrenta situação precária e rude (CASCUDO, 1973, p. 50).

 

Em 1817 jáera condicionada a pesca e os pescadores ao pauperismo, o Dr. Carl Friedr. Phil. Von Martius, descreveu em seu livro Viagem pelo Brasil que o uso do peixe estava sempre relacionada a preguiça e a pobreza, assim como a miséria ( CASCUDO, 2002).

Poréma vida haliêutica não tem pretensão nenhuma em ter glamour ou status, apenas trás com ela toda diversidade de práticas e saberes. Na realidade social, as classificações, que correspondem a um tipo de saber no mundo tradicional, sempre aparecem interligadas a um fazer, a uma vivência, a uma modalidade de cultura prática, em outras palavras, a uma interferência real no ambiente das comunidades tradicionais (VIERTLER, 2002). Muitas vezes ainda podemos nos deparar com algumas críticas e desprezo a costumes e saberes comum a uma comunidade tradicional. A desqualificação de outros saberes por aqueles que se creem credenciados e embasados na ciência oficial para julgar os saberes “pré-científicos” demostra o ranço positivista de muitos acadêmicos onde muitas vezes descrevem o saber local/tradicional em: “....isso é coisa do senso comum” (GEERTZ, 2007). Captar o universo de significados de uma outra cultura exige , portanto, um esforço incessante de compreensão dos fenômenos a partir dos referenciais e categorias nativas ( CAMPOS, 2002).  Para Berks (1999) o conhecimento local aliado ao conhecimento científico são muito importantes para a gestão dos recursos. Além disso, Leff (2011) atribui nas práticas tradicionais aliadas a etnociências a possibilidade da sobrevivência biológica:

 

Isso poderia levar-nos a compreender que a possibilidade de amalgamar e assimilar conhecimentos científicos modernos com saberes e práticas tradicionais, entenderíamos como esses intercâmbios definem os códigos culturais dos grupos humanos que são o suporte simbólico e matéria de sua sobrevivência biológica, de suas autonomias políticas e de suas identidades étnicas; a ver a constituição de novos atores sociais que mobilizam a construção de uma nova racionalidade de uso da natureza (LEFF, 2011, p. 271-272).

 

Cascudo (2002)afirma que nós é que perdemos a faculdade de aproximação ás forças espontâneas e naturais e que estamos longe do sabor vivo da água das fontes por que entendemos que o conhecimento dela é através de análise química. O ritmo das comunidades que vivem da natureza difere muito do nosso. Temos num relógio e calendário a urgência nas atividades julgadas “civilizadas”. Hoje só somos conhecidos por números (por exemplo: Identidade, CPF, matrícula...) como também pelo o que economicamente podemos adquirir. Os seres humanos “civilizados” tão pouco querem entender as particularidades de cada um e acabam perdendo toda essência e benefício que o entorno (meio) pode dar. Por consequência quando nos deparamos com a diversidade cultural de outros povos nos sentimos “diferentes” e/ou superiores? Apenas o que nos difere são nossos gestos, modo de vida. A dicotomia entre ocidente e oriente emana as diferenças, porém instiga a provocar curiosidade, ofertando o que há de melhor em cada universo. A diversidade é uma pluralidade de possibilidades (MORIN, 2000). O imediatismo revela a impaciência com o tempo natural diferentemente das comunidades que vivem do mar. Há uma nítida, porém radicalmente constatada divisão no tempo, a qual se expressa através de indicadores temporais repetida e consistentemente manifestados nos discursos que tratam das mudanças (MARQUES, 1995).  A arte da haliêutica combina harmonicamente com a alma e predestinação do pescador. Diante disto Cascudo afirma que:

 

Lutará sempre sem desfalecer e esperar quartel e paz do adversário infinito e sem alma, os ventos e o mar. Todos os seus recursos se confinam na sua própria pessoa. Mas confia em Deus, no seu santo da guarda, na madrinha celestial da jangada oscilante. Sucumbindo, não duvidará da existência do auxilio divino. Não o mereceu naquela hora ou não o alcançou a tempo de salvá-lo. O filho que o substituirá na embarcação balouçante e primitiva talvez seja mais feliz. Tal lei é para todos (CASCUDO, 2002, p. 24).

 

As manifestações de percepção do meio natural não são apenas condições das populações tradicionais, somos todos capazes de reconhecer e sentir. A nossa história no modo de enxergar a naturezapassou por momentos diferentes de acordo com cada época.  A natureza selvagem foi atribuída primeiramenteà capacidade de dominação com uma visão totalmente antropocêntrica. Esta teria que ser dominada pelo homem para que pudesseter progresso. Com o avanço do tempo já no século XVIII na Inglaterra foi testemunhado o maior divisor de águas na história ambiental: a revolução industrial. Esta, porém, trouxe de volta um olharpara o naturalpor consequênciada deterioraçãodo meio ambiente, as pessoas viviam em ambientes urbanizados sem pureza, sem beleza.  A natureza voltou a ser vista como bela e pura, sem mais aquela concepção de selvagem. Todos nós vivemos imersos em uma rede de sentidos culturais e historicamente construídos em permanente diálogo com os significados produzidos pelas gerações que nos antecedem através dos séculos (CARVALHO, 2004).

O que nos falta é a mudança de novos conceitos. Vivemos toda a vida sendo reféns de nossas visões e do modo como o sistema econômico nos impõe os comportamentos dentro da sociedade. Carvalho (2004) nos sugere uma “troca de lentes”, onde este permitiria renovar a nossa visão do mundo, enxergar as mesmas paisagens com olhos diferentes, permitindo “desnaturalizar” os modos de ver que tínhamos como óbvios. 

Não poderemos deixar de lembrar que estas populações tradicionais, apesar de se pensar erroneamente que estão paralisadas no tempo, estão passando por muitos processos de modernização. O termo tradicional é bastante confundido com atraso ou ultrapassado.  A palavra tradição vem do latim traditioe significa igualmente entregar, designa o ato de passar algo para outra pessoa, ou passar de uma geração a outra (BORNHEIM, 1987 apud CUNHA, 2004, p.106).  Ainda sobre o tradicional Fernandes- Pinto e Marques (2004) relatam:

 

O tradicional neste tipo de conhecimento não é a sua antiguidade, mais a forma como ele é gerado, transmitido e posto em prática. As comunidades tradicionais não estão imobilizadas no espaço nem congeladas no tempo, ao contrário, retiram parte de sua vitalidade da capacidade de se comunicar e se mover. O conhecimento não é apenas transmitido de geração a geração pela oralidade. Ele é dinâmico e envolve pesquisa, experimentação, observação, raciocínio, especulação e intuição. (FERNANDES-PINTO; MARQUES, 2004, p.188).

 

            Diegues (2004) ainda reforça que as culturas tradicionais não são estáticase estão sempre em constante mudança seja por fatores endógenos ou exógenos.

 

 

Conclusão

 

O mar sempre desafiou a mente e a imaginação dos homens, é um domínio tão vasto e de acesso tão difícil que, não obstante todos os nossos esforços, até agora conseguimos explorar apenas uma pequena fração de sua área (CARSON, 2010). Porém sabemos que os saberes por essas populações que vivem do mar levam a uma melhor compreensão deste meio natural. Os pescadores artesanais buscam encontrar nas marés não só o recurso mais também o seu lugar, o seu mundo e o fazem sagrado.  O tempo e a modernidade não poderão tirar das mentes desses povos suas raízes, sua essência. São povos merecedores de nossa admiração pela eterna insistência na haliêutica e perseverança no dia que está por vir. Tomemos como exemplo o espírito de liberdade que detém estes pescadores, onde na sua tarefa diária não há rotina, nem monotonia. Tem o direito de escolha do dia de pesca, do caminho, do local, do trabalho, das mudanças, etc. (CASCUDO, 2002).A vida urbana nos tira o prazer de vivenciar certas simplicidades. Aprendere repensar o nosso olhar em relação às outras formas de apropriação da natureza será, no mínimo, um sinal de humanidade.A sociedade poderia valorizar as comunidades que vivem diretamente do mar, tornando-as visíveis, através uma nova percepção, trazendo um novo olhar sobre esta cultura e refletir á respeito do estigma negativo que estes profissionais carregam em seu cotidiano, consequentemente tais atitudes mostrariam a real condição de vida,cultura esobrevivência desses povos. Precisamos saber reconhecer as riquezas desta cultura, valorar estes saberes, buscar resgatar e registrar os conhecimentos que ainda restam, pois estas tradições estão sumindo ao longo dos anos, em virtude do desapego e da quebra da transmissão destas técnicas pelas gerações subsequentes. Dessa forma, é urgente registrar a dinâmica da pesca artesanal brasileira, antes que muitas comunidades pesqueiras desapareçam (SILVANO, 2004).

 

 

REFERÊNCIAS

 

ADAMS, C.Caiçaras na Mata Atlântica: Pesquisa científica versus planejamento e gestão ambiental. Annablume: FAPESP, São Paulo,2000, 336 p.

 

 

BERKS, F. Sacred Ecology: Traditional Ecological Knowledge and Resource management. Philadelphia, PA, USA:Taylor &Francis,1999.

 

 

BRASIL. Decreto-Lei n.º 221, de 28 de fevereiro de 1967. Dispõe sobre a proteção e estímulos à pesca e, dá outras providências (Código de pesca). Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del0221compilado.htm. Acesso em : 06 mai. 2013.

 

 

CAMPOS, M. D.Etnociências ou etnografia de saberes, técnicas e práticas? In: AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. M. P. S.Métodos de coleta e análise de dados em Etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro, São Paulo: UNESP/CNPq.2002, 204p.

 

 

CARDOSO, E. S. O vento, o fundo, a marca: diálogos sobre a apropriação da natureza no universo pesqueiro. In: DIEGUES, A. C. (Org.).Enciclopédia Caiçara, o olhar do pesquisador.Vol.1. São Paulo-SP: Editora HUCITEC: NUPAUB: CEC/USP, 2004, p.133-164.

 

 

______. Território e Pescarias: Notas sobre as experiências Chilena e Brasileira. Revista Geosul, Florianópolis-SC, v.23, n 46, jul./dez.2008, p 185-196.

 

 

CARSON, R.O mar que nos cerca. Tradução: Antônio Salatino. Editora Gaia: São Paulo, 2010.

 

 

CASTRO, E. Território, biodiversidade e saberes de populações tradicionais. In: DIEGUES, A.C.(Org). Etnoconservação: Novos rumos para a conservação. São Paulo: NUPAUB-USP, 2000.

 

 

CARVALHO, I. C. M.; Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

 

 

CASCUDO, L. C.Civilização e Cultura: Pesquisas e notas de Etnografia Geral. Vol.II. Rio Janeiro: Livraria José Oliympo, 1973, 480 p.

 

 

______.Jangada: Uma pesquisa etnográfica. 2º ed. São Paulo: Editora Global. 2002.

 

 

CUNHA, L. H. O. Saberes patrimoniais pesqueiros. In: DIEGUES. A C. (Org). Enciclopédia Caiçara: O olhar do pesquisador. Vol. I. São Paulo: HUCITEC- NUPAUB-CEC/USP, 2004, 382p.

 

 

DIEGUES, A. C. A mudança como modelo cultural: O caso da cultura caiçara e a urbanização. In: DIEGUES. A C. (Org.). Enciclopédia Caiçara: O olhar do pesquisador. Vol. I. São Paulo: HUCITEC- NUPAUB-CEC/USP, 2004, 382p.

 

 

______; ARRUDA, R. S. V. (Org.). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. São Paulo: Ministério do Meio Ambiente, USP, 2001, 176p.

 

 

DUMITH, R. C.; Território, Territorialidade e identidade dos pescadores artesanais:Subsídios conceituais ao planejamento e gestão de reservas extrativistas marinhas. Revista Geographia, n° 25, vol.13, p. 59-76.UFRG, 2011.

 

 

FERNANDES-PINTO, E.; MARQUES, J. G. Conhecimento etnoecológico de pescadores artesanais de Guaraqueçaba (PR). In: DIEGUES. A C. (Org.). Enciclopédia Caiçara: O olhar do pesquisador. Vol. I. São Paulo: HUCITEC- NUPAUB-CEC/USP, 2004, 382 p.

 

GEERTZ, C. O saber local. Novos ensaios em antropologia interpretativa. 9ª ed. Trad. Vera Mello Joscelyne. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

 

KUHN, E. R. A. Terra e água: Territórios dos pescadores artesanais de São Francisco Paraguaçu-Bahia. Dissertação (Mestrado em Geografia) Instituto de Geociências. UFBA, 2009, 173f.

 

 

 

 

LEFF, E.Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder.8ª ed. Tradução: Lúcia MathildeEndlich Orth. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes, 2011, 494p.

 

 

MADRUGA, A. M.Litoralização: Da fantasia de liberdade á modernidade autofágica. Dissertação apresentada ao departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP. 1992.

 

MALDONADO, S. C. Mestres e Mares: Espaço e divisão na pesca marítima. São Paulo: ANNABLUME, 1993.

 

MANESCHY, M. C.Ajuruteua, uma comunidade pesqueira ameaçada. Belém, PA: UFPA-CFCH, 1993, 167 p.

 

 

MARQUES, J. G. W.Pescando pescadores: Etnoecologia abrangente no baixo São Francisco Alagoano.São Paulo: NUPAUB-USP, 1995.

 

 

MORIN, E. Saberes globais e saberes locais:O olhar transdisciplinar.Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2000.

 

 

MUSSOLINI, G.Ensaios de antropologia indígena e caiçara. Coleção Estudos Brasileiros. Vol. 38. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

 

 

PEREIRA, L. F.; LIMA, R. K. Pescadores de Itaipu: meio ambiente, conflito e ritual no litoral do estado do Rio de Janeiro. Niterói, RJ: EDUFF, 1997.

 

 

VASCONCELOS, M.; DIEGUES, A. C.; SALES, R. R. Limites e possibilidades na gestão da pesca artesanal costeiros. In: COSTA, A L. (Org.) Nas Redes da pesca Artesanal. Brasília, DF: IBAMA, 2007

 

 

VIERTLER, R. B. Métodos antropológicos como ferramenta para estudos em Etnobiologia e etnoecologia. In: AMOROZO, M. C. M.; MING, L. C.; SILVA, S. M. P. S. (Org.)Métodos de coleta e análise de dados em Etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro, SP: UNESP/CNPq, 2002, 204p.

 

 

SILVA, A. F. O homem e a pesca: Atividades pesqueiras no estuário e litoral de Goiana, Pernambuco. Dissertação apresentada ao Departamento de Ciências Geográficas, UFPE. 1982.

 

 

SILVA, J. C.; Pesca artesanal no litoral Norte da Paraíba: contradições e pobreza. Dissertação de mestrado pela Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de Ciências Geográficas. 1986.

 

 

SILVEIRA, P. C. B. Pesca artesanal, territórios e os impactos dos grandes empreendimentos. Revista Coletiva, n° 1, jul/ago/set. 2010. Disponível em: http://www.coletiva.org/site/index.php?option=com_k2&view=item&layout=item&id=10&Itemid=76&idrev=2 . Acessado em 06 de Outubro de 2012.

 

 

SOARES, H. A.et al. A pesca na Paraíba in: II Ciclo de Estudos da ADESG em Campina Grande. 09 de Setembro á 14 de Dezembro. GT nº6. 1974.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias