ISSN 1678-0701
Número 63, Ano XVI.
Março-Junho/2018.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Prêmio: Destaques     Prêmio: Selecionados     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Ações e projetos inspiradores

11/03/2018PROJETOS DE ENERGIAS ALTERNATIVAS E SUSTENTÁVEIS DA UFAM- UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3127 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

Psicopedagogia On Line - Artigo




Projetos de Energias Alternativas e sustentáveis da UFAM- Universidade Federal do Amazonas



Você já pensou em lavar roupas com sabão em pó feito de abacate? Construir uma casa com cimento produzido com fibras da ‘coroa’ do curauá (abacaxi amazônico), ou quem sabe tomar uma cerveja de açaí com os amigos?

Nós estamos muito felizes com os resultados e a repercussão que estes projetos estão tendo na mídia e na comunidade como um todo. Os alunos se esforçaram e o resultado ficou incrível”, comentou o orientador dos alunos, professor Johnson Pontes de Moura.

 Cimento sustentável

As fibras da folha do curauá (também conhecida como ‘abacaxizinho’) são usadas na Índia para a fabricação de fios e de tecidos para a aplicação têxtil em produtos de artesanato. Na Amazônia, a fibra de curauá é de uso popular na região do baixo-Amazonas, também para a manufatura de cordas, cestas e tapetes.

Inspirados no uso alternativo da fibra, um grupo de estudantes de engenharia química desenvolveu uma pesquisa Exploratória para projetar uma Indústria de produção do cimento alternativo com a fruta sem causar grandes impactos ambientais.

Durante a pesquisa, os estudantes avaliaram que o composto de cimento e fibras obteve ótimos resultados em comparação ao composto de cimento e sisal. Concluíram, ainda, que o cimento em pesquisa exploratória com a fibra de curauá tem condições de ser fabricado em grande escala e disputar mercado com empresas que adotam a fabricação de cimento tradicional.

 Sabão alternativo

A fabricação de sabão em pó caseiro também será apresentada na exposição dos projetos.  O óleo de cozinha reutilizado na produção do sabão é coletado no próprio restaurante da Ufam. Uma nova remessa de produção deve ser finalizada em fevereiro, embaladas e comercializadas ao preço de R$ 3 a unidade, com 300 gramas cada. "O abacateiro é uma das plantas mais difundidas no Brasil. Comparando-se à composição média da polpa do abacate com a de outras frutas, ela pode se assemelhar ao da oliva em riqueza em óleo", explicou a universitária Ana Carolina Bonfim.

Alternativa para a zona rural

O equipamento é uma das alternativas tecnológicas para produzir energia limpa e atender as necessidades da população com a produção do ‘biogás’. O biodigestor  produz principalmente uma espécie de biofertilizante, que contribui para as plantações rurais. Além disso, o ‘biogás’  produzido pode ser usado para gerar energia elétrica.

A pesquisa apontou que com a implantação de um biodigestor nos territórios rurais, 80% dos problemas relacionado à preservação da floresta amazônica e do solo serão resolvido. O projeto piloto foi construído e está sendo testado em uma comunidade no município de Novo Airão (distante 180 km de Manaus).   O custo médio para a construção de um biodigestor caseiro é de aproximadamente R$600. O equipamento pode ser utilizado por produtores rurais que não possuem uma condição financeira favorável.

Alunos desenvolveram o trabalho “Produção da Cerveja de Açaí – Tipo Weizen”. Foto: Eduardo Gomes/CIÊNCIAemPAUTA

Universitários do Amazonas apresentam cerveja artesanal de açaí tipo Weizen

Em apenas três meses, quatro alunos da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) elaboraram um projeto científico-experimental que resultou no processo de fabricação de uma cerveja artesanal a partir do açaí.

Desafiados pelo professor da disciplina Operações Unitárias I, do 6º e 8º  período, dos cursos de Engenharia Química e Petróleo e Gás, Johnson Pontes de Moura, os alunos desenvolveram o trabalho “Produção da Cerveja de Açaí – Tipo Weizen”.

Johnson Pontes disse ter lançado esse desafio para que os estudantes contemplassem processos reais, dimensionassem os equipamentos e, principalmente, valorizassem as competências e habilidades que tiveram até o momento nas disciplinas de engenharia. O professor ficou satisfeito com os resultados. “Sinto-me, não na função de professor, mas na função de educador, orgulhoso em ver o resultado desse trabalho”, admite o professor.

Diogo Freire, um dos integrantes da equipe, justifica a escolha do açaí devido à abundância do fruto na região, seu alto valor nutricional e por ser um produto fácil de ser encontrado. No processo de fabricação da cerveja, Freire diz que o fruto foi o grande salvador. “Graças a ele, conseguimos o açúcar necessário para a formação do álcool. Em determinados processos de fabricação da cerveja nós tivemos alguns erros, tivemos que eliminar alguns açúcares que o açaí lá na frente recompensou. Com isso, tivemos um teor de álcool de 6% na cerveja”, detalhou o estudante do curso de Petróleo e Gás.

Diogo Freire, estudante do curso de Petróleo e Gás. Foto: Eduardo Gomes/CIÊNCIAemPAUTA.

Outro benefício apontado durante a apresentação pela estudante, Aurilene de Paula, é o potencial do fruto em sua formulação bioquímica com a presença de antioxidantes. De acordo com a pesquisa realizada durante o projeto, a cerveja do açaí do tipo Weizen também apresenta compostos que colaboram no tratamento de ferimentos na pele. “O alto teor de vitaminas do complexo B presentes nesse tipo de cerveja é considerado benéfico para a pele. Na Alemanha, por exemplo, as cervejas do tipo Weizen são receitadas no tratamento de doenças de pele”, explicou.

A pró-reitora de Inovação Tecnológica, em exercício, professora Maria do Perpétuo Socorro Coelho, acompanhou a apresentação dos alunos, e elogiou a dedicação da equipe com a produção científica. Segundo ela, a universidade quer que os alunos façam as suas práticas e que elas possam ser úteis para a sociedade, transformando-se em um negócio futuro com a utilização e inclusão, principalmente, de matéria prima regional.

O custo para a produção de mais de 20 litros foi de R$ 1.285,00 reais.

O açaí

Fruto de uma palmeira nativa da várzea da região amazônica, o açaí é um fruto pequeno, de cor roxa que se forma em cachos. De acordo com as características descritas em diversas pesquisas, ele possui um alto poder antioxidante, vasodilatador e anti-inflamatório. Em sua composição há presença das vitaminas B1, C e E, além de potássio, cálcio, ferro, fósforo, potássio, sódio, entre outras. No Norte do Brasil, é considerado um alimento muito importante devido suas qualidades nutricionais.





LINKS PARA ACESSAR AS MATÉRIAS:

https://www.youtube.com/watch?v=6Z_87Qndg7o

http://www.fapeam.am.gov.br/universitarios-do-amazonas-apresentam-cerveja-artesanal-de-acai-tipo-weizen/










" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Prêmio: Destaques     Prêmio: Selecionados     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias