ISSN 1678-0701
Número 63, Ano XVI.
Março-Junho/2018.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Prêmio: Destaques     Prêmio: Selecionados     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

10/03/2018AÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ABORDAGEM EM ESCOLAS PÚBLICAS DE COCAL-PI SOBRE O DESCARTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3090 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

Revista Educação ambiental em Ação 33

AÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ABORDAGEM EM ESCOLAS PÚBLICAS DE COCAL-PI SOBRE O DESCARTE DE RESÍDUOS SÓLIDOS



Leticia de Andrade Ferreira1, Matheus Ladislau Gomes de Oliveira2, Raiane de Brito Sousa3, Marciele Gomes Rodrigues4, Paulo Sérgio de Araujo Sousa5, Elenice Monte Alvarenga6*

1Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, leticiaandrade28@icloud.com

2Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, ladislau2016123@gmail.com

3Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí ,raianebrito2209@gmail.com

4Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, marcielerodrigues1@gmail.com

5Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, parkdevidro@gmail.com

6 Doutora em Biotecnologia, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, elenice.alvarenga@ifpi.edu.br


* Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, Rodovia PI 213, km 21, Cocal-PI, Brasil


Resumo:

A educação ambiental deve estar presente no cotidiano das pessoas, pois interagimos constantemente com o ambiente, e somos culpados pelas modificações que ocorrem no mesmo. Por isso a importância de usufruir de conhecimentos que preservem o meio ambiente, o que ocorre como um processo educativo, que é a educação ambiental. Assim, este projeto buscou averiguar o nível de adequação do currículo das escolas públicas de Cocal-PI em relação à lei da educação ambiental, bem como verificou o conhecimento dos estudantes do 9° ano do ensino fundamental sobre o descarte de resíduos sólidos. Após a averiguação, foram trabalhos conteúdos que atendessem ao currículo relativo à educação ambiental, como o descarte de resíduos sólidos. Os licenciandos em Química desenvolveram estratégias de ensino para abordar o conteúdo em sala de aula para que, após aplicação dos métodos, se pudesse esclarecer as às referidas instituições de ensino sobre os resultados e demonstrar a relevância da abordagem acerca da educação ambiental. Após a coleta de dados verificou-se que ambas instituições de ensino atendem a lei 9.795/1999 em razão de desenvolverem projetos voltados para educação ambiental. No que se refere aos resultados obtidos junto aos estudantes, em ambas as escolas foi perceptível a dificuldade de aprendizado frente à educação ambiental, mais especificamente o descarte de resíduos sólidos, que foi o tema trabalhado neste projeto. Além disso, foi possível verificar que as atividades propostas no projeto possibilitaram o incremento do conhecimento sobre educação ambiental, mais especificamente sobre o descarte correto dos resíduos sólidos.

Palavras-chave: Educação ambiental. Descarte de resíduos sólidos. Política Nacional de educação Ambiental.



Abstract:

Environmental education must be present in the daily lives of the people, because we interact constantly with the environment, and we are guilty of the modifications that they do not. Therefore, the importance of enjoying knowledge that preserves the environment, which occurs as an educational process, which is an environmental education. Thus, this project sought to ascertain the level of adequacy of the curriculum of the public schools of Cocal-PI in relation to the law of environmental education, as well as verified the knowledge of the students of the 9th grade elementary school on solid waste disposal. After an inquiry, involve content that meets the curriculum related to environmental education, such as solid waste disposal. The chemistry graduates developed in the teaching platform to address the contents in the classroom so that, after applying the methods, one could clarify how the educational institutions on the results and demonstration of relevance of the approach on environmental education. After a data collection it was verified that both educational institutions comply with the law 9,795 / 1999 due to the development of projects focused on environmental education. With regard to the results obtained with the students, in both schools, it was perceived the learning difficulty facing environmental education, more specifically or discarded solid waste, which was the theme worked on the project. In addition, it was possible to verify that, as proposed activities, no project allowed the increase of knowledge about environmental education, specifically about the correct disposal of solid waste.

Keywords: Environmental education. Descartes of solid waste. National Policy on Environmental Education.


Introdução

O ser humano vive modificando o espaço em que vive, no dia a dia estamos interagindo diretamente com o meio ambiente, e tudo o que fizermos a ele terá consequências, sejam boas ou ruins. Daí a importância de se prover o público de conhecimentos que norteiem a preservação do ambiente em que vivemos. Conforme defendido por Sorrentino (2005), a educação ambiental é um processo educativo desenvolvido por uma ação coletiva que busca trabalhar os valores éticos e sociais que estimulem a cidadania para, assim, poder se apropriar dos recursos do meio ambiente sem trazer prejuízos ao mesmo.

Já que a educação ambiental é um processo educativo, o ideal é se iniciar a trabalhar o tema no ensino básico, pois é neste momento em que se pode contribuir com as ações futuras do ser humano, uma vez que representa os primeiros contatos com a realidade vivida. Pensando nisso, o Senado Brasileiro aprovou em 27 de abril de 1999 a Lei nº 9.795/1999 (BRASIL, 1999), a Lei da Educação Ambiental, que em seu Art. 2º afirma “A educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal”. Além disso, as instituições de ensino básico são norteadas por lei a desenvolverem ações em prol do meio ambiente, para que os alunos venham a preservar e utilizar com parcimônia os recursos oferecidos pela natureza.

O problema pode ser mais agravado quando relacionado ao conhecimento sobre os descartes de resíduos sólidos. Esse eixo temático é de grande importância por está diretamente associado ao cotidiano dos estudantes e, frequentemente, as escolas não abordam essa temática. A compreensão da problemática sobre os resíduos sólidos e a busca de sua resolução pressupõem mais do que a adoção de tecnologias. Uma ação na origem do problema exige reflexão não sobre o lixo em si, no aspecto material, mas quanto ao seu significado simbólico, seu papel e sua contextualização cultural. Nenhum espaço mostra-se melhor para se obter essa reflexão do que a escola, já que é o local onde se constrói o conhecimento e se prepara o cidadão para a vida.

Diante disso, como proposta para o desenvolvimento deste projeto integrador, tivemos a seguinte temática: abordagem sobre a educação ambiental, centrada no descarte de resíduos sólidos, no ensino fundamental em escolas públicas de Cocal-PI. Neste sentido, buscou-se analisar se as escolas públicas de ensino fundamental do município de Cocal-PI já se adequaram ao disposto na Lei nº 9795/1999. Além disso, buscou-se descrever quais ações em educação ambiental já vinham sendo realizadas, bem como foram propostas outras, especialmente, em espaços educativos em que ainda não houve o atendimento à legislação sobre Educação Ambiental.


Referencial Teórico

Segundo a Política Nacional de Educação Ambiental, a Educação Ambiental deve estar implantada em todos os níveis de ensino, com o objetivo de reformular a consciência humana e seus deveres e responsabilidades ambientais. Para Leff (2009), trata-se de um processo de reconstrução social por meio de uma transformação ambiental do conhecimento. Por meio destas transformações o planeta passaria a ter pessoas capacitadas, para que os mesmos pudessem desenvolver suas tecnologias sem que houvesse degradação ou, ainda, que houvesse uma degradação mínima ao meio ambiente, conscientizando-se o ser humano de que ele é parte do meio.

A implantação de ações em Educação Ambiental deve estar voltada para algumas finalidades assim como sua proposta, conforme menciona Tozonni-Reis (2004, p. 6):

A educação ambiental deve ser voltada para o desenvolvimento sustentável, o desenvolvimento e o ambiente integrados é o princípio básico e diretor da educação ambiental. A proposta é reorientar o ensino formal e informal modificando o comportamento pela aquisição de conhecimentos e valores. A universalização à educação básica é uma estratégia de promoção da equidade e compensação da disparidade econômica e gênero.

A educação ambiental abrange não somente apenas um indivíduo, mas também toda a sociedade. Assim, a função sugerida para o tema sobre o meio ambiente, segundo os PCNs (1997, p.29) diz que:


A principal função do trabalho com o tema meio ambiente é contribuir para formação de cidadãos conscientes aptos para decidirem e atuarem na realidade socioambiental de modo comprometido com a vida, para o bem-estar de cada um e da sociedade, local e global.

Aspectos relacionados à Educação Ambiental tornaram-se Lei em 27 de abril de 1999 (Lei nº 9.795/1999), a fim de propor mecanismos que facilitassem a abordagem sobre temas relacionados à Educação Ambiental nas escolas. Segundo esta lei, em seus artigos 1º, 2º e 7º:

Art. 1º Entendem-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade.

Art. 2º A educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal.

Art. 7º A Política Nacional de Educação Ambiental envolve em sua esfera de ação, além dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Meio Ambiente - Sisnama, instituições educacionais públicas e privadas dos sistemas de ensino, os órgãos públicos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e organizações não governamentais com atuação em educação ambiental (BRASIL, 1999).


O artigo 8° propõe que a educação ambiental seja introduzida em todas as modalidades de educação escolar em geral, por meio de todas as linhas de estratégias inter-relacionadas como: a capacitação dos professores, desenvolvimento de novas técnicas de estudo para se abordar o conteúdo baseadas na experimentação, criação de material educativo, etc. A Política Nacional de Educação Ambiental determina que todas as áreas do conhecimento devem abordar o tema, por se considerar um tema interdisciplinar como discute o Art. 11°, que menciona que todos os professores em atuação devem receber a formação adequada a fim de preencher os requisitos básicos de atuação no escopo da Política Nacional de Educação Ambiental como um todo, não importando a área de formação específica de cada docente.

Uma das temáticas relevantes a se abordar em educação ambiental diz respeito ao conceito de resíduos sólidos, que é diferente do conceito de lixo, pois ambos possuem características distintas. Segundo o dicionário Aurélio (FERREIRA, 2001, p.1042), lixo é “(...) aquilo que se varre da casa, do jardim, da rua, e se joga fora: entulho; coisas imprestáveis”. Já os resíduos sólidos possuem valores agregados, que podem ser separados, reciclados ou reaproveitados com um potencial econômico respeitável (TAVARES, 2008).

Os resíduos sólidos estão presentes na vida de todos dentro de uma sociedade, pois todos produzem resíduos. A Organização das Nações Unidas (ONU), por meio do documento Agenda 21 (p. 274, 1997), define lixo ou resíduo da seguinte forma:

Os resíduos sólidos compreendem todos os restos domésticos e resíduos não perigosos, tais como os resíduos comerciais e institucionais, o lixo da rua e os entulhos de construção. Em alguns países, o sistema de gestão dos resíduos sólidos também se ocupa dos resíduos humanos, tais como excrementos, cinzas de incineradores, sedimentos de fossas sépticas e de instalações de tratamento de esgoto. Se manifestarem características perigosas, esses resíduos devem ser tratados como resíduos perigosos.

Os resíduos sólidos se classificam em diferentes categorias em função das suas características. A Política Nacional de Resíduos Sólidos classifica os resíduos sólidos quanto à origem e à periculosidade. Já a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT, 2004) classifica os resíduos de modo mais específico, quanto à periculosidade e quanto à origem. É importante se saber a origem dos resíduos, pois sua origem pode estar associada à sua classificação e às estratégias para medidas de manejo para o seu gerenciamento (MASSUKADO, 2004).


Metodologia

Este projeto foi realizado no município de Cocal-PI, tendo sido executado em duas escolas públicas da rede municipal e estadual localizadas na zona urbana do município: Unidade Escolar Chico Monção (com 76 alunos matriculados no nono ano do ensino fundamental) e Unidade Escolar José Basson (com 88 alunos no nono ano do ensino fundamental). Embora, nas duas unidades de ensino haja 164 estudantes matriculados no nono ano do ensino fundamental, foi realizada amostragem em ambos os espaços, de modo que apenas 51 estudantes participaram das atividades do projeto.

Primeiramente foi verificado o conhecimento dos servidores destes espaços educativos sobre a necessidade de abordagem de temáticas relativas à educação ambiental. Foi, então, aplicado um questionário aos educadores, com vistas a se descrever o nível de adequação do currículo escolar ali aplicado ao que exige a Política Nacional de Educação Ambiental. O questionário constou de questões objetivas e subjetivas, direcionadas aos servidores de ambos os espaços de educação, em amostra correspondente a 30% do número total de docentes ali atuantes de forma aleatória. Nos questionários foram obtidas informações de caráter mais geral sobre a amostra, como idade, gênero, tempo de trabalho na instituição, disciplina ministrada, entre outros. Após isso, os servidores foram questionados sobre aspectos específicos voltados à descrição do nível de adequação do currículo aplicado à legislação de educação ambiental.

Em relação aos alunos foi averiguado o nível de conhecimento em relação à temática sobre educação ambiental e, mais especificamente, em relação ao descarte de resíduos sólidos. Foi aplicado um questionário como ferramenta de coleta de dados, em que foram obtidas informações de caráter mais geral sobre a amostra, como idade, gênero, série escolar, opinião sobre ocorrência de atividades relativas à educação ambiental. Além disso, foram obtidas informações de caráter específico, como a série e sua opinião sobre se a escola tem abordado a temática relacionada à educação ambiental, se os professores têm esse diálogo com os alunos sobre o assunto, além da opinião dos estudantes sobre o tema do descarte de resíduos sólidos. Ainda no que se refere ao levantamento de informações de cunho mais específico, também foram abordadas questões sobre:

Classificação correta dos resíduos sólidos: questionando-se os alunos sobre seu conhecimento acerca da classificação dos resíduos em categorias e as motivações para sua classificação, além das características dos resíduos e de seus eventuais malefícios, ao serem descartados de forma incorreta no meio ambiente.

Conhecimento sobre os 3 Rs: algumas questões discutiram sobre o conhecimento acerca dos 3Rs (Reciclar, Reduzir e Reutilizar).

Composição química dos resíduos: o questionário abordará também o conhecimento acerca da composição química dos resíduos, objetivando-se discutir a constituição dos resíduos e como a sua constituição química poderia afetar a vida da sociedade se descartado de forma incorreta.

É importante se ressaltar que o questionário foi aplicado aos estudantes em duas oportunidades, antes e após a realização das atividades de ensino propostas neste projeto, buscando-se demonstrar se houve incremento do nível de conhecimento dos alunos acerca da temática após as atividades propostas.

Com a finalidade de fazer com que os estudantes conhecessem mais sobre o descarte de resíduos sólidos, foi ministrada uma aula introdutória sobre tal conteúdo pelos licenciandos em Química, que abordou de uma forma geral a classificação e composição química dos resíduos sólidos, além de fixar o conhecimento sobre os 3 Rs. Os licenciandos receberam orientação específica para que se pudesse utilizar recursos cabíveis, de modo a subsidiar uma aula favorável e, assim, atingir o objetivo final da aprendizagem.

Após a aula, os alunos foram convidados a formarem 5 grupos na sala de aula, em que nesse momento ocorreu um sorteio sobre a classificação de resíduos sólidos. Com a definição proposta de categorias de resíduos em cada grupo, cada integrante dos 5 grupos teve que coletar objetos que estavam relacionados com a classificação do seu respectivo grupo, buscando-se a apropriação mais direta do conhecimento exposto em sala de aula por meio da aula introdutória.

Em outro momento ocorreu uma exposição dos objetos coletados pelos estudantes, de acordo com a sua respectiva classificação. A exposição consistiu de uma estratégia de socialização do conhecimento entre os grupos, bem como uma forma de conscientização e de difusão de conhecimentos entre os próprios alunos, já que os mesmos confeccionaram cartazes para expor as características dos objetos em razão da classificação, os malefícios que os mesmos podem trazer ao meio ambiente se descartado de forma incorreta, além de mostrar a forma correta de descartar os devidos objetos de forma eficiente. A proposta é que, de posse de tais conhecimentos, os estudantes pudessem também atuar como multiplicadores de tais informações em suas casas, na sua rua, em seu bairro, na sua comunidade, e até mesmo na escola.


Resultados

Como primeira atividade do projeto, foi realizada a aplicação do questionário para os docentes e servidores com o objetivo de descrever a opinião sobre abordagens de ensino relacionadas à educação ambiental. Vale ressaltar que foi extremamente difícil aplicá-los aos professores, pois os mesmos afirmavam estar sempre ocupados e alguns outros, claramente, não deram a devida importância ao trabalho que ali estava sendo realizado. Tal fato foi observado em ambas as escolas, José Basson e Chico Monção. O questionário abordou questões sobre o perfil dos professores, como tempo de atuação na escola, disciplina que os docentes ministravam, tempo de atuação como profissionais da educação e opinião dos mesmos sobre educação ambiental. Além disso, foram abordadas questões de cunho mais específico que, por sua vez, tiveram uma função importante, já que tais questões nortearam a análise das instituições sobre se estão de acordo com a Lei nº 9.795/1999, a chamada lei da educação ambiental, que exige que as escolas desenvolvam projetos em que seja abordada a educação ambiental.

Em relação aos resultados obtidos com a aplicação do questionário observou-se que todos os professores acham importante que a educação ambiental seja trabalhada nas escolas. No que se refere aos conteúdos relacionados à educação ambiental foi perguntado se os docentes abordam algum assunto relacionado ao tema, independentemente da disciplina ministrada, pois a educação ambiental é interdisciplinar, podendo ser abordada em todas as disciplinas. As respostas encontram-se indicadas na Tabela 1:

Tabela 01: Resultados dos questionamentos feitos aos professores das instituições de ensino.

DOCENTES QUE ABORDAM EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM SUAS AULAS




%

PROFESSORES QUE REALIZAMA ATIVIDADES SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL





%

PROFESSORES COM FORMAÇÃO ESPECIFICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL




%

AÇÕES DESENVOLVIDAS NA COMUNIDADE EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE





%


ABORDAM


91


REALIZAM


82


SIM


25


DESENVOLVEM


40


NÃO ABORDAM


9


NÃO REALIZAM


18


NÃO


75


NÃO DESENVOLVEM


60


No que diz respeito às práticas de ensino aplicadas na instituição foi questionado se alguns temas vêm sendo trabalhados com os alunos sobre a educação ambiental e as respostas também estão apresentadas na Tabela 1. Diante dos resultados obtidos nas escolas foi perceptível que as mesmas abordam temas como desmatamento, aquecimento global e reaproveitamento de resíduos.

Vale ressaltar que sobre as respostas dadas acima, em uma análise separada sobre as escolas Chico Monção e José Basson, todos os docentes da escola José Basson afirmaram que vem sendo trabalhadas práticas de ensino que atendam ao tema, enquanto que na escola Chico Monção alguns afirmaram que isto não vem ocorrendo, sendo abordados temas relativos à educação ambiental apenas poucas vezes.

Foi perguntado também se na instituição de ensino que o professor trabalha vem sendo realizadas ações de extensão na comunidade, no sentido de esclarecer sobre a conservação do meio ambiente (Tabela 1). Ao analisar os resultados, é possível perceber que os professores afirmaram que desenvolvem ações de extensão na comunidade, entretanto não descreveram que tipos de ações são desenvolvidas.

Foi perguntado se nas instituições de ensino que os docentes trabalham há professores com formação específica na área da educação ambiental (Tabela 1). De acordo com os resultados, 75% dos professores afirmaram não possuir formação específica em educação ambiental, mas, possuem formação em outras áreas, como a sua área de atuação específica em sala de aula por exemplo.

Ainda foi perguntando se na escola em que os professores trabalham tem sido oferecido algum tipo de capacitação ou formação complementar para prepará-los frente ao trabalho na área da educação ambiental. As respostas de todos os professores participantes da pesquisa em ambas escolas foi que não.

Como as instituições de ensino que oferecem o ensino básico são obrigadas por lei a trabalharem com ações de projetos que guardem relação com a educação ambiental, e como foi visto neste projeto que há uma carência significativa de professores capacitados para trabalhar com a educação ambiental, por muitas vezes estes espaços educativos podem estar explorando superficialmente os conhecimentos sobre o assunto. Isto pode se dar pelo fato de que o docente, muitas vezes, não dispõe de muito interesse sobre o assunto ou mesmo porque o seu nível de formação para trabalhar na área é deficiente.

De uma forma geral, ambas as escolas atendem à Lei 9.798/1999, pois os espaços educativos desenvolvem projetos, conforme prevê a lei da educação ambiental, porém, poderiam melhorar ainda mais o nível das ações aplicadas com os estudantes. Isto porque, foi flagrada ausência de conhecimento sobre educação ambiental nas respostas dos questionários aplicados aos estudantes, o que poderia ser explicado pela necessidade de melhorias nas ações destinadas aos alunos. No entanto, tal fato poderia ser melhorado com um curso de capacitação dos professores em educação ambiental com o objetivo de melhorar o ensino-aprendizagem em ambas as escolas.

Logo após descrever a opinião dos servidores das instituições sobre a educação ambiental, foi realizada a aplicação de questionário cujo objetivo foi avaliar o nível de conhecimento dos alunos sobre o descarte de resíduos sólidos que, supostamente já vinha sendo abordado pelas escolas, já que é um tema relevante, pois está próximo do cotidiano das pessoas, além de pertinente ao conteúdo sobre educação ambiental. O questionário abordou questões como: idade, gênero, tempo de matrícula na escola e opinião dos estudantes sobre se na escola em que os mesmos estudam, vem sendo abordados projetos relacionados à educação ambiental. Além disso, foram tratadas questões de cunho mais específico como descarte correto dos resíduos sólidos mediante a sua classificação e composição química e conhecimento sobre os 3 Rs. O instrumento foi aplicado ao todo com 51 estudantes, sendo 27 deles estudantes da escola municipal Chico Monção e 24 estudantes da escola estadual José Basson.

Após a coleta de dados verificou-se, que em ambas as escolas o resultado foi semelhante. Houve uma perceptível dificuldade de aprendizado em relação ao conhecimento sobre o descarte de resíduos por duas razões: a primeira por causa da falta de interesse dos alunos, inicialmente de participação nas atividades propostas e a segunda pela falta de conhecimento, pois em ambas as escolas não se havia ainda abordado em projetos pedagógicos ou em sala de aula o tema que discute descarte de resíduos sólidos.

Em relação aos resultados obtidos com a aplicação do questionário observou-se que 62,75% dos estudantes não sabem associar objetos de acordo com suas classificações de reciclagem, conforme indicado na Tabela 2.

Tabela 2: Resultados dos questionamentos feitos aos alunos antes da aplicação dos métodos.

ASSOCIAÇÃO DE OBJETOS DE ACORDO COM SUAS CLASSIFICAÇÕES DE RECICLAGEM




%


ESTUDANTES QUE SOUBERAM IDENTIFICAR OS 3 Rs




%

ASSOCIAÇÃO DE OBJETOS DE ACORDO COM CARACTERISTICAS E COMPOSIÇÃO QUIÍMICAS




%


ALUNOS QUE SABER FAZER A CLASSIFICAÇÃO


30,85


ESTUDANTES QUE IDENTIFICARAM


56,80


CLASSIFICAÇÃO CORRETA


17


ALUNOS QUE NÃO SABEM FAZER A CLASSIFICAÇÃO



62,75


ESTUDANTES QUE NÃO IDENTIFICARAM



36,80


CLASSIFICAÇÃO INCORRETA



76,60


EM BRANCO


06,40


EM BRANCO


06,40


EM BRANCO


06,40


Verificou-se ainda que 56,8% dos estudantes souberam identificar corretamente o que significam os 3 Rs. No entanto, observou-se que 36,8% dos estudantes não souberam identificar a alternativa correta e 6,4% dos estudantes não responderam à questão (Tabela 2).

Notou-se que 76,6% dos estudantes não souberam fazer a correta associação de resíduos de acordo com suas características ou composição química. Apenas 17% dos alunos souberam realizar tal associação de maneira correta e 6,4% dos alunos deixaram a questão em branco (Tabela 2).

Verificou-se ainda que 69,75% dos estudantes não souberam associar resíduos sólidos de acordo com suas origens. Alternativamente, apenas 23,85% dos alunos conseguiram relacionar os objetos a determinada origem à qual pertenciam e 6,4% deixaram a questão em branco (Tabela 3).

Tabela 3: Resultados dos questionamentos feitos aos alunos antes da aplicação dos métodos.


ASSOCIAÇÃO DOS RESÍDUOS SOLIDOS DE ACORDO COM SUAS ORIGENS


%


CLASSIFICAÇÃO CORRETA


23,85


CLASSIFICAÇÃO INCORRETA


69,75


EM BRANCO


06,40


Após a aplicação deste questionário de sondagem e no decorrer das atividades práticas realizadas durante o projeto, foi constatado que os estudantes, de modo geral, obtiveram bastante êxito. No que se refere à aula introdutória e à exposição dos resultados, ambas foram bastante satisfatórias, já que os alunos demostraram bastante interesse na atividade em relação à exposição dos resultados. Nesta oportunidade, os estudantes expuseram os objetos de acordo com sua classificação norteados em função da aula introdutória, momento em que puderam pôr em prática todos os conhecimentos passados a eles. A aula foi ministrada pelos discentes de Licenciatura em Química que receberam orientação específica. Após a aula, os alunos tiveram que coletar objetos que estavam relacionados com a classificação de resíduo que foi determinada por sorteio. A atividade foi executada por 5 grupos em ambas as escolas José Basson e Chico Monção.

No que se refere ao debate acerca do descarte adequado dos resíduos sólidos, foi disponibilizado aos estudantes material bibliográfico para melhorar o uso da argumentação. Cada grupo recebeu um artigo e cada artigo tratava de conteúdo que discutia os problemas causados por determinada categoria de resíduo. Nesse momento os estudantes expuseram possíveis propostas de intervenções viáveis para se tentar reduzir os impactos causados pelo descarte de resíduos sólidos mediante o conhecimento adquirido com a leitura do artigo e a aula introdutória.

Após a aplicação das metodologias foi reaplicado o mesmo questionário do início do projeto em ambas escolas para se realizar uma comparação com aquelas já respondidas no início das atividades do projeto. Nesse sentido, foi perceptível que o nível de conhecimento dos estudantes teve um avanço significativo. Vale ressaltar que, na escola municipal Chico Monção houve um rendimento superior em comparação à escola estadual José Basson, tanto em relação às atividades realizadas, como também na reaplicação do questionário.

Mediante a reaplicação do questionário foi possível comprovar o avanço no nível de conhecimento dos alunos sobre descarte de resíduos sólidos. Assim, observou-se que 86,9% dos estudantes conseguiram realizar a correta associação de objetos de acordo com sua classificação de reciclagem (Tabela 4), e 78,4% dos estudantes reconheceram o que significa os 3 Rs (Tabela 4). Verificou-se ainda que 65,1% dos estudantes conseguiram acertar a associação dos resíduos de acordo com suas características ou composição química (Tabela 4), e 73,45% dos estudantes conseguiram associar os resíduos sólidos de acordo com suas origens (Tabela 5). Vale ressaltar que não há porcentagens de resposta que se refiram a respostas deixadas em branco, pois todos os alunos conseguiram responder à reaplicação do questionário.

Tabela 4: Resultados dos questionamentos feitos aos alunos após a aplicação dos métodos.

ASSOCIAÇÃO DE OBJETOS DE ACORDO COM SUAS CLASSIFICAÇÕES DE RECICLAGEM APÓS A REAPLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

%



CONHECIMENTO DOS 3Rs APÓS A REAPLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

%


ASSOCIAÇÃO DE RESÍDUOS DE ACORDO COM SUAS CARACTERÍSTICAS E COMPOSIÇÕES QUÍMICAS APÓS A REAPLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

%


CLASSIFICAÇÃO CORRETA


86,90


RESPOSTA CERTA


78,40


RESPOSTA CERTA


65,10


CLASSIFICAÇÃO INCORRETA


13,10


RESPOSTA ERRADA


21,60


RESPOSTA ERRADA


34,90


Tabela 5: Resultados dos questionamentos feitos aos alunos após aplicação dos métodos.

ASSOCIAÇÃO DOS RESIDUOS SÓLIDOS DE ACORDO COM SUAS ORIGENS APÓS A APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO


%


CLASSIFICAÇÃO CORRETA


73,45


CLASSIFICAÇÃO INCORRETA


26,55


Discussão

No que se refere ao processo de formação destes professores, nota-se também que poucas licenciaturas se preocupam em possuir na grade curricular disciplinas que trabalhem a educação ambiental. Além disso Santos (2007) diz que o planejamento e gestão das instituições de ensino frente ao tema não são muito satisfatórios.

Não há como trabalhar a educação ambiental sem ter havido antes uma devida formação ou ao menos se possuir uma ideia do grau de importância que o tema possui para a sociedade, no geral nota-se que os professores, normalmente, não dão a devida importância ao tema e muito menos a uma formação mais específica em relação ao assunto. De acordo com Oliveira e colaboradores (2008) isto pode ser explicado pelos seguintes aspectos:


A rigidez da estrutura acadêmica e a fragmentação do conhecimento são indicadas como grandes obstáculos para a ambientalização curricular e para a própria instituição [...] Certo grau de despreparo dos docentes para o envolvimento e a prática de ações de formação socioambiental, bem como a inconsistência dos arcabouços teóricos dos quais se lança mão para a construção de novas abordagens educativas são apontados como dificuldade (OLIVEIRA et al, 2008. p. 98).


Dessa maneira, a escola transmite aos alunos um conhecimento fragmentando, às vezes expondo que é possível se resolver os problemas de natureza ambiental, orientando e propondo algumas medidas de intervenção, sem, contudo, realizar um trabalho mais concreto de atuação no âmbito social (MEDEIROS et al., 2011).

Como aponta Costa (2009) para resolver o problema há duas soluções que, supostamente, quando agrupadas, devem solucionar todo o impasse: a primeira é existência de disciplinas que trabalhem educação ambiental nos cursos de licenciatura e a segunda é a ambientalização curricular nas instituições escolares. Desse modo poder-se-ia melhorar ainda mais o processo educativo que favorecesse o desenvolvimento dos estudantes frente à educação ambiental.


Conclusão

Neste trabalho foram executadas atividades sobre descarte de resíduos sólidos de uma maneira diferente do que se é abordado comumente em sala de aula, com atividades práticas em que os estudantes puderam por em prática o que aprenderam. Além disso, foi proposto um exercício de argumentação mediado por leitura de material bibliográfico que discutia problemas causados pelo descarte incorreto de objetos no meio ambiente. Esta atividade foi de extrema importância, uma vez que foi por meio dela que os estudantes começaram a desenvolver o senso crítico e começaram a refletir sobre os problemas, propondo medidas de intervenção para tentar solucionar os problemas. O presente trabalho mostrou a relevância da Lei nº 9.795/1999 e por meio dela foi possível analisar se as escolas José Basson e Chico Monção estavam realizando atividades de acordo com a Lei. Além de perceber, por meio dos resultados obtidos com o trabalho, que as escolas possuem uma ineficiência na questão debatida sobre educação ambiental, o que torna necessária uma intervenção ainda durante o processo de formação de professores, de modo a se tentar reverter essa realidade na educação pública. Finalmente, todas as ações desenvolvidas foram realizadas por estudantes de Licenciatura em Química, o que contribuiu positivamente para a formação desses estudantes que serão futuros professores, já que é de suma importância que alunos de uma licenciatura estejam engajados em projetos relacionados com a educação ambiental, evidenciando assim a relevância de propostas a serem elaboradas e executadas por estudantes de licenciaturas, propiciando, assim, o contato direto com a realidade dos discentes.


Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004 - Resíduos sólidos: classificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.



BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal. A Caminho da Agenda 21 Brasileira: Princípios e Ações 1992/97. Brasília, 1997.



BRASIL. Lei n. 9.795, 27 abr. 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm>. Acesso em: 09 jan. 2017.



COSTA. A. G. R. Um olhar crítico sobre a educação ambiental na formação de professores em uma instituição de ensino superior gaúcha. Revista do PPGEA/FURG-RG, v. 22, 2009.



FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, 2d. Versão ampliada, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.



LEFF, E. Saber Ambiental: Sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder, 7ed.-Petropolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2009.



MEDEIROS, M. C. S.; RIBEIRO, M. C. M.; FERREIRA, C. M. A. Meio ambiente e educação ambiental nas escolas públicas. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 92, set 2011. Disponível em: <http://www.ambto-juridico.com.br/site/index.php?artigo_id=10267n_link=revista_artigos_leitura>. Acesso em: 09 jan. 2017.


MASSUKADO, L. M. Sistema de apoio a decisão: avaliação de cenários da gestão integrada de resíduos sólidos urbanos domiciliares. [Dissertação de Mestrado]. Programa de pós-graduação em engenharia urbana. Universidade Federal de São Carlos, 2004.



OLIVEIRA, H. T.; FARIAS, C. R. O.; PAVESI, A. Educação ambiental no ensino superior brasileiro: caminhos percorridos e perspectivas para políticas públicas. Revista Brasileira de Educação Ambiental, [S.I.], n. 3, 2008.



PCN-Parâmetros curriculares nacionais: Meio ambiente e saúde/ Secretaria de Educação Fundamental- Brasília: 1997, p. 128



SANTOS, L. M. S.; MARTINS, I. Mapeamento do campo a partir de publicações em periódicos das áreas de educação ambiental, educação em ciências e educação no período de 1999 a 2006. In: VI ENPEC. Resumos. Florianópolis, 2007.



SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.; FERRARO-JÚNIOR, L. A. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, [S.I.], v. 31, n. 2, p. 285-299, 2005.



TAVARES, J. C. L. Caracterização dos Resíduos Sólidos Urbanos da cidade de Maceió- AL. 2008. p. 114. Dissertação (Mestrado em Engenharia: Recursos Hídricos e Saneamento)- Universidade Federal de Alagoas. Centro de Tecnologia, Maceió.



TOZONI-REIS, M. F. C. Educação Ambiental: Natureza, razão e história. Campinas, SP: Autores Associados. 2004.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Prêmio: Destaques     Prêmio: Selecionados     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias