ISSN 1678-0701
Número 63, Ano XVI.
Março-Junho/2018.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Prêmio: Destaques     Prêmio: Selecionados     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Prêmio: Destaques

10/03/2018INSTITUTO FELINOS DO AGUAÍ – PESQUISANDO PARA EDUCAR  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3071 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

I PRÊMIO NACIONAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM AÇÃO

INSTITUTO FELINOS DO AGUAÍ – PESQUISANDO PARA EDUCAR

Dados de identificação

Responsável pelo trabalho: Micheli Ribeiro Luiz e Júnior Santos

Escola: Instituto Felinos do Aguaí

Cidade: As ações do Instituto abrangem os municípios de Treviso, Siderópolis, Nova Veneza, Morro Grande, Bom Jardim da Serra e Criciúma.

Número de pessoas envolvidas:12 pessoas.

Telefone e e-mail: (48) 3447-4822 e (48) 99603-9262



Categoria e temática do trabalho: Mobilização Socioambiental

Apresentação

O Felinos do Aguaí é um projeto ambiental dedicado à conservação dos felinos silvestres que estão entre as espécies mais ameaçadas do mundo, afetados principalmente pela perda do seu habitat. O projeto é realizado na Reserva Biológica Estadual do Aguaí, uma das dez Unidades de Conservação estaduais do grupo de proteção integral de Santa Catarina. Criado em 2006 o Felinos do Aguaí desenvolve atividades de pesquisa, educação ambiental e envolvimento com as comunidades locais visando promover a conservação das espécies. Com atuação nos municípios de Treviso, Siderópolis, Nova Veneza, Morro Grande, Bom Jardim da Serra e outros da região carbonífera, o projeto integra o programa de pesquisa e educação ambiental da Unidade de Conservação, que tem gerado resultados importantes na gestão e preservação dessa área protegida. No Programa de Educação Ambiental são realizadas atividades que compreendem palestras, eventos em datas ecológicas, produção e divulgação de materiais educativos, projetos educacionais, cursos, atividades de campo, trilha interpretativa na reserva e visitação ao Centro de Educação Ambiental. No Programa de Pesquisa são realizados projetos de pesquisa, monitoramentos, expedições científicas, publicações de trabalhos científicos e a criação de tecnologias que possam contribuir com a conservação da vida silvestre. No envolvimento com as comunidades, são aplicadas múltiplas técnicas de sensibilização que envolve as comunidades locais na proteção da unidade de conservação.

Justificativa

Os felinos silvestres estão entre as espécies mais ameaçadas do mundo, afetados principalmente pela perda do seu habitat. O projeto foi criado para promover a conservação dos felinos silvestres na Reserva Biológica Estadual do Aguaí. Atualmente ocorrem cinco espécies ameaçadas de extinção na Unidade de Conservação: Leão-baio (Puma concolor); Jaguatirica (Leoparduspardalis), Gato-maracajá (Leoparduswiedii), Gato-mourisco (Puma yagouaroundi) e Gato-do-mato-pequeno (Leopardusguttulus).

Como o desenvolvimento desenfreado das últimas cinco décadas, caracterizado por alterações profundas nos diferentes biomas e nos habitats que os compõe, a grande maioria das espécies da nossa fauna tem perdido inexoravelmente seus espaços, sendo empurrados de encontro à extinção. Nunca, na história do nosso planeta, tantas espécies foram extintas – desapareceram para sempre – em tão curto espaço de tempo (CRAWSHAW JR. apud BROGGI & TEIXEIRA, 2014).

Neste contexto, a educação tem sido um veículo para levar às pessoas, o conhecimento sobre as características e comportamentos dos felinos que ocorrem no Brasil. Pádua &Tabanez (1998) afirmam que a educação ambiental propicia o aumento de conhecimentos, mudança de valores e aperfeiçoamento de habilidades, condições básicas para estimular maior integração e harmonia dos indivíduos com o meio ambiente.

Desenvolvimento

O projeto iniciou em 2006 com pesquisas científicas e logo nos primeiros anos ficou evidente a necessidade de promover a educação ambiental no entorno da reserva. O Programa de Educação Ambiental baseia-se na Ecopedagogia, uma pedagogia onde educar é impregnar de sentido as práticas, os atos cotidianos, como sustenta Francisco Gutiérrez et al. (2008). Além da Ecopedagogia, o programa de educação ambiental também tem como base os trabalhos de Joseph Cornell (2008) através de vivências com a natureza.

O Programa de Educação Ambiental engloba diferentes atividades como palestras, realização de eventos em datas ecológicas, produção e divulgação de materiais educativos, projetos educacionais, cursos, atividades de campo, trilha interpretativa e visitação ao Centro de Educação Ambiental.

As palestras buscam tratar de temas relacionados à importância da Reserva Biológica Estadual do Aguaí para a população da região sul de Santa Catarina. As palestras são realizadas no Centro de Educação Ambiental, em eventos, em instituições de ensino e já alcançaram mais de 13 mil pessoas.






Programa de Educação Ambiental – Palestra.

Para proporcionar ao maior número de pessoas o acesso às informações sobre a unidade de conservação, o instituto produz e divulga materiais educativos. O primeiro deles foi um informativo que teve como objetivo levar aos leitores informações sobre a reserva do Aguaí. Este material foi distribuído para cerca de 500 crianças, jovens e adultos e deu ênfase a conservação dos felinos silvestres. O Pôster dos Mamíferos Terrestres da reserva do Aguaí foi o segundo material produzido, com uma tiragem de 300 unidades. Este material foi elaborado para divulgar os mamíferos da reserva. O terceiro material foi o DVD Aguaí Floresta Atlântica. Em parceria com o Governo do Estado de Santa Catarina, o projeto buscou traduzir, numa linguagem simples, os diversos estudos e pesquisas desenvolvidas na reserva, levando o espectador a uma viagem pela unidade de conservação. Este áudio visual tem como objetivo sensibilizar a sociedade para a conservação da biodiversidade local e mostrar a toda comunidade a importância de preservar este patrimônio ambiental para as presentes e futuras gerações. O documentário tem a duração de 10 minutos e foi produzido em dois idiomas: Português e Inglês. O DVD foi doado para mais de 200 pessoas, entre elas, instituições de ensino, estudantes, prefeituras e comunidades locais.

O quarto material foi um Calendário Ecológico sobre a reserva do Aguaí. Este calendário foi um convite para os diferentes públicos conhecerem a reserva, buscando fortalecer a conservação da área. Para atender o público infantil foi criado o quarto material educativo, que incluiu a revista em quadrinho “Mapú e as Aventuras no Aguaí”. Aventuras no Aguaí faz parte de uma série de histórias em quadrinhos (HQs) que serão utilizados como um recurso de aprendizagem para contextualizar as crianças no ambiente da reserva do Aguaí, seus animais e suas características.

Programa de Educação Ambiental -

Revista em Quadrinho Mapú e as Aventuras no Aguaí.

Em 2015, foi produzido o quinto material educativo, um livro sobre a Reserva Biológica Estadual do Aguaí. A publicação deste livro é resultado das pesquisas realizadas pelo instituto Felinos do Aguaí, em parceria com órgãos públicos, privados, pesquisadores e comunidades que vivem no entorno da reserva. Ilustrado por belas imagens e apresentando uma linguagem simples, a edição deste livro pretende servir de base de informações para qualquer pessoa interessada em conservação. O material foi distribuído para 29 instituições de ensino, alcançando 5.840 estudantes. O material está sendo acessado pelo público, em especial aos estudantes e professores das comunidades que coexistem com a reserva do Aguaí. Por meio desse livro será possível ensinar desde os primeiros anos da escola, a importância que a reserva tem para a população carbonífera catarinense.

Programa de Educação Ambiental - Doação e divulgação do Livro Reserva Biológica Estadual do Aguaí nas escolas.

Outra ação desenvolvida pelo instituto são os projetos educacionais oferecidos para instituições de ensino localizadas no entorno da reserva. O primeiro deles foi o projeto “Conhecendo os Animais Silvestres da Reserva do Aguaí”. O projeto teve como objetivo ampliar o conhecimento da fauna silvestre na Escola Municipal Rural Rio Mãe Luzia Alto, no município de Treviso, a fim de que crianças de 3ª e 4ª série reconhecessem os elementos de sua própria paisagem e pudessem desenvolver um novo olhar sobre o ambiente em que vivem.Com o excelente resultado da primeira edição, foi elaborado um segundo projeto educacional, que teve como tema a “Proteção dos Mananciais da Reserva do Aguaí”. Embora o foco do Instituto Felinos do Aguaí seja o estudo e a conservação dos felinos silvestres, em projetos educacionais de longo prazo, não basta somente trabalhar com o tema fauna, é necessário também incluir neste processo a relação de interdependência com os demais recursos naturais e seres vivos. Neste contexto a proteção da reserva do Aguaí é fundamental para a população que vive na região sul do estado, pois por meio dos serviços ambientais fornece água para a Barragem do Rio São Bento, que abastece pelo menos sete municípios da região Carbonífera Catarinense.

Outra atividade realizada no Programa de Educação Ambiental foi o curso de Formação de Agentes Ambientais Mirins, a fim de proporcionar conhecimento e habilidades práticas para a comunidade participar responsável e eficazmente na conservação dos recursos naturais. O curso foi direcionado para jovens adolescentes, que moram no entorno da unidade de conservação (município de Treviso), e que participaram durante sete meses de atividades como palestras, apresentação de vídeos educativos, leituras, trilhas interpretativas e saídas de campo.

Programa de Educação Ambiental – Agente Ambiental Mirim.

Mais um destaque são as atividades de interpretação ambiental na reserva, que visa alcançar sensibilização e aprendizado dos visitantes para com as questões ambientais que envolvem os recursos locais. As trilhas enquanto instrumentos pedagógicos para a educação ambiental e biológica devem explorar o raciocínio lógico, incentivar a capacidade de observação e reflexão, além de apresentar conceitos ecológicos e estimular a prática investigatória (LEMES et al., 2004). Para Dias & Zanin (2004), as trilhas traduzem para os alunos visitantes das áreas naturais os fatores que estão além das transparências, como as leis naturais, histórias e fatos (PÁDUA & TABANEZ, 1997). Têm o propósito de estimular os grupos de atores a um novo campo de percepções, com objetivo de levá-los a observar, experimentar, questionar, sentir e descobrir os vários sentidos e significados relacionados ao tema selecionado (VASCONCELLOS, 1998).

Programa de Educação Ambiental - Trilha interpretativa na Reserva Biológica Estadual do Aguaí.

Além disso, o Instituto Felinos do Aguaí possui um Centro de Educação Ambiental que é destinado ao desenvolvimento de atividades com instituições de ensino, grupos organizados, e comunidade em geral, contribuindo para a divulgação da reserva e valorização da cultura local. O Centro de Educação Ambiental já recebeu mais de cinco mil visitantes.

Programa de Educação Ambiental – Centro de Educação Ambiental.

Para aprofundar ainda mais a busca pela sustentabilidade, o instituto também envolve no processo de conservação ambiental as comunidades locais, que a cada ano agrega novas parcerias em prol da conservação da reserva. A parceria se dá com proprietários rurais que tem animais domésticos predados por leão-baio (Puma concolor), que por sua vez, disponibilizam suas propriedades para pesquisa. Em 2015, destaca-se a parceria com um proprietário rural que além de ceder as terras para pesquisa, está apoiando o Instituto Felinos do Aguaí financiando equipamentos de pesquisa e já pensa em 2018 criar mais um Centro de Educação Ambiental no entorno da reserva. Além disso, este mesmo proprietário criou uma Área Particular de Preservação Ambiental denominada “São Francisco”, que atualmente abriga uma importante população de leões-baios no entorno da Reserva do Aguaí.















Programa de Pesquisa - Leão-baio (Puma concolor) monitorado na Reserva Biológica Estadual do Aguaí.

Outra parceria está ligada as prefeituras municipais do entorno da Unidade de Conservação, que através de um projeto de sinalização proposto pelo Instituto Felinos do Aguaí, foi implantado placas de sinalização em pontos estratégicos dos municípios visando orientar o visitante para um percurso ambiental na região da reserva.

Envolvimento com as comunidades locais - Placa de sinalização para orientação do visitante.

Mais uma ação voltada para as comunidades são palestras que buscam ir ao encontro do interesse dos moradores locais. Em parceria com a Epagri o instituto promoveu uma palestra sobre plantas ruderais, tóxicas e medicinais. A palestra foi realizada no Centro de Educação Ambiental e contou com a participação de mais de 60 pessoas, representadas pelos clubes de mães das comunidades de Jordão Médio, Jordão Alto, e moradores de São Pedro.

Para ampliar a participação das comunidades na preservação da Reserva Biológica Estadual do Aguaí, em 2016 o Instituto Felinos do Aguaí deu inicio a um ciclo de palestras para os Clubes de Mães e Terceira idade dos municípios de Treviso e Siderópolis, territórios que compreendem a unidade de conservação. Em 2017 as palestras estão contemplando os clubes de mães do município de Nova Veneza. O objetivo desta ação é ter acesso ao conhecimento acumulado pelas populações locais e promover a troca de informações, que constituem um instrumento importante para o desenvolvimento dos trabalhos.