ISSN 1678-0701
Número 61, Ano XVI.
Setembro-Novembro/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

11/09/2017COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA NO NAZARETH ECO RESORT, MUNICÍPIO DE JOSÉ DE FREITAS – PI  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2862 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA NO NAZARETH ECO RESORT, MUNICÍPIO DE JOSÉ DE FREITAS – PI

 

ANDRÉA MARIA DE SOUSA SILVA-Bacharel em Ciências Biológicas da Universidade Federal do Piauí. E-mail: andrea-mss@hotmail.com

DARLANE FREITAS MORAIS DA SILVA- Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal do Piauí. E-mail: darlanebio@hotmail.com

GARDENE MARIA DE SOUSA- Professora do Departamento de Biologia da Universidade Federal do Piauí. Email:gardene@ufpi.edu.br

 

ABSTRACT: A floristic inventory of the vegetation was carried out at the Nazareth Eco Resort, municipality of José de Freitas, Piauí, comparing the study with cerrado areas in Piauí, considered to be closed marginal distal. The objective was to increase the knowledge of the phanerogamic flora of the municipality of José de Freitas, as well as to the state of Piauí. The Nazareth Eco Resort comprises a private area of ​​1,200 hectares, of which 600 to 700 hectares are covered by well-preserved natural vegetation. The collections were carried out at the Nazareth Eco Resort from September 2009 to October 2010, using the usual field methodology. The botanical material was herborized and incorporated into the Graziela Barroso herbarium (TEPB) of the Federal University of Piauí (UFPI). In the floristic inventory were registered 46 families, 105 genera and 139 species. These data were compared with others conducted in the state of Piauí, revealing a heterogeneous flora, due to the influence of other plant formations.Keywords: cerrado, diversity, ecological tension.

 

RESUMO: Foi realizado um inventário florístico da vegetação ocorrente no Nazareth Eco Resort, município de José de Freitas, Piauí, comparando o estudo com áreas de cerrado ocorrentes no Piauí, considerados cerrados marginais distais. O objetivo foi ampliar o conhecimento da flora fanerogâmica do município de José de Freitas, como também para o estado do Piauí. O Nazareth Eco Resort compreende uma área privada de 1.200 hectares, dos quais cerca de 600 a 700 hectares são cobertos por vegetação natural bem conservada. As coletas foram realizadas no Nazareth Eco Resort, no período de setembro de 2009 a outubro de 2010 através de metodologia usual de campo, sendo o material botânico herborizado e incorporado ao acervo do herbário Graziela Barroso (TEPB) da Universidade Federal do Piauí (UFPI). No inventário florístico foram registradas 46 famílias, 105 gêneros e 139 espécies. Tais dados foram comparados com outros realizados no estado do Piauí, revelando uma flora heterogênea, devido a influência de outras formações vegetais. Palavras-chave: cerrado, diversidade, tensão ecológica.

 

INTRODUÇÃO

O estado do Piauí está situado numa área de tensão ecológica, com a vegetação de transição ou de ecótonos, sendo influenciada por três províncias florísticas: a floresta amazônica, o cerrado e a caatinga (CASTRO, 2003; OLIVEIRA, 2004).

As primeiras iniciativas de classificação da vegetação no estado surgiram nos anos 70 com a vinda de pesquisadores que realizaram longas excursões de caráter científico-exploratório. Somente a partir de meados da década de 1980, os primeiros estudos acadêmicos (dissertações de mestrado e teses de doutorado) começaram a surgir, publicando dados sobre a composição e estrutura da vegetação do Piauí (Santos Filho, 2009), entretanto os dados ainda são insuficientes.

Sabe-se que o conhecimento da vegetação nativa da região é fundamental no desenvolvimento da teoria ecológica e fitogeográfica, contribuindo para a caracterização da vegetação e fornecendo subsídios para a conservação da biodiversidade e recuperação de áreas degradadas.

Neste sentido, o presente estudo teve como objetivo realizar um inventário florístico no Nazareth Eco Resort e compará-lo com as áreas de cerrados estudadas no Piauí, visando contribuir para o conhecimento e a preservação da flora do Piauí, em especial para o município de José de Freitas, Piauí.

MATERIAL E MÉTODOS

O estudo foi desenvolvido no Nazareth Eco Resort, município de José de Freitas, Piauí. A região compreende uma área privada de 1.200 hectares, dos quais cerca de 600 a 700 hectares são cobertos por vegetação natural bem conservada. Está localizado a cerca de sete quilômetros da cidade de José de Freitas (4°47’57,8” S e 42°36’49,0” W), (Fig. 1) e possui como vegetação as florestas semideciduais, manchas de cerrado sensu stricto e palmeiral (caracterizada pela presença marcante do babaçu) segundo a classificação de Ribeiro e Walter (1998) para as fitofisionomias do bioma cerrado. Existe ainda na região o Açude do Bezerro do qual uma parte se encontra dentro dos limites da Fazenda (SILVA, 2009).

 

mapa 4

                

Figura 1: Mapa de localização do Nazareth Eco Resort, município de José de Freitas, Piauí. Fonte: adaptado por Geraldo Filho (2011).

 

As coletas foram realizadas quinzenalmente entre o segundo semestre de 2009 e o primeiro semestre de 2010. A obtenção de amostras do material botânico vivo foi realizada segundo procedimento rotineiro de campo de acordo com a metodologia de Mori et al.(1989).

Os espécimes coletados foram identificados utilizando-se metodologia usual em taxonomia, através do estudo detalhado da morfologia, com auxílio de estereomicroscópio (lupa) acoplado a câmara clara, bibliografia especializada, comparação de exsicatas depositadas no Herbário Graziela Barroso (TEPB) da Universidade Federal do Piauí, além do envio de duplicatas a especialistas nacionais, quando necessário. Os espécimes foram agrupados em famílias de acordo com o sistema de classificação AngiospermPhylogenyGroup II (APG II, 2003). Os nomes dos autores foram uniformizados segundo os sites www.ipni.org/ e www.tropicos.org/.

Todo o material botânico coletado foi incorporado ao acervo do Herbário Graziela Barroso (TEPB) da Universidade Federal do Piauí (UFPI). As comparações florísticas foram realizadas entre a listagem obtida no Nazareth Eco Resort e áreas de cerrados ocorrentes no Estado do Piauí.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

No inventário florístico foram registradas 46 famílias, 105 gêneros e 139 espécies (Tab. 1).

 

 

Família/Espécie

Nome Vulgar

Hábito

Nº Coletor

AMARANTNACEAE      

Alternanthera brasiliana (L.) O. Kuntze. *

Alternantherasp.                                                                                      CyathulaachyranthoidesMoq.

 

cabeça-branca

 

 

erva

erva

erva

 

106

153

59

AMARYLLIDACEAE

Hippeastrumsolandriflorum(Lindl.) Herb.

 

 

erva

 

48

ANACARDIACEAE

AnacardiumoccidentaleL.

 

cajuí/caju

 

árvore

 

07

ANNONACEAE

Annona coriacea Mart.*

 

araticum

 

arbusto

 

157

APOCYNACEAE

AllamandablanchettiA.DC.

Hymathanthusdrasticus(Martt.) Plumel.

Secondatiadensiflora A. DC.

 

quatro-pataca

janaguba

cipó-de-canoinha

 

subarbusto

árvore

liana

 

72

54

14; 22

ASTERACEAE

AcanthospermumhispidumDC.*

Bidensriparia  Kunth.

CentratherumpunctatumCass.*

EmiliafosbergiiNicolson.

Mikaniascadens(L.) Willd.

Tilesiabaccata (L.) Pruski.

Vernonia brasiliana (L.) Druce.

 

cabeça-chata

 

perpétua roxa

 

 

 

assa-peixe

 

erva

erva

erva

subarbusto

liana

erva

arbusto

 

112

105

52

 60

10

73

12

BIGNONIACEAE

Anemopaegma sp.

Amphilophium sp.

Fridericiasp.

Tabebuia aurea(Silva Manso) Benth. & Hook.

f. ex S. Moore.

 

 

 

 

caraíba

 

liana

liana

arbusto

árvore

 

63; 123

17

15

119

BIXACEAE

Cochlospermumregium (Schrank) Pilg.

 

algodão-do-mato

 

arbusto

 

145

BORAGINACEAE

HeliotropiumindicumL. *                                         

 

crista-de-galo

 

erva

 

29

BROMELIACEAE

Bromelialaciniosa Mart. ExSchultf.

 

macambira

 

erva

 

132

COMMELINACEAE

Commelinaerecta L.

 

 

erva

 

107; 108

CLUSIACEAE

Vismiaguianensis (Aubl.) Choisy.

 

lacre

 

árvore

 

01

COMBRETACEAE

CombretumduarteanumCamb.

Combretumleprosum Mart.

Terminaliabrasiliensis(Cambess. Ex A. St. Hil.) Eichler.TerminaliaglabrescensMart.                            

 

catinga-branca

mufumbo

catinga-de-porco

 

 

arbusto

arbusto

árvore

árvore

 

20

144

35

154

CONVOLVULACEAE

Cuscuta racemosa Mart. *                                          

Ipomoeaasarifolia(Desr.). Roem. & Schult. *       

Ipomoea bahiensis Willd. ex Roem. & Schult.

Evolvulus sp.

 

cipó chumbo

salsa

 

liana

liana

liana

erva

 

51

08

127; 138

43

CUCURBITACEAE

Momordica charantia L.*

 

melão-de-são-caetano

 

liana

 

56

CYPERACEAE

Carex brasiliensis St. Hill.                                                                         

CyperushaspanL.*                                                                                    

CyperusluxusLam.                                                                                  

Cyperusluzulae(L.) Retz.* 

Cyperus sp.

Eleochariselegans(H. B. K.) Roem. &Schult. *                                        

 

 

erva

erva

erva

erva

erva

erva

 

79

64

77

78

76

95

DILLENIACEAE

Curatella americana L.                                          

DavillamacrocarpaMoric.   

Davillasp.                                                             

Doliocarpussp

 

lixeira

sambaibinha

sambaibinha

cipó-marfim

 

arbusto

arbusto

subarbusto

liana

 

03

19

27

38

ERYTHROXYLACEAE

Erythroxylumdeciduum A. St. Hil.

 

fruta-de-pomba

 

subarbusto

 

27

FABACEAE

Acosmium dasycarpum (Vogel) Yakovlev.

Aeschynomene brevipes Benth.                                                                 

Aeschynomene evenia Wright in Sauvalle.

Aeschynomene filosa Mart.                                                                       

Arachis prostrata Benth.

Arachis sp1

Arachis sp 2.                                                                                                  

Bauhinia pulchellaBenth.      CaesalpiniabracteosaTul.

CaesalpiniaferreaMart.

Cassia diphylla L.                                                    

Cassia flexuosa L.*

Cassia rotundifolia Pers.

Centrosema brasilianum (L.) Benth. 

Chamaecristadesvauxii (Colladon) Killip.                                           

Chamaecristahispidula(Vahl) I. & K. Hoffm.

Copaiferalangsdorfii(Vahl). & B.

Dioclea grandiflora Mart ex. Benth.                                                           

HymenaeastignocarpaMart. exHayne.

Luetzelburguia auriculata (Allemão) Ducke.

Mimosa caesalpiniifoliaBenth.

Mimosa sensitiva L.                                                                       

Mimosa somniansHumb. &Bonpl. Ex Willd.

ParkyaplatycephalaBenth.                           

Periandra sp.

Senna georgicaH. S. Irwia&Barneby.                                                    

Senna occidentalis(L.) Link.*                              

Senna obtusifolia(L.) H.S. Irwin &Barneby. *         

Stylosanthescapitata Vogel.

Tamarindus indica L.

Centrosema brasilianum (L.) Benth.

Vataireamacrocarpa (Benth.) Ducke                         

 

chapada

 

 

 

 

 

 

mororó-de-bode

rapa canela

jucá

 

 

 

 

 

 

podói

mucunã

jatobá

 

unha-degato

 

 

faveira de bolota

 

 

mangiroba

mata pasto

 

tamarindo

 

árvore

subarbusto

erva

subarbusto

erva

erva

erva

arbusto

árvore

arbusto

erva

erva

erva

liana

subarbusto

subarbusto

árvore

árvore

árvore

árvore

arbusto

subarbusto

subarbusto

árvore

erva

arbusto

erva

erva

erva

árvore

árvore

 

82

120

45

94

70

46

115

142

84

141

88

102

58

74; 135

87

130; 137

101

86

109

143

121

125

129

32

149

124

150

99

55; 100; 110

131

151

GENTIANACEAE             

Schultesiaguianensis (Aubl.) Malme.

 

 

erva

 

91

HYDROLEACEAE

HydroleaspinosaL. 

 

 

erva

 

98

IRIDACEAE

Cipura paludosa Aubl.

 

 

erva

 

90

LAMIACEAE

HyptisreticulataJacq.

VitexcymosaBerteroexSpreng.

 

 

mama-cachorra

 

erva

árvore

 

16; 146

05

LECYTHIDACEAE

LecythispisonisCambess.

 

sapucaia

 

árvore

 

71

LORANTHACEAE           

Psittacanthus robustus Mart.  

 

erva-de-passarinho

 

erva

 

24

MALPIGHIACEAE

Banisteriopsisnummifera (A. Juss.) B. Gates.

Byrsonima crassifolia Steud.                                                               

Byrsonima correaefolia A. Juss.                              

Byrsonima sericea DC.*                                             

Heteropterys anoptera Adr. Juss.

Heteropterys glabra Hook.

 

cipó amarelo

murici

murici-miúdo

murici-do-campo

 

 

 

liana

árvore

arbusto

arbusto

arbusto

liana

 

147

02

04

50

75

109

MALVACEAE

Helicteres sacarolha A. St. Hil; A. Juss. & Cambess.   

Pavonia cancellata (L.) Cav.

Peltaea trinervis (Presl) Krapov. & Cristóbal.

Sida glomerataCav.

Sida rhombifoliaL. *

Sida viarum A. St. Hill.*

Sida sp.                                                          

SterculiastriataA. St. Hill &Naudin.

Triumfettasp.                                                                                                   

WaltheriaindicaL. *                                                

WaltheriaoperculataRose.  

 

saca trapo

 

 

relógio

relógio

relógio

 

pau-rei

 

malva branca

 

subarbusto

erva

subarbusto

erva

subarbusto

subarbusto

erva

árvore

erva

subarbusto

subarbsto

 

21

134

85

113

40

69

44; 47

152

96

06

66

MELASTOMATACEAE

Tibouchinacf.clinopodifolia(DC.) Cogn.                                                         

Tibouchinasp.                                                                                            

 

 

subarbusto

arbusto

 

118

89; 93

MENYANTHACEAE

Nymphoidesindica(L.) O. Kuntze.*

 

coração flutuante

 

erva

 

97

MYRTACEAE

Eugenia biflora (L.) DC.

Myrcia multiflora (Lam.) DC.                                                                      

Myrciarotundifolia (O. Berg) Kiaersk.

 

maria preta

mutinha

mutinha

 

arbusto

arbusto

arbusto

 

09;

11; 49

80

OCHNACEAE

Ourateaspectabilis(Mart. exEngl.) Engl.

 

 

 

arbusto

 

13

OLACACEAE

Ximenia americana L.

 

ameixa

 

arbusto

 

139

OXALIDACEAE

OxalisdivaricataMart. exZucc.

 

 

erva

 

83

PASSIFLORACEAE

Passiflora foetidaL.

 

maracujá-doce

 

liana

 

155

PLANTAGINACEAE

Angeloniasp.                                                     

ScopariadulcisL.

 

boca-de-leão

vassourinha

 

erva

erva

 

156

158

POLYGALACEAE

Polygalasp.

 

 

erva

 

81

POLYGONACEAE

CoccolobamollisCasar.                          

Muehlenbeckiasp.

 

pajeú

 

 

arbusto

erva

 

62

133

RUBIACEAE

Chicocca alba (L.) Hitchc

Chomelia obtusa Cham&Schltdl.

Richardia grandiflora (Cham. &Schltdl.) Steud

Rudigea sp.

Tocoyena formosa (Cham et. Schum.)KSchum.

TocoyenahispidulaStandl.

Spermacocecapitata Ruiz &Pav.

SpermacoceverticilataL.*

 

 

espinheira

 

 

jenipapo

angélica

poaia-do-campo

vassourinha

 

arbusto

arbusto

erva

erva

arbusto

subarbusto

subarbsto

erva

 

53

41

37

34

31

42

116

23

SAPINDACEAE

CupaniaoblongifoliaMart.                                                          

Paulliniasp.                                                                                                    

 

 

arbusto

liana

 

148

26

SMILACACEAE

SmilaxcampestrisGriseb.

 

japecanga

 

liana

 

18

SOLANACEAE

PhysalisangulataL.*                                             

SolanumamericanumMill.*

SolanumpaludosumMoric.  

 

canapum

tingui

 

 

erva

subarbusto

arbusto

 

111

128

122

TURNERACEAE

TurneraulmifoliaL.                  

TurneracearensisUrban.

 

chanana

 

 

erva

erva

 

25

33

VERBENACEAE

Amasonia sp.                                                                                                  

LippiacamaraL.*                                                    

LippiasalviifoliaCham.

 

 

 

alecrim

 

erva

subarbusto

subarbusto

 

140

156

138

VOCHYSIACEAE

Qualeaparviflora Mart.

 

pau-terra-da-folha-miúda

 

árvore

 

57

XYRIDACEAE

Xyrissp.    

 

 

erva

 

92

 

 

  

 

 

 

 

Tabela 1: Famílias e espécies ocorrentes no Nazareth Eco Resort, José de Freitas, Piauí, Brasil.

 

 

 

Nota: Sinais utilizados:

*Espécies invasoras (Mendonça et al. 1998) , Aranha et al. (1988) e Pott  e  Pott (2000).

 

As famílias de maior representatividade em relação ao número de espécies foram: Fabaceae (31), Malvaceae (11), Rubiaceae (8), Asteraceae (7), Cyperaceae e Malpighiaceae (6) eCombretaceae (5) (Fig. 2). Estas famílias contribuíram com aproximadamente 52% do total de espécies amostradas.

 

Figura 2: Número de espécies (%) das famílias botânicas mais bem representadas no Nazareth Eco Resort, José de Freitas, Piauí, Brasil.

 

Por outro lado, 22 famílias foram representadas por apenas uma espécie, perfazendo 15% dos táxons específicos identificados. Segundo Silva et al. (2002), Leguminosae tem sido a família mais diversificada na grande maioria dos levantamentos florísticos feitos em áreas de cerrado. Martins (1990) afirmou que o predomínio das leguminosas pode estar relacionado à presença de nódulos radiculares, que funcionam como mecanismos de retenção e transferência de nutrientes no ecossistema.

Analisando a flora amostrada constatou-se que os gêneros com maior riqueza de espécie foram CyperusL. (4), Sida L. (4), Aeschynomene L.(3), Arachis L.(3), Cassia L(3),Mimosa L.(3), Senna Mill. (3) eByrsonima Rich.exKunth (3).

Foram registrados 25 espécies invasoras as quais estão melhor representadas pelas famílias Cyperaceae, Fabaceae e Malvaceae (Tabela 1). As plantas invasoras caracterizam-se pelo seu alto poder de disseminação, o que favorece o seu crescimento em lugares indesejáveis (SILVA et al., 2008), sendo plantas com características pioneiras, ou seja, que ocupam locais onde por qualquer motivo, a cobertura natural foi extinta e o solo tornou-se total ou parcialmente exposto (LORENZI, 1990; HOLM et al., 1991). Essas espécies encontraram-se distribuídas principalmente na área de pastagem, inserida na fitofisionomia de cerrado típico, onde o solo estava em constante exposição pelo gado.

A vegetação da área apresentou diferenças em relação ao hábito, sendo representados por ervas, subarbustos, arbustos, árvores e lianas (Fig. 2). No componente arbustivo-arbóreo totalizou-se 47 espécies (34%) sendo a maioria representado pelas Fabaceae (13 espécies), seguido por Malpighiaceae e Combretaceae (4 espécies). Por outro lado, o estrato herbáceo-subarbustivo foi representado por 77 espécies (55%), destacando-se as famílias Fabaceae (17), Malvaceae (10) e Cyperarceae (6). Por último, as lianas totalizando 15 espécies representadas pelas famílias Convlovulaceae (3), Bignoniaceae (2) e Malpighiaceae (2). As Fabaceae destacaram-se por conter o maior número de espécies no componente arbóreo assim como no componente herbáceo-subarbustivo.

 

 

Figura 3. Número de espécies por hábito ocorrentes na vegetação do Nazareth Eco Resort, José de Freitas, Piauí, Brasil.

 

As espécies arbóreas e arbustivas deste inventário são comparadas com as listagens de trabalhos de cunho florístico e/ou fitossociológico que foram realizados no estado do Piauí. Os cerrados do Piauí, incluem o denominado cerrados marginais do nordeste e ecótonos associados, que segundo Castro et al. (2007) estão distribuídos nas margens do espaço geográfico ocupado pelos cerrados do Brasil. No processo comparativo, foram incluídos apenas árvores e arbustos registrados nos trabalhos: de Oliveira (2004) e Mesquita (2003), focando o cerrado senso lato; Farias e Castro (2004) e Barros (2005) em áreas ecotonais. As espécies herbáceas não são comparadas, pois na sua maioria são plantas pioneiras e oportunistas, sendo por isso, incapazes de revelar dados sobre a flora nativa da região.

O resultado desta comparação demonstrou que as espécies comuns a alguns desses ambientes são:Anacardiumoccidentale L., Annonacoriacea Mart., BauhiniapulchellaBenth.,CombretumduarteanumCambess., Curatella americana L.,Luetzelburguiaauriculata(Allemão) Ducke., revelando a heterogeneidade da área ecotonal estudada e a abrangência de várias formações vegetais no estado do Piauí, dando a denotação de um complexo vegetacional.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O conhecimento da flora do Estado é essencial, sendo cada vez mais, necessários estudos que possam contribuir na demonstração de que a flora se mostra bastante diversificada, sendo prioritário a preservação e gestão das áreas remanescentes.

           

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

APG II. 2003. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society 141:399-436.

 

ARANHA, C; LEITÃO FILHO, H. F; YAHN, G. A. 1988. Sistemática de plantas invasoras

Campinas: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, 3v.

 

BARROS, J. S. 2005. Compartimentação geoambiental no complexo de Campo Maior, Piauí: uma área de tensão ecológica. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Piauí, Teresina.

 

CASTRO, A. A. J. F. 2003. Survey of the vegetation in the State of Piauí. InGlobal change and regional impacts: water availability and vulnerability of ecosystems and society in thesemiarid northeast of Brazil. GAISER, T.; KROL, M.; FRISCHKORN, H.; ARAÚJO, J.C, eds. Springer-Verlag, Nova Iorque, p. 117-123.

 

CASTRO, et al. 2007. Cerrados Marginais do Nordeste e Ecótonos Associados. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl.1, p. 273-275.

 

FARIAS, R. R. S; CASTRO, A. A. J. F. 2004. Fitossociologia de trechos da vegetação do Complexo de Campo Maior, PI, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v18, n. 4, p. 943-949.

 

HOLM, L. G.; PANCHO, J. V.; HERBERGER, J. P.; PLUCKNETT, D. L. 1991. The world’s worst weeds – distribution and biology.2nd ed. Krieger Publishing Company, Malabar, USA, 609p.

 

LORENZI, H. 1990. Manual de identificação e controle de plantas daninhas: Plantio direto e convencional.3ª ed. Plantarum, Nova Odessa, Brasil, 269p.

 

MARTINS, F. R. 1990. Atributos de comunidades vegetais. Quid, Teresina, 9 (1/2): 12-17.

 

MENDONÇA, R. C.; FELFILI, J. M.; WALTER, B. M.; JUNIOR, M. C. S.; REZENDE, A. V.; FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E. 1998. A flora vascular do cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (ed). Cerrado: ambiente e flora. Embrapa, Plnaltina.  p 289-556.

 

MESQUITA, M. R. 2003. Florística e fitossociologia de uma área de cerrado marginal (cerrado baixo), Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí. Dissertação de mestrado Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

 

MOBOT - MISSOURI BOTANICAL GARDENS. Tropicos. Disponível em:< http://www.tropicos.org>. Acesso em agosto de 2010.

 

MORI et al. 1989. Manual de manejo do herbário fanerogâmico. Bahia: Centro de Pesquisas do Cacau, 24 ed..104p.

 

OLIVEIRA, L. D. S. D. 2007. Levantamento Florístico do Parque Ambiental Paquetá, município de Batalha, Piauí, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Piauí, Teresina.

 

OLIVEIRA, M. E. A. 2004.  Mapeamento, florística e estrutura da transição campo-floresta na vegetação (Cerrado) do Parque Nacional de Sete Cidades, Nordeste do Brasil. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

 

POTT, A.; POTT, V. J. Lista preliminar de plantas invasoras atuais e potenciais de pastagens do Centro Oeste. [S. l.: s. n.], 2000. 16 p.

 

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. 1998. Fitofisionomia do Bioma Cerrado. In SANO S. M.; ALMEIDA, S. P, eds. Cerrado: ambiente e flora. EMBRAPA – CPAC. Planaltina. DF, p 89-166.

 

SANTOS FILHO, F. S. 2009. Composição Florística e Estrutural da Vegetação de Restinga do Estado do Piauí. Tese de doutorado, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

 

SILVA, A. M. A.; DANTAS, I. C.; MEDEIROS, P. R. 2008. Levantamento florístico das plantas daninhas em um parque público de Campina Grande, Paraíba, Brasil. Biotemas, 21 (4): 7-14.

 

SILVA, M. S. 2009. Os efeitos das atividades antrópicas sobre as comunidades de aves na região do Município de José de Freitas, Piauí. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Piauí, Teresina.

 

THE INTERNANATIONAL PLANT NAMES INDEX. Search plant names. Disponível em: <www.ipni.org/index.html>. Acesso em agosto de 2010.

 

 



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias