A revista precisa do seu apoio!
Desde seu nascimento em 2002, a revista tem crescido em importância e conteúdo (59 exemplares trimestrais, + de 9 milhões os acessos, avaliação QUALIS-B1 na área de Ensino), requisitando mais dedicação dos membros da equipe, que a mantém de forma independente (sem apoio financeiro externo). Para continuarmos a desenvolver este trabalho, viemos pedir o apoio da comunidade através de doações.
Às pessoas que contribuírem enviaremos um brinde-surpresa! - Editores da revistaea.org
ISSN 1678-0701
Número 59, Ano XV.
Março-Maio/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

10/03/2017
ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS FELINOS DO PARQUE ZOOBOTÂNICO ARRUDA CÂMARA (“BICA”), JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRASIL  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2653 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS FELINOS DO PARQUE ZOOBOTÂNICO ARRUDA CÂMARA (“BICA”), JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRASIL

 

Dimítri de Araújo Costa1; Randolpho Sávio de Araújo Marinho2; Hyago Keslley de Lucena Soares3; Suellen da Silva Santos4; Gil Dutra Furtado5

 

1Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas/UFPB, Mestre em Ecologia e Monitoramento Ambiental/UFPB, Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/UFPB. Email: costa.researcher@yahoo.com.br

 

2Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas/UFPB, Mestrando em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/UFPB. Email: rando28br@gmail.com

 

3Bacharel em Ciências Biológicas/UFPB; Mestrando em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/UFPB. Email: mr.hyago@gmail.com

 

4Bacharela em Ciências Biológicas/UFPB; Mestranda em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/UFPB. Email: suellen.gba@gmail.com

 

5Engenheiro Agrônomo/UFPB, Especialista em Psicopedagogia/UNINTER, Mestre em Manejo de Solo e Água/UFPB, Doutor em Psicobiologia/UFRN, Pós-Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente/UFPB, Professor Colaborador do PRODEMA/UFPB. Email: gdfurtado@hotmail.com

 

 

RESUMO.Esteestudo analisou o comportamento dos felinos no Parque Zoobotânico Arruda Câmara, município de João Pessoa-PB, frente à presença dos frequentadores locais. Os parques zoológicos constituem um momento de lazer para os visitantes, permitindo a visualização e conhecimento de diversas espécies de animais.Com o tempo, os zoológicos deixaram de ser uma simples exposição de animais, tornando-se recintos, demonstrando o habitat natural dos espécimes. Assim, estes locais estão se tornando centros de conservação, como também aproximando os animais ao público, por meio da educação ambiental. Foi possível constatar que os animais apresentaram comportamentos alterados devido à presença dos visitantes locais. Além disso, o recinto destes animais deveria ser maior, o que lhes proporcionaria um melhor bem-estar.        Por outro lado, foi verificado que para cada espécie de animal havia uma placa indicando informações sobre o nome vernacular e científico, distribuição geográfica, além de dados biológicos e status de conservação. Desta forma, estes conhecimentos constituem uma peça fundamental para a educação ambiental dos visitantes. Portanto, é imprescindível aprimorar os trabalhos de educação ambiental, a fim de minimizar os impactos ocasionados pelas pessoas.

 

 

Palavras-chave:conservação das espécies; educação ambiental; etologia.

 

 

ANALYSIS OF THE BEHAVIOR OF THE FELINES OF THE ZOOBOTANICAL PARK ARRUDA CÂMARA ("BICA"), JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRAZIL

 

 

ABSTRACT. This study analyzed the behavior of felines in the Zoobotanical Park ArrudaCâmara, municipality of João Pessoa-PB, due topresence of local visitors. Zoos correspond a time of leisure for visitors, allowing the viewing and knowledge of various species of animals. Over time, zoos have ceased to be a simple exhibition of animals, becoming enclosures, demonstrating the natural habitat of specimens. Thus, these sites are becoming conservation centers, as well as bringing the animals closer to the public, through environmental education. It was possible to verify that the animals presented altered behavior due to the presence of local visitors. In addition, the enclosure of these animals should be larger, providing them a better well-being. On the other hand, it been seen that for each species of animal there was a plate indicating information about the vernacular and scientific name, geographical distribution, besides biological data and conservation status. In this way, this knowledge constitutes a fundamental piece for the environmental education of the visitors. Therefore, it is necessary to improve the work of environmental education in order to minimize the impacts caused by people.

 

Keywords:species conservation; environmental education; ethology.

 

 

INTRODUÇÃO

 

Os parques zoológicos constituem um momento de lazer para todos que os visitam, sendo assim, a chance de visualizar e conhecer diversas espécies de animais, como também de aprender sobre sua importância para a conservação e preservação (BOSA; ARAÚJO, 2012).

Entre 2097 e 2094 a.C., foi fundado o primeiro zoológico na atual cidade de Puzurish, Iraque (GUINNESS WORLDS RECORDS, 2005). Em seguida, os egípcios, astecas e chineses também iniciaram a criação de animais em cativeiro (BOSA; ARAÚJO, 2012).

A partir do século XVI, essa prática foi levada para a Europa, até a criação dos conhecidos zoológicos em Viena em 1752, Paris (1793) e Londres (1826) (ARAGÃO e KAZAMA, 2013; COSTA, 2004).

Os primeiros animais em exposição no território brasileiro ocorreram no anexo do Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém(Pará). No entanto, o primeiro jardim zoológico moderno do país foi fundadona cidade do Rio de Janeiro, sendo inaugurado em 16 de janeiro de 1888 (MARINO, 2008). Este apresentava diversas espécies nativas do Brasil, como também animais de origem africana, como leões e elefantes(BOSA; ARAÚJO, 2012).

Com o passar do tempo, os zoológicos deixaram de ser uma simples exposição de animais, tornando-se recintos, objetivando demonstrar o habitat natural dos espécimes. Assim, gradativamente estes locais estão se tornandocentros de conservação, como também aproximando os animais ao público, por meio da educação ambiental (ACHUTTI, 2003).

Desta forma, este estudo objetivou analisar o comportamento dos felinos no Parque Zoobotânico Arruda Câmara (“Bica”), município de João Pessoa-PB, frente à presença dos frequentadores locais.

 

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

Área de estudo

 

 

O estudo foi realizado no dia 21 de Agosto de 2016,no Parque Zoobotânico Arruda Câmara (“Bica”), entre as coordenadas geográficas 07º06’26”S/34º52’21”W e 07º06’52”S/34º52’38”W, localizado no município de João Pessoa, estado da Paraíba (Figura 1).

 

 

 

Figura 1.Mapa de localização do Parque Zoobotânico Arruda Câmara, município de João Pessoa-PB.

 

 

Metodologia

 

A primeira estratégia abordada pelo professor-autor responsável (Dr. Gil Dutra Furtado) foi de conduzir os discentes por todo a ambiente do zoológico. Dessa forma,enquanto o docente ministrava as explicações,os alunos observavam o comportamento dos animais.

Ao fim do percurso,foram formados grupos de estudantes com a finalidade de escolher um animal ou grupo de animais para observação comportamental.Nesse contexto, o grande fluxo de pessoas (i.e. grupos escolares, moradores, turistas, pesquisadores, entre outros) que frequentam o local é um aspecto relevante, pois está direta ou indiretamente relacionado com a alteração comportamental das espécies do referido zoológico.

O grupo formado pelos alunos-autores Dimítri, Hyago, Randolpho e Suellen foi escolhido para estudar o comportamento dos felinos (i.e. leão africano, onça pintada e suçuarana) (Figura 2), onde os mesmos estavam dispostos lado a lado no zoológico, na área Sul do zoológico (Figura 1).

 

 

 

A

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Caixa de texto: B

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

C

 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Figura 2. Espécies de felinos presentes no Parque Zoobotânico Arruda Câmara, município de João Pessoa-PB. A. Onça-pintada (Pantheraonca); B. Leão africano (Pantheraleo); C. Suçuarana (Puma concolor).

 

 

Foi estabelecido pelo professor o período de 2 horaspara observação dos animais,com o objetivo de verificar o comportamento dos felinose das pessoas que os observavam.

Dessa forma, a primeira observação foi realizada às 11h 30min, onde no recinto da onça-pintada estavam dois espécimes do animal, um por nós visualizado, o qual apresentava comportamento particular, caminhando sempre na mesma direção em forma de oito.Esse fato pode estar relacionado a algum distúrbio neurológico que leva o animal a se comportar de tal forma repetitiva, devido ao pequeno espaço o qual ele se encontra.

No recinto dos leões existem ummachoe duas fêmeas. Estapermaneciapróxima à grade, caminhando de um extremo ao outro.As pessoas ficavam próximasà grade, proporcionando estímulos visuais (fotografando os animais) e auditivos (conversas), o que possivelmente está vinculado ao comportamento do espécime de caminhar de ponta a ponta da grade, provavelmente como forma de conter seu estresse diante de tantos estímulos. Ao mesmo tempo foi visível o bem estar das pessoas ao observar os animais e ao se deixar envolver por todo ambiente.

Em relação às suçuaranas, elas encontravam-se em uma parte da jaula mais distante do acesso visual ao público.Dois espécimes estavam dentro dorecinto, porém foi possível observar apenas um deles. O indivíduo encontrava-se deitado e permaneceu estável durante a observação.   

Às 12:30, foi realizada a segunda observação e notou-se estabilidade dos espécimes, exceto o felino da espéciePantheraleo,no qual a leoa que encontrava-se a próximo à grade deslocou-se para parte interna do recinto,enquanto isso, o leão aproximou-se da grade. 

Às 13:00,na terceiraobservação notou-se que o macho deP. leo manteve-se deitado evitando olhar diretamente para as pessoas. O espécime de Pantheraonca apresentou-se andando em formato de oito, na parte interna do recinto evitando total contato visual. A suçuarana Pumaconcolor manteve-se atrás de um tronco no interior do recinto, permanecendo deitada, evitando o contato visual com as pessoas. As pessoasrealizavam ruídos na tentativa de imitar os sons emitidos pelos animais.A maioria do público era composta de crianças e adolescentes.

Às 13:30,o leão ficou observando diretamente para as pessoas por cerca de 10 minutos, posteriormente sentou-se de costas para o público, evitando o contato visual. A onça-pintada saiu da parte interna do recinto e manteve-se deitada na grama próximo à grade de contenção. A suçuarana manteve-se atrás do tronco deitada, evitando contato visual.

Observação: houve um pequeno intervalo de tempo no qual um funcionário do zoológico adentrou entre a grade de delimitação do público e a grade de contenção dos animais. Neste intervalo, todos os animais aumentaram suas atividades nos recintos, sentando-se com vista frontal. Posteriormente, o funcionário passou para a arte posterior, entretanto os animais continuaram voltados para o mesmo.O público apresentava comportamentos semelhantes à observação anterior, contudo,ao notaremque o grupo de estudantes dessa atividade estavam escrevendo, algumas pessoascomeçaram a nos observar com certa curiosidade a fim de verificar o que estavam realizando nas anotações.

           

 

DISCUSSÃO

 

            A grande quantidade de frequentadores demonstra que os parques zoológicos são lugares de diversão e lazer. Diante disto, Aragão e Kazama (2013) afirmamque estes ambientes devem fomentar a educação ambiental, demonstrando a importância da conservação das espécies, podendo ser desenvolvido por meio de parcerias com universidades e centros de pesquisa, por exemplo.

            O estudo do comportamento de espécies que vivem em cativeiros, especialmente em zoológicos, é essencial para buscar melhorias para o bem-estar dos animais (ARAGÃO e KAZAMA, 2014).

            É importante também que os gestores e responsáveis pela educação ambiental do zoológico forneçam um site institucional, como também placas e material impresso para ser distribuído aos visitantes, demonstrando as pesquisas que vendo sendo desenvolvidas no local, com o objetivo de fomentar o interesse das pessoas sobre a importância da conservação das espécies (ARAGÃO e KAZAMA, 2013), promovendo uma maior aproximação das pessoas com os animais, de forma consciente e sustentável (ARAGÃO e KAZAMA, 2014).

 

 

CONCLUSÕES

 

            Com base no comportamento dos felinos, foi possível constatar que os animais apresentaram comportamentos alterados devido à presença dos visitantes locais. Além disso, o recinto destes animais deveria ser maior, o que lhes proporcionaria um melhor bem-estar.

            Por outro lado, foi verificado que para cada espécie de animal havia uma placa indicando informações sobre o nome vernacular (em português e inglês) e científico, distribuição geográfica, além de dados sobre sua biologia e status de conservação (Figura 2). Desta forma, estes conhecimentos constituem uma peça fundamental para a educação ambiental dos visitantes.

            Portanto, é imprescindível aprimorar os trabalhos de educação ambiental, a fim de minimizar os impactos ocasionados pelas pessoas, e.g. poluição visual e auditiva (ruídos).

            Os parques zoológicos são lugares essenciais para a conservação de muitas espécies, especialmente aquelas ameaçadas de extinção. No entanto, torna-se necessário o bom convívio dos animais e seres humanos, proporcionando um convívio para todos.

 

 

REFERÊNCIAS

 

ACHUTTI, M. R. N. G.O zoológico como um ambiente educativo para vivenciar o ensino de ciências.68 f. Dissertação (Mestrado acadêmico em Educação) – Universidade do Valedo Itajaí, Itajaí, 2003.

 

ARAGÃO, G. M. O.; KAZAMA, R. A função dos zoológicos nos dias atuais condiz com a percepção dos visitantes?Educação Ambiental em Ação, n. 43, ano XI, 2013.

 

ARAGÃO, G. M. O.; KAZAMA, R. Relações humano-animal: uma abordagem a partir da percepção de visitantes do zoológico de Brasília. Educação Ambiental em Ação, n. 46, ano XII, 2014.

 

BOSA, C.R.; ARAÚJO, L.O. Reações comportamentais dos visitantes mediante o recinto dos felinos no zoológico municipal de Curitiba, Paraná. Monografias ambientais. REMOA/UFSM, v. 10, n. 10, p. 2288-2301, 2012.

 

COSTA, D.O. Educação Ambiental - Experiências dos Zoológicos Brasileiros. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 13, p. 140 - 150, 2004.

 

GUINNESS WORLDS RECORDS (coordenação editorial brasileira Diego Rodrigues). Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

 

MARINO, L.M.R. Caracterização e zoneamento ambiental do zoológico municipal de Mogi Mirim, SP. 77 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2008.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias