ISSN 1678-0701
Número 65, Ano XVII.
Setembro-Novembro/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

18/09/2018PROPOSTA DE MINI COMPOSTEIRAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA VIABILIZAR A VIVÊNCIA SOBRE O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3410 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

PROPOSTA DE MINI COMPOSTEIRAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA VIABILIZAR A VIVÊNCIA SOBRE O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS



Neemias Gonzaga Ribas1

Arthur Couto Neves 1

Priscila da Costa2

Marcos Paulo Gomes Mol1

1 Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento. Fundação Ezequiel Dias. Belo Horizonte, Brasil.

2 Diretoria do Instituto Octávio Magalhães. Fundação Ezequiel Dias. Belo Horizonte, Brasil.

*Autor correspondente: Serviço de Desenvolvimento Tecnológico Farmacêutico, Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento. Fundação Ezequiel Dias – FUNED. Rua Conde Pereira Carneiro, 80. Bairro Gameleira. Cidade Belo Horizonte/MG. Código Postal (CEP) 30510-010. Brasil. Telefone: +55 31 3314-4950. E-mail: marcos_mol@yahoo.com.br.



RESUMO:

Os resíduos sólidos urbanos (RSU), quando mal gerenciados, podem causar impactos negativos a saúde pública e ao ambiente. Nesse contexto, para os resíduos orgânicos a compostagem se mostra uma alternativa satisfatória para evitar estes impactos. Porém, a preocupação da população em relação aos RSU, normalmente se enceram quando estes são coletados pela companhia de limpeza urbana local, logo esta técnica é pouco disseminada. Portanto, o objetivo deste artigo foi propor uma forma de conscientização sobre o descarte de resíduos orgânicos em locais de pequena geração, através da utilização de reatores como instrumento de educação ambiental. Observou-se que o acompanhamento dos reatores, além de exigir pouca manutenção, se mostrou uma maneira viável de demonstrar o processo de compostagem. Deste modo, os reatores podem ser usados como ferramenta didáticas, em escolas, para a conscientização individual em relação ao manejo de resíduos sólidos.

Palavras-chave: compostagem; educação ambiental; resíduos sólidos.

ABSTRACT:

Urban solid waste (USW), when poorly managed, can have negative impacts on public health and in the environment. In this context, for organic waste composting is a satisfactory alternative to avoid these impacts. However, the population's concern about USW usually waxes when the local urban cleaning company collects them, so this technique is scarcely widespread. Therefore, the aim of this article was to propose a way of raising awareness about the disposal of organic waste in small generation sites, with reactors as an instrument of environmental education. It was observed that the monitoring of the reactors, besides requiring little maintenance, was a viable way of demonstrating the composting process. In this way, the reactors can be used as a didactic tool in schools for individual awareness regarding solid waste management.

Keywords: composting; environmental education; solid waste.





INTRODUÇÃO

Desde meados da década de 1990, o mundo aderiu ao zeitgeist capitalista e seu padrão de consumo, onde as mercadorias tornam-se rapidamente descartáveis. Com o crescimento demográfico, o aumento na produção e na industrialização, a geração de resíduos sólidos urbanos (RSU) tem se mostrado uma grande preocupação para a humanidade (AMORIN, 1996). Essa crescente na geração de RSU tem intensificado as dificuldades na sua gestão, provocando, muitas vezes, impactos ambientais negativos. Formas inapropriadas e prejudiciais ao ambiente, como destinação de resíduos sólidos em aterros controlados e vazadouros a céu aberto, por exemplo, ocorrem para cerca de 41% de todo RSU coletado no Brasil e, consequentemente, gera prejuízos ao meio ambiente devido a contaminação de solos e dos lençóis freáticos, proliferação de doenças ou emissão de poluentes atmosféricos (ABRELPE, 2016; GOUVEIA, 2012; BRASIL, 2010).

Diante de tais situações é possível se pensar em formas alternativas para minimizar os problemas associados à destinação final dos RSU, como a compostagem aplicada para a fração orgânica dos resíduos (FEAM, 2016; BRASIL, 2011). A compostagem é um processo de decomposição acelerada da matéria orgânica realizada por microrganismos, em que se obtém como produto final o húmus que, quando aplicado ao solo, proporciona benefícios a vegetação local (CERRI, 2008; MEURER, 2004; PEREIRA NETO, 1996).

Ressalta-se que os RSU têm em sua constituição cerca de 51% matéria orgânica, entretanto a aplicação da compostagem ainda é muito incipiente no Brasil. Tendo em visto a baixa disseminação desta técnica, ela se torna pouco utilizada, sendo estimado que apenas 1,6% dos RSU são destinados para centrais de compostagem no país (BRASIL, 2011).

Porém, não podemos atribuir o resultado de tal estatística apenas às ações governamentais. Há também um déficit na popularização da técnica de compostagem, de forma que em alguns casos parte da população chega a conhecer a técnica, mas não possui os meios de produzi-la, dificultando assim a sua aplicação e difusão.

Além disso, há também um obstáculo que influencia na adesão dessa técnica, que é a demanda por grandes espaços. Uma leira (nomenclatura técnica para o agrupamento de matéria orgânica usado na compostagem) utilizada em processos de média e larga escala tem em média três metros de comprimento por três metros de largura e 1,80 metros de altura (CETEC, 2007; PEREIRA NETO, 1996). Porém, apesar dos obstáculos, é possível fazer compostagem em pequenos espaços utilizando pequena quantidade de material orgânico.

Mesmo diante da necessidade de se ampliar as alternativas de tratamento da parcela orgânica dos RSU, a percepção da população sobre tal importância ainda é pouco representativa, principalmente quando se discute a aplicação destas técnicas em pequena escala. Vale destacar ainda que a preocupação de grande parte da população em relação aos resíduos sólidos se encerra no momento em que os serviços de limpeza urbana locais realizam o recolhimento dos resíduos gerados nos domicílios e dispostos na porta das casas. Desta forma, é urgente a necessidade de se ampliar a conscientização da população sobre o contexto do gerenciamento dos RSU, incluindo a importância sobre o seu valor comercial, as formas adequadas de manejo e o potencial de reaproveitamento enquanto matéria-prima (SOARES, 2007; D`ALMEIDA e VILHENA, 2000).

Portanto, o objetivo deste artigo foi propor uma forma de conscientização sobre o descarte de resíduos orgânicos em locais de pequena geração, apresentando a utilização de reatores como instrumento proposto para ampliar e permitir a atuação da população em ações vinculadas a gestão de resíduos orgânicos.

METODOLOGIA

Para apresentar a técnica da compostagem, foram construídos quatro reatores de material plástico, sendo dois desenvolvidos a partir de garrafas de Politereftalato de Etila (PET) de dois litros e outros dois a partir de bombonas plásticas de cinco litros. Os modelos para confecção dos reatores utilizados foram adaptados de TRAUTMANN E KRASNY (1998). Acrescentou-se, em acordo com a capacidade de cada reator, folhas da espécie Ficus elastica, trituradas manualmente, provenientes da poda de árvores e varrição de jardins, conforme Figura 1.