ISSN 1678-0701
Número 65, Ano XVII.
Setembro-Novembro/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

16/09/2018ANALISES FÍSICO-QUÍMICAS DA NASCENTE E DO POÇO DE ABASTECIMENTO DA VILA DE ÁGUA BOA, SALVATERRA-PA  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3402 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

ANALISES FÍSICO-QUÍMICAS DA NASCENTE E DO POÇO DE ABASTECIMENTO DA VILA DE ÁGUA BOA, SALVATERRA-PA

Heraldo da Silva Sousa1; Saulo de Tarso Rodrigues de Freitas1; Júlio César da Silva Cardoso2,a; Túlio da Fonseca Santos2,b; José Diogo Evangelista Reis3; Abraão de Jesus Barbosa Muribeca4,a; Johan Carlos Costa Santiago4,b; Paulo Wender Portal Gomes 5; Nilson Santos Trindade6

1Graduados em Ciências Naturais - Biologia, Universidade do Estado do Pará, Campus XIX, PA 154, CEP 68860-000, Salvaterra, PA.

2Graduandos em Química Industrial, Universidade Federal do Pará, Guamá. CEP 66075-110, Belém, PA. E-mail: ajuliocesarjc95@gmail.com/ btuliosantos33@gmail.com

3Graduando em Ciências Naturais - Química, Universidade do Estado do Pará, Campus XIX, PA 154, CEP 68860-000, Salvaterra, PA. E-mail: reis.diogo190@gmail.com

4Mestrandos em Química Orgânica, Universidade Federal do Pará, Guamá. CEP 66075-110, Belém, PA. E-mail: aabraao_muribeca@hotmail.com/ bjohansantiago@hotmail.com.br

5Doutorando em Química Orgânica, Universidade Federal do Pará, Guamá. CEP 66075-110, Belém, PA. E-mail: wenderufpa@hotmail.com

6Doutor em Ciências da Educação pela Universidad Americana, UA, Paraguai. Professor da Universidade Federal do Pará, Guamá. CEP 66075-110, Belém, PA. Email: nilsonufpa17@gmail.com



Resumo: O consumo de água potável na comunidade de Água Boa, no município de Salvaterra/PA é precário, devido o bombeamento de água de poços, os quais estão localizados nas proximidades de fossas residenciais. Uma fonte secundária de água, é a nascente (olho d’água), localizada na praia próxima a comunidade e que por muitos anos foi a única fonte de água “potável”. Diante do exposto, este trabalho descreve as condições físico-químicas da nascente e do sistema de abastecimento de água da vila de Água Boa. Estes resultados foram comparados com os padrões estabelecidos por meio da legislação nacional, que estabelece valores aceitáveis de potabilidade de água destinada para o consumo humano. As análises físico-químicas foram realizadas através de metodologias recomendadas pelo fabricante do kit profissional de análise de potabilidade da água. Os resultados obtidos das análises do poço de abastecimento e da nascente, demonstraram que para amônia, cloreto, cloro residual, cor e dureza total, os valores encontrados são coerentes com o permitido pela portaria do Ministério da Saúde. Entretanto, para pH os valores encontram-se inferiores aos valores estipulados pela legislação, ressaltando o caráter ácido das amostras estudadas. Assim, concluindo-se que as duas fontes possuem 80% dos parâmetros em conformidade com os padrões de qualidade, entretanto na percepção dos habitantes da comunidade, o sistema de abastecimento apresenta ausência de tratamento para que apresente boa qualidade química e microbiológica, com isso faz-se necessário à implementação de políticas que visem o melhoramento no processo de distribuição.

Palavras-chave: Abastecimento de água; potabilidade da água; Marajó.

Abstract: The consumption of drinking water in the community of Good Water, in the municipality of Salvaterra/PA is precarious, due to the pumping of water from wells, which are located in the vicinity of drains residential. A secondary source of water is the spring (eye of water), located on the beach next to the community and who for many years was the only source of water to “potable”. In view of the above, this work describes the conditions of the physical-chemical of the spring and of the water supply system of the village of Good Water. These results were compared with the standards established by national legislation, that establishes acceptable values of potability of water intended for human consumption. The physico-chemical analyses were performed using methodologies recommended by the kit manufacturer, professional analysis of the potability of the water. The results obtained from the analyses of the well supply and the rising, have shown that for ammonia, chloride, chlorine residual, color, and total hardness, the values found are consistent with the allowed by the ordinance of the Ministry of Health. However, pH values are lower than the values stipulated by law, underscoring the acid character of the samples studied. Thus, concluding that the two sources have approximately 80% of the parameters in accordance with the quality standards, however in the perception of the inhabitants of the community, the supply system has no treatment to provide good quality chemical and microbiological, with this it is necessary the implementation of policies aimed at improving the process of distribution.

Keywords: Supply of water; potability of the water: Marajó.



Introdução



O consumo de água potável é de fundamental importância para a sadia qualidade de vida e de proteção contra as doenças, sobretudo aquelas evitáveis, relacionadas a fatores ambientais e que têm afligido populações em todo o mundo (BRASIL, 2010). Pesquisas demonstram que as doenças de veiculação hídrica emergiram como um dos principais problemas de saúde pública nos últimos 25 anos (FRANCO, 2007). No planeta Terra, de sua total reserva de água, apenas 3% é constituído de água doce ainda existentes, desse total, apenas 0,3% pode ser aproveitado para consumo humano, sendo 0,01% de origem superficial (rios e lagos) e 0,29% subterrâneas. A mais difundida distribuição de água potável se dá através das unidades de tratamento de água e posteriormente sua eventual distribuição a população, em comunidades rurais de diversos estados, dentre outras formas de adquirir água potável, destaca-se a utilização de poço comunitário e reservatórios de tanques.

A utilização de mananciais superficiais e subterrâneos

A água dos poços comunitários (subterrâneos) segundo Eckhardt et al. (2009), geralmente, são menos contaminadas, por fatores biológicos e químicos em relação aos mananciais superficiais (conhecidas como: nascentes, olho d’água etc.), pois não ficam expostas aos diversos agentes poluentes. No entanto, as atividades humanas representam um elevado risco aos aquíferos e às águas subterrâneas. A qualidade das águas nos rios, córregos e lençóis freáticos é precária, uma vez que as poluições se lançam diretamente nesses corpos d'água com elevada carga poluidora, resíduos tóxicos e materiais de difícil biodegradabilidade, comprometendo, assim, a qualidade da água até mesmo para as gerações futuras. É neste cenário que se encontra a comunidade de Água Boa, no município de Salvaterra/ PA, onde o abastecimento de água da população ocorre sem tratamento prévio, por meio do bombeamento de água do poço subterrâneo, o qual está localizado nas proximidades das fossas residenciais. Na ausência deste abastecimento, a população utiliza como alternativa a água da nascente (mananciais superficiais), que está localizada na praia próxima a comunidade. Diante de todo o exposto, esta pesquisa descreve resultados físico-químicos dá água desta comunidade rural, com objetivo de contribuir para informações científicas acerca da qualidade da água da nascente e do poço de abastecimento de acordo com a Portaria n° 2914 do Ministério da Saúde.

Metodologia

Área de estudo

A comunidade de Água Boa está localizada a cerca de 18 km da sede do município de Salvaterra, Marajó-PA, figura 01. Delimitou-se a área de estudo em três pontos de coleta referentes ao sistema de abastecimento de água e três pontos referente a nascente utilizada pela comunidade. O ponto PA01 corresponde à residência mais próxima do sistema de abastecimento; o ponto PA02, uma residência intermediaria escolhida aleatoriamente; o ponto PA03 à residência mais afastada do sistema de abastecimento e o ponto PN representa o local de coleta na nascente localizada na praia da comunidade.

Figura 01. Mapa de localização do Marajó e o município de Salvaterra-PA, com destaque para os pontos de coleta. Fonte: Gomes et al. (2017); Google Earth, (2018).



Nascentes (olho d´agua)

A nascente está situada no meio da praia da vila de Água Boa, popularmente denominada pelos moradores de “olho d´agua”, a coleta das amostras no local foi realizada por meio da delimitação de três pontos específicos desta, como mostra a figura 02. Para Machado et al. (2012), as nascentes localizam-se em encostas ou depressões do terreno ou ainda no nível da base representado pelo curso d’água local; podem ser perenes, temporárias ou efêmeras.

Figura 02. Nascente e pontos de coleta. Fonte: Sousa et al. (2018).