ISSN 1678-0701
Número 65, Ano XVII.
Setembro-Novembro/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

16/09/2018A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: UM OLHAR SOBRE PROJETOS DESENVOLVIDOS EM ALGUMAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ARAGUARI/MINAS GERAIS  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3390 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: UM OLHAR SOBRE PROJETOS DESENVOLVIDOS EM ALGUMAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ARAGUARI/MINAS GERAIS

Lorena Ribeiro Cunha1, Melchior José Tavares Júnior2

1Universidade Federal de Uberlândia, ¹lorenaribeirocunha@yahoo.com.br

2Universidade Federal de Uberlândia, ²profmelk@hotmail.com



Resumo: O objetivo desse estudo foi perceber a ocorrência de Projetos de Educação Ambiental desenvolvidos de janeiro de 2016 até junho de 2017 em cinco escolas públicas da cidade de Araguari/MG bem como as tendências da Educação Ambiental neles presente. As investigações foram desenvolvidas através de pesquisa documental. Com os dados obtidos, caracterizamos quanto ao número de escolas que desenvolvem ou não os projetos, a quantidade desenvolvida, os anos que ocorrem e as tendências da Educação Ambiental presentes. Verificamos que, das cinco escolas analisadas, os projetos ocorrem em quatro escolas, e em apenas uma não obtivemos registros. Observamos um predomínio das tendências Tradicional e Resolução de Problemas, sendo apenas um dos 12 projetos caracterizado pela tendência Integradora.

Abstract: The objective of this study was to perceive the occurrence of Environmental Education Projects developed from January 2016 until June 2017 in five public schools in the city of Araguari / MG as well as the trends of Environmental Education present in them. The investigations were developed through documentary research. With the obtained data, we characterize the number of schools that develop or not the projects, the quantity developed, the years that occur and the trends of the Environmental Education present. We verified that, of the five schools analyzed, the projects take place in four schools, and in only one we did not obtain records. We observed a predominance of the Traditional and Problem Solving tendencies, being only one of the 12 projects characterized by the Integrative tendency.

Palavras-chave: Educação Ambiental, Projetos, Tendência.

Key words: Environmental Education, Projects, Tendency.



Introdução

A Educação Ambiental, em 1968, começa a se revelar devido ao nascimento do Conselho para Educação Ambiental, no Reino Unido, onde um grupo de cientistas e empresários se reuniam com objetivos de tentar encontrar novos caminhos para a questão do desenvolvimento econômico e do futuro da humanidade. No Brasil, a discussão avançou bastante desde a constituição de 1988. Em seu processo de oficialização, documentos norteadores passaram a recomendar a Educação Ambiental em todos os níveis de ensino, na intenção de formar sujeitos capacitados para o enfrentamento das questões ambientais (BRASIL, 1988).

Atualmente, temos as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental, que define o tema da seguinte forma:

A Educação Ambiental é uma dimensão da educação, é atividade intencional da prática social, que deve imprimir ao desenvolvimento individual um caráter social em sua relação com a natureza e com os outros seres humanos, visando potencializar essa atividade humana com a finalidade de torná-la plena de prática social e de ética ambiental (BRASIL, 2012).

A definição acima nos leva a entender a Educação Ambiental como uma ação educativa que atua na transformação dos valores e comportamentos que permeiam a humanidade, educando nossa mente e o coração para nos formar como cidadãos conscientes sobre a conservação do meio ambiente e das relações dos seres humanos com o mundo, uma educação que seja permanente, que dure ao longo da vida.

Segundo Colesanti (1996, p.35), a escola é a principal articuladora de uma nova filosofia:

A educação ambiental é um dos eixos fundamentais para impulsionar os processos de prevenção da deterioração ambiental, do aproveitamento dos direitos dos cidadãos a um ambiente sustentável. Ela implica uma nova concepção do papel da própria escola. A articulação de seus conceitos, métodos, estratégias e objetivos é complexa e ambiciosa: dimensões ecológicas, históricas, culturais, sociais, políticas e econômicas da realidade e a construção de uma sociedade baseada em princípios éticos e de solidariedade.

A preocupação com o meio ambiente passou a ter maior importância devido a várias catástrofes ambientais, e com isso começaram a aparecer discussões sobre o desenvolvimento e a conservação da natureza. No ambiente escolar, a Educação Ambiental vem avançando em passos largos no que diz respeito a essas problemáticas.

Veiga; Amorim; Cóssio (2005) investigaram quais ações ambientais educativas as escolas públicas brasileiras de ensino fundamental praticam. Essa pesquisa revelou que durante os anos de 1990 houve uma acelerada expansão de acesso a Educação Ambiental em um curto período. A pesquisa também detectou que projetos interdisciplinares consistiam em uma das estratégicas pedagógicas mais utilizadas para a inserção da Educação Ambiental na escola.

No entendimento de Silva e Gomes (2008), estudos sobre a forma mais adequada de inserção da Educação Ambiental na escola oscilam entre o uso de novas propostas curriculares e sua inserção por meio de projetos interdisciplinares, buscando-se contemplar, com eles, a complexidade de seu estudo não conseguida quando desenvolvida por disciplinas isoladas. A diversidade de proposições evidenciada faz com que as ações ambientais educativas escolarizadas apresentem um leque de abordagens orientadas por propostas pedagógicas variadas.

Mas, o que significa um projeto? A definição de Moacir Gadotti (1994) nos parece bastante oportuna:

Todo projeto supõe rupturas com o presente e promessas para o futuro. Projetar significa tentar quebrar um estado confortável para arriscar-se, atravessar um período de instabilidade e buscar uma nova estabilidade em função da promessa que cada projeto contém de estado melhor do que o presente. Um projeto educativo pode ser tomado como promessa frente a determinadas rupturas. As promessas se tornam visíveis os campos de ação possível, comprometendo seus atores e autores (MOACIR GADOTTI, 1994, p. 579).

Plicas e Fertonani (2006, p.170), em sua pesquisa sobre a implantação de um projeto em Educação Ambiental nas Escolas da Rede Pública da Região de São José do Rio Preto (SP), concluíram:

É importante o contínuo incentivo ás pesquisas de caráter disciplinar ou interdisciplinar e projetos sobre intervenções na realidade das escolas no tocante a educação ambiental para que possamos consolidar uma prática educativa que desenvolva novos valores em relação a forma como vemos, sentimos e vivemos; onde a cidadania, a inclusão, o respeito, a alteridade, a convivência harmônica e a tolerância sejam uma constante na prática educacional.



Tendências da Educação Ambiental

As práticas de Educação Ambiental podem ser categorizadas em quatro grandes tendências ou correntes filosóficas (Quadro 1). Quando são desenvolvidas atividades nesse tema, pode se ter ou não, conhecimento dessas tendências. A categorização de Fernandes (2002), adaptada por Tavares Júnior (2012), apresenta as principais tendências da Educação Ambiental desenvolvidas no Brasil.



Quadro 1: Tendências da Educação Ambiental.

Tradicional





Preocupação com as questões restritas ao ambiente natural, como extinção dos recursos naturais, degradação ambiental.

Visão antropocêntrica em relação ao meio ambiente. Relação homem X natureza

utilitarista e preservacionista.

Postura conservadora diante dos problemas ambientais.

Educação Ambiental (EA) como disciplina.

Resolução de problemas



Utilização de forma racional do Meio Ambiente levando em conta aspectos de desenvolvimento sustentável e gestão ambiental.

Os problemas ambientais são trabalhados de forma superficial, não levando em conta todos os aspectos envolvidos nos mesmos.

EA como disciplina.


Integradora





Entendimento mais global da questão ambiental. Relações dinâmicas entre aspectos naturais sociais e culturais. EA como processo de formação de valores, ideias e posturas.

Ecossistemas como redes, ser humano como parte do planeta.

EA como projeto conscientizador.

Atividades interdisciplinares.

Transformação social



Enfoque sócio-político e ambiental.

EA como processo de intervenção.

Educação Ambiental se relaciona a tudo, mas não pode ser considerada como única e exclusiva solução para os problemas ambientais.

Desterritorialização da EA.

Empoderamento das populações.

Metodologias participativas.

Reflexão sobre os processos históricos e sociais de transformação do meio natural e construído.



Fonte: Fernandes (2002), adaptada por Tavares Júnior (2012).

Na década de 90, diferenciações da Educação Ambiental começaram a surgir pelo país. O livro “Identidades da Educação Ambiental Brasileira” lançado em 2004 teve como objetivo identificar as principais tendências da Educação Ambiental no país a partir desta década. A seguir discutiremos duas das principais tendências da Educação Ambiental: a Educação Ambiental Tradicional e a Educação Ambiental Transformadora.

Educação Ambiental Tradicional

A Educação Ambiental Tradicional é entendida como o viés mais antigo desse tema, às vezes é chamada de Educação Ambiental Conservacionista.

Tanner (1978) entende que a principal característica dessa tendência é o foco no ambiente não humano. Daí ser também intitulada com frequência como “O estudo da natureza”. Predominantemente rural, aborda basicamente as ciências naturais como conteúdo a transmitir, e a sua principal mensagem é mostrar ao educando os impactos decorrentes das atividades humanas na natureza, para não enfatizar os meios tecnológicos capazes de enfrentá-los. Entendendo o problema ambiental como fruto de um desconhecimento dos princípios ecológicos que gera “maus comportamentos”, caberia a Educação Conservacionista, um instrumento de socialização humana perante a natureza, criar “bons comportamentos”.

Segundo Coimbra (2005), o objetivo dessa Educação Ambiental é:

(...) despertar o interesse por assuntos ligados à proteção dos recursos naturais, florestas, conservação e preservação, degradação, desmatamento, poluição, mais do que focar nas preocupações ligadas a igualdade entre os homens, pobreza, solidariedade, participação comunitária, qualidade de vida.

Um exemplo aqui se faz pertinente. Carrijo e Candiotto (2009) realizaram uma pesquisa sobre 68 projetos e atividades de Educação Ambiental em escolas públicas no interior do Paraná, chegando às seguintes conclusões:

Foi possível verificar que a Educação Ambiental é desenvolvida na maioria das vezes de atividades pontuais, como “semana do meio ambiente ou passeios ecológicos” tais atividades deveriam fomentar uma reflexão constante dos alunos não só sobre os elementos do meio natural mas sobre as relações estabelecidas na sociedade em que ele vive. Nessa perspectiva, esses projetos deveriam ser o ponto de partida para a Educação Ambiental e não o objetivo final das atividades. (...) Através da análise dos questionários percebemos que nenhum projeto desenvolvido discutia a essência ou a origem dos problemas ambientais nem apontava para necessidade de um aprofundamento do tema e de um acompanhamento dos alunos para promoção de uma educação ambiental integrada as várias dimensões da relação sociedade-natureza (econômica, cultural, política, física e biológica, entre outras) (CARRIJO, CANDIOTTO, 2009, p. 9).

Educação Ambiental Transformadora

A Educação Ambiental Transformadora para Guimarães (2004, p. 30, 31),

objetiva promover ambientes educativos de mobilização desses processos de intervenção sobre a realidade e seus problemas socioambientais, para que possamos nestes ambientes superar as armadilhas paradigmáticas e propiciar um processo educativo, em que nesse exercício, estejamos, educandos e educadores, nos formando e contribuindo, pelo exercício de uma cidadania ativa, na transformação da grave crise socioambiental que vivenciamos todos.

Para o autor Layrargues (2002, p. 92) na tendência a qual identificamos como crítica, “o educador ambiental deve enveredar-se pela delimitação das relações sociais, pela identificação dos conflitos de uso dos recursos naturais, pela elaboração e implementação de políticas públicas”.

Loureiro (2004) descreve a tendência deste modo:

A Educação Ambiental transformadora enfatiza a educação enquanto processo permanente, cotidiano e coletivo pelo qual agimos e refletimos, transformando a realidade de vida. Está focada nas pedagogias problematizadoras do concreto vivido, no reconhecimento das diferentes necessidades, interesses e modos de relações na natureza que definem os grupos sociais e o “lugar” ocupado por estes em sociedade, como meio para se buscar novas sínteses que indiquem caminhos democráticos, sustentáveis e justos para todos. Baseia-se no princípio de que as certezas são relativas; na crítica e autocrítica constante e na ação política como forma de se estabelecer movimentos emancipatórios e de transformação social que possibilitem o estabelecimento de novos patamares de relações na natureza (p.81).

A partir dos estudos apresentados, que apontam os projetos como principal estratégia para o desenvolvimento da Educação Ambiental escolar, construímos nosso problema de pesquisa, que é: Projetos de Educação Ambiental estão ocorrendo em algumas escolas públicas na cidade Araguari/MG? Qual ou quais as tendências da Educação Ambiental estão presentes nos projetos que talvez possam ser encontrados?

Portanto, os objetivos desse trabalho são:

  • Verificar se Projetos de Educação Ambiental estão ocorrendo nas cinco escolas públicas na cidade Araguari/MG;

  • Verificar a quantidade de projetos em Educação Ambiental desenvolvidos no ano 2016 e de fevereiro a junho de2017;

  • Verificar os anos que desenvolveram tais projetos.

  • Identificar as tendências da Educação Ambiental presentes nos projetos que talvez possam ser encontrados.

Metodologia



Para desenvolvermos esse estudo sobre projetos em Educação Ambiental na escola, optamos pela pesquisa documental.

Para Assis (2008, p. 19), pesquisa documental é uma pesquisa baseada em “documentos primários, originais, chamados de primeira mão”. Piana (2009, p. 122) define da seguinte forma essa modalidade de pesquisa:

Pesquisa Documental é aquela realizada a partir de documentos, contemporânea ou retrospectiva, considerada cientificamente autêntica (não fraudados); tem sido largamente utilizada nas ciências sociais, na investigação histórica, a fim de descrever/comparar fatos sociais, estabelecendo suas características ou tendências.

Investigamos cinco escolas do município de Araguari/MG em busca de projetos de Educação Ambiental desenvolvidos ao longo de 2016 e 2017.

Junto à coordenação de cada escola, obtivemos acesso aos registros dos projetos de Educação ambiental desenvolvidos no período que consideramos.

De posse dos dados obtidos, procedemos à análise dos mesmos com o objetivo de caracterizá-los quanto (1) o número de escolas que desenvolvem ou não projetos de Educação ambiental e a quantidade de projetos desenvolvidos (2) quanto aos anos nos quais ocorrem; (3) quanto à tendência ou tendências de Educação Ambiental que neles ocorrem, conforme nossas referências teóricas.

Uma das maneiras para caracterizar os projetos desenvolvidos nas escolas é identificar a tendência de Educação Ambiental que neles predominam. Utilizamos a categorização proposta por Tavares Júnior (2012), conforme quadro 1, apresentado anteriormente. Para vincular os projetos à essas tendências, utilizamos como ferramenta um conjunto de palavras chaves, conforme proposta por Soares; Tavares Júnior (2015), conforme quadro 2, abaixo:

Quadro 2: Palavras-chaves para identificação das tendências da Educação Ambiental nos projetos escolares.

Palavras-chaves Gerais: Educação Ambiental, Meio ambiente, Educadores Ambientais


Tradicional

Resolução de Problemas

Integradora

Transformação Social



Biodiversidade;

Biosfera;

Consciência Ambiental;

Degradação ambiental;

Ecologia;

Movimentos Ecológicos;

Natureza;

Planeta Terra;

Preservação ambiental;

Qualidade de vida; Aquecimento Global;



Desenvolvimento sustentável;

Gestão Ambiental;

Programas Ambientais;

Reciclagem;

Reutilização;

Reaproveitamento;

Resíduos Sólidos;



Visão Global;

Visão Local;

Cidadania Planetária; Consciência Planetária;

Perspectiva Holística;

Perspectiva Sistêmica; Interdisciplinaridade;

Povos Indígenas;



Pensamento Sistêmico;

Justiça Ambiental; Justiça Social;

Movimentos Sociais;

Direitos Humanos; Direitos Ambientais; Cidadania;

Educação como direito;

Transformação Social;

Ética;

Dimensão sócio-ambiental

Democracia;

Trabalho Coletivo;


Fonte: Soares; Tavares Júnior (2015)



A pesquisa foi realizada no período entre final de fevereiro a início de junho do ano de 2017 em cinco escolas do município de Araguari, uma escola municipal e quatro escolas estaduais as quais denominamos E1, E2, E3 e assim por diante, bem como os projetos, denominamos P1, P2 e assim por diante (Tabela 1).

O primeiro contato com as escolas deu-se por meio da apresentação junto a coordenação pedagógica com posse de uma carta de apresentação assinada pelo orientador da pesquisa. Como na maioria das escolas sempre surgem alguns imprevistos, e não muito diferente da realidade, no segundo contato, durante as visitas que fiz para coleta de dados, algumas escolas se encontravam em situações de reuniões com pais, falta de professores e alunos em situação de advertência, porém, apesar de tantos imprevistos fui muito bem recebida e acolhida pelas coordenações no ambiente escolar.

Resultados

Tabela 1: Panorama dos projetos de Educação Ambiental desenvolvidos nas escolas de Araguari/MG.

EEscolas

Nº total de Projetos de E.A

Projetos / Ano

Séries contempladas

Tendência predominante ou única



Outra tendência presente


E1





4


P1/ 2016

4º ao 9º ano

Tradicional

--------

P2/ 2017

4º ao 9º ano

Tradicional

--------

P3/ 2017

4º ao 9º ano

Tradicional

Transformação Social

EE2

6

P1/ 2016

4º ao 9º ano

Resolução de Problemas

--------

P2/ 2016

4º ao 9º ano

Resolução de Problemas

--------

P3/ 2016

4º ao 9º ano

Tradicional

--------

P4/ 2016

4º ao 9° ano

--------

--------

P5/ 2017

4º ao 9º ano

Resolução de Problemas

--------

P6/ 2017

4º ao 9º ano

Integradora

--------

EE3

1

P1/ 2017

--------

--------

--------

EE4

0

--------

--------

--------

--------

EE5

1

P1/ 2017

5º ano

Resolução de Problemas

--------

Fonte: Elaborado pela autora

Legenda: (E1- Escola 1),( P1- Projeto 1)

Recuperando nosso primeiro objetivo de pesquisa, que foi investigar a ocorrência de Projetos de Educação Ambiental nas cinco escolas públicas na cidade Araguari/MG, verificamos que, das cinco escolas analisadas, observamos que os mesmos ocorrem em quatro escolas, e em apenas uma não obtivemos registro no período selecionado. Isto significa que os projetos ocorrem em 80% das escolas investigadas. Das cinco escolas consideradas, obtivemos um total de 12 projetos. No ano de 2016 encontramos cinco projetos e no período de janeiro a junho de 2017 o total foi de sete projetos. Podemos verificar que 75% dos projetos são desenvolvidos com os alunos do 4º ao 9º ano do ensino fundamental. Note-se, portanto não apenas a grande ocorrência de projetos, mas também que a maior parte deles permeiam todos os anos iniciais.

Outro objetivo que buscamos responder nesse estudo foi identificar as tendências da Educação Ambiental nos projetos. Em relação às tendências observamos um predomínio da tendência Tradicional e da tendência Resolução de Problemas, sendo apenas um dos 12 projetos caracterizado pela tendência Integradora. Esse resultado gera uma preocupação sobre a ausência de uma visão crítica nos projetos e nos leva a concordar com o alerta de Carrijo; Candiotto (2009):

Foi possível verificar que a Educação Ambiental é desenvolvida na maioria das vezes de atividades pontuais, como “semana do meio ambiente ou passeios ecológicos” tais atividades deveriam fomentar uma reflexão constante dos alunos não só sobre os elementos do meio natural mas sobre as relações estabelecidas na sociedade em que ele vive.

ESCOLA 1 (E1) : Escola Municipal

Nesta escola, foi encontrado apenas um registro referente a 2016. Em relação a 2017, três projetos já foram realizados. A pesquisa documental realizada nesta escola foi através de projetos oferecidos pela coordenação. Segue abaixo os projetos:

P1 – Simulados (2016)

P2 – Projeto Corridinha da Água (2017)

P3 – Projeto Dança das Águas (2017)

P4 – projeto Biomas (2017)



ESCOLA 2 (E2): Escola Estadual

A Escola 2 trabalha com Projetos de Coordenação de Educação Integral. A educação integral busca implementar a formação do estudante em diversas áreas, como o esporte, as artes plásticas, dança, música, que complementem o conhecimento tradicional acessado pelos estudantes, por meio da ampliação da jornada escolar, reconhecendo oportunidades educativas que vão além dos conteúdos compartimentados do currículo tradicional e compreende a vida como um grande percurso de aprendizagem. Esses projetos são realizados com alunos do 4º ao 9º ano do Ensino Fundamental. Foram encontrados quatro registros de 2016 e dois registros de 2017. A pesquisa documental realizada nesta escola foi através dos portfólios, material único oferecido pela coordenadora da escola. Segue abaixo os projetos encontrados:

P1 – Projeto Revitalização da Escola (2016)

P2 – Projeto Oficina Horta Sustentável (2016)

P3 – Projeto Água (2016)

P4 – Caminhada do Dia Mundial do Meio Ambiente (2016)

P5 – Projeto Agente Ambiental Mirim (2017)

P6 – Projeto Sala Verde (2017)



ESCOLA 3 (E3): Escola Estadual

Durante a visita a escola fui recebida pela diretora em sua sala. Não obtivemos registros de projetos do ano de 2016 e nesse ano de 2017 havia um único projeto realizado até o momento, Projeto Água, que havia como registro um pequeno mural que se encontrava ao lado da biblioteca, apenas com uma frase sobre o tema. Não foi possível identificar a tendência da Educação Ambiental por falta de dados do projeto.

ESCOLA 4 (E4): Escola Estadual

Em visita à escola, fui recebida pela diretora. Até o momento não havia sido realizado nenhum projeto em 2016 e 2017.

ESCOLA 5 (E5): Escola Estadual

Nesta escola, não obtive registros referentes ao ano de 2016. Foi encontrado apenas um registro de 2017. Esse projeto teve início em Maio e será trabalhado até Dezembro. A pesquisa documental realizada nesta escola foi por meio de um projeto.

P1 – Projeto O Lixo e a Reciclagem (2017)



Considerações Finais

Os resultados mostraram que os projetos de Educação Ambiental estão ocorrendo em algumas das escolas públicas pesquisadas, de Araguari. Consideramos que o objetivo desse trabalho tenha sido alcançado, embora novas pesquisas possam contribuir para um mapeamento mais amplo dos projetos de Educação Ambiental na cidade de Araguari, bem como a investigação das tendências da Educação Ambiental neles presente. Ao término desse estudo, ressaltamos que nossa preocupação é mais qualitativa do que quantitativa, ou seja, os projetos ocorrem na cidade mas as tendências predominantes – Tradicional e Resolução de Problemas devem ser questionadas sob pena desse assunto ser considerado contemplado pelos responsáveis, mas com pouca eficácia em seus resultados.



Referências

ASSIS, M. C. Metodologia do Trabalho Científico. 2008. Disponível em: <http://www.cchla.ufpb.br/clv/images/docs/modulos/p2/p2_4.pdf.>.Acesso em: 16.07.2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 20.10.2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: <http://www.presidencia.gov.br>. Acesso em: 06.07.2017.

CARRIJO, B. R.; CANDIOTTO, L. Z. P. Analisando atividades de educação ambiental formal a partir de concepções contemporâneas a relação sociedade natureza. http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal12/Ensenanzadelageografia/Investigacionydesarrolloeducativo/91.pdf>. Acesso em: 13.07.2017.

COIMBRA, F. G. A. Educação Ambiental no Parque Siquierolli: Diagnóstico e Perspectivas. Uberlândia: UFU, 2005. Dissertação. Mestrado apresentado à Universidade Federal de Uberlândia.

COLESANTI, M. Paisagem e educação ambiental. In: Encontro Interdisciplinar sobre o Estudo da paisagem, 3, 1996. Rio Claro UNESP, 1996, p. 35.

GADOTTI, M. Pressupostos do projeto pedagógico. In: MEC, Anais da Conferência Nacional de Educação para Todos. Brasília, 28/8 a 02/9/94.

GUIMARÃES, M.. Educação Ambiental Crítica. In: Philippe P. Layrargues. (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. 1ªed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004, p. 25-34.

____. Educação para gestão ambiental: a cidadania no enfrentamento político dos conflitos sócio ambientais. In: LOUREIRO, F. B.; LAYRARGUES, F. P.; CASTRO, R. S. (Orgs.) Sociedade e meio ambiente: a Educação Ambiental em debate. São Paulo: Cortez, 2002. p. 87-155.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental Transformadora. In: Philippe P. Layrargues. (Org.). Identidades da educação ambiental brasileira. 1ªed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004, p. 65-84.

PIANA, M. C. A construção do perfil do assistente social no cenário educacional. São Paulo: UNESP, 2009.

PLICAS, L. M. A.; FERTONANI, I. A. P.. Implantação de projetos em Educação Ambiental nas escolas da Rede Pública de São José do Rio Preto. 2006, p. 160 - 171.

SILVA; L. F.; GOMES, M. M. A pesquisa em educação ambiental no contexto escolar: contribuições para uma reflexão. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 3, n. 1, p. 239-256, jan./jun. 2008.

SOARES, R. F.; TAVARES JR. M. J. Educação ambiental no curso de Pedagogia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). In: VI Encontro Mineiro Sobre Investigação na Escola, Uberaba/MG, 2015. Anais.

TANNER, R.T. Educação ambiental. São Paulo: Summus/Edusp. 1978.

TAVARES JÚNIOR, M. J. Educação Ambiental como disciplina na formação dos biólogos: um estudo de caso na Universidade Federal de Uberlândia. Tese. Doutorado apresentado à Universidade Federal de Uberlândia, 2012.

VEIGA, A.; AMORIM, E. P. COSSÍO, M. B. Um Retrato da Presença da Educação Ambiental no Ensino Fundamental Brasileiro: o percurso de um processo acelerado de expansão. Brasília: INEP, 2005.











" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Soluções e Inovações     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias