ISSN 1678-0701
Número 64, Ano XVII.
Junho-Agosto/2018.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Ações e projetos inspiradores     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

14/06/2018PESQUISA EM PERIÓDICOS DE EDUCAÇÃO: APONTAMENTOS PERTINENTES A PARTIR DO ESTADO DA ARTE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3231 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

PESQUISA EM PERIÓDICOS DE EDUCAÇÃO: APONTAMENTOS PERTINENTES A PARTIR DO ESTADO DA ARTE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL



Gabriella Eldereti Machado; Janaína Balk Brandão

gabriellaeldereti@gmail.com



Resumo: O presente artigo tem como objetivo realizar uma revisão bibliográfica referente às pesquisas de EA, utilizando como base de dados quatro periódicos da área de Educação de Universidades do Rio Grande do Sul. A fim de, discutir as características e dinâmicas das pesquisas atentando ao campo temático da EA. A metodologia utilizada possui caráter de estudo bibliográfico, construído a partir de materiais já publicados (GIL, 1994; 2008), apontando resultados qualitativos e quantitativos em relação aos artigos observados. Nesse sentido, opta-se pelo caminho da pesquisa bibliográfica devido à definição do Estado da Arte estar associada a este tipo de pesquisa.

Palavras-chave: Educação ambiental; Pesquisa de estado da arte; educação.


RESEARCH IN EDUCATION NEWSPAPERS: RELEVANT POINTS FROM THE STATE OF THE ART OF ENVIRONMENTAL EDUCATION



Abstract: The purpose of this article is to perform a bibliographic review of EA research using four periodicals from the University Education area of ​​Rio Grande do Sul as a database. In order to discuss the characteristics and dynamics of the research, considering the thematic field of EA. The methodology used has the character of a bibliographic study, constructed from materials already published (GIL, 1994; 2008), indicating qualitative and quantitative results in relation to the articles observed. In this sense, we opted for the path of bibliographic research due to the definition of the State of Art being associated with this type of research.

Keywords: Environmental education; State of the art research; education.



INTRODUÇÃO



Pensamos a educação ambiental (EA) como transformação social, indo além da compreensão da mesma relacionada somente aos cuidados com o meio ambiente e a biodiversidade. Que realiza um processo de construção de valores sociais, no qual as reflexões ocorrem por meio da participação dos sujeitos em ações coletivas concretizadas em diversos setores da sociedade. Sendo uma práxis educativa e social com a finalidade de construir valores, conceitos, habilidades e atitudes que subsidiam o entendimento da realidade social (LOUREIRO, 2005). O termo Environmental Education, ou Educação Ambiental, surge durante a Conferência de Educação da Universidade de Keele, na Grã-Bretanha durante a década de 1960 (MEDINA, 1997).

Não existe ao certo um marco inicial para os estudos e discussões sobre EA, porém pode-se dizer em um âmbito mundial que este ocorre na década de 1960, com a publicação do livro intitulado ―Primavera Silenciosa (CARLSON, 1969), onde se tem o alerta sobre agrotóxicos e seus efeitos na biodiversidade, solo, água, e no próprio ser humano. A publicação causou grande repercussão nos Estados Unidos, e após seu lançamento iniciam os debates em relação à criação de leis que regulamentariam o uso desses produtos.

Em relação ao Brasil, nos anos de 1960 e 1970, após participar dos eventos mundiais começa a organizar programas e ações de EA em âmbito nacional, elaborando documentos sobre a EA definindo seu papel no contexto nacional. Neste período são criados diversos cursos voltados às questões ambientais em universidades brasileiras (MEDINA, 1997). Já a década de 1990 é marcada pelo evento Rio-92. Realizado em conjunto a Conferência de Cúpula da Terra, reuniu 182 representantes de Países, sendo aprovado cinco acordos oficiais: a) Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; b) Agenda 21 e os meios para sua implementação; c) Declaração de Florestas; d) Convenção – Quatro sobre mudanças climáticas; e) Convenção sobre Diversidade Biológica, (PEDRINI, 1997).

Busca-se realizar neste artigo uma revisão bibliográfica sobre pesquisas na área da EA, do tipo estado da arte, em quatro periódicos na área de Educação de Universidades do Rio Grande do Sul. Procurando identificar alguns pontos descritivos dos artigos além de descrevê-los sinteticamente. A fim de, discutir as características e dinâmicas de pesquisa apresentadas nos artigos analisados, atentando ao campo temático da EA.



METODOLOGIA



Este estudo possui o caráter de Pesquisa Bibliográfica, construído a partir de materiais já publicados (GIL, 1994; 2008), neste caso artigos publicados em periódicos científicos. Nesse sentido, opta-se pelo caminho da pesquisa bibliográfica devido à definição do Estado da Arte estar associada a este tipo de pesquisa. Com isto, Palanch & Freitas (p.785, 2015) ressaltam a importância de pesquisas do tipo Estado da Arte:



Neste caso, podem representar importantes contribuições na constituição do campo teórico de uma área do conhecimento, pois além de identificar os aportes significativos da construção da teoria e prática pedagógica, buscam apontar as restrições sobre o campo em que se move a pesquisa e as experiências inovadoras como alternativas para solução de problemas.



Os periódicos científicos consultados encontram-se na área Educação do Qualis CAPES, sendo outro requisito para a escolha do periódico pertencer a Universidade localizada no Estado do Rio Grande do Sul. Utilizamos para busca nos periódicos a palavra-chave “Educação Ambiental” e não delimitamos o ano de publicação. Assim, os periódicos escolhidos são:

  • Revista Educação da Universidade Federal de Santa Maria contém o Qualis/CAPES A1;

  • Revista Momento Diálogos em Educação da Universidade Federal de Rio Grande contém o Qualis/CAPES B2;

  • Revista Educação & Realidade da Universidade Federal do Rio Grande do Sul contém o Qualis/CAPES A1;

  • Revista Cadernos de Educação da Universidade Federal de Pelotas contém o Qualis/CAPES B1;

Seguindo o seguinte caminho metodológico:

Figura 1 – Caminho de pesquisa

Fonte: Autoras.



Dessa forma, obtemos na pesquisa nos quatro periódicos a quantidade total de 56 artigos, a partir da busca utilizando a palavra-chave Educação Ambiental. Desse modo serão esses artigos serão analisados em um primeiro momento verificando aspectos de sua estrutura por meio dos seus resumos. Identificando nos resumos primeiramente elementos estruturais do artigo como: objetivo, metodologia, referencial teórico utilizado, local no qual a pesquisa se desenvolve, e resultados obtidos.

Posteriormente, serão analisados aspectos referentes ao conteúdo que os artigos completos trazem e sua contribuição para o campo de pesquisa da EA. Para fins de estruturais, a organização desses resultados da análise serão feitos a seguir para cada periódico.



RESULTADOS OBTIDOS

REVISTA EDUCAÇÃO



Referente à Revista Educação da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM obteve-se o total de 13 artigos utilizando a palavra-chave “Educação Ambiental”. Porém desse total de artigos que a busca no Site trouxe, apenas 9 artigos tratam realmente de temas de EA. Segue abaixo quadro contendo o título, autor (es), e ano de publicação dos artigos, podemos observar que o ano de 2016 é o que possui o maior número de artigos com o tema, 3 artigos; seguido pelo ano de 2001, 2 artigos; os demais possui a quantia de 1 artigo.



Quadro 1 – Artigos encontrados na pesquisa na Revista Educação da UFSM

Autores (as)

Título

Ano

DIAS, D. S. S.; CARNEIRO, S. M. M.

Projeto Cidadão Ambiental Mirim: contribuições à Educação Ambiental no ensino fundamental

2016

VIEIRAS, R. R.; TRISTÃO, M.

A educação ambiental no cotidiano escolar: problematizando os espaços tempos de formação como processos de criação

2016

DOTTO, B. C.


A educação socioambiental como tema gerador a partir do lugar de vivência

2016

LOOS-SANT'ANA, H.; LIMA, C. S. de

Representações de crianças sobre a natureza a partir de uma perspectiva ecológica - afetivamente ampliada - da vida


2014

ORMEZZANO, G. R.; POMA, S. T.

Educação socioambiental, imaginário e Artes Visuais


2013

ROCHA, J. B. T.; SALLA, L. F.; FIGUEIRA, A. C. M.; PALMA, L. R. K.; SASSI, N. S.; SALLA, R. F.; DE PRÁ, S. M.

Percepções sobre Fumo Passivo: um olhar sobre o ensino de ciências e seu comprometimento na construção da cidadania para a saúde e qualidade de vida

2009

FARNESI, C. C.; MELO, C.

Educação ambiental no ensino formal: a atuação do professor

2002

FANDI, A. C.; MELO, C.

A interferência de um programa de educação ambiental no aprendizado de alunos das zonas rural e urbana

2001

MORO, C. R.; GRABAUSKA, C.

Educação ambiental e cidadania - uma prática escolar

2001

Fonte: Autoras.

Referente à análise da estrutura dos resumos, dos 9 artigos obtemos os seguintes resultados: todos os artigos possuem a descrição dos objetivos do artigo; sobre a metodologia utilizada na pesquisa consta em 6 artigos; o referencial teórico utilizado consta em apenas 1 dos artigos; o local da pesquisa foi apontado a escola (Pública e Particular) em 5 artigos, 2 artigos configurava-se como pesquisa teórica; referente aos resultados obtidos, foram informados em apenas 5 artigos. Dessa forma cada artigo será contextualizado a seguir.

REVISTA MOMENTO DIÁLOGO EM EDUCAÇÃO

Sobre a Revista Momento Diálogo Em Educação da Universidade Federal de Rio Grande - FURG obteve-se o total de 11 artigos na busca no Site utilizando a palavras-chave “Educação Ambiental”, porém apenas 4 artigos tratam efetivamente de temáticas sobre EA. Seguindo a mesma dinâmica de organização dos resultados obtidos feita acima, temos:

Quadro 2 - Artigos encontrados na pesquisa na Revista Momento Diálogo Em Educação da FURG

Autores (as)

Título

Ano

SILVA, L. S. da; HENNING, P. C.

Mídia, governamento e meio ambiente: provocações sobre Educação Ambiental

2017

MAGALHÃES, C.; VIEIRA, V. T.; SILVA, G. R.

Representações de homem e natureza em filmes de animação: problematizações de uma pedagogia cultural

2017

PIRES, P. A. G.; BROMBERGER, S. M. T.

Educação ambiental e extensão universitária: uma estratégia de contribuição para a construção e/ou resgate da cidadania


2005

GONÇALVES, A. do C. G.

Contextualização da infância no espaço urbano: os possíveis efeitos da globalização


2005

Fonte: Autoras.

Os artigos contendo temas de EA aparecem concentrados nos anos de 2005 e 2017, marcando um longo tempo de hiato em relação a publicações sobre EA. Todos os artigos apresentam em seus resumos os objetivos, porém, a metodologia e referencial teórico utilizado consta em 2 artigos. Os resultados obtidos contam em 3 dos 4 artigos, o local onde desenvolve-se a pesquisa não consta em nenhum dos 4 artigos. Em um dos artigos é sinalizado que a pesquisa foi teórica.



REVISTA EDUCAÇÃO & REALIDADE



Referente à Revista Educação & Realidade da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, obteve-se o total de 17 artigos utilizando a palavra-chave “Educação Ambiental”, desse montante encontrado apenas 9 artigos abordam efetivamente os temas. Tem-se os resultados no quadro a seguir:



Quadro 3 - Artigos encontrados na pesquisa na Revista Educação & Realidade da UFRGS

Autores (as)

Título

Ano

RATTO, C. G.; HENNING, P. C.; ANDREOLA, B. A.

Educação Ambiental e suas Urgências: a constituição de uma ética planetária


2017

PINHEIRO, L. R.; AMARAL, M. de F. do; LISBOA, C. P.; CARGNIN, T. de M.

Sujeitos, Políticas e Educação Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos


2014

LUCA, A. Q. de; ANDRADE, D. F. de; SORRENTINO, M.

O Diálogo como Objeto de Pesquisa na Educação Ambiental


2012

CARVALHO, I. C. M.; STEIL, C. A.

O habitus ecológico e a educação da percepção: fundamentos antropológicos para a educação ambiental


2009

PINHEIRO, L. R.; LISBOA, C. P.; AMARAL, M. F. do; CARGNIN, T. D. de M.

Trajetórias e tomadas de posição no campo ambiental: práticas sociais para reciclagem


2009

FISCHER, N. B.

Perplexidades, desafios e propostas na educação ambiental a partir da trajetória de um pesquisador

2009

GAUDIANO, E. G.; KATRA, L. F. de

Valores e educação ambiental: aproximações teóricas em um campo em contínua construção

2009

BRANQUINHO, F. B.; SANTOS, J. da S.

Antropologia da Ciência, Educação Ambiental e Agenda 21 Local

2007

GUAZZINELLI, M. F. C.; CÉZAR, A; FORMIGLI, A. L.

Experiência de Gestão Ambiental no Currículo de 1º Grau

1999

Fonte: Autoras.

Neste contexto observado, em relação ao ano de publicação dos artigos se tem um cenário dinâmico devido aos distintos anos no qual os artigos foram publicados. Os artigos pesquisados neste periódico possuem em sua maioria um viés filosófico e teórico de abordagem dos temas de EA. Dentre os artigos pesquisados, em 8 artigos os objetivos estão expressos no resumo; em 4 artigos a metodologia, referencial e resultados estão descritos.



REVISTA CADERNOS DE EDUCAÇÃO



A Revista Cadernos de Educação da Universidade Federal de Pelotas foram encontrados a partir da busca utilizando a palavra-chave “Educação Ambiental” o total de 15 artigos. No qual 13 artigos tratam efetivamente de temas relacionados à EA. Como pode ser visto no quadro abaixo:



Quadro 4 - Artigos encontrados na pesquisa na Revista Cadernos de Educação da UFPEL

Autores (as)

Título

Ano

VELASCO, S. L.

Fundamentos da educação ambiental: notas sobre a violação da ética no trabalho alienado vigente no capitalismo

2008

FRANCO, J. B.; MOLON, S. I.

Aproximações entre educação não formal e trabalho mediadas por uma perspectiva socioambiental e de classe

2008

BARROS, V.; TOZONI-REIS, M.

Reinventando o ambiente: educação ambiental na educação infantil

2009

GUIMARÃES, L. B.

Educação ambiental e literatura: narrativas sobre as florestas


2009

FRANZOI, A.; BALDIN, N.

Agenda 21 escolar: impactos em educação, meio ambiente e saúde


2009

BRANDOLT, M.; CORREA L. B.; HAUBMAN, L. P. B.; PROSPERE, R.

Para ler Paulo Freire por meio da estética da recepção, na condição de ambientalista


2009

YUNES, M. A. M.; JULIANO, M. C.

A bioecologia do desenvolvimento humano e suas interfaces com educação ambiental

2010

BALDIN, N.; DARLI, S. A.; DESORDI, D. A. C.; HOFFMANN, J. F.

Escola: vamos praticar jogos ambientais? buscando uma pedagogia para valorizar a água, para valorizar a vida

2011

BERNARDES, M. B. J.; NEHME, V. G. de F.; COLESANTI, M. T. M,

As contribuições do ensino de geografia e da educação ambiental para o cotidiano


2012

VELASCO, S. L.

Ética e princípios da educação ambiental: introdução

2012

LOUREIRO, C. F. B.

Emancipação e complexidade: para o repensar das tendências em educação ambiental

2012

TEIXEIRA, D.; CUNHA, M. R.; SILVA, C. R. da; NUNES, L.

Temática ambiental e suas relações com a informática


2013

BARRETO, M.

Educação, meio ambiente e história: a formação de professores em tempos de crise

2013

Fonte: Autoras.

Pode-se notar que as publicações concentram-se entre o ano de 2009 a 2013, onde temos o ano de 2009 com o maior número de publicações com o tema de EA. Dentro dessa análise dos resumos dos artigos contendo temas relacionados à EA, temos: o objetivo consta em 12 artigos; o local consta em 5 artigos; a metodologia utilizada consta em apenas 3 artigos; o referencial teórico usado consta em 6 artigos; os resultados da pesquisa realizada consta em 8 artigos.



DISCUSSÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS



Observa-se que há poucos artigos publicados nas revistas de Educação de Universidades do Rio Grande do Sul que abordam a temática da educação ambiental. Nesse sentido, é apontado por Carvalho, et. al. (2009), que a produção científica na área da EA tem um aumento significativo a partir dos anos de 1990 no Brasil, com trabalhos de dissertações e teses principalmente. Contendo assim os seguintes dados trazidos por Carvalho, et. al. (2009, p.16):



[...] a uma estimativa de pelo menos 800 trabalhos de investigação (dissertações e teses) produzidos em programas de pós-graduação no país, a maioria realizada a partir de 1990. Embora os resultados encontrados sejam considerados por esses pesquisadores como parciais, é interessante observar que 84% desses trabalhos foram produzidos a partir de 1995.



Outra questão que pode ser observada é a diversidade de áreas do conhecimento que a EA abrange, resultando em um processo difícil de construir o mapeamento das produções científicas sobre o tema. Para compreender este fato, deve-se ressaltar que as características das pesquisas sobre EA são oriundas de dois campos epistemológicos, o ambiental e o da educação, e devido a isto desenvolve sua constituição como uma área interdisciplinar (KAWASAKI & CARVALHO, 2009). Nas produções pesquisadas podem-se notar essas características, no qual a EA é articulada nas diferentes áreas, através da prática e da teoria para problematização de suas questões.

Como acrescenta Kawasaki & Carvalho (2009, p. 144):



Mais do que o aumento qualitativo dessas pesquisas, há que se destacar a amplitude e a abrangência dessa área de investigação, observável na diversificação de temáticas, linhas de pesquisa, áreas do conhecimento, sujeitos envolvidos, abordagens teóricas e metodológicas e contextos educacionais que, cada vez mais, ampliam-se e ocupam novos espaços sociais e educacionais. São essa realidade e essa condição da pesquisa em EA que nos colocam, nos dias de hoje, frente aos desafios da qualidade dessa produção.



Em relação a aspectos estruturais dos resumos dos artigos analisados, sobressai-se a questão da organização dos mesmos não seguirem um padrão de construção, no qual muitos elementos da pesquisa não são mostrados. A maioria dos artigos não apresentam todos os elementos que consideramos básicos para um resumo conter, como por exemplo, objetivos, metodologia, referencial teórico utilizado, resultados, local da pesquisa. Não se pode impor uma padronização para a construção dos resumos, porém quando contém a maioria dos elementos citados acima torna-se mais claro seu entendimento e utilização como referencial na área.

Outro aspecto a ser destacado é a falta de atualização das pesquisas na área da EA, alguns debates feitos nas décadas 1980 e 1990 mesmo sendo pioneiros e um marco teórico e histórico, no contexto atual necessitam de (re)significações. Atualmente o cotidiano e consequentemente a sociedade modifica-se rapidamente, alguns debates anteriores carecem de novos elementos para análise. A escassez de pesquisas atuais é observada, os artigos mais recentes trazem a complexidade como algo a ser inserido nas questões relacionadas à EA.

A Teoria da Complexidade de Morin (2005) considera como princípio fundamental entendermos como a complexidade se articula e se apresenta no contexto em que se insere, com isto, é considerado o ser humano em várias dimensões, desde sua objetividade até sua subjetividade, agregando questões de si, da vida e do mundo. Onde as partes fazem parte do todo, e o todo das partes, ou seja, através da relação entre o ser (humano) e o ter (material).

Quando problematiza-se a EA no espaço acadêmico, tem-se uma outra questão a pensar, que é a demanda de construção de um campo epistemológico da EA no Brasil. Como trás Reigota (2012), o contexto brasileiro contempla uma multiplicidade de estudos e pesquisas sobre EA, permeando as décadas de 1960, 1970, 1980, que possuíam uma aproximação com os movimentos sociais. A partir da década de 1990, os movimentos sociais são substituídos pela aproximação com as ONGs ambientalistas (REIGOTA, 2012). Tomando em sua trajetória de estudos e pesquisas uma institucionalização como menciona o autor, de forma acadêmica e também política (REIGOTA, 2012).

Assim, a produção acadêmica na área da EA, tem seu crescimento na década de 1980, mas não foi apresentado dados que comprovem o foco, pelo exposto foi na última década, contemplando diversas áreas do conhecimento, com publicações principalmente de dissertações e teses originadas de Programas de Pós-Graduação (REIGOTA, 2012). Ainda neste contexto, em relação às produções acadêmicas dos Países da América Latina, destaca-se o Brasil juntamente com o México como Países que mais produzem academicamente na área da EA (REIGOTA, 2012).

Pensando nesses dados, é inegável a trajetória de pesquisas de EA no Brasil, porém se comparadas com os dados dos periódicos que foram utilizados nesta pesquisa, demonstraram poucas produções com as temáticas da EA. Isto se deve ao fato de haver uma multiplicidade de áreas do conhecimento que a EA abrange em seu contexto de pesquisa, por isso é ressaltado a necessidade de construção de um campo epistemológico próprio, com delineamentos de referenciais, pesquisa, temáticas, e contextos acadêmicos, facilitando de certo modo a publicização do conhecimento produzido na área da EA.



CONCLUSÃO

Acredita-se que os resultados ora apresentados a partir da pesquisa de Estado da Arte contemplam positivamente as pretensões iniciais deste estudo. Pois, demonstra a EA como um campo abrangente a diversas áreas do conhecimento, e esta constatação só é possível devido à publicização dessas pesquisas. Entendendo a pesquisa como um instrumento facilitador da construção do conhecimento, que não deve ficar a margem dos diversos contextos da educação.

As publicações em espaços científicos favorecem a divulgação do conhecimento em larga escala, na medida em que estão acessíveis a todos em revistas e periódicos, livros e outros meios. Sendo um propósito a geração atual de pesquisadores promover eventos e difundir através de escrita de artigos as problematizações e reflexões sobre o contexto da educação ambiental no Brasil e mundo.



REFERÊNCIAS



CARSON, R. Primavera silenciosa. - São Paulo. Editora: Melhoramentos, 1969.



CARVALHO, L. M. de; TOMAZELLO, M. G. C.; OLIVEIRA, H. T. de. Pesquisa em educação ambiental: panorama da produção brasileira e alguns de seus dilemas. Cad. Cedes, Campinas, vol. 29, n. 77, p. 13-27, jan./abr. 2009.



GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.



GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1994. 207 p.



GUIMARÃES, M. Por uma educação ambiental crítica na sociedade atual. Revista Margens Interdisciplinar, Universidade Federal do Pará, v. 7, n. 9, p. 11- 22, maio 2016. Pará: Editora Campus de Abaetetuba, 2013. Disponível em: <http://periodicos.ufpa.br/index.php/revistamargens/article/view/2767>. Acesso em: 28 set. 2017.



KAWASAKI, C. S.; CARVALHO, L. M. de. Tendências da pesquisa em educação ambiental. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.25, n.03. p.143-157, dez. 2009.



LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental e movimentos sociais na construção da cidadania ecológica e planetária. In: (Orgs.) Carlos Frederico Bernardo Loureiro; Philippe Pomier Layrarques; Ronaldo Souza de Castro. Educação ambiental: repensando o espaço de cidadania. – 3.ed. – São Paulo: Cortez, 2005.



MEDINA, N. M. Breve histórico da Educação Ambiental. In: (Orgs.) PADUA, S. M. e TABANEZ, M. Educação Ambiental: caminhos trilhados no Brasil. Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA) Ministério do Meio Ambiente (MMA), Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ), Brasília: Editora Pax, 1997.



MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.



PALANCH, W. B. de L.; FREITAS, A. V. Estado da Arte como método de trabalho científico na área de Educação Matemática: possibilidades e limitações. Perspectivas da Educação Matemática – UFMS – v. 8, número temático – 2015.



PEDRINI, A. de G. Trajetórias da Educação Ambiental. In: (Org.) Alexandre de Gusmão Pedrini. Educação ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. - Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.



REIGOTA, M. Educação ambiental: a emergência de um campo científico. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 30, n. 2, 499-520, maio/ago. 2012.



SAUVÉ, L. Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: uma análise complexa. Disponível em: <http://www.serrano.neves.nom.br/MBA_GYN/edsoc10.pdf>.



VELASCO, S. L.. Fundamentos da educação ambientalnotas sobre a violação da ética no trabalho alienado vigente no capitalismo. Cadernos de Educação (UFPel), v. 31, p. 185-201, 2008. 



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Ações e projetos inspiradores     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias