ISSN 1678-0701
Número 62, Ano XVI.
Dezembro/2017-Fevereiro/2018.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Contribuições de Convidados/as     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

30/01/2018CARACTERIZAÇÃO ANATÔMICA COMPARADA DA FOLHA DE CENOSTIGMA MACROPHYLLUM TUL. (FABACEAE, CAESALPINIOIDEAE) EM ÁREAS ECOLOGICAMENTE DISTINTAS  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3002 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

CARACTERIZAÇÃO ANATÔMICA COMPARADA DA FOLHA de Cenostigma macrophyllum TUL. (FABACEAE, CAESALPINIOIDEAE) EM ÁREAS ECOLOGICAMENTE DISTINTAS

Darlane Freitas Morais da Silva

Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), e-mail: darlanebio@hotmail.com

Maria de Fátima de Oliveira Pires

Doutora em botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), e-mail: fopires@yahoo.com.br

Francisco Soares Santos Filho

Doutor em Botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), e-mail: Francisco.soares@pq.cnpq.br

RESUMO

Objetivou-se estudar a anatomia foliar de duas populações de Cenostigma macrophyllum Tul. conhecida vulgarmente como caneleiro, ocorrentes em áreas ecologicamente distintas. Excursões ao campo foram realizadas para coleta de material vegetativo. Efetuaram-se testes histoquímicos e medidas do espessamento da cutícula e mesofilo. Os estudos mostraram caracteres comuns à Caesalpinioideae como posição dos estômatos, agrupamento de cristais e feixes vasculares acompanhados por fibras. Estômatos paracíticos e estruturas secretoras são característicos de Cenostigma. Já caracteres como cutícula mais espessa e mesofilo mais desenvolvido podem demonstrar uma influência do ambiente.

Palavras-chave: Anatomia foliar, Populações, Ecologia.

ABSTRACT

The objective of this study was to study the foliar anatomy of two populations of Cenostigma macrophyllum Tul. commonly known as caneleiro, occurring in ecologically distinct areas. Field trips were conducted to collect vegetative material. Histochemical tests and measurements of cuticle and mesophil thickening were performed. The studies showed characters common to Caesalpinioideae as stomatal position, clustering of crystals and vascular bundles accompanied by fibers. Paracytic stomata and secretory structures are characteristic of Cenostigma. Already characters such as thicker cuticle and more developed mesophyll can demonstrate an influence of the environment.

Keywords: Leaf anatomy, Populations, Ecology.

INTRODUÇÃO

Fabaceae é uma família de ampla distribuição geográfica, compreendendo três subfamílias (Caesalpinioideae, Mimosoideae e Papilionoideae), 630 gêneros e 18000 espécies (JUDD et al., 2009), sendo a terceira maior família de Angiospermas (SOUZA; LORENZI, 2005). No Brasil encontram-se 210 gêneros nativos e 2.695 espécies, estando entre as famílias mais representativas na maioria dos ecossistemas brasileiros (LIMA et al., 2010).

Entre os gêneros de Caesalpinioideae destaca-se Cenostigma Tul., endêmico e nativo do Brasil, compreendendo atualmente as espécies Cenostigma macrophyllum Tul. e Cenostigma tocatinum Ducke. Cenostigma é um gênero nativo do Brasil que caracteriza-se por apresentar hábito arbustivo ou arbóreo, folhas compostas, paripenadas, glabras a densamente pubescentes com tricomas estrelados a glandulares, três a seis pares de folíolos por folha, inflorescência terminal, racemo, flores pediceladas amarelas, fruto lateralmente comprimido e tardiamente deiscente, legume, com duas a cinco sementes (WARWICK; LEWIS, 2009).

Cenostigma macrophyllum é conhecida popularmente como caneleiro, possuindo hábito arbustivo ou arbóreo, folhas compostas, três a seis pares de folíolos, coriáceas, com tricomas simples e estrelados, inflorescência terminal, cacho, flores amarelas, fruto, deiscente, legume e sementes abundantes. A floração ocorre durante a maior parte do ano, mas principalmente de janeiro a abril, frutificando de maio a julho (WARWICK; LEWIS, 2009). A espécie é símbolo da capital do Piauí, Teresina, através do Decreto Municipal nº 2.407, de 13 de agosto de 1993, sendo utilizada na arborização (MACHADO, 2001).

Até o presente momento foram encontrados na literatura apenas trabalhos bioquímicos, que se estudaram compostos fenólicos e a atividade antioxidante de cinco plantas medicinais entre as quais estava Cenostigma macrophyllum (SOUSA et al., 2007) e outros autores (ALVES et al., 2012) que relataram a presença de compostos flavonóides e fenólicos nessa mesma espécie. Estudo farmacológico onde foi demonstrado a ação de substâncias isoladas de Cenostigma macrophyllum em modelos experimentais de lesão gástrica e modelos comportamentais (LIRA, 2010). E trabalho taxonômico que revisou o gênero Cenostigma, o qual compreende atualmente duas espécies (WARWICK; LEWIS, 2009). Já sobre a anatomia foi realizado um trabalho geral sobre anatomia de dicotiledôneas, no qual descreveram a família, mencionando o gênero Cenostigma (METCALFE; CHALK, 1957). Entretanto, a literatura não cita estudos específicos sobre a anatomia e/ou ecologia referente à Cenostigma macrophyllum Tul.

No Brasil Cenostigma macrophyllum apresenta-se distribuída nas regiões de Minas Gerais, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Paraná, Pernambuco, Bahia, Goiás, Tocantins e Piauí, ocorrendo em ambientes bastante diversificados como cerrado, caatinga e transição (QUEIROZ, 2009; WARWICK; LEWIS, 2009).

A ocorrência de uma mesma espécie em áreas ecologicamente distintas, desperta o interesse por um estudo anatômico comparativo entre estas populações contribuindo para a caracterização ecológica e estrutural dessa espécie (SOUSA et al., 2013; PIRES et al., 2011). De acordo com a anatomia ecológica a estrutura da lâmina foliar é a que mais se modifica em resposta a pressões ambientais (ESAU, 1974; CUTTER, 1986; MENEZES; SILVA; PINNA, 2003).

Neste contexto, foi estudada a anatomia foliar de duas populações de Cenostigma macrophyllum Tul. (Fabaceae, Caesalpinioideae) ocorrentes em áreas ecologicamente distintas no Estado do Piauí, contribuindo dessa forma para um melhor conhecimento da espécie em termos de estrutura anatômica e comportamento ecológico.

METODOLOGIA

Foram realizadas excursões ao campo para reconhecimento da espécie, coleta e fixação de material vegetativo. Os espécimes foram coletados em duas áreas ecologicamente distintas no Estado do Piauí: uma área de transição cerrado/caatinga, no município de Juazeiro do Piauí-PI, que apresenta como tipos fisionômicos o cerrado e a caatinga, o clima é tropical alternadamente úmido e seco, com duração do período seco de seis meses e os solos são latossolos vermelho-amarelo podzólicos, associados a areias quartzosas e solos indiscriminados tropicais (Figura 1) (CEPRO, 2013).

Os indivíduos da outra população foram coletados, numa área remanescente de floresta estacional semidecidual, no Parque Zoobotânico, no município de Teresina-PI, cuja vegetação caracteriza-se como de floresta decidual secundária mista, babaçual e Cerrado, o clima é tropical subúmido quente, com duração do período seco de seis meses e os solos são podzólicos vermelho-amarelo plíntico e abrúptico, associado a solos aluviais erutróficos, latossolos vermelho-amarelo e areias quartozosas (Figura 2) (CEPRO, 2011).