ISSN 1678-0701
Número 61, Ano XVI.
Setembro-Novembro/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

11/09/2017ABORDAGEM SOBRE O USO DE PLANTAS: UMA ALTERNATIVA PRÁTICA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2893 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

ABORDAGEM SOBRE O USO DE PLANTAS: UMA ALTERNATIVA PRÁTICA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Daniela Pereira Neto de Queiroz1, Sandra Bomfim Gruenwald Peres 2Debora Modesto Martins de Abreu3

 

 

1 – Bióloga e Tecnóloga em Gestão Ambiental, Laboratorista de Ciências e Biologia do Colégio Visconde de Porto Seguro, mestranda em Educação. Email: danielapereiraneto@gmail.com

2 – Bióloga, Professora de Ciências do Colégio Visconde de Porto Seguro, Email: sandra.gru3@gmail.com

3 – Bióloga, Laboratorista de Ciências e Biologia do Colégio Visconde de Porto Seguro. Email: deboradeabreu@yahoo.com.br

Resumo

A formação do aluno tem que ser holística, ou seja, o indivíduo tem que adquirir uma visão de mundo global e em sua totalidade. Por isso é necessário o aluno entender o meio ambiente como parte de si mesmo. Esse trabalho visa demonstrar um projeto prático realizado com alunos de 7° ano do ensino fundamental, onde o enfoque foi mostrar ao aluno importância da biodiversidade por meio dos conhecimentos que os alunos têm sobre plantas e suas utilidades. O tema foi abordado nas aulas de ciências, onde se iniciou com um debate sobre o tema, após pesquisa levantada pelos alunos, e novamente um debate para discutir o que foi descoberto. Após a finalização do trabalho os alunos participaram da mostra de ciências, onde foram apresentados os trabalhos. O objetivo do trabalho além de ensinar Educação Ambiental por meio da prática, também foi despertar no aluno um pensamento crítico, podendo assim ser capaz de construir seu próprio conhecimento.

Palavras-chave: Educação Ambiental, Ensino de Ciências, Uso de Plantas.

1.    Introdução

            Educação Ambiental é a luta pela preservação, conservação e manutenção dos nossos recursos naturais, é educar para uma visão mais humanizada para a natureza, entendendo que cuidando do meio ambiente, estamos também preservando a vida humana e cooperando para qualidade de vida.

Os conceitos de Sustentabilidade, conservação da biodiversidade, mudanças climáticas, e todos os impactos reais do meio ambiente precisam ser trabalhados na educação formal. Aprender educação ambiental na escola não abrange apenas meio ambiente, mas é formar um indivíduo com responsabilidade social.   

Desta maneira se faz necessário a abordagem dos conceitos de sustentabilidade na escola, que é usar os meios naturais de forma consciente e respeitosa ao meio ambiente. Usar os recursos naturais de forma democrática, de modo que todos, sem exceção de classe ou região geográfica tenham acesso a esses recursos. Estudar esse tema na escola nos faz caminhar para um desenvolvimento urbano, que anda juntamente, com o desenvolvimento sustentável, econômico e social (MACIEL, 2012).

A educação ambiental é uma responsabilidade social, as questões ambientais estão diretamente ligadas a fatores ecológicos, sociais, culturais, econômicos e políticos. Então a intenção é ensinar educação ambiental, contextualizando problemas ambientais no convívio social e cultural do aluno, é desenvolver no educando uma consciência ambiental, sem excluir sua realidade social, política, econômica e cultural (LAYRARGUES, 2006)

Apenas falar sobre sustentabilidade e suas práticas na teoria não é o bastante, é necessário um contanto verdadeiro, uma inserção na realidade, para entender o meio ambiente de forma holística. E o que a escola pode fazer para tornar o ensino de Educação Ambiental atividade prática e inserida na realidade do aluno?

            Assim, o objetivo deste trabalho é trazer o aluno para a vivência com o meio ambiente, para entender a importância da biodiversidade,por meio dos conhecimentos tradicionais sobre plantas medicinais e alimentícias na aula de Ciências.

2. Metodologia

O estudo foi desenvolvido em uma escola em São Paulo, participaram desse trabalho 30 alunos de uma sala de 7º ano e a pesquisa foi abordada na aula de Ciências. Para a realização de tal trabalho, foi inicialmente discutido pelo professor em sala com os alunos sobre a utilização de plantas medicinais e alimentícias e sobre o conhecimento tradicional por trás dessa cultura. A ciência que trata sobre a relação dos homens com as plantas é a Etnobotânica (ALBUQUERQUE, 2005).

            Após a discussão foi solicitado aos alunos que realizassem uma pesquisa bibliográfica e também uma pesquisa com seus pais e avós sobre conhecimento sobre plantas. Após pesquisa, o assunto foi debatido em sala de aula, e cada aluno ficou responsável por pesquisar mais a fundo uma espécie vegetal e suas utilizações.

3. Resultados e Discussão

            As plantas medicinais como recursos no ensino já foram utilizadas por vários autores, como por exemplo Cruz et al. (2009),           que fez o estudo também em aulas de Ciências, sua metodologia foi por meio de questionários ao docentes e roda de conversa com os alunos. No estudo de Rodrigues et al. (2008) foram realizados encontros e debates a fim de discutir o conhecimento dos alunos sobre o assunto. Foi possível identificar um interesse dos alunos sobre os usos de plantas. A pesquisa foi produtiva e os alunos participaram de forma efetiva nas aulas. Após a finalização da pesquisa bibliográfica que eles realizaram e discussões em sala, os alunos confeccionaram cartazes com informações sobre as plantas, e um utilidade da mesma. Os alunos também participaram da mostra cultural da escola, onde eles trouxeram bolos, chás, biscoitos, e até as folhas das plantas de sua pesquisa para demonstrar suas utilizações.  As plantas e os usos pesquisados estão apresentados na tabela 1, e alguns cartazes confeccionados pelos alunos encontram-se na figura 1.

 

Tabela 1.Plantas e suas utilidades, pesquisa dos alunos.

Nome popular

Nome científico

Utilidade mencionada

Hibisco

Hibiscus

Chá

Hortelã

Mentha spicata

Chá, sabonete e bolo

Urtiga

Urtica

Chá

Alecrim

Rosmarinus officinalis

Tempero de almondega

Camomila

Chamomilla recutita

Biscoito e sabonete

Erva – doce

Pimpinella anisum

Biscoito

Babosa

Aloe vera

Shampoo

Cacau

Theobrama cacao

Chocolate

Boldo

Plectranthus barbatus

Chá

Lavanda

Lavandula angustiofolia

Sabonete

Erva mate

Ilex paraguariensis

Chá

 

 

Figura 1. Cartazes confeccionados pelos alunos após a pesquisa.

Cabe salientar que nas aulas era ressaltada a importância de se conservar nossa biodiversidade, pois de forma prática eles perceberam que ela se faz necessária em nossas vidas.

4. Conclusão

A realização de projetos práticos incentiva o aluno a se interessar mais pelo o assunto em pauta, e em sua compreensão. A prática possibilita a interação do discente, auxiliando na ensino-aprendizagem. Deste modo esse trabalho incentivou a reflexão do aluno para a construção do seu conhecimento.Entretanto, é válido lembrar que a Educação Ambiental tem caráter interdisciplinar, não se reduzindo apenas as aulas de Ciências. Tem o dever de perpassar por todo currículo escolar, pois a intenção da Educação Ambiental não é apenas tratar de problemas ambientais, mas também formar um cidadão humanizado, e com a intenção que a partir disto se gere novos valores, novos comportamentos que o incentive a ter novas práticas contribuindo para ummundo mais sustentável.

REFERÊNCIA

 ALBUQUERQUE, U. P. Introdução à Etnobotânica.2 ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2005.80p.

CRUZ, L. P.; FURLAN, M. R.; JOAQUIM, W. M. O estudo de plantas medicinais no ensino fundamental: uma possibilidade para o ensino de botânica. VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, 2009.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. Muito além da natureza: educação ambiental e reprodução social. Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, p. 72-103, 2006.

MACIEL, MARLY LOBATO. Educação Ambiental E Qualidade De Vida: uma análise sobre a prática pedagógica de docentes do ensino fundamental na cidade de Belém/PA.2012

RODRIGUES, L. C. P.; ANJOS, M. B.; RÔÇAS, G. Pedagogia de projetos: resultados de uma experiência. Ciências & Cognição, v. 13 (1): 65-71, Março 2008.

 

 

 

 



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Saber do Fazer     Culinária     Arte e ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Contribuições de Convidados/as     Folclore     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Logística Reversa     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias