ISSN 1678-0701
Número 60, Ano XVI.
Junho/Agosto/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Educação Ambiental e Comunicação     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

03/06/2017LUDICIDADE NO ENSINO DE INVERTEBRADOS DO SOLO EM ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO BÁSICO EM CAXIAS, MA  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2768 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

Ludicidade no ensino de invertebrados do solo em escola pública de ensino básico em Caxias, MA

 

Régia Maria Reis Gualter 1

Maria Luiza Carvalho Paixão 2

Mariana Alves Cruz 2

Tainah de Jesus Reis Gualter3

 

1 Bióloga, Mestra em Ciências e Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Gleba Buriti do Paraíso – km 02 – MA, 349, Povoado Lamego – Zona Rural, CEP: 65.600-992. Caxias, MA, Brasil. E-mail: regia.gualter@ifma.edu.br

2 Discente do Curso Técnico em Agroindústria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão. Caxias, MA, Brasil. E-mails: marialuizaifma@gmail.com; maricruz0070@outlook.com

3 Filósofa, Especialista em Ensino de Filosofia e Professora da Escola Municipal, do Mocambinho, Rua Dr. Antônio Pereira Martins, CEP: 64.008-190, Mocambinho. Teresina-PI. E-mail: tainahgualter@hotmail.com

 

RESUMO. A prática lúdica no ensino de Ciências e Biologia é relevante visto que auxilia no processo de ensino e aprendizagem de diferentes conteúdos dessas disciplinas que muitas vezes abordam temas abstratos e incompreensíveis aos alunos. Dentre esses assuntos, ressaltam-se os animais invertebrados, especificamente, os organismos da fauna do solo, responsáveis por funções ecológicas como decomposição, reciclagem de nutrientes, agregação e incorporação dematéria orgânica ao solo. Este estudo objetivou desenvolver atividades lúdicas utilizando diferentes recursos didáticos sobre assuntos relacionados aos invertebrados terrestres em turma de Ensino Fundamental, na Unidade Escolar Engenheiro Jadihel Carvalho em Caxias-MA. Foram realizadas atividades de exposição de imagens dos organismos do solo, aula de campo, leitura de texto, apresentação de cartaz sobre a tema “solo”, produção de jogos de cartas e de memória de seres invertebrados, aplicação de exercícios de caça-palavras, de completar palavras e de cruzadinha sobre os grupos de invertebrados, uso de paródia, exibição do filme “Vida de Inseto” e elaboração e apresentação de peça teatral. A aplicação das atividades estimulou o interesse dos discentes sobre os conteúdos abordados, possibilitando uma abordagem ampla sobre as características, funções e importância dos invertebrados terrestres ao ambiente.

 

Palavras-chave:Teatro; Lúdico; Recursos didáticos; Assimilação.

 

 

1.    Introdução

O processo de ensino e aprendizagem é complexo e apresenta-se com numerosos enfoques. Assim para que seja satisfatório ele deve ser ativo e inovador de instrumentos diferentes daqueles normalmente aplicados nas escolas. Ainda, conforme Davis et al. (2011) não são todos que aprendem e absorvem o conhecimento da mesma maneira, ou seja, cada indivíduo é detentor de habilidades e competências diferentes (CANDIDO; FERREIRA, 2012). Logo, uma das atribuições do docente é diversificar sua prática, com o propósito de motivar e provocar a maximização do saber aos discentes.

Dentre os mecanismos que podem ser utilizados no ensino, destaca-se o papel do lúdico, já que na medida que o professor repassa o conteúdo o aluno absorve as informações de maneira leve e divertida, provocando sensações múltiplas e transformadoras. Essas mudanças comportamentais são decorrentes da atuação do alunado como responsáveis pelo próprio aprendizado, pois ao brincar os indivíduos são transportados ao imaginário, e assim a criatividade é manifestada favorecendo na percepção dos assuntos abordados nas aulas.

A educação é uma ação colaborativa, onde o ser humano obtém conhecimentos por meio da relação interpessoal e com o espaço ao redor. E nesse certame o aprendizado de Ciências compreende tanto demandas pessoais como coletivas (BARROS et al., 2013). Diferentes assuntos estudados em Ciências abordam temas abstratos e incompreensíveis aos alunos, tornando a aprendizagem dificultosa. Entre eles salienta-se os assuntos sobre os animais que são divididos genericamente em vertebrados e invertebrados, sendo esses organizados mediante características afins em grupos como filos e subfilos, estando situado na série do Ensino Fundamental normalmente à matéria de Ciências Naturais.

Dos assuntos propostos e considerados complexos nos currículos escolares de Ciências ressalta-se o Filo Arthropoda. Esse pertence ao Reino Animal e apresenta alguns exemplos de representantes a seguir: aranhas, escorpiões, insetos, centopeias, piolhos-de-cobra, ácaros e tatuzinho de jardim, dentre outros animais segmentados que possuem apêndices articulados e exoesqueleto quitinoso. Os organismos desse táxon têm elevada diversidade quando comparado a outros grupos pertencentes da fauna, com aproximadamente 1.101.289 espécies existentes e catalogadas, sendo estimado em torno de 30 milhões de espécies de insetos a serem descobertos (BESERRA; BRITO, 2012).Dentre os representantes desses organismos destacam-se os da fauna do solo, que são responsáveis por diversas funções ecológicas como decomposição, reciclagem de nutrientes, agregação e incorporação de matéria orgânica do solo.

Assim o conhecimento sobre a aspectos morfofisiológicos desses seres é fundamental, visto que a sociedade se relaciona ecologicamente e economicamente com vários desses organismos (CANDIDO; FERREIRA, 2012), como por exemplo as borboletas, ácaros, piolhos-de-cobra, besouros, abelhas, cupins, formigas, carrapatos, mosquitos, gafanhotos, joaninhas, lagartas, moscas, cigarrinhas, baratas e percevejos, onde alguns causam benefícios e outros danos à saúde pública e à agricultura.

Apesar da relevância de trabalhos sobre a investigação de práticas metodológicas no ensino, ainda são escassos os estudos em temas relacionados a invertebrados do solo. Assim, essa pesquisa visou desenvolver atividades lúdicas utilizando diferentes recursos didáticos sobre assuntos relacionados aos invertebrados terrestres em turma de Ensino Fundamental, na Unidade Escolar Engenheiro Jadihel Carvalho em Caxias-MA.

 

2.    Material e Métodos

A pesquisa desenvolvida nesse trabalho teve uma abordagem qualitativa, de natureza aplicada, exploratória e do tipo pesquisa-ação, segundo Silveira e Córdova (2009), onde foram aplicadas diferentes modalidades didáticas visando atender as peculiaridades individuais dos sujeitos envolvidos.

 

Escola campo

O estudo foi desenvolvido em escola pública da zona urbana de Caxias-MA, de Ensino Fundamental (EF), a Escola Municipal Engenheiro Jadihel Carvalho, localizada na Rodovia MA 349, S/N, Teso Duro. As atividades desenvolvidas foram aplicadas em uma turma do 3° ano na disciplina de Ciências.

 

Aspectos éticos

Inicialmente foi apresentada à turma as atividades propostas, onde foi comunicado sobre a participação facultativa nelas. Também foi esclarecido o caráter do trabalho, sendo solicitado aos responsáveis legais dos partícipes, a assinatura de termos de consentimento quanto à participação dos alunos.

 

Produção e aplicação de questionários

Ao final da aplicação dos recursos didáticos foram aplicados questionários aos alunos, conforme Chaer et al. (2011). O questionário contou com perguntas abertas e fechadas, sendo essas voltadas para temas como: os meios didáticos empregados, conteúdos sobre os temas - solo e invertebrados terrestres e a utilização do teatro como recurso de aprendizagem. Os questionários foram aplicados individualmente, sendo as respostas agrupadas separadamente, onde foram criados gráficos para a análise dos resultados, assim como algumas respostas foram transcritas.

 

Aulas teórico-práticas

Foram ministradas aulas teóricas sobre invertebrados na turma participante, onde essas aulas foram elaboradas mediante os conteúdos presentes nos livros didáticos e ao contexto proposto das disciplinas aos estudantes. Durante as aulas, foi utilizada a explanação dialogada para possibilitar uma melhor obtenção dos conteúdos, sendo utilizadas ilustrações, cartazes e leitura do texto “No Reino dos Animais” (SANTOS, 1952) para explicação do assunto aos discentes (Figura 1A), elaboração de desenhos pelos alunos (Figura 1B), além de observações in loco para a percepção da diversidade de invertebrados existentes no meio de convivência dos alunos (Figura 1C). Posteriormente, foram aplicadas atividades de cruzadinha (APRENDER LIGEIRO, 2016a), caça-palavras (APRENDER LIGEIRO, 2016b) e completar palavras (APRENDER LIGEIRO, 2016c). Ainda, foi realizada a confecção de jogos de cartas (Figura 2 A e B), além de paródia (Anexo A) como meio para divulgar a temática em questão.

 

 

 

Foi exibido o filme “Vida de Inseto”, como metodologia de desmistificação de alguns conceitos sobre invertebrados. Posteriormente à exibição, foi realizada uma síntese sobre o vídeo, sendo relacionados os personagens, suas características, funções e importância no ambiente.

Montagem e aplicação de peça teatral no ensino e aprendizagem de assuntos sobre invertebrados

Após o desenvolvimento das aulas teórico-práticas sobre os invertebrados terrestres, foi apresentada a turma, a proposta da aplicação de uma peça teatral mediante o entendimento sobre os assuntos compreendidos. Assim foi elaborado um roteiro baseado no contexto curricular e nas observações realizadas a partir das demais atividades lúdicas. A peça teatral abordou a relação ecológica entre os organismos e a importância de alguns representantes dos invertebrados terrestres presentes nos artrópodes como insetos, aracnídeos, diplópodes e crustáceos, nos moluscos e nos anelídeos, sendo eles: formiga, besouro, barata, cupim, grilo e borboleta (insetos), aranha e escorpião (aracnídeos), tatuzinho de jardim (crustáceo), caracol (molusco) e minhoca (anelídeo). A peça contou com 21 atores, sendo que os alunos da escola atuaram como personagens, representando cada um dos indivíduos relacionados aos principais grupos de invertebrados.

A maioria dos alunos da turma se propôs a atuar, outros auxiliaram na montagem do cenário, juntamente com a professora da turma e os demais formaram o público, que assistiram à encenação. Foram elaborados como figurino apêndices morfológicos, de modo a caracterizar cada um dos atores, facilitando assim a identificação dos organismos representados. A confecção do roteiro, figurino e cenário foram elaboradas pelas pesquisadoras do projeto.

Foram utilizados para a confecção e montagem do figurino e cenário os seguintes materiais: tecido TNT, eva, cola glitter, tiara, espuma para artesanato, tintas de tecido, arame galvanizado, tecidos coloridos, cola quente, pistola para cola quente, cortina e painel contendo uma representação de um jardim.

Na peça teatral foi utilizada a técnica de improvisação, onde mesmo contendo um roteiro, os alunos ficaram livres para falar sobre a temática abordada, sendo assim o número de ensaios realizados foi limitado. Após a finalização das etapas de construção do figurino, cenário e ensaio, a peça teatral foi apresentada na escola.

 

3.    Resultados e Discussão

As aulas teórico-práticas ministradas nas escolas foram concebidas a partir da exposição dialogada sobre o conteúdo de invertebrados terrestres, sendo levantadas indagações sobre o tema de modo a incentivar a curiosidade e senso investigativo acerca do enfoque proposto. Apesar de constituir-se um método tradicional, as aulas teóricas são necessárias, visto que permitem embasamento do assunto a ser estudado, e assim possibilitando uma compreensão inicial sobre a temática abordada. Verificou-se nesse momento que os alunos atuaram como ouvintes e com menor interação, entretanto os questionamentos levantados durante as aulas proporcionaram a criticidade e argumentação, instigando-os a possíveis respostas a essas questões.

Krasilchik (2004), ressalta que as aulas teóricas são importantes instrumentos que atuam na inserção inicial de um conteúdo, e quando seguidas de discussões favorecem a atração ao pensamento analítico dos alunos, aplicando exemplos e levando-os a elaborarem resoluções que conduzam as concepções a serem entendidas.

A aplicação das atividades de cruzadinha, completar palavras e de caça-palavras serviram para a fixação dos conteúdos explanados, contribuindo para o aprendizado dos assuntos sobre a classificação e exemplos de alguns representantes dos invertebrados. Conforme Benedetti Filho et al. (2013), são ferramentas didáticas que despertam o interesse, a originalidade e a racionalidade propiciando praticar e incrementar o vocabulário.

Já a utilização de ilustrações e cartazes visou destacar as informações mais relevantes sobre os aspectos gerais dos invertebrados edáficos, além de conhecimentos sobre o recurso solo como importância, manejo e preservação. Segundo Freitas (2007, pág. 36) essa prática caracteriza-se como um mecanismo de transmissão visual cujo propósito é divulgar diferentes mensagens. Nesse sentido, o uso desse recurso promoveu a recapitulação dos assuntos vistos, de modo a favorecer a consolidação de ideias.

Os desenhos realizados pelos alunos como forma de representação dos organismos estudados, demonstram que houve percepção do assunto. Entretanto não é possível confirmar que essa assimilação foi recente ou anterior as explicações do tema nas aulas, já que cada indivíduo carrega seus conhecimentos prévios obtidos a partir de suas observações acerca do ambiente, desenhando-os mediante o imaginário único e particular. Conforme Derdyk (2003, p.112), “[...] o desenho traduz uma visão porque traduz um pensamento, revela um conceito”.

A utilização dos jogos de cartas, viabilizou melhor fundamentação na aquisição de conhecimento sobre aspectos como importância, características e função da fauna do solo aos alunos. Candido e Ferreira (2012), ao utilizarem o jogo como material didático para o ensino de zoologia dos invertebrados, verificaram que o jogo didático conseguiu ser aplicado de maneira complementar as atividades, podendo alternar-se com outros procedimentos didáticos, variando assim os trabalhos escolares. Além de vantagens à aprendizagem, esse recurso atrai a atenção dos discentes com o tema estudado, permitindo uma melhor coexistência entre alunos e professores.

A paródia propiciou o despertar dos alunos, de modo a facilitar o entendimento dos assuntos trabalhados nas aulas. Conforme Cavalcanti (2013), a implantação de paródias musicais propicia a atuação dos discentes nas atividades, podendo ser utilizado como método alternativo à aprendizagem de diferentes conceitos. E assim favorecendo na memorização ao final dos conteúdos (SILVA et al., 2015), e garantindo à compreensão dos conteúdos abordados.

O uso do filme “Vida de Inseto”, levou a percepção da turma aspectos morfológicos, comportamentais e hábitos alimentares dos diferentes invertebrados (formiga, gafanhoto, bicho-pau, louva-a-deus, borboleta, joaninha, aranha viúva negra, lagarta, tatuzinho-de-jardim, pulga. Além de estabelecer noções de cadeia alimentar e relações ecológicas como exemplo, a sociedade, um tipo de relação harmônica intraespecífica que é marcada pela divisão de trabalho entre os indivíduos do mesmo grupo, presente entre as formigas, e o esclavagismo (escravidão), um tipo de relação desarmônica  interespecífica no qual uma espécie se aproveita das atividades de outro ser vivo, no caso as formigas cuidam e protegem os pulgões para se aproveitar do açúcar que esses afídeos sugam das plantas e excretam o excesso do corpo sendo lambido pelas formigas. Deste modo, a prática de assistir um filme desencadeou signos aos alunos, visto que ao compreender o significado exibido e comum a todos, especialmente quando mediado, o discente internaliza uma ação recíproca de significados (REICHMANN; SCHIMIN, 2008). Segundo Vygotsky (1984, p.51), a similaridade essencial entre signo e mecanismo está no emprego interposto que os descreve. Assim o signo corresponde a imagem visual e o significado trata-se da forma como o indivíduo entende essa determinada imagem.

O teatro educacional auxilia no desenvolvimento cognitivo e motor, melhorando a compreensão dos diferentes assuntos, sendo essa prática significativa no processo de ensino e aprendizagem. Sua aplicação no contexto escolar ainda é incipiente, porém mostra-se cada vez mais como um promissor instrumento educativo nos diferentes níveis de ensino, em especial no ensino fundamental.

As artes cênicas possibilitam novas práticas dentro ou fora da sala de aula que simultaneamente podem ser empregadas com as demais ferramentas, como leitura, escrita, pesquisa, experimentação e outros recursos lúdicos (VESTENA; PRETTO, 2012). Nesse sentido, estudos aprofundados sobre as modalidades didáticas e suas atribuições dentro das propostas de ensino merecem destaque, já que favorecerão a melhor aplicação daquelas, objetivando o aproveitamento adequado e viabilizando uma aprendizagem significativa.

 

O teatro, nos espaços escolares e formativos, pode servir como excelente recurso para capacitar os estudantes, principalmente quando estes necessitarem interagirem com grupos mais numerosos, turmas heterogêneas. Por meio desta arte, exercitam-se a atenção, a paciência, a solidariedade e o convívio com as diferenças. (VESTENA; PRETTO, 2012).

Foram avaliados vinte e um questionários aplicados aos alunos do ensino fundamental, após o desenvolvimento das atividades sendo os resultados apresentados a seguir. Quando perguntados se sabiam a respeito do assunto sobre solo, 90% dos entrevistados afirmaram que sim (Figura 3). Dessa forma é possível diagnosticar que os discentes, a partir das informações repassadas durante as aulas teórico-práticas, compreenderam essa temática.

 

Foi observado que 90% dos discentes reconhecem os invertebrados terrestres, conforme resultado demonstrado na Figura 4. Quando questionados sobre o nome desses organismos foram relatados os seguintes nomes: formiga (52%), besouro (33%), barata (24%), minhoca (19%), caracol (14%), pulgão (10%), borboleta (10%) e lagarta (5%). Ainda, ao serem perguntados sobre a função desses organismos da fauna edáfica foram apresentadas as seguintes respostas: “Formiga cava (Aluno 1); Besouro diminui o lixo (Aluno 2)”. Percebe-se a partir desse resultado que os discentes tiveram um aproveitamento ótimo, já que conseguiram recordar a maior parte dos animais citados durante o desenvolvimento da pesquisa. Segundo Brum e Schuhmacker (2014), para as crianças o conhecimento em ciências é particionado em princípios pessoais e a compreensão que incorporam do mundo. Assim, podem manifestar considerações sobre os animais tais como: a lagarta faz um casulo pois necessita de uma casa. Também podem separar esses organismos mediante sua morfologia e atribuição biológica, exemplo: animais voadores.

 

 

Cerca de 67% dos discentes responderam positivamente ao serem questionados sobre a utilização de recursos lúdicos para o aprendizado de assuntos sobre a fauna do solo (Figura 5), onde alguns responderam que: “Eu aprendi sobre os invertebrados (Aluno 1); Música e brincadeira da memória (Aluno 2) ”. Nesse sentido, a aplicação das diferentes propostas possibilitou habilidades cognitivas como o pensamento, a linguagem e o raciocínio sobre os conteúdos estudados, sendo também verificado que alguns conseguiram exemplificar as modalidades didáticas utilizadas. Esse resultado, reforça o embasamento teórico da literatura que destaca a necessidade de investigar a prática pedagógica, para então propor e aperfeiçoar recursos didáticos que possam ser utilizadas, contribuindo no aprendizado dos conteúdos de Ciências, como por exemplo sobre os invertebrados.

O uso de diferentes recursos didáticos é importante, já que proporcionam dados, direcionam a aprendizagem, trabalha valências, possibilitam examinar a obtenção de conhecimentos e despertam os alunos (MIRANDA et al., 2016).

 

 

Quando perguntados sobre o emprego do teatro em outros conteúdos de Ciências, 90% dos alunos responderam que sim (Figura 6). Assim é possível predizer que houve assimilação dos assuntos analisados, já que a metodologia do teatro propiciou ainda mais consolidação ao estudo. De acordo com Vestena e Pretto (2012) dentre as opções didáticas, o teatro pode ser utilizado no ensino de ciências, sendo capaz de incentivar e despertar a curiosidade científica e artística do aluno de maneira efetiva.

 

4.    Conclusão

As aulas teóricas propiciaram aos alunos uma abordagem ampla sobre as características, função e importância dos invertebrados terrestres.

A utilização do filme, da paródia e de jogos foram meios capazes de estimular o interesse dos discentes no aprendizado dos conteúdos estudados.

A metodologia do teatro foi exitosa no ensino de invertebrados terrestres.

A concepção dos alunos sobre a prática lúdica é que são importantes meios de ensino a serem aplicados nos conteúdos de Ciências, assim como em outras disciplinas.

 

5.    Agradecimentos

À Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão pelo financiamento do projeto e pelas bolsas concedidas.

À Escola Municipal Engenheiro Jadihel Carvalho pela acolhida e disponibilidade na realização do projeto. Aos alunos e professores participantes da pesquisa.

 

6.    Referências

 

APRENDER LIGEIRO. Atividades de ciências: seres invertebrados. Disponível em: <http://aprenderligeiro.blogspot.com.br/search/label/Atividades%20de%20Ci%C3%AAncias%3A%20Seres%20Invertebrados>. Acesso em: 19 de set. 2016a.

 

APRENDER LIGEIRO. Atividades de ciências: seres invertebrados. Disponível em: <http://aprenderligeiro.blogspot.com.br/search/label/Atividades%20de%20Ci%C3%AAncias%3A%20Seres%20Invertebrados>. Acesso em: 19 de set. 2016b.

 

APRENDER LIGEIRO. Atividades de ciências: seres invertebrados. Disponível em: <http://aprenderligeiro.blogspot.com.br/search/label/Atividades%20de%20Ci%C3%AAncias%3A%20Seres%20Invertebrados>. Acesso em: 19 de set. 2016c.

 

BARROS, M. D. M. de; ZANELLA, P. G.; ARAÚJO-JORGE, T. C. de. A música pode ser uma estratégia para o ensino de ciências naturais? Analisando concepções de professores da educação básica. Revista Ensaio, v.15, n. 01, p. 81-94, 2013.

 

BENEDETTI FILHO, E.; BENEDETTI, L. P. dos. S; FIORUCCI, A.R.; OLIVEIRA, N. de.; PERONICO, V.C.D. Utilização de palavras cruzadas como instrumento de avaliação no ensino de química. Experiências em Ensino de Ciências, v.8, n.2, p.104-115, 2013.

 

BRUM, W.P.; SCHUHMACHER, E. O tema solo no ensino fundamental: concepções alternativas dos estudantes sobre as implicações de sustentabilidade. Experiências em Ensino de Ciências, v.9, n.1, 2014.

 

CANDIDO, C; FERREIRA, J.F. Desenvolvimento de material didático na forma de um jogo para trabalhar com zoologia dos invertebrados em sala de aula. Cadernos da Pedagogia, v. 6 n. 11, p. 22-33, 2012.

 

CAVALCANTI, V.de.S.; LINS, A. F. Aprendizagem dos conceitos sobre circunferência na perspectiva da Teoria das Situações Didática. Investigações em Ensino de Ciências, v. 18, n.1, p. 107-126, 2013.

 

CHAER, G.; DINIZ, R.R.P.; RIBEIRO, E.A. A técnica do questionário na pesquisa educacional. Evidência, v. 7, n. 7, p. 251-266, 2011.

 

DAVIS, K.; CHRISTODOULOU, J.; SEIDER, S.; GARDNER, H. The theory of multipleintelligence. In: R. J. STERNBERG; S. B. KAUFMAN (Ed.). The Cambridge handbook of intelligence. Cambridge: Cambridge University Press, 2011. p. 39-57.

 

DERDYK, E. Formas de pensar o desenho. São Paulo: Scipione, 2003.

 

FREITAS, O. Equipamentos e materiais didáticos. Brasília: Universidade de Brasília, 2007. 132 p.

 

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2004. 197 p.

 

MIRANDA, J.C.; GONZAGA, G.R.; COSTA, R.C. Produção e avaliação do jogo didático “tapa zoo” como ferramenta para o estudo de zoologia por alunos do ensino fundamental regular. Holos, v. 4, n.32, p. 383-400, 2016.

 

REICHMANN, D.R.X.T.; SCHIMIN, E.S. Imagens: contribuição para o ensino-aprendizagem em Biologia. Dia-a-dia Educação, Portal

Educacional do Estado do Paraná, 2008. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1083-4.pdf> Acesso em: 17 set. 2016.

SANTOS, T.M. Criança Brasileira. Edição especial. Rio de Janeiro: Agir, 1952.

 

SILVA, E. S. P.; PEREIRA, I. B.; MELO, S. M. F. O uso da música no ensino de biologia: experiências com paródias. In: CONGRESSO DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA EM ARAPIRACA, 1, SEMINÁRIO DE ESTÁGIO, 7.; 2015, Arapiraca. Anais eletrônicos... Arapiraca: UFAL, 2015. Disponível em: <http://www.seer.ufal.br/index.php/cipar/article/viewFile/1892/1392> Acesso em: 20 set.2016.

 

SILVEIRA, D. T; CÓRDOVA, F. P. A pesquisa científica. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T (Org.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. cap. 2. p. 31-42.

VESTENA, R. de F.; PRETTO, V. O teatro no ensino de ciências: uma alternativa metodológica na formação docente para os anos iniciais. Vidya, v. 32, n. 2, p.9-20, 2012.

 

VYGOTSKY, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

 

ANEXO A. PARÓDIA UTILIZADA NO ENSINO DO CONTEÚDO DE FILO ARTHROPODA

 

Eles são do filo Arthropoda

E crescem por mudas ou ecdises

Sistema nervoso ganglionar

E estrutura adaptada aos sentidos

Sistema nervoso completo e extracelular

Eles parecem serem complicados

Mas dessa forma eu compreendo o papo

Ficou mais fácil estudar

Patas e articulação

Esses seres apresentarão

São várias suas funções e nem falei a metade

A natureza eu vou respeitar

A natureza eu vou respeitar

Agora eu aprendo de verdade

As cinco classes de artrópodes

Primeiros crustáceos, depois insetos

Aracnídeos e diplópodes

E para finalizar

Fecho com quilópodes

Assim ficou fácil vou lembrar

Defesa e articulação

Esses seres apresentarão

São várias suas funções e nem falei a metade

A natureza eu vou respeitar

A natureza eu vou respeitar

 

Música original: Cássia Eller- Malandragem

Paródia: Maria Luiza Paixão – Arthropoda



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     I Prêmio Educação Ambiental em Ação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Educação Ambiental e Comunicação     Práticas de Educação Ambiental     Sementes     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias