ISSN 1678-0701
Número 59, Ano XV.
Março-Maio/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

10/03/2017VIABILIDADE DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO SETOR PÚBLICO: A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E RURAL DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRASIL  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2657 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

VIABILIDADE DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO SETOR PÚBLICO:
A PERCEPÇÃO DOS COLABORADORES DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E RURAL DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA, PARAÍBA, BRASIL

 

Marcela Lúcia Paulino de Souza1; Gil Dutra Furtado2; Dimítri de Araújo Costa3

 

1Graduada em Administração/IESP. E-mail: marcelajp217@hotmail.com

 

2Engenheiro Agrônomo/UFPB, Especialista em Psicopedagogia/UNINTER, Mestre em Manejo de Solo e Água/UFPB, Doutor em Psicobiologia/UFRN, Pós-Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente/UFPB, Professor Colaborador do PRODEMA/UFPB. E-mail: gdfurtado@hotmail.com

 

3Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas/UFPB, Mestre em Ecologia e Monitoramento Ambiental/UFPB, Doutorando em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/UFPB. E-mail: costa.researcher@yahoo.com.br

 

RESUMO. Nesse trabalho é discutido o envolvimento dos colaboradores da Caixa Econômica Federal, com as políticas da empresa voltadas para a sustentabilidade. Foi estudada a participação desses colaboradores nas ações voltadas ao meio ambiente, à inclusão social, à conscientização das pessoas para a questão ambiental e à responsabilidade social da empresa. Procurou-se traduzir quantitativamente a resposta a essas questões permitindo um dimensionamento do quadro. Observou-se que os colaboradores da Caixa Econômica Federal da Gerência do Desenvolvimento Urbano e Rural do município de João Pessoa conhecem o conceito de sustentabilidade, aprovam as ações sustentáveis da empresa, embora exista uma evasão dos mesmos, nas referidas práticas. Conclui-se que é essencial a percepção positiva dos colaboradores, pois sua participação é muito importante no desenvolvimento das políticas sustentáveis desta instituição.

 

Palavras-chave: Sustentabilidade; Desenvolvimento sustentável; Responsabilidade social-empresarial.

 

 

VIABILITY OF SUSTAINABLE PRACTICES IN THE PUBLIC SECTOR:

The perception of the employees of Caixa Econômica Federal - Urban and Rural Development Management of the municipality of João Pessoa, Paraíba, Brazil

 

ABSTRACT. This study discusses the involvement of employees of the Caixa Econômica Federal, with the company’s policies focusedon sustainability. The involvementof these employees evaluated in actions related to the environment, social inclusion, awareness of peoplefor the environmental issue and to corporate social responsibility was studied. We sought to quantitatively translate the answer to these questions allowing sizing of the frame. It was observed that the employees of the Caixa Econômica Federal of Urban and Rural Development Managementof the municipality of João Pessoa know the concept of sustainability, approve the sustainable actions of the company, although there is an evasion of themin such practices. It is concludes that the positive perception of employees is essential,since their participation is very important in the development of the sustainable policies of this institution.

 

Keywords: Sustainability; Sustainable development;Social-business responsibility.

 

 

INTRODUÇÃO

 

As empresas são muito cobradas pela sociedade e clientela, no que diz respeito às atuações socioambientais, uma vez que,as mesmas são engenhos, as máquinas que movem a sociedade, e consequentemente, trazem o desenvolvimento, geram empregos e criam tendências. Dependendo das suas práticas e estratégias adotadas podem ser vistas de forma positiva ou negativa.

Diante de vários questionamentos e grande pressão, de diversos agentes sociais, por mais clareza no mundo dos negócios, as organizações são forçadas a praticar ações cada vez mais responsáveis. A esse conjunto de ações, discussões e preocupações por parte da sociedade referente ao equilíbrio do Planeta Terra, chamamos de Desenvolvimento Sustentável ou de Sustentabilidade.

A Sustentabilidade surge como uma nova ferramenta para enxergar as soluções para as dificuldades globais nos aspectos ambientais, sociais e econômicos. É um tema indispensável nas discussões sobre políticas de desenvolvimento e não deve ficar apenas na teoria e sim ser conjugada no imperativo(CIRELLI; KASSAI, 2010).

Segundo Pieratti (2009), uma organização é sustentável quando utiliza um conjunto de ações socialmente responsáveis, que atinge todas as partes envolvidas. A sustentabilidade é muito mais que reciclar papel, é uma filosofia que a empresa adota diante de suas tomadas de decisões, onde as mesmas são baseadas no tripé da sustentabilidade que tem como base três colunas: ambiental, social e econômica (PIERATTI, 2009).

O presente estudo pretende questionar: “Qual a percepção dos colaboradores da Caixa Econômica Federal em relação à importância das práticas sustentáveis adotadas pela empresa?”

As empresas estão constantemente sendo interrogadas pela sociedade no tocante às explorações de suas atividades produtivas, provocando mudanças no ambiente.

As ações de sustentabilidade das empresas possuem reflexo direto e indireto na sociedade. Desta forma,torna-se importante mensurar o comprometimento e a participação dos colaboradores de uma organização no sucesso das ações sustentáveis, e consequentemente exigir e fiscalizar uma postura eficaz.

Este trabalho objetivou analisar a percepção dos colaboradores da Caixa Econômica Federal em relação a importância das práticas sustentáveis adotadas pela organização. Além disso, foi investigado o percentual de participação dos colaboradores da organização no tocante às políticas de sustentabilidade; como também foi verificado os benefícios provenientes da atuação de sustentabilidade para a empresa.Finalmente, buscou-se despertar o comprometimento dos colaboradores em relação às práticas sustentáveis aplicadas pela empresa, através de ações efetivas.

 

 

 

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

 

Tipo de Pesquisa

 

Para Gil (2008), a pesquisa é desenvolvida a partir do concurso dos conhecimentos disponíveis e da utilização cautelosa de métodos, técnicas e outros procedimentos científicos. Outra forma de desenvolvimento da pesquisa é através de um processo que envolve inúmeras fases e, tem início com a formulação do problema e término com a satisfatória apresentação dos resultados.

O nível de pesquisa a ser utilizado neste trabalho é descritivo e exploratório. Conforme (GIL, 2008), o nível de pesquisa descritivo objetiva descrever as características de determinada população ou fenômeno de forma organizada, ou então estabelecer relações entre variáveis. Já a pesquisa exploratória, tem como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema estudado, de modo a torná-lo mais explícito ou a constituir hipóteses (MEDEIROS, 2011). Neste trabalho, será apresentado uma análise descritiva da percepção dos colaboradores da empresa Caixa Econômica Federal quanto a questão da sustentabilidade adotada pela empresa.

Além disso, nesse trabalho será adotada a pesquisa bibliográfica para o melhor entendimento do tema em questão.

Quanto à natureza a pesquisa será aplicada, utilizando-se uma empresa específica como caso a ser estudado.

 

 

Caracterização do ambiente de pesquisa e população

 

A Caixa Econômica Federal foi fundada em 1861, constituindo 156 anos de fundação. É uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, com vínculo ao Ministério da Fazenda, com sede e foro em Brasília - DF, é integrante do Sistema Financeiro Nacional, auxiliar da execução da política de crédito do Governo Federal e está sujeita às decisões e à disciplina normativa do órgão competente e à fiscalização do Banco Central do Brasil (CEF, 2017).

A presente pesquisa foi desenvolvida na Gerência de Desenvolvimento Urbano e Rural (GIDUR-JP), situada na Av. Flávio Ribeiro Coutinho, nº 115, Bairro de Manaíra, 3º andar do “Mag Shopping”,município de João Pessoa,estado da Paraíba (Figura 1). Esta gerência corresponde uma unidade da organização, a qual é responsável pelo fomento do desenvolvimento urbano e rural do país, em especial habitação e saneamento básico.

 

 

Mag Shopping JP

 

Figura 1. Mapa de localização do “Mag Shopping”, município de João Pessoa, estado da Paraíba, Brasil.

 

 

Universo e amostra

 

Segundo Oliveira (2004), o universo de uma pesquisa depende do assunto a ser investigado, e a amostra, que é uma parcela do universo, que realmente será submetida à verificação, é determinada por uma técnica especifica de amostragem.

Roesch (1999) ressalta que o propósito da amostra é edificar um subconjunto da população que é representativo nas principais áreas de interesse do estudo. O autor ressalta ainda que, a amostra deve ser obtida de maneira que cada membro da população tenha a mesma chance estatística de participar da amostra.

Para Vergara (2004), o universo significa toda a população de uma pesquisa. Ainda segundo o autor, a amostra é uma parte do universo escolhida segundo algum critério de representatividade. Quanto ao tipo de amostra, ele ressalta que o não-probabilístico por acessibilidade, não é um método estatístico, o qual seleciona elementos pela facilidade de acesso a eles.

Dessa forma, este estudo analisou o universo dos empregados do quadro efetivo da Caixa Econômica Federal, da Gerência de Desenvolvimento Urbano e Rural, João Pessoa-PB, correspondendo a 90 colaboradores ao todo. A amostra é 20 não-probabilística por acessibilidade ou conveniência, compreende ao subconjunto de 40 empregados, sendo eles: gerentes, engenheiros, arquitetos, assistentes sociais e funcionários administrativos.

 

 

Procedimentos de coletas e análises dos dados

 

Para a análise dos dados será adotado método estatístico, configurando a pesquisa como sendo quantitativa. Além disso, se fez uso do questionário como instrumento para coleta de dados, o mesmo foi aplicado no mês de março do corrente ano, no ambiente pesquisado, vinte questionários foram validados nesta pesquisa. Por ser este, conforme Oliveira (2008), um importante instrumento no que se refere ao fornecimento de subsídios reais do universo da pesquisa ou da amostra pesquisa.

 

 

RESULTADOS e discussão

 

Perfil sociodemográfico dos colaboradores

 

Inicialmente foi realizada a análise dos dados referentes as informações sociodemográficas dos participantes. Esse tipo de apreciação se faz necessário para tomar conhecimento das características pessoais dos colaboradores, em prol do enriquecimento do estudo. 

A amostra contou com 20 participantes e as características analisadas são: gênero, idade, nível de instrução e tempo de serviço dentro da empresa.

 

 

Gênero

 

Foi constatado que, em relação ao gênero dos entrevistados, o percentual de homens e mulheres são iguais (Figura 2).

 

Figura 2. Quantidade percentual de homens e mulheres analisados.

 

 

Idade

 

A figura 3 refere-se a idade dos colaboradores e contou com o seguinte resultado: 40% tem mais de 50 anos, 30% tem entre 40 a 49 anos e o mesmo percentual tem entre 30 e 39 anos. É possível observar que a maioria dos colaboradores tem a faixa etária acima de 50. Podendo inferir-se que os mesmos obtenham menor conhecimento de práticas sustentáveis da empresa, tendo em vista que o tema é novo no mundo dos negócios e eles já tem uma faixa etária maior. O fato dos colaboradores terem pouco conhecimento sobre o tema implica dizer que eles participam pouco das práticas aplicadas pela Caixa. Uma vez que, 70% dos entrevistados afirmaram não participar de projetos ou práticas relacionados a sustentabilidade, adotados pela Empresa.

 

 

Figura 3. Idade dos colaboradores entrevistados.

 

 

Tempo de serviço na Empresa

 

A Tabela 1 demonstra o percentual dos participantes pelo tempo de serviço. Os resultados obtidos foram: 40% trabalham na empresa de 21 a 30 anos, 25% a mais de 30 anos, com a mesma porcentagem ficaram também aqueles que tem menos de 10 anos na instituição e 10% tem de 10 a 20 anos de serviço na empresa. Podemos visualizar melhor esses dados, na Tabela 1, logo abaixo. Isso torna-se positivo, tendo em vista que demonstra um nível de elo maior com a empresas.

 

 

Tabela 1.Tempo de serviço na Empresa.

 

Tempo

Frequência do tempo (%)

Menos de 10 anos

   25

De 10 a 20 anos

De 21 a 30 anos

Mais de 30 anos

   10

   40

   25

Total

 100

 

 

 

Nível de instrução

 

Afigura 4apresenta os dados sobre o nível de instrução dos participantes do estudo. Com relação a esta variável, 55% tem especialização e 45% dos colaboradores tem curso superior completo, nenhum dos pesquisados afirmou ter mestrado ou doutorado. Podemos observar que entre os entrevistados a maioria tem pós-graduação e isso nos mostra um ótimo nível de instrução o que colabora para o desempenho na instituição. Vale salientar que há exigência mínima de escolaridade para técnico bancário é apenas ensino médio e ensino superior para área técnica específica. Logo, a empresa tendo um quadro de colaboradores bem instruídos, torna-se mais fácil abordar temas da atual conjuntura como por exemplo a sustentabilidade.

 

Figura 4. Nível de instrução dos pesquisados.

 

 

Informações sobre a empresa

 

Numa segunda etapa da pesquisa disponibilizou-se informações sobre a Empresa foco do estudo. A Caixa Econômica Federal é uma organização financeira signatária do Pacto Global e dos Princípios do Equador. O estudo foi desenvolvido na Gerência de Desenvolvimento Urbano e Rural que é uma área meio da Caixa Econômica, ou seja, um setor interno que atende apenas pessoa jurídica como prefeituras e organizações não governamentais, por exemplo.

A empresa Caixa Econômica de forma geral, ou seja, todos às suas agências e áreas meios, buscam fazer de seus funcionários, cidadãos conscientes para que tornem-se parceiros na construção de um modelo de desenvolvimento sustentável, já que a empresa é signatária do Pacto Global, segundo seu Relatório de Sustentabilidade de 2009. Neste ano, a Caixa fez a adesão aos Princípios do Equador e foi de enorme relevância para o avanço na área de sustentabilidade na organização (CEF, 2017).

 

 

Significado de sustentabilidade

 

Dos 20 colaboradores entrevistados, 95% afirmaram que compreendem o significado e apenas 5% afirmaram que não.  Entre as muitas maneiras de pensar a sustentabilidade está aquela que entende Sustentabilidade como a condição ou o resultado de equilíbrio das relações entre uma determinada sociedade humana e o meio natural em que ela vive e se organiza de modo que as demandas e ofertas recíprocas atendam às necessidades dos ecossistemas naturais e sociais sem prejuízo das gerações futuras, dos sistemas vivos e dos ecossistemas do planeta  Logo, a maioria conhecendo o significado de sustentabilidade torna-se mais fácil abordar tal temática na empresa.

 

 

Significado de responsabilidade social empresarial

 

Ao serem questionados sobre compreensão do significado de Responsabilidade Social Empresarial, a resposta foi unânime 100% disseram que sim, compreendem tal significado. Isso só vem reforçar a inserção das práticas sustentáveis na organização.

A responsabilidade social empresarial (RSE), visa garantir metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais. De acordo com May et al. (2003), os preceitos do desenvolvimento sustentável junto as empresas conferiu uma dimensão mais humana à ecoeficiência, e ampliou a compreensão do conceito ao estender a ação preventiva de impactos ao conjunto da sociedade.

 

 

Tripé da Sustentabilidade

 

70% dos colaboradores afirmam que já ouviram falar sobre o Tripé da Sustentabilidade, 30% afirmam que nunca escutaram falar do assunto abordado. Este percentual evidencia que a maioria conhece o assunto, mas ainda há uma necessidade de divulgar mais sobre o mesmo na empresa.

De acordo com Dias (2011), o desenvolvimento sustentável nas organizações apresenta três dimensões: a econômica, a social e a ambiental, ou seja, a organização devem ter atitudes economicamente viáveis, socialmente justas e economicamente corretas.Pode-se aplicar o Tripé da Sustentabilidade tanto de forma macro como micro, desde um país a uma empresa (DIAS, 2011).

É importante salientar que essa ferramenta do tripé da sustentabilidade deve ser abordada pela empresa a fim de capacitar os colaboradores para aprimorar as habilidades no desenvolvimento social econômico e ambiental da empresa. 

 

 

Palavras relacionadas a Sustentabilidade

 

As palavras mais citadas pelos bancários em relação a sustentabilidade foram: desenvolvimento econômico e desenvolvimento ambiental, ambas com 55%, e desenvolvimento social com 40%. Vale ressaltar que 30% não soube responder tal questão, devido à falta de envolvimento por parte dos colaboradores (tabela 2). Isso vem reforçar a necessidade de envolver os funcionários na abordagem do assunto no ambiente de trabalho. Dias (2011) assegura que o tripé da sustentabilidade vem aumentando no mundo coorporativo, isso reflete numa soma de valores, objetivos e processos de uma instituição que deve focar para desenvolver valor nos três pilares: economia, social e ambiental.

 

 

Tabela 2. Palavras relacionadas a sustentabilidade, na opinião dos respondentes.

 

Respostas

        Número de respondentes

 Frequência de citações de cada palavra (%)

Desenvolvimento Econômico

11

55

Desenvolvimento Social

8

40

Desenvolvimento Ambiental

Ecologia

11

1

55

5

Reciclagem

2

10

Recursos Renováveis

1

5

Respeito

2

10

* NR

6

30

*Dentre os entrevistados, seis não apresentaram conhecimento sobre alguma palavra que os remetessem ao tema abordado.

 

 

Empresa Sustentável

 

No tocante a esta variável, obteve-se as seguintes variações: 95% dizem que consideram a empresa na qual trabalham como uma empresa sustentável, e apenas 5% responderam o contrário. Logo, os mesmos podem se tornar colaboradores sustentáveis em potencial.

Ao priorizar setores como habitação, saneamento básico, infraestrutura e prestação de serviços, a CAIXA também exerce papel fundamental na promoção do desenvolvimento urbano e da justiça social do país, além de contribuir para melhorar a vida das pessoas.

 

 

Ações sustentáveis

 

Nesse requisito, 45% dizem que é boa, 30% afirma que é ótima e 25% afirma que é regular. Contata-se que a maioria avalia positivamente as ações sustentáveis da CEF para a imagem da empresa, ou seja, eles acreditam no marketing sustentável.

A maioria acredita que as ações sustentáveis da empresa, reflete positivamente em sua imagem no mercado, ou seja, o marketing sustentável é bom.

 

 


 

Figura 5. Ações sustentáveis.

 

 

Participação dos colaboradores em projetos ou práticas sustentáveis

 

Quando se trata de participação em projetos ou práticas sustentáveis da instituição a maioria com 70% afirmam que não participam e apenas 30% disseram estar envolvidos em algum projeto ou prática sustentável da empresa.

Dentre os 30%, dois funcionários participam da prática sustentável “Redução de Energia Elétrica”, três participam da prática “Economia de Impressão” e um da prática de “Reciclagem de Baterias”.

Verifica-se através dos resultados que há uma evasão dos colaboradores no tocante a participação dos projetos ou práticas sustentáveis da organização, isso reflete na necessidade de uma campanha de marketing interno e maior incentivo por parte da empresa, a fim de estimular os colaboradores a práticas sustentáveis.

 

 

Percepção da eficiência

 

No tocante a percepção da eficiência e eficácia das práticas aplicadas relacionadas a questões ambientais, os resultados são: 60% bom, 25% regular e 15% ótima. O maior número de colaboradores afirma positividade nas práticas aplicadas pela organização, isso torna-se motivador para desenvolver novas ações sustentáveis (Figura 6).

 

 

Figura 6. Avaliação da eficiência e da eficácia das práticas sustentáveis da empresa.

 

 

Práticas de Sustentabilidade aplicadas pela Caixa Econômica

 

Entre os colaboradores que afirmaram conhecer os programas e/ou práticas, 95% dos pesquisados conhecem o Prêmio Melhores Práticas em Gestão Local, que visa fazer com que experiências bem-sucedidas para melhorar a qualidade de vida das pessoas sejam valorizadas e disseminadas por todo o país. Já 90% afirmam ter conhecimento da Universidade Corporativa CAIXA.O Programa propunha a inclusão de novos elementos na cultura educacional, como a atuação dos gestores como líderes educadores, a corresponsabilidade do aprendiz pelo seu desenvolvimento e o foco em resultados sustentáveis. Ambos os programas, fazem parte dos critérios no Processo Seletivo Interno da empresa, logo os colaboradores sentem-se motivados a participar de tal prática pelo plano de carreira da empresa.

A seguir, o terceiro com maior número de pessoas que conhecem esse programa com 75%, é o Programa Caixa ODM Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, tem objetivo de criar oportunidades nas áreas de educação e geração de trabalho e renda, por meio de projetos socioambientais e, com isso, contribuir para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, bem como para o fortalecimento da cidadania e consolidação do desenvolvimento local sustentável no país, alinhado às políticas públicas.

 

 

Tabela 3. Programas e/ou ações de sustentabilidade conhecidos pelos colaboradores.

 

Programas/Ações

        Número de respondentes

 Frequência das respostas (%)

Agenda Caixa para sustentabilidade

14

70

Prêmio Melhores Práticas em Gestão Local

19

95

Patrocínio das áreas esportiva, artística e cultural

Projeto Viva Vida

14

 

2

70

 

10

Universidade Corporativa Caixa

18

90

Programa Caixa ODM – Objetos de Desenvolvimento do Milênio

15

75

Mecanismos de Desenvolvimento Limpo – ML

Selo Casa Azul

2

 

6

10

 

30

Projeto Carona Solidária da Caixa

6

30

 

 

Apesar do Selo Casa Azul CAIXA não estar entre os mais lembrados pelos colaboradores, vale à pena ressaltar sua relevância nas práticas sustentáveis da empresa, que incentiva as construtoras filiadas a empresa a adotar ações sustentáveis em suas obras, com reflexos positivos ao meio ambiente. Com o Selo Casa Azul CAIXA, busca-se reconhecer os projetos de empreendimentos que demonstrem suas contribuições para a redução de impactos ambientais, avaliados a partir de critérios vinculados aos seguintes temas: qualidade urbana, projeto e conforto, eficiência energética, conservação de recursos materiais, gestão da água e práticas sociais (CEF, 2017).

 

 

CONCLUSÕES

 

A presente pesquisa demonstra que a CAIXA é uma instituição financeira consolidada, com marca forte no mercado, presente na vida de muitos brasileiros e de grande importância a fomentar o desenvolvimento econômico, social e ambiental do país, haja vista que a mesma é principal intermediária entre o Governo Federal e suas políticas no que se refere ao crédito, benefícios sociais, repasse aos estados e municípios dentre outras.

O percentual da participação dos colaboradores às políticas de sustentabilidade da Caixa é baixo, pouco mais de 30%. Entre as razões para a pequena participação está o fato de que, mesmo internamente, as ações apresentam pouca divulgação. Quanto aos benefícios provenientes da atuação de sustentabilidade para a empresa, esses foram significativos, ensejando uma maior conscientização por parte dos colaboradores sobre o tema e um prestígio maior junto a clientela. Entende-se que a tendência é de um maior comprometimento dos colaboradores em relação as práticas adotadas com o passar do tempo. 

É perceptível que os colaboradores da Caixa Econômica Federal – GIDUR JP, na sua grande maioria afirmam compreender o significado de sustentabilidade, acreditam que a instituição na qual estão inseridos é sustentável, e associam isso como um ponto positivo para imagem da organização no mercado dos negócios.No entanto, a minoria está engajada nos projetos sustentáveis da instituição.  Como um banco pode ser sustentável se sua base, que são os colaboradores não estão totalmente envolvidos efetivamente com as práticas sustentáveis internamente da empresa? 

É imprescindível que os colaboradores possuam uma percepção positiva quanto a importância das práticas sustentáveis adotadas pela empresa. Vale lembrar que eles são os primeiros parceiros e responsáveis pelo bom desempenho de tais ações. Também, torna-se necessário que a Instituição impere de forma hábil a sua principal frase: “o banco que acredita nas pessoas”. Essas pessoas também incluem os colaboradores, os protagonistas de sua história no caminho para o desenvolvimento sustentável, no qual os mesmos precisam ser conscientizados diariamente de seu importante papel para promover o equilíbrio local e mundial.

A metodologia aplicada nessa pesquisa poderá ser realizada em outras empresas para a correção de imperfeições na implementação de práticas de sustentabilidade.Deve-se ainda ser realizado uma análise mais aprofundada, bem como envolver todos os colaboradores da unidade pesquisada, além da utilização de instrumentos e técnicas mais precisos, como uma entrevista com maior profundidade para coletas de dados.

 

 

 

 

REFERÊNCIAS

 

CEF. Caixa Econômica Federal. Disponível em: <http://www.caixa.gov.br/>. Acesso em: 16 dez. 2017.

 

CIRELLI, G. A.; KASSAI, J. R. Análise da percepção sobre sustentabilidade por parte de stakeholders de uma instituição financeira: um estudo de caso.Congresso USP de Controladoria e Contabilidade: São Paulo, 2010. Disponível em:<http://www.congressousp.fipecafi.org/anais/artigos102010/497.pdf>. Acesso em: 5 dez. 2016.

 

DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2. ed.  São Paulo: Atlas, 2011.

 

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008.

 

MAY, P. H.; LUSTOSA, M. C.; VINHA, V. Economia e meio ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

 

MEDEIROS. E. R. C. Inovação na construção de edifícios residenciais: uma análise das empresas do segmento localizadas em Recife – PE.151 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

 

OLIVEIRA, M. M. Como fazer projetos, monografias, dissertações e teses. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

 

OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Thomson, 2004.

 

PIERATTI, R. O tripé da sustentabilidade está se sustentando? 2009. Disponível em:<http://ongmeamconsulta.blogspot.com.br/2009/02/o-tripe-da-sustentabilidade-esta-se.html>. Acesso em: 10 dez. 2016.

 

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso.2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

 

VERGARA, S. C. Projetos e relatório de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2004.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Questionários utilizados:

 

 

A. INFORMAÇÕES PESSOAIS:

 

1.            Gênero:

(   ) Masculino                 (    ) Feminino

 

2.            Idade

(    ) Menos de 30

(    ) De 30 a 39

(    ) De 40 a 49

(    ) 50 ou mais

 

3.  Há quanto tempo você é colaborador da Caixa Econômica Federal?

(    ) Menos de 10 anos

(    ) De 10 a 20 anos

(    ) De 21 a 30 anos

(    ) Mais de 30 anos

 

4. Nível de Instrução:

(    ) Ensino Médio

(    ) Ensino Superior

(    ) Ensino Superior Incompleto

(    )Pós- graduação / Especialização

(    ) Mestrado

(    ) Doutorado

 

 

B. INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA:

 

5.            Você compreende o significado de Sustentabilidade?

(   ) Sim                    (    ) Não

 

6.            Você compreende o significado da Responsabilidade Social Empresarial?

(    ) Sim                   (    ) Não

 

7.            Já ouviu falar no Tripé da Sustentabilidade?

(   ) Sim                    (    ) Não

 

8.            Em caso afirmativo cite de 1 a 3 palavras que possam estar ligadas ao tema supracitado.

____________________, _____________________, _______________________ .

 

9.            Você considera a CAIXA como uma empresa Sustentável?

(    ) Sim                    (    ) Não

 

10.          Como você avalia as ações sustentáveis da CAIXA para imagem da empresa?

(   ) Ótima  (   ) Boa    (  ) Regular   (  ) Ruim () Péssima

 

11.         Você participa de algum projeto ou prática aplicadas pela CAIXA, relacionada a Sustentabilidade?

(    ) Sim                    (    ) Não 

 

 

12.         Em caso afirmativo, cite-os.

______________________________________________________________________________________________________________________________________.

 

 

13.         Como você avalia a eficiência e a eficácia das práticas relacionadas a questões ambientais, aplicadas pela CAIXA?

(   ) Ótima  (   ) Boa    (  ) Regular   (  ) Ruim () Péssima

 

14.         Conforme descrição abaixo aponte quais programas e/ou ações de Sustentabilidade praticados pela CAIXA você conhece.

(   ) Agenda CAIXA para Sustentabilidade

(   ) Prêmio Melhores Práticas em Gestão Local.

(   ) Patrocínio das áreas esportivas, artísticas e cultural.

(   ) Projeto Viva Vida

(   ) Universidade Corporativa CAIXA.

(   ) Programa CAIXA ODM – Objetos de Desenvolvimento do Milênio

(   ) Mecanismo de Desenvolvimento Limpo – MDL

(   ) Selo Casa Azul

(   ) Projeto Carona Solidária da CAIXA.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias