ISSN 1678-0701
Número 59, Ano XV.
Março-Maio/2017.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias
Relatos de Experiências

10/03/2017DIVERSIDADE DE FORMIGAS ENCONTRADAS NO PARQUE MUNICIPAL JOAQUIM TEODORO DE OLIVEIRA, E EM UMA ÁREA AGRÍCOLA (MONOCULTURA DE SOJA) EM CAMPO MOURÃO – PARANÁ.  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2643 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

DIVERSIDADE DE FORMIGAS ENCONTRADAS NO PARQUE MUNICIPAL JOAQUIM TEODORO DE OLIVEIRA, E EM UMA ÁREA AGRÍCOLA (MONOCULTURA DE SOJA) EM CAMPO MOURÃO – PARANÁ

Mayara dos Reis Monteiro1, Janaina Silva Rossi Pereira2, Fernando Henrique Villwock3, Christopher Yuti Kuroda4

1 Engenheira Ambiental, Pós-graduanda em Geografia (Doutorado)/UEM mayarareismonteiro@gmail.com

2 Engenheira Ambiental, Pós-graduanda em Geografia (Mestrado)/UEM

3 Licenciado em Geografia, Pós-graduando em Geografia (Mestrado)/UEM

4 Professor Me. UEM campus Umuarama, Engenheiro Ambiental

 

 

RESUMO

O conhecimento da diversidade da fauna e flora é subsídio basilar para a compreensão das dinâmicas ambientais e da efetiva preservação do mesmo. Atentando-se a isso, o presente estudo objetivou conhecer a diversidade de formiga em duas áreas ecologicamente distintas no município de Campo Mourão: local A – Parque Joaquim Teodoro; local B – área agrícola. A área denominada Local A trata-se do Parque Municipal Joaquim Teodoro, o qual apresenta espécimes de Floresta Estacional Semidecidual em uma vegetação mediamente adensada. O Local B em contraponto, encontra-se em área agrícola com monocultura de soja na época de coleta dos dados. Para determinação da diversidade foram utilizadas iscas com sardinha e mel e o cálculo subsidiado pela equação de Shannon – Wiener. Constatou-se que à maior número de morfotipos de formigas no Local A, embora, por utilizar em seus cálculos o número de espécimes, o Local B tenha apresentado maior diversidade em que pese a equação utilizada.

Palavras-chave: Shannon-Wiener; Parque, Equitabilidade

 

ABSTRACT

Knowledge of the diversity of the fauna and flora is basic subsidy for the understanding of the environmental dynamics and the effective preservation of the same. This study aimed to know ant diversity in two ecologically distinct areas in the municipality of Campo Mourão: site A - Parque Joaquim Teodoro; Local B - agricultural area. The area named Local A is the Joaquim Teodoro Municipal Park, which presents specimens of Semidecidual Seasonal Forest in a medium-sized vegetation. Local B in counterpoint, is in an agricultural area with soy monoculture at the time of data collection. To determine the diversity, baits with sardines and honey were used and the calculation subsidized by the Shannon - Wiener equation. It was found that the highest number of ant morphotypes in Site A, although, because of the number of specimens used in their calculations, Local B showed greater diversity in spite of the equation used.

Keywords: Shannon-Wiener; Park, Horse riding

 

INTRODUÇÃO

Com o grande crescimento populacional a necessidade de recursos aumenta a cada momento, o que exige cada vez mais pensamentos direcionados ao meio do qual dispomos. Entre os ecossistemas perturbados ou destruídos pela ação antrópica destacam-se as florestas tropicais, que abrigam pelo menos a metade do total das espécies vegetais e animais existentes do planeta (Myers, 1997).

A biodiversidade, ou diversidade ecológica, é constituída essencialmente pelo número de espécies de uma determinada área (Odum 1986). Essa diversidade é o resultado da modificação dos diferentes tipos de organismos de um meio ambiente heterogêneo (Louzada & Schilindwein 1997).

Embora as espécies de formigas constituam somente 1,5% da fauna de insetos descrita, elas somam mais de 10% da biomassa total de animais florestas tropicais, savanas, campos e outros hábitats importantes do planeta (Agosti et al. 2000). Devido a essa marcante dominância numérica, as formigas ocupam um papel ecológico chave nos ecossistemas. Em primeiro lugar, elas são os principais organismos a tornar o Nitrogênio disponível para as plantas (Holldobler & Wilson 1990). Como as plantas são as bases de toda a cadeia alimentar, todos os demais organismos do sistema, de herbívoros a predadores de topo, são indiretamente influenciados pelas formigas.

As formigas também interagem diretamente com uma série de organismos, tanto como herbívoros e predadores quanto como mutualistas. As formigas cortadeiras (subfamília Myrmicinae, tribo Attini) por exemplo, são os principais herbívoros da região Neotropical, chegando a remover de 12 a 16% da produção primaria de folhas de uma floresta (Wirth et al.1997).

Como pode-se observar, as formigas podem alterar todo o ecossistema de um local afetando a biodiversidade, então há necessidade de estudá-las.

O objetivo deste estudo foi analisar a diversidade de formigas em dois ambientes distintos, uma área agrícola e o Parque Municipal Joaquim Teodoro de Oliveira.

As formigas são encontradas em quase todas as partes do planeta, com exceção dos pólos. Estão inseridas na Família Formicidae e existem atualmente mais de 12.000 espécies descritas. Porém, acredita-se que o número de espécies possa ultrapassar 20.000 espécies. São organismos eusociais (apresentam sobreposição de gerações; cooperações no cuidado da prole; divisão de tarefas entre os indivíduos) e monopolizam cerca de 15-20% da biomassa animal terrestre (Euzébio et al., 2006?).

As paisagens das regiões sudeste e sul do Brasil apresentam-se atualmente, em sua maioria, como mosaicos de agroecossistemas e áreas de vegetação nativa em diferentes estágios de conservação, formas e tamanhos. A conservação da biodiversidade em uma vasta área do Brasil atualmente é dependente de como essa matriz de ecossistemas interage com a ecologia das espécies, permitindo ou não sua persistência em longo prazo (Dias et al., 2008)

As formigas são um grupo de insetos com papel importante na manutenção e restauração do solo (Lobry-de- Bruyn, 1999 apud Dias et al., 2008), participando da ciclagem de nutrientes (Coutinho, 1979; Weber, 1982 apud Dias, 2008) e na sucessão vegetal (Vasconcelos & Cherrett, 1998).

Vários estudos têm demonstrado que dentro de uma variedade de taxa de insetos, as formigas podem potencialmente ser utilizadas como bioindicadores de qualidade ambiental (Marinho et al.,2002; Araújo et al.,2004; Bickel & Watanasit, 2005, apud Couto, 2006). Isso, porque as formigas apresentam alta abundância e riqueza de espécies, possuem taxa especializados, apresentam distribuição geográfica ampla, podem ser facilmente amostradas e com relativa facilidade, podem ser separadas em nível de morfoespécies e, também, por serem sensíveis às mudanças das condições ambientais (Hölldobler & Wilson, 1990 apud Couto, 2006). 

 

MATERIAIS E MÉTODOS

Área de estudo

Segundo dados da prefeitura de Campo Mourão (PMCM, 2009), o clima do município é classificado como Cfa: Clima subtropical úmido mesotérmico, com verões quentes e geadas pouco freqüentes, com tendência de concentração das chuvas nos meses de verão, sem estação seca definida. A região é conhecida quanto a diversidade por estar em área de contato entre a Floresta Estacional Semi-decidual, Floresta Ombrófila Densa e Cerrado. 

O Parque do Municipal (local A), encontra-se como um fragmento antropizado de Floresta Estacional Semi-Decidual e como tal tem uma grande biodiversidade arbórea. Enquanto, a área agrícola (local B) consiste em uma plantação de soja (FIGURA 1).

Figura 1: Localização das áreas estudadas no município de Campo Mourão – Paraná.

 

Índice de Shannon - Wiener

O índice de Shannon (também chamado de índice Shannon-Weaver ou de índice do Shannon-Wiener) H^{\prime} é um dos diversos índices da diversidade usados para medir adiversidade em dados categóricos. É simplesmente a informação entropica da distribuição, tratamento as espécies como símbolos e os tamanhos da respectiva população como uma probabilidade.

H^\prime = -\sum_{i=1}^S p_i \ln p_i

Em que:

§     ni O número dos indivíduos em cada espécie; a abundância de cada espécie.

§     S O número de espécies. Chamado também de riqueza.

§     N O número total de todos os indivíduos: \sum_{i=1}^S n_i

§     pi A abundância relativa de cada espécie, calculada pela proporção dos indivíduos de uma espécie pelo número total dos indivíduos na comunidade: n_i\over N.

A partir deste valor pode calcular-se a equitabilidade como expressão do valor relativo respeitante à diversidade máxima possível. A fórmula de equitabilidade é:

E=H’/lnS

em que S é o número de taxa da amostra total e lnS é a diversidade máxima (H’max). E varia entre 0 e 1, em que 1 representa a situação de todas as espécies que possuem a mesma abundância.

 

Métodos

Para a coleta das formigas utilizou-se um método de superfície composto de uma folha branca de papel A4 com mel ou sardinha, disposta no solo.

Com o material adquirido pelos métodos acima realizou-se a triagem. Ou seja, as formigas coletadas foram levadas a laboratório para serem separadas por morfotipos, os quais posteriormente foram amostrados em relação à diversidade. Os dados de coleta foram dispostos na TABELA 1.

TABELA 1- Data e hora das observações realizadas nos locais A e B, respectivamente Parque Municipal e área agrícola, na cidade de Campo Mourão - Paraná

Dias de observação

Horário no local A (horas)

Horário no local B (horas)

08/05/2016

11/05/2016

12/05/2016

             15:00 – 17:00

 

14:00 – 16:00

 

       15:00 – 17:00

     13:00 – 15:00

 

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

As amostras coletadas foram triadas e separadas em morfotipos de acordo com suas características (TABELA 2).

TABELA 2- Quantidade de formigas encontradas, separadas por morfotipos e área de estudo, Parque Municipal Joaquim Teodoro de Oliveira e Área agrícola

MORFOTIPOS

Parque Municipal Joaquim Teodoro de Oliveira – C. Mourão

Área agrícola

 

 

Sardinha

Mel

Sardinha

Mel

1

1

0

0

0

2

3

6

0

0

3

4

4

0

0

4

1

0

0

0

5

8

0

0

0

6

4

3

0

0

7

1

0

0

0

8

214

182

0

0

9

0

1

0

0

10

0

1

0

0

11

0

9

0

0

12

0

8

0

0

13

0

0

1

17

14

0

0

0

30

15

0

0

1

0

16

0

0

5

0

17

0

0

0

1

Total

236

214

7

48

 

Aplicando-se o índice de Shannon- Wiener e a equitabilidade aos dados, obteve-se o seguinte:

- quanto ao índice de Shannon:

0,6165 para o Parque Municipal; 1,0599 para a área agrícola.

- quanto a equitabilidade:

0,1009 para o Parque; 0,0193 para a área agrícola.

De posse dos resultados adquiridos tem-se que a diversidade no Parque Municipal foi inferior a da área agrícola, isso porque o índice de Shannon – Wiener leva em consideração a quantidade de indivíduos encontrados. Matematicamente, esse resultado é influenciado pelo N da população, no fator ni/N.

Quanto a equitabilidade o local A apresenta uma distribuição mais uniforme do que o B, tal fato pode ser justificado tendo em vista a diversidade de espécies vegetais existentes no local A, a qual contrapõe-se a monocultura do local B. Muitos autores ( BOOSMA & VAN LOON, 1982; LEAL, 2002; LEAL & LOPES, 1992) indicam que a equitabilidade seja mais uniforme, e haja maior diversidade conforme aumente a complexidade do meio, visto que suportam um maior número de nichos.

 

 

CONCLUSÃO

O presente estudo apresentou uma variação de diversidade alheia ao esperado. Obteve-se um índice de diversidade apresentou maiores valores na área agrícola do que no Parque Municipal Joaquim Teodoro, fato justificado por a fórmula de Shannon – Wiener considerar o fator ni/N, em que pese o número de indivíduos exercer essencial papel para o resultado.

 

 

REFÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

 

AGOSTI, D. & N. F. JOHNSON.. La nueva taxonomía de hormigas, p. 45-48. In: F. Fernández (ed.).Introducción a las hormigas de la región Neotropical. Bogotá, Colômbia, Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt, 424, 2003.

 

BENSON, W. W. & A. Y. HARADA. Local diversity of tropical temperate ant faunas (Hymenoptera: Formicidae).Acta Amazonica 18: 275-289, 1988.

 

BOOSMA, J.J. & VAN LOON, A.J. Structure and diversity of ant communities in successive coastal dune valleys. Journal of Animal Ecology, 957-974, 1982.

 

FITKAU, E. J. & H. KLINGE.. On biomass and trophic structure of the Central Amazonian Rain Forest ecosystem.Biotropica 5: 2-14, 1973. 

 

FOWLER, H. G.; L. C. FORTI; C. R. F. BRANDÃO; J. H. C. DELABIE & H. L. VASCONCELOS.. Ecologia nutricional de formigas, p. 131-223. In: A. R. Panizzi & J. R. P. Parra (eds.). Ecologia nutricional de insetos e suas aplicações no manejo de pragas. São Paulo, Editora Manole, 359, 1991.

 

HÖLLDOBLER, B. & E. O. WILSON. The Ants. Massachussets, The Belknap Press of Harvard University Press, 732, 1990. .

 

KUSNEZOV, N.. Numbers of species of ants in faunae of different latitudes. Evolution 11: 298-299,1957. 

 

LEAL, I. N. & B. C. LOPES.. Estrutura das comunidades de formigas (Hymenoptera: Formicidae) de solo e vegetação no Morro da Lagoa da Conceição, Ilha de Santa Catarina, SC. Biotemas 5: 107-122, 1992.

 

LEAL, I.N. Diversidade de formigas no estado de Pernambuco. In:SILVA, J.M.C & TABARELLI (orgs.) Atlas da Biodiversidade de Pernambuco. Editora Massangana, Recife, 2002.

 

MAJER, J. D.. The use of pitfall traps for sampling ants – a critique. Memoirs of the Museum of Victory 56(2):323-329,1997

 

PMCM – Prefeitura Municipal de Campo Mourão. Disponível em  www.campomourao.pr.gov.br. Acessado em 20/11/2016..

 

SCHULTZ, T. R. & MCGLYNN, T. P.. The interactions of ants with other organisms. In: AGOSTI, D.; MAJER, J. D.; ALONSO, L. E. & SCHULTZ, T. R. eds. Ants: standard methods for measuring and monitoring biodiversity. Washington, Smithsonian Institution. p.35-44, 2000.

 

WARD, P. S.. Broad-scale patterns of diversity in leaf litter ant communities, p. 99-121. In: D. Agosti, J. D. Majer, L. E. Alonso & T. R. Schultz (eds.). Ants: Standard methods for measuring and monitoring biodiversity. Washington, Smithsonian Institution Press, 2000.

 

WILSON, E. O.. Foreword, p. xv-xvi. In: D. Agosti, J. D. Majer, L. E. Alonso & T. R. Schultz (eds.). Ants: Standard methods for measuring and monitoring biodiversity. Washington, Smithsonian Institution Press, 2000.

 

 



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Relatos de Experiências     Notícias