ISSN 1678-0701
Número 45, Ano XII.
Setembro-Novembro/2013.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Trabalhos Enviados     Breves Comunicações     Práticas de Educação Ambiental
 
Artigos

No. 45 - 10/09/2018
EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOSSOS SOLOS, NOSSAS VIDAS  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=1585 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

 

¹ EDUCAÇÃO AMBIENTAL - NOSSOS SOLOS, NOSSAS VIDAS: O TEMA SOLO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIA DAS ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE PORTO NACIONAL - TO.

 

“Sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor”.

Madre Teresa de Calcutá.

 

²Hayda Maria Alves Guimarães, ³Sandro Sidnei Vargas de Cristo, 4Romilton Brito da Paixão & 5Antônio Marcos Alves Santiago.

¹Parte do Trabalho Financiado pelo CNPq, processo n° 553223/2006-2.

²Doutora em Agronomia pela UNESP-Botucatu-SP, Universidade Federal do Tocantins – UFT, Professora Associada I, hayda@uft.du.br ou hayda@pq.cnpq.br. Endereço para correspondência: 110 Sul, Al.11, Lot. 09, Casa 06, Palmas – TO. CEP: 77020-132.

³Mestre em Geografia pela UFSC, Universidade Federal do Tocantins – UFT,  Professora Assistente IV, sidneicristo@uft.edu.br.

4Engenheiro Agrônomo, Analista de Credito Rural do Banco da Amazônia. Palmas – TO. E-mail: romilton.paixao@bancoamazonia.com.br.         

5Aluno do Curso de Geografia Bacharelado da UFT e Bolsista do CNPq – ATP-B, wantryckmarcos@hotmail.com.

 

RESUMO: O objetivo deste trabalho foi verificar e avaliar como os temas conceituais sobre solos são expostos nos livros didáticos, nas Escolas Públicas do município de Porto Nacional – TO, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais. As definições e conceituações sobre a importância do solo para nossa vida, no âmbito formal e informal, é assim uma maneira de oportunizar a conscientização ambiental das pessoas através da educação ambiental. Os livros utilizados para análise foram os de ciências referentes ao 1° ao 4° ciclos do ensino fundamental das escolas públicas do município de Porto Nacional - TO. As escolas utilizadas para o estudo foi determinada através de uma amostra aleatória, representada por 20 escolas estaduais de ensino fundamental, para investigar quais os livros escolhidos e utilizados pelos professores de ciências. Nas escolas publicas do município de Porto Nacional, os professores, optaram por livros de autores diferentes, porque a demandas dos livros foram muitas e poucas ofertas. Os conteúdos dos livros para o conhecimento na concepção do tema solo no ensino fundamental foram realizados através da investigação do conhecimento do cotidiano, texto técnico e ensaios experimentais. Os autores apresentam o tema solo com enfoques diferentes e quantidade de conteúdo nos ciclos e anos/séries.    

 

1 – INTRODUÇÃO

A educação ambiental deve iniciar com os alunos dos primeiros ciclos, para poder conhecer a importância, finalidade, utilização, limitações atribuídas aos recursos naturais do planeta terra, obtendo crianças com conhecimentos científicos aguçados e críticos para tomar decisões sustentáveis na utilização e proteção ao meio ambiente.

As definições e conceituações sobre a importância do solo para nossa vida, no âmbito formal e informal, é assim uma maneira de oportunizar a conscientização ambiental das pessoas através da educação ambiental. Existem, por sua vez, múltiplas formas, tempos e espaços de se educar para o meio ambiente a partir de uma abordagem pedológica. O tratamento mais adequado e comprometido dos temas pedológicos pode contribuir positivamente na conscientização ambiental, em especial na compreensão da importância da conservação do solo.

Esta responsabilidade da educação ambiental objetivando a proteção dos recursos naturais não está direcionada somente à disciplina de ciência, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, Brasil, (1997), determinam que a Educação Ambiental formal deva ser transversal, ou seja, as questões ambientais devem permear os conteúdos, objetivos e orientações didáticas em todas as disciplinas e não apenas em uma ou outra disciplina específica.

As crianças de hoje são os maiores precursores da utilização sustentável dos recursos naturais, atribuindo esta conscientização na formação inicial de cada cidadão. A formação da conscientização do cidadão depende de outros fatores, o livro didático poderá corroborar, entretanto isso depende do como o professor utilizará este livro, criando ou não situações de aprendizagem que favoreçam a conscientização na formação inicial de cada cidadão. De acordo com Vasconcellos, (1993), os livros de ciências têm a função da aplicação do método científico, estimulando a análise de fenômenos, o teste de hipóteses e a formulação de conclusões. Oferecendo suporte no processo de formação dos indivíduos/cidadãos. Deve ser um instrumento capaz de promover a reflexão sobre os múltiplos aspectos da realidade e estimular a capacidade investigativa do aluno para que ele assuma a condição de agente na construção do seu conhecimento.  

O livro didático faz parte da cultura e da memória visual de muitas gerações e, ao longo de tantas transformações na sociedade, ele ainda possui uma função relevante para a criança, na missão de atuar como mediador na construção do conhecimento. O meio impresso exige atenção, intenção, pausa e concentração para refletir e compreender a mensagem, diferente do que acontecem com outras mídias como a televisão e o rádio, que não necessariamente obrigam o sujeito a parar. O livro, por meio de seu conteúdo, mas também de sua forma, expressa em um projeto gráfico, tem justamente a função de chamar a atenção, provocar a intenção e promover a leitura, Freitas & Rodrigues, (2008).

O livro didático é uma das principais ferramentas de ensino que o professor tem, cabendo a ele a orientação e a forma como transmitirá os conteúdos, pois a obra didática não é um manual imutável a ser seguido. Pois as discussões realizadas tornam-se grandes riquezas de conhecimento, especialmente no que diz respeito a solos.

 Hoje, no município do Porto Nacional, existem 49 escolas estaduais, 18 escolas municipais, 25 escolas rurais e 9 escolas particulares é  o numero de professores que ministram aula de ciência nas escolas estatuais, rurais é particulares totalizam em 180 professores.

A escolha do livro de ciência para ser trabalhada com estes alunos é feita pelos próprios professores das escolas públicas. A escolha é feito por meio do Guia do Livro Didático, onde os mesmos têm a oportunidade de escolher o livro de sua preferência para trabalhar durante o período de três anos com os alunos. Neste município esta escolha variou de uma escola para outra, sendo que a maioria dos colégios optou pelos mesmos livros. Procurando saber como o tema solo e trabalhado nestes livros, tornou necessário fazer uma investigação, quais os livros foram escolhidos por estes professores, e com isso verificar como os autores estão transmitindo o conhecimento sobre solos para os alunos. 

Esse trabalho objetiva verificar e avaliar como o tema conceitual referente a solos está sendo expostos nos livros didáticos do ensino fundamental, nas Escolas Públicas de Porto Nacional – TO, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, PCN's.

 

2 – MÉTODOLOGIA  

Os livros utilizados para análise foram os de ciências referentes ao 1° ao 4° ciclos do ensino fundamental das escolas públicas do município de Porto Nacional - TO. Foram realizadas visitas em 20 escolas, procurando conhecer quais livros eram utilizados pelos professores na disciplina de ciências. As escolas utilizadas para o estudo foi determinada através de uma amostra aleatória, representada por 20 escolas estaduais de ensino fundamental, para investigar quais os livros escolhidos e utilizados pelos professores de ciências.

       A investigação da verificação e avaliação conceituais do tema solo expostos nos livros didáticos foram baseado nos seguintes averiguações: Como é abordado em cada ciclo; qual a abordagem feita pelo autor em cada ciclo; os livros atribuem investigação cientifica sobre o tema; o enfoque do tema solo nos livros de ciências atende o PCN's e como o autor provoca os alunos na formação critica e responsável da sustentabilidade do meio que vivem. 

 

3 – RESULTADOS

3.1 – Livros de Ciência do 1° e 2° Ciclos: 

            Nas 20 escolas visitadas, foi exposto que 16 escolas utilizaram o livro de ciências de um mesmo autor e 4 escolas optaram por outro  autor.  Sendo utilizados livros de dois autores. As quantidades de livros avaliados por escola foram 4 : ( 1° Ciclo : 2°ano/1a Série e 3°ano/2a Série) e do (2° Ciclo : 4°ano/3a Série e 5°ano/4a Série) , totalizando 8 livros.

             As abordagens do tema solo, observada na investigação realizada em cada livro do 1° e 2° ciclo de dois autores, apresentaram diferenças nas atribuições do estudo de solo, como também diferenças nos enfoques do tema em cada ciclo.

            Relacionando o conteúdo dos livros para o conhecimento na concepção do tema solo no ensino fundamental, suas relações com a ciência, foram trabalhadas nas temáticas, ambiente e recursos tecnológicos através de: investigação com conhecimento cotidiano do aluno com ambiente, texto organizando conhecimento, texto complementar e ensaios experimentais com solos. No contexto geral os autores descreveram o tema solo no livro de ciência de acordo com o PCN's.

            O autor A, trabalhou com o tema solo em todos os ciclos e anos, atribuindo às seguintes abordagens: investigação com conhecimento cotidiano (atribuindo o que o aluno sabe sobre solos) texto organizando conhecimento, (os animais que vivem no solo, reprodução por sementes e sem sementes, atitude ajuda conservar o ecossistema, a litosfera – rochas, minerais, solo, formação do solo, diferentes composições do solo e conservação do solo), texto complementar (o sauveiro, o solo e as plantas, o ser humano interfere no ecossistema, modificações, desmatamento, poluição exploração dos recursos naturais, O metal) e experiência (Construindo um vaso para plantas, conhecendo diferentes tipos de solos, poluição marinha, o solo e a água e adubação natural).

            O autor B trabalhou com o tema solo em todo o 1° ciclo e no 2° ciclo, somente no 4° ano, sendo que no 5° ano este autor deu maior enfoque para o estudo da biosfera, correlacionando a terra com vida. Atribuindo às seguintes abordagens: Investigação com conhecimento cotidiano (o que acontece no solo), O texto, organizando conhecimento (O solo, proteção do solo, do que e feito o solo, solo e saúde e solo, planta e Terra lavada) e Experiência (Infiltração e textura, tipos de solos, textura, infiltração, fertilidade, poluição, sedimentação e infiltração), Figura 1.

Relacionando o conteúdo dos livros para o conhecimento na concepção do tema solo no ensino fundamental, suas relações com a ciência, foram trabalhadas nas temáticas, conhecimento do cotidiano do aluno ao ambiente, recursos experimental e social.

Na concepção da investigação do conhecimento do cotidiano do aluno, os autores concretizam as informações através da investigação, contextualizando este através de texto informativo com tema solo, procurando organizar a idéia do conhecimento de acordo com o ciclo,  ano e faixa etária do aluno. Para Falconi, (2004), a complexidade de um assunto não pode limitar sua abordagem em qualquer área de ensino. Deve ser adaptado à faixa etária e ao nível de amadurecimento do aprendiz e expresso em linguagem adequada sem distorções conceituais ou técnica, de tal maneira que possa ser apreendido pelos alunos.

Na concepção experimental os autores realizam experiência utilizando a metodologia experimental e aplicando ensaios como: Plantando, tipos de solos, poluição, adubação, textura, proteção, preservação e erosão. Para Grandini & Grandini, (2008), a utilização de atividades práticas em suas aulas estariam estimulando o desenvolvimento da criatividade, da curiosidade e também da capacidade de refletir criticamente, bem como poderiam estar despertando no aluno o interesse em conhecer a ciência e em aprendê-la através da própria vivência de situações, que desperte o seu pensar.

 Na concepção social os autores utilizam texto complementar atribuindo situações para os alunos descobrir relações ambiente com moradia, cultura, alimentos, conscientização para preservação do ambiente etc. Neste contexto, Costa, (2000) relata  que o papel que o professor deve exercer é de extrema importância, pois será ele que irá orientar o aluno na meditação entre o Senso Comum e a Ciência os conhecimentos adquiridos na vivência dentro e fora da sala de aula, na meditação entre o social e o natural.  

Os autores importunam os alunos na formação critica e responsável da sustentabilidade do ambiente, através dos textos complementares e ensaios experimentais, descrevendo as características do solo, o que favorece, ou que provoca. No contexto geral os autores descreveram o tema solo no livro de ciência de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais- PCN’s, (Brasil, 1997).  Segundo Muggler, (2007), o conteúdo de solos está contemplado nos PCN's, mas não há nenhuma diretriz, e poucas são as indicações de como ou onde deva dar essa abordagem. 

 


Figura 1: Relação do conteúdo dos livros de ciências do 1° e 2° ciclos do ensino fundamental, suas relações com a ciência, tecnologia e sociedade de dois autores, utilizados nas escolas públicas do Município de Porto Nacional – TO.

 

3.2 – Livros de Ciência do 3° e 4° Ciclos: 

Nas 20 escolas visitadas, foi revelado que os professores de ciências de todas as escolas públicas, escolheram o mesmo livro para utilizar em um período de três anos, trabalhando com o mesmo autor, e sua seqüência de idéia.  As quantidades de livros avaliados por escola foram 4 : ( 3° Ciclo : 6°ano/5a Série e 7°ano/6a Série) e do (4° Ciclo : 8°ano/7a Série e 9°ano/8a Série) , totalizando 4 livros.

Ressaltando a importância dada pelo autor no 6º ano ao tema solo, relacionando-o principalmente com a vida, citando a origem e transformação do solo, assim a participação dos seres vivos na modificação e preservação do mesmo. Atribuindo às seguintes abordagens: texto organizando conhecimento: (formação do solo, composição do solo, seres vivos do solo, solo e saúde, lixo e solo, uso do solo, problemas no solo), investigação com conhecimento cotidiano: (o que você sabe), experiência: (composição do solo de um jardim, permeabilidade do solo e estudo de caso) e texto complementar: (solos brasileiros, observando as rochas, uma vida dentro da terra, o ser humano modifica o solo, desmatamento queimada erosão), Figura 2.

O autor não trabalhou com tema solo no 7° ano, expondo somente sobre os vegetais. E no 4° ciclo, 8° ano, foi exposto sobre o corpo humano e  no 9° ano foi expostos sobre os materiais, átomos, calor, luz, etc. Com isso, não atende os Parâmetros Curriculares Nacionais, Figura 2. De acordo com Muggler, et al. (2006) na educação essa desvalorização do solo se reproduz traduzido pelo papel secundário que o conhecimento pedológico adquire tanto nos cursos superiores como nos conteúdos da educação básica.

Os professores devem buscar alternativas, e instrumentos para desenvolverem os conteúdos referentes a solos, pois o autor dessa edição apresenta-os de forma fragmentada principalmente no 4º ciclo, com isso recomendam leituras complementares que ajudarão os docentes a contribuirá sensivelmente para a ampliação do conhecimento conceitual do aluno.

Para o entendimento do tema solos e educação ambiental é importante que seja trabalhado em todos os ciclos, podendo ser até mesmo com utilização da interdisciplinaridade para conhecer e saber a importância. Para Limas & Pires, (2008), a necessidade de se conhecer e saber da sua importância é fundamental no ensino de solos, pois a preservação do meio ambiente está relacionada fundamentalmente ao solo, seu uso e conservação, formando assim uma consciência ecológica.

 

 

 


 

Figura 2: Relação do conteúdo dos livros de ciências do 3° e 4° ciclos do ensino fundamental, suas relações com a ciência, tecnologia e sociedade, utilizados nas escolas públicas do Município de Porto Nacional – TO.

 

 

4 – Conclusões

4.1 - Livros de Ciência do 1° e 2° Ciclos: 

·        Nas escolas publicas do município de Porto Nacional, os professores de ciências do 1° e 2° ciclos, optaram por livros de autores diferentes, porque a demandas dos livros foram muitas e poucas ofertas.

·        Os conteúdos dos livros para o conhecimento na concepção do tema solo no ensino fundamental, suas relações com a ciência, tecnologia e sociedade, foram realizadas através da investigação do conhecimento do cotidiano, texto técnico e ensaios experimentais atribuindo educação ambiental.

·        Os livros de ciência utilizados pelos professores, o conteúdo com tema solo, dos dois autores, no geral atende os Parâmetros Curriculares Nacionais.

·        Os autores apresentam o tema solo com enfoques diferentes e quantidade de conteúdo nos ciclos e anos/séries. 

 

4.2 - Livros de Ciência do 3° e 4° Ciclos: 

  • O tema solo foi trabalhado somente no 3° ciclo, no 6° ano, atendendo suas relações com a ciência, tecnologia e sociedade.
  • O autor não trabalhou com tema solo no 7° ano. E no 4° ciclo, não atende os Parâmetros Curriculares, conseqüentemente este livro não é indicado para utilização no ensino fundamental nos 3° e 4° ciclos.

 

5 - Referências

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasilia: MEC/SEF, 1997. 90p.

 

COSTA, A. D. O ensino de Solos no Nível Fundamental: O caso da escola Desembargador Mário Gonçalves de Matos. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Geografia)- Departamento de Geografia. Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

 
FALCONI, S. Produção de material didático para o ensino de solos. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Geografia. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS. Rio Claro/SP, 2004.

 

FREITAS, N.K. & RODRIGUES, M.H. O livro didático ao longo do tempo: A forma do conteúdo. Rev. Inv. Art., 1:1-8, 2008. Disponível: http://www.ceart.udesc.br/revista_dapesquisa/ em Acesso em setembro de 2009.

 

GRANDINI, N.A.; GRANDINI, C.R. Laboratório didático: Importância e utilização no processo ensino-aprendizagem. In: XI ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÌSICA, Curitiba, 2008. Anais. Campinas. UNICAMP. 2007. p.1-11. Disponível em <http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/epef/xi/sys/resumos/T0269-1.pdf >.  Acesso em mar. de 2010.

 

LIMAS, O.A.L. & PIRES, D.M. Possibilidades para o ensino de pedologia em educação especial. In: ENCONTRO INTERNO E SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. 8 e 12, Uberlândia, 2008. Anais. Uberlândia. UFU. 2008.p. 1- 6. Disponível em http://www.ic-ufu.org/anaisufu2008/PDF/SA08-20387.PDF . Acesso em junho de 2009.

 

MUGGLE. C.C. O programa de educação em solos e meio ambiente do museu de ciências da terra da Universidade Federal de Viçosa. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA EM ENSINO E HISTÓRIA DE CIÊNCIAS DA TERRA/SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE ENSINO DE GEOLOGIA NO BRASIL. 1 e 3, Campinas, 2007. Anais. Campinas. UNICAMP. 2007. p.275-279. Disponível em http://www.ige.unicamp.br/simposioensino/artigos/053.pdf, Acesso em junho de 2009.

 

MUGGLER, C. C.; et. al. Educação em solos: princípios, teoria e métodos. R. Bras.Ci. Solo, 30: 733-740, 2006.

 

VASCONCELLOS, C. S. Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad.1993. 193 p.



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
  Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Trabalhos Enviados     Breves Comunicações     Práticas de Educação Ambiental