ISSN 1678-0701
[Exibindo artigos de todos os números]
Números anteriores 
Início   |   Cadastre-se!   |   Procurar   |  Apresentação   |  Artigos   |  Dicas e Curiosidades   |  Reflexão   |  Textos de sensibilização   |  Dinâmicas   |  Dúvidas   |  Entrevistas   |  Saber do Fazer   |  Culinária   |  Arte e ambiente   |  Divulgação de Eventos   |  O que fazer para melhorar o meio ambiente   |  Sugestões bibliográficas   |  Educação   |  Você sabia que...   |  Plantas medicinais   |  Contribuições de Convidados/as   |  Trabalhos Enviados   |  Folclore   |  Breves Comunicações   |  Meio Ambiente e Experiência da Diferença   |  Educação Ambiental e Comunicação   |  Reportagem   |  Normas de Publicação   |  Práticas de Educação Ambiental   |  Colaboradores antigos   |  Soluções e Inovações
Trabalhos Enviados

No. 31 - 03/03/2010
ANÁLISE DAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM A TEMÁTICA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA ANPEDSUL NOS PERÍODOS DE 2002, 2004 e 2006.
O artigo analisa o suporte bibliográfico dos trabalhos apresentados no eixo temático da educação ambiental da ANPEDSUL nas edições de 2002, 2004 e 2006 [...]

Educação Ambiental em Ação 31

ANÁLISE DAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM A TEMÁTICA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA ANPEDSUL NOS PERÍODOS DE 2002, 2004 e 2006.

 

FERREIRA, Adriano Charles – UEPG.

drisinho@yahoo.com.br

 

 

Resumo

O artigo analisa o suporte bibliográfico dos trabalhos apresentados no eixo temático da educação ambiental da ANPEDSUL nas edições de 2002, 2004 e 2006. Os trabalhos estão disponíveis em Cd – ROM dos eventos. Os dados dos trabalhos foram formulados num software contendo as seguintes informações: natureza das referências, qualidade das referências, observações nos erros de nomenclatura. Para análise das referências utilizamos à meta- analítica (meta - análise), que trata-se de um  método quantitativo que permite combinar os resultados de estudos realizados de forma independente e sintetizar as suas conclusões ou mesmo extrair uma nova conclusão. No universo de análise dos 54 trabalhos foram retiradas 502 referências classificadas em: livros, capítulos de livros, artigos científicos, trabalhos de eventos científicos, monografias, dissertações, teses, documentos oficiais, documentos diversos e internet. A análise revelou que das 502 referências, 66% contém erros de nomenclatura e que 74,5% são livros e capítulos de livros e que apenas 9,5% são artigos científicos, aspecto que não agrada ao meio científico, pois os trabalhos científicos constituem fonte de informações, que passaram por rigorosos processos e avaliações. Essa tendência deve ser debatida na área principalmente quando as políticas dos órgãos de fomento da pesquisa e pós-graduação têm priorizado os artigos científicos. Portanto cabe alertarmos e apontarmos para os diversos campos de pesquisa, sobre as citações que são utilizadas, objetiva-se buscar referenciais teóricos que sejam fontes de pesquisa, no qual conseguiremos construir trabalhos que não sirvam para meras leituras, mas sim para trazermos aos olhos dos leitores mudanças significativas no seu modo de pensar e agir, contribuindo assim para a comunidade científica dos diversos ramos do conhecimento.

 

Palavras-chave: Pesquisa; Referências bibliográficas; Educação ambiental.

Introdução

A Pesquisa entende-se como um processo no qual o pesquisador tem “uma atitude e uma prática teórica de constante busca que define um processo intrinsecamente inacabado e permanente”, pois realiza uma atividade de aproximações sucessivas da realidade, sendo que esta apresenta “uma carga histórica” e reflete posições frente à realidade (MINAYO, 1994, p.23). Pesquisar é considerado um processo que se constitui de uma atividade científica básica, através da indagação e construção da realidade.

Considera-se, portanto, que o processo de pesquisa se constitui em uma atividade científica básica. Destacamos que “nada pode ser intelectualmente um problema se não tiver sido, em primeiro lugar, um problema da vida prática” (MINAYO, 2001, p. 17).

Para Lima e Mioto (2007, p.39) “o processo de pesquisa se caracteriza como uma atividade científica básica, que através da indagação e (re) construção da realidade, fomenta a atividade de ensino e a renova frente à realidade”.

O Brasil não tem tradição de pesquisa, tem sido deixada em plano secundário nas prioridades nacionais. Pesquisar é inerente ao ser humano e é de fundamental importância, pois implica na transmissão do conhecimento, sendo que a maior preocupação de um pesquisador não deve ser a publicação de seu trabalho a qualquer preço, mas sim à vontade e a certeza de que o conhecimento gerado por ele seja corretamente transmitido ao publico acadêmico.

Na pesquisa  tanto o indivíduo que a realiza quanto a comunidade acadêmica na qual esta se desenvolve, ocorre o processo de aprendizagem, constitui-se de uma troca de conhecimento, este que é o ato de compreender algo usando o raciocínio.

Segundo Carmo e Prado (2005, p.131) “a ciência é uma atividade social, e, portanto, precisa ser divulgada, debatida e refletida”. Sendo a comunidade acadêmica vista como produtora e transmissora de novos conhecimentos científicos, precisa estar em constante busca de informações que estejam atualizadas, com isso precisam fazer uso de diversos canais de comunicação científica que permitam a identificação dos conhecimentos já existentes.

Temos várias formas de divulgação, como os eventos científicos — os congressos, simpósios, encontros, e diversos outros. Como nos demonstra Loureiro (2003), “a informação é comunicada de forma restrita, ela obedece a procedimentos de forma e avaliação”.

 As pesquisas que são realizadas no âmbito  universitário , podem ser apresentadas  em eventos científicos que servem como grande fornecedor de conhecimento para a comunidade acadêmica, busca como finalidade reunir profissionais e/ ou  estudantes, de sua área contando cada qual com seu eixo temático especifico, para trocar e transmitir  informações de interesse comum aos participantes.

 Esses eventos têm diversas funções, pois proporcionam fontes de informação que contribuem para a formação do intelecto dos estudantes, propiciando que este tenha acesso, do que foi apresentado.

Para a nossa pesquisa usufruiremos do encontro da região sul denominado: ANPEDSUL (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação da região sul) por serem seus encontros realizados no sul do Brasil (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do sul), e por apresentarem trabalhos no eixo temático da educação ambiental (EA). Pois bem, a ANPEDSUL tem sua formação nos anos de 1990, mas foi a partir de 1996 que vai se estruturar com coordenação geral e por estados. E nesse ano mesmo, começam a ser programados os seminários na região sul, no qual a primeira realização ocorre em Florianópolis em 1997.

A ANPEDSUL é assim denominada por possuírem os seminários intima ligação com a instância regional sul, antes chamada de Fórum sul de Coordenadores de programas de pós – graduação em educação apresenta-se como uma instância regional da ANPED (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação). Ela (ANPEDSUL) coordena ações conjuntas, com perspectiva ao desenvolvimento da pesquisa e da pós – graduação em educação na região sul do nosso país.

Merece grande destaque a ANPEDSUL pelo seu trabalho de divulgação de trabalhos de pós-graduação, pois são difíceis de encontrar tais trabalhos. Esta realiza um grande trabalho de disseminação, através de suas publicações impressas e registradas em Cd – Rom. Em que são disponibilizados aos cursos de pós – graduação e universidades das áreas de educação.

Por meio desse trabalho buscamos alertar e evidenciar a comunidade acadêmica no âmbito geral (docentes, discentes e pesquisadores) no sentido de que: nos eventos científicos é precário o controle bibliográfico da “literatura acadêmica”. Sendo esta pouco utilizada, porém, constitui-se de fonte riquíssima de conhecimento.

Surgimento da educação ambiental (EA) e o período de produção investigado

Na década de 70 os problemas ambientais passam a receber mais atenção na sociedade e são promovidas discussões sobre o desenvolvimento econômico e tecnológico. Em 1972 em Estocolmo ocorre a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente Humano e é estabelecida a ligação entre desenvolvimento e meio ambiente expresso na idéia de desenvolvimento sustentável (SATTLER et.al, 2007).

Como o marco inicial da Educação Ambiental se deu na Conferência de Tbilisi, em 1977, (UNESC0, 1997), buscamos registrar aqui, primeiramente, o conceito de Educação Ambiental atribuído por esse fórum: "Em sua evolução, o conceito de Educação Ambiental permaneceu estreitamente vinculado ao próprio conceito de Meio Ambiente e à maneira como este era percebido. Depois de considerar-se o Meio Ambiente, sobretudo em seus aspectos biológicos e físicos, passou-se a uma concepção mais ampla, na qual o essencial são seus aspectos econômicos e socioculturais, ressaltando a correlação existente entre todos esses aspectos" (p. 34-35).

O papel da EA é servir como ferramenta para estimular a reflexão, proporcionar conhecimento e subsidiar a ação, com vista a diminuir os danos ambientais e reforçar o caráter político de cada pessoa, para que partilhe responsabilidades no convívio social, isto é, estabelecer bases de “novas alianças entre sociedade e natureza”. (REIGOTA, 1994).

Dos trabalhos apresentados na ANPEDSUL 8 trabalhos correspondem a EA, no IV seminário (2002), e 21 trabalhos no VI seminário (2006) verificamos um crescimento de 13 trabalhos, justificando a importância da EA no espaço acadêmico.Vale ressaltar que da sua primeira edição até 1999 a ANPEDSUL ocorria em encontros anuais, passando a partir de 2000 a ser bienal, ou seja, a cada dois anos.

Objetivos

Com o propósito de compreendermos o suporte bibliográfico da ANPEDUSL, assinalamos que o trabalho tem como objetivo geral: identificar e analisar as referências bibliográficas dos trabalhos apresentados nos seminários IV, V e VI apresentados na ANPEDSUL, sobre a temática da educação ambiental. Nos períodos respectivamente 2002, 2004 e 2006. O objetivo geral se desmembra nos seguintes objetivos específicos:

·        Analisar a qualidade das referências bibliográficas do evento analisado, a partir dos trabalhos apresentados.

·        Explicitar nas bibliografias quais os erros mais freqüentes encontrados nas referências bibliográficas.

·        Informar e interpretar a natureza das referências bibliográficas (livros, capítulos de livros, teses, dissertações, monografias, documentos oficiais e documentos diversos).

·        A partir da natureza das referências, evidenciar quais são cabíveis de interpretação para que se possa obter uma pesquisa qualificável.

Veículos de divulgação cientifica

Os responsáveis pela divulgação do conhecimento cientifico, são apresentados como os trabalhos que passaram por um longo processo de pesquisa e foram avaliados rigorosamente, por vários docentes e/ou avaliadores. Dentre eles destacamos o: artigo cientifico, trabalho de evento científico, monografias, dissertações e teses.

Para a NBR 6022 (2003, p. 2), o “artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento”.

Nota-se que o artigo científico relata informações e resultados de uma pesquisa de maneira clara e concisa. Sua característica principal é ser publicado em periódicos científicos, estes que devem ter certa periodicidade, daí a sua designação, normalmente sendo semanal, quinzenal, mensal, bimestral, semestral ou anual.

Os motivos para a elaboração de um artigo são as seguintes: ausência de aspectos que não foram estudados adequadamente ou superficialmente, a falta de um livro sobre o assunto estudado e o aparecimento de erros como é o nosso caso de estudo.

Os eventos acadêmicos e científicos são de iniciativa das unidades de ensino e pesquisa. As modalidades que são mais utilizadas são as seguintes:

O congresso, no qual constitui-se de reuniões e/ou encontros de entidades de classe ou associações para a apresentação de conferências. Os seminários tratando-se de uma exposição oral para participantes que possuam algum conhecimento prévio do assunto a ser debatido. Na mesa - redonda, os participantes geralmente são especialistas que apresentam seus pontos de vista sobre o tema. Após as exposições, os participantes são levados a debater entre si os vários pontos de seus trabalhos. Temos por último o fórum, que é um tipo de reunião menos técnica cujo objetivo é conseguir a efetiva participação de um público numeroso.
            Trabalhos de eventos científicos são trabalhos elaborados por pesquisadores e não foram publicados em revistas e jornais, sendo apresentado em encontros de pesquisa seguem sendo enorme fonte de conhecimento a comunidade científica.

            Temos os trabalhos acadêmicos, que são resultados de pesquisa aos quais são divididos em três moldes: as monografias, dissertações e as teses.

            O termo monografia segundo o manual de normas da Universidade Federal do Paraná (2002) apud Medeiros (2006, p.155): “Monografia é a exposição de um assunto específico, investigado cientificamente. O trabalho de pesquisa pode ser denominado monografia quando denota um trabalho de conclusão de curso”.

A dissertação se apresenta para a NBR 14724 (2002) apud Medeiros (2006, p.156) como: “documento que representa o resultado de um trabalho experimental, de tema único, como o objetivo de analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato”.

As teses são distintas de conclusões constituindo segundo a NBR 14724 (2002) apud Medeiros (200.6, p. 157) em: “documento que representa o resultado de um trabalho experimental de tema limitado. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade em questão”.

A elaboração dos trabalhos acadêmicos não são tão simples, pois demandam seguir as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas). Portanto esses trabalhos acadêmicos servem como importante ferramenta para a contribuição teórica no campo da ciência.

Veículos de divulgação comercial

Os Livros são volumes transportáveis que são compostos por páginas, baseia-se num produto intelectual, e como tal, encerra um conhecimento do autor, sendo um produto de consumo é produzido e realizado a partir de meios industriais, passando por impressão e distribuição.

 O livro passa pela análise do editor, que geralmente é contratado por uma editora, que se encarrega de comercializar o livro, não passando por uma análise rigorosa, servindo basicamente para ser usufruído por qualquer pessoa que possua capital disponível para seu consumo. Os capítulos de livros são assim chamados, pois fazem à separação de temas nos livros,quando são feitos por vários autores, estes subdividem cada qual seu capitulo no livro.

Outros veículos de divulgação

            Se encaixam os documentos oficiais, diversos e a internet. Os documentos oficiais são aqueles, de qualquer espécie e em qualquer suporte, que são produzidos e recebidos pelos poderes legislativo, executivo e judiciário, incluindo os de administração da União, estaduais, municipais e também de âmbito federal.

Os documentos diversos são contidos dos mais variados documentos, que venham a ser utilizados na pesquisa como: citações verbais, entrevistas, filmes, Cd’s, podemos citar até aula de um professor como exemplo, pois bem, para simplificar consiste em documentos variados que vem a ser encontrados que não se encaixam com as caracterizações citadas acima.

            A Internet é um meio de divulgação muito utilizado, por ser muito ágil e rápido, e de fácil acesso, nesse mundo globalizado as informações são trocadas numa velocidade exorbitante, por sites, blogs e diversos outros segmentos, mas precisa-se saber onde estamos procurando nossos referenciais teóricos, pois na internet todos colocam o que querem, não passam por processos de avaliação, qualquer pessoa pode colocar o que quer, por isso devemos tomar muito cuidado onde procurar nossos suportes bibliográficos advindos desse meio de divulgação.

Metodologia

Partimos de que a pesquisa, em termos de finalidade é de natureza documental com a análise de conteúdo (BARDIN, 2004). Num primeiro momento realizamos leituras e fichamentos de trabalhos relacionados à educação ambiental do grupo de pesquisa em educação ambiental (GEPEA) e concomitantemente os trabalhos da ANPEDSUL, sendo essa ficha composta pelos seguintes elementos: referência, palavras-chaves, problema de pesquisa, questões de pesquisa, objetivos, hipótese(s), metodologia, população investigada, resultados, conclusões, questões em aberto e referências, em que foi adquirido conhecimento sobre o tema da educação ambiental.

Em um segundo momento foram analisadas as 502 referências bibliográficas do encontro da ANPEDSUL, que foram disponibilizadas por Cd – ROM, do IV seminário do encontro que se realizou em Santa Catarina (2002), do V seminário realizado em Curitiba (2004), e por último VI que fora realizado no Rio Grande do Sul (2006), onde contém as informações dos trabalhos que foram apresentados, sendo nosso eixo temático a Educação ambiental.

Os dados dos trabalhos foram formulados num software contendo as seguintes informações: natureza das referências, qualidade das referências, observações nas que continham erros, onde que por fim se elaborou a base de dados.

A partir desse banco de dados, com o auxilio de uma biblioteconomista, contribuiu-nos para classificação e análise dos suportes bibliográficos, para que nos aprofundemos nos autores que mais foram citados, suas obras que aparecem com freqüência, a natureza das referências, quais os erros que aparecem com freqüência.

Bem como o auxilio na internet na procura de artigos científicos consultados em bibliotecas virtuais importantes como: Scielo, Portal da Capes, assim como a Revista eletrônica: ciência da informação.

A pesquisa valeu-se de períodos distintos. Pois há outro pesquisador que fará seu trabalho buscando informações dos anos anteriores a 2002, salientando os períodos de 1998, 1999 e 2000.

Para análise das referências utilizamos à meta-análitica (meta-análise), que se constitui de um método quantitativo “que permite combinar os resultados de estudos realizados de forma independente (geralmente extraídos de trabalhos publicados) e sintetizar as suas conclusões ou mesmo extrair uma nova conclusão” (LUIZ, 2002).  Então vemos que o método utilizado na pesquisa, adota-se como um enfoque novo a partir de resultados de outros pesquisadores, ou seja, uma pesquisa - avaliação. Para Larocca, Rosso e Pietrobelli de Souza (2005).

Pelas pesquisas meta-analíticas a ciência busca sua coerência, debruçando-se sobre aquilo mesmo que produz, não exclusivamente visando traçar o tradicional estado da arte de determinado conhecimento, mas para que, utilizando-se de procedimentos científicos qualitativos e/ou quantitativos, venha a conhecer melhor a produção científica em seus vários aspectos.

Como salienta Bourdieu (1994, p. 23): “a ciência é reforçada toda a vez que se reforça a crítica científica”. Percebemos a importância da análise meta-analitica na contribuição da pesquisa cientifica, consistindo na avaliação das pesquisas realizadas.

Resultados e reflexões

Ao constatarmos os 54 trabalhos, os organizamos numa base de dados, onde verificamos que das 502 referências analisadas indicam que chega a 66 % os erros na forma de apresentá-las (como vemos na tabela 1). Isso nos leva a uma reflexão importante, pois os trabalhos são do encontro da ANPEDSUL, aos quais são representados por pós – graduandos observamos não serem demonstrados de forma coerente de onde se tirou os referenciais teóricos utilizados, não sabendo demonstrá-los de forma legível nos trabalhos.

Com isso, dificulta-nos a procura de obras e trabalhos que foram referenciados, não possibilitando a outro pesquisador ou qualquer pessoa afim, que deseje encontrar o que foi apresentado nas referências.

 

Tabela 1 – Interpretação das referências

Análise

N° de vezes

%

Corretas

169

33,67

Erradas

333

66,33

Total

502

100

 

Caracterização dos erros freqüentes

Verificamos que os principais erros estão nas normas de autoria, títulos, tradução, edição, imprenta, descrição física, coleções e referências incompletas. Então destacamos que a nomenclatura dos referenciais teóricos aponta deficiências, não estando de acordo com as normas da ABNT, para tal, foram divididos os erros.         

O erro que aparece com maior freqüência, encontra-se no título dos trabalhos, pois aparecem 172 erros. Os tipos mais comuns de erros das referências são: dados incompletos e estrutura de apresentação em ordem errada, verificados na tabela 2.

De acordo com a descrição, vários trabalhos apresentam erros principalmente referências de monografia, dissertações e teses, nos quais não divulgam as páginas nas normas da ABNT ou não obstante nem as referenciam.

 

Tabela 2 - erros comuns.

ERROS MAIS COMUNS

 

Falta de destaque (sublinhado, negrito, grifo)

72

Destaque no subtítulo

39

Uso de maiúsculas em todas as palavras

12

Omissão de dados

42

Não indicar em maiúscula a primeira palavra do título quando não houver autor

7

Total

172

 

Observaremos na tabela 3, que os principais erros na autoria remetem a indicações fantasmas, autores que não existem ou não foram utilizados nas referências, ou que apresentam dados evaziveis ao conteúdo. 

Uma das características que mais aparecem na questão de imprenta (local, nome da editora e ano de publicação), é a inversão dessa ordem, muitos trocam a editora pelo local.

Quando a obra vem acompanhada de quem a traduziu, indica-se a palavra tradução sem abreviação e o autor de quem a traduziu seguindo a mesma norma (ABNT).

A edição é indicada pelo número seguido da abreviação “ed.”. Acréscimos á edição são referenciados de forma abreviada (revisada = ver; atualizada = atual; aumentada = aum.). (MANUAL DE NORMALIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA, 2005)

Após a descrição física, pode ser acrescentada uma nota, entre parênteses, com o título da coleção e o número da obra, separados por vírgula.( MANUAL DE NORMALIZAÇÃO BIBLIOGRÁFICA, 2005)

Vale o alerta a todos os pesquisadores científicos bem como discentes e docentes para a utilização do manual de normas da ABNT, seguindo as normas, podem elaborar um trabalho de grande relevância para a comunidade científica.

 

Tabela 3 - descrição física

Descrição física

Sem abreviatura correta na indicação de volume

15

Sem abreviatura correta na indicação de páginas

32

Sem abreviatura correta na indicação de capítulos

5

Total

52

Autoria

Entrada em caixa baixa

9

Indicação errada

16

Omissão de dados – pré – nomes

4

Total

29

Imprenta

Inversão da ordem

7

Pontuação

5

Sem indicação de data

2

Nome da editora com denominação social

3

Expressão editora sem abreviar

3

Total

20

Tradução

Indicar tradutor abreviado

5

Abreviação da palavra tradução

9

Total

14

Edição

Expressão não abreviada

5

Indicação de símbolo da numeração sobrescrito

2

Acréscimos a edição

1

Total

8

Séries e coleções

O titulo da obra não aparece entre parênteses

2

O número da obra não aparece entre parênteses

1

Separação entre vírgulas 

2

Total

5

 

Caracterização da natureza das referências

Para cada tipo de material de acordo com ABNT é adotada uma estrutura diferenciada: para livros, capítulos de livros, artigos de periódicos, trabalhos de eventos científicos, teses, monografias, dissertações, documentos oficiais e diversos (Tabela 4).

 De acordo com a natureza de sua referência, os artigos científicos e trabalhos acadêmicos são citados apenas 16 %, sendo os livros, capítulos de livros, apresentados 74, 5 %.Demonstrando, a precariedade dos trabalhos, pois esse tipo de literatura contém informações de grande valor para qualquer área, mas ainda continua a ser pouco utilizado pelos pesquisadores, “privando a área de contribuições riquíssimas e privando os leitores dos posicionamentos e informações mais recentes” (BOHN, 2003, p. 18).

 

Tabela 4 - Estrutura

Natureza da Referência

%

Número

Artigo Cientifico (periódico)

6, 5

32

Trabalho de eventos Científicos

3

15

Monografias

0,5

3

Dissertações

2,5

12

Teses

3

15

Livros

61

305

Capitulo de Livros

13,5

67

Documentos Oficiais

6

31

Documentos Diversos

3

16

Internet

1

6

TOTAL

100

502

 

As dissertações, teses e monografias representam uma percentagem pequena nas referências apenas 6 %, o que indica que este tipo de documento, com informações de grande valor para qualquer área, ainda continua a ser pouco utilizado. Constituindo os documentos (oficiais e diversos) apenas 10 % das citações, vemos que são pouco utilizadas as leis e diretrizes nos trabalhos.

Considerações finais

Para se construir o conhecimento, o pesquisador deve fazer um “mergulho” ou “consulta” a outros pesquisadores (MUSTAFA; MÁXIMO, 2003). Nesse contexto, entendemo-nos a pesquisa meta - analítica, visto que nos propusemos a essa consulta ao outro.

Segundo Mustafa e Máximo (2003), essa ida ao outro consta como a base do conhecimento, o outro acompanha-nos de volta sempre que o citamos em nossas referências, nós nos referimos no outro para produzir nosso próprio conhecimento, acompanhado pelo movimento em que nos oferecemos a ele.

Ressaltamos a importância da pesquisa, que trata desse mergulho aonde vamos até o outro, buscando nosso próprio conhecimento, enaltecemos ainda a dificuldade encontradas para procurarmos artigos científicos e/ou trabalhos acadêmicos, destacando as seguintes informações:

a) O Brasil, não investe nas pesquisas, a pesquisa é vista em segundo plano nas prioridades do Estado.

b) Alertamos aos pesquisadores, que o importante, não é simplesmente publicações de seus trabalhos, ou “engordar” seu currículo lates, mas salientar a vontade de o conhecimento ser gerado e ser corretamente transmitido ao público acadêmico.

c) Merece destaque a ANPEDSUL por sua capacidade de divulgar os trabalhos científicos de pós – graduação.

Considerações à cerca da E. A.

A educação ambiental vem buscando intervir nos seres humanos mudanças de atitude em relação ao meio ambiente. O crescimento da deterioração do planeta está possibilitando que a Educação ambiental aumente seu número de publicações, sendo no ano de 2002 apenas 8 trabalhos, passando para 28 artigos em 2004, vemos que esse eixo temático vem se destacando na comunidade científica. Fazendo com que haja uma preocupação constante com o meio ambiente, possibilitando várias pesquisas e trabalhos acerca desse tema, que salienta como interdisciplinar, não apenas com aspectos físicos ou biológicos, mas sim também com fatores sociais, econômicos e políticos.

Devemos estimular para que nas próximas pesquisas de EA constitua-se um ambiente de mais debates entre as diversas pesquisas já realizadas na área

Considerações das referências bibliográficas

Consideremos as seguintes observações:

a) Dos suportes bibliográficos analisadas nesse contexto, pudemos notar, que 80% das referências utilizadas são de livros e capítulo de livros, constatando que a literatura acadêmica, apresenta-se menosprezada pelos pós-graduandos.

b)Coerência da Meta – análise, que nos permitiu combinar os resultados de estudos que já foram realizados, permitindo que realizássemos nosso trabalho.

Por fim devemos incentivar as pesquisas acadêmicas para que haja maior valorização de nossos trabalhos, destacamos que: monografias, teses e dissertações, são raramente utilizadas como referenciais teóricos, por que isso acontece? Estariam sendo pouco divulgadas, estariam servindo de enfeite nas prateleiras de bibliotecas, e os artigos então, que passam por um processo avaliativo muito mais válido de análise, são pouco utilizados constituindo apenas 10% do total das referências que analisamos. Por quê? Seria pela dificuldade de encontrá-los, seria pela precariedade de divulgação na internet, pois bem, devemos lutar pela melhoria de suportes acessíveis aos nossos trabalhos, buscando suportes da literatura cinzenta, pois apenas livros não nos bastam, pois estes servem ao comércio, ou seja, para que sejam vendidos.

Cabe a nós alertamos sobre essas constatações, para que a ciência continue a crescer, e nos tornemos seres humanos capazes de lutar pelo que é justo e valoroso para todos os pesquisadores e demais produtores de conhecimento da comunidade científica.

Esperamos que com nosso trabalho, intervir para que no futuro, enriqueçamos a todos com as pesquisas meta - analíticas. E pretendemos com esse trabalho, comparar os diagnósticos desta pesquisa IV, V e VI ANPEDSUL, com outra pesquisa realizada que trata dos seminários da ANPEDSUL, dos anos de 1997a 1999, onde demonstraremos o que mudou e o que está mudando nos trabalhos. Refletindo e pensando sobre o futuro, pois: “o futuro dependerá daquilo que fazemos no presente”. (MAHATMA GANDHI).

Referências

ANPED. ANPEDSUL.. Disponível em <http://www.anped.org.br/anpedsulportal.doc>. Acesso em: 12 de abril de 2009.

ANPED. Sobre a ANPED. Disponível em: <http://www.anped.org.br/t_sobreanped.htm>. Acesso em: 15 de abril de 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023 Informação e documentação – Referências: apresentação. Rio de Janeiro: ABNT: 2002.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70. 2004.

BERTHOLINO, Maria Luzia Fernandes.; FERRO, Joseani Maria; INOUE, Maria Tomoko; SILVA, Vera Lúcia Braga da; BOTELHO, Cristina Maria ; SILVA, Ivani da; NOVAIS, Eunice Silva ; MADRUGA, Maria Lúcia Cazarin Bezerra; OLIVEIRA, Ângela Maria. Manual de normalização bibliográfica para trabalhos científicos. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2005. 131 p.

BOHN, Maria del Carmen Rivera. Autores e autoria em periódicos brasileiros de ciência da informação. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, SC, v. 1, p. 1-19, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Lições de aula. 2. ed. São Paulo: Ática, 1994.

CARMO, João dos Santos. PRADO, Paulo Sérgio Teixeira do. Apresentação de trabalho em eventos científicos: comunicação oral e painéis. Interação em Psicologia, v. 9, n. 1, Jan./Jun. 2005. p. 131-142,2005

LAROCCA, Priscila; ROSSO, Ademir José; SOUZA, Audrey Pietrobelli de. A formulação dos objetivos de pesquisa na pós-graduação: uma discussão necessária. Revista Brasileira de Pós-Graduação - Capes, Brasília, v. 1, n. 1, p. 118-133, 2005.

LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katalysis, v. 10, p. 35-45, 2007.

LOUREIRO, José Mauro Matheus. Museu de ciência, divulgação científica e hegemonia. Ciência da Informação, v. 32, n. 1, Jan./Apr. 2003.

LUIZ, Alfredo José Barreto. Meta-análise: definição, aplicações e sinergia com dados espaciais. Cadernos de Ciências e Tecnologia, Brasília, v. 19, n. 3, p. 407-428, 2002.

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 8ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza. O desafio do conhecimento. 6. ed. São Paulo: HUCITEC, 2000. 269 p.

MUSTAFA, Solange Puntel; MAXIMO, Luis Fernando. A produção científica da Anped e da Intercom no GT da educação e comunicação. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 82-90, 2003.

REIGOTA, M. O que é educação ambiental. São Paulo: Brasiliense, 1994.

ROSSO, Ademir José; SILVA, Franciely Ribeiro da; MACHADO, Bernadete. A dimensão investigativa e formativa de um evento de educação ambiental. In: IV ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 2007, Rio Claro. IV Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental. Rio Claro, 2007. v. 1. p. 1-12.

SATTLER, Marcos Antônio; SILVA, Gedson Alves da; CARVALHO ,Cintia Marinho de; SILVA, Otoniel Bertossi da. Subsídios ao debate científico: ética, educação ambiental e desenvolvimento sustentável. Revista eletrônica Mestrado em Educação Ambiental, ISSN 1517-1256,v.18, , Jan / Jun 2007. p.39 – 45,2007.

UNESCO (Org.). Educação Ambiental: as grandes orientações da Conferência de Tbilisi. Brasília: IBAMA, 1997.

 


 
Início   |   Cadastre-se!   |   Procurar   |  Apresentação   |  Artigos   |  Dicas e Curiosidades   |  Reflexão   |  Textos de sensibilização   |  Dinâmicas   |  Dúvidas   |  Entrevistas   |  Saber do Fazer   |  Culinária   |  Arte e ambiente   |  Divulgação de Eventos   |  O que fazer para melhorar o meio ambiente   |  Sugestões bibliográficas   |  Educação   |  Você sabia que...   |  Plantas medicinais   |  Contribuições de Convidados/as   |  Trabalhos Enviados   |  Folclore   |  Breves Comunicações   |  Meio Ambiente e Experiência da Diferença   |  Educação Ambiental e Comunicação   |  Reportagem   |  Normas de Publicação   |  Práticas de Educação Ambiental   |  Colaboradores antigos   |  Soluções e Inovações