ISSN 1678-0701
Número 42, Ano XI.
Dezembro/2012-Fevereiro/2013.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Arte e ambiente     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Trabalhos Enviados     Breves Comunicações     Práticas de Educação Ambiental
 
Artigos

No. 42 - 10/09/2018
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA UM MANEJO CORRETO DO SOLO: PERCEPÇÃO DE AGRICULTORES DO MUNICÍPIO DE JABOTICABAL/SP   
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=1350 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

A percepção dos agricultores do município de Jaboticabal / SP em relação ao solo: algo

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA UM MANEJO CORRETO DO SOLO: PERCEPÇÃO DE AGRICULTORES DO MUNICÍPIO DE JABOTICABAL/SP

 

 

 

Luciana Aparecida Barbieri da Rosa, Adilson Carlos da Rocha, Francies Diego Motke, João Fernando Zamberlan, ClandiaMaffini Gomes, Aline Andressa Bervig

 

1Administradora, Mestranda em Administração de Empresas, Universidade Federal de Santa Maria, lucianaaparecidabarbieri@yahoo.com.br

2Administrador, Especialista em Educação Ambiental, Mestrando em Administração de Empresas, Universidade Federal de Santa Maria, adilson28@hotmail.com

3Graduando em Administração de Empresas, Universidade Federal de Santa Maria, fdmotke@gmail.com

4Engenheiro Agrônomo, Pós-Doutorando em Administração de Empresas, Universidade Federal de Santa Maria, jfzamberlan@gmail.com

5Administradora, Doutora em Administração de Empresas, Universidade de Santa Maria, clandiamg@gmail.com

6Geógrafa, Mestranda em Geografia e Geociências, Universidade Federal de Santa Maria, alinebervig@gmail.com

 

Resumo

 

O estudo buscou avaliar a percepção dos agricultores frente ao solo em relação à Educação Ambiental. O instrumento de pesquisa utilizado foi um questionário aos agricultores com o intuito de diagnosticar a percepção desse público-alvo sobre os eixos temáticos Meio Ambiente, Solos e Educação Ambiental. Os resultados apontam que, partes dos entrevistados não dão importância para o meio ambiente e conseqüentemente para o solo, vendo-o de como uma forma única de exploração. Entretanto, devem-se implantar programas de Educação Ambiental em diversos órgãos públicos e privados conscientizando toda a população para os problemas ambientais que nos acomete atualmente.

 

Palavras Chave: Gestão Ambiental, Ensino do Solo, Educação Ambiental.

 

1. Introdução

           

O solo é um recurso natural, que resulta da interação entre a litosfera, a atmosfera, a hidrosfera e a biosfera, sendo o seu material de origem, as rochas, que através do processo de intemperização sofre alterações dando origem aos diferentes tipos de solos.

            A conservação do solo tem por finalidade proteger e aumentar o tempo de cultivo que este pode proporcionar, saciando as necessidades humanas, assegurando, assim, a manutenção e sua qualidade. Conforme Almanaque Brasil (2008), entende-se por práticas conservacionistas aquelas medidas que visam conservar, restaurar e melhorar a qualidade do solo. A adequação da fertilidade e o controle da erosão estão entre as mais importantes práticas para a conservação dos solos brasileiros. Atualmente, o sistema de plantio direto, que se expande por todas as regiões agrícolas do país é uma das tecnologias mais adequadas eficientes para reduzir a erosão, manter a matéria orgânica, a fertilidade do solo e principalmente contribui significativamente na fixação do carbono.

            Buscando a melhoria desse recurso natural, adentra a Educação Ambiental, que segundo Grun (2006), não é algo assim tão novo. Ela consolidou-se como uma preocupação no âmbito da educação há aproximadamente duas décadas. A emergênciada crise ambiental como uma preocupação específica da educação foi precedida de uma certa ecologização das sociedades. Essa ecologização começou no momento em que o ambiente deixou de ser assunto exclusivo de amantes da natureza e se tornou um assunto da sociedade civil ampla. Nesse sentido, tem-se como um problema de pesquisa a não percepção dos agricultores sobre os solos, seus diversos usos e características inter-relacionadas com o meio ambiente e conseqüentemente a Educação Ambiental.

            O objetivo desse trabalho foi avaliar a percepção dos agricultores frente ao solo em relação à Educação Ambiental, para que através dessa avaliação se possa intervir e propor práticas educativas, para que tome consciência de que o solo é um recurso natural disponível para ser explorado com cautela e para que possa servir de recurso para as futuras gerações.

 

2.  Revisão

 

2.1 Educação Ambiental

 

2.1.1 Definições e características

 

Nas palavras de Sato (2004, p. 23), “a primeira definição internacional de Educação Ambiental foi adotada em 1971 pela Internacional Union for the Conservation of Nature (IUNC)”.

No ano de 1977 em Tbilisi, na Geórgia (ex-URSS), realizou-se o Primeiro Congresso Mundial de Educação Ambiental, apresentando os primeiros trabalhos que estavam sendo desenvolvidos em vários países (REIGOTA, 2006, p. 16).

A Conferência Intergovernamental de Tbilisi, definiu que:

A Educação Ambiental é um processo de reconhecimento de valores e classificação de conceitos, objetivando o desenvolvimento das habilidades e modificando as atitudes em relação ao meio, para entender e apreciar as inter-relações entre os seres humanos, suas culturas e seus meios biofísicos. A Educação Ambiental também está relacionada com a prática das tomadas de decisões e a ética que conduzem para a melhoria da qualidade de vida (SATO, 2004, p. 23).

 

De acordo com a Lei nº 9.605, de 12/02/1998, define educação ambiental como: os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade.

A educação e a educação ambiental em particular, baseadas nos paradigmas da globalidade (pensamento global e ação local e pensamento local e ação global), no diálogo das culturas, saberes e gerações, são condições fundamentais da pós-modernidade de resistência (REIGOTA,1999).

A educação ambiental deve ser vista como um processo de aprendizagem permanente que busca as diversas formas de conhecimentos dos cidadãos com consciência local e global.

Dentre as características e de acordo com Carvalho (2006, p. 26), “considera educação ambiental como prática política e social, inter-relacionando conhecimento, os valores éticos e estéticos e a participação política do indivíduo”.

Ao longo da história foi constante a agressão e a destruição do ambiente natural, o homem foi buscando novos territórios, novos ecossistemas e consequentemente, se afastando da interação biológica com os demais seres viventes. Assim, se tornou um ser a parte no seu relacionamento com o meio ambiente.

Segundo Meyer (1994, p. 61), “no Brasil, os conservacionistas, criam em 1958, a Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza, “trabalhando pela conservação dos recursos naturais.”

 Em 1968 realizou em Roma a reunião de cientistas dos países desenvolvidos com o objetivo debaterem o consumo e as reservas de recursos naturais não renováveis e o crescimento da populacional mundial até metade do século XXI. O Clube de Roma teve por objetivo colocar o problema ambiental em nível mundial, e como consequência, a Organização das Nações Unidas realizou em 1972, em Estocolmo, na Suécia a primeira Conferência Mundial de Meio Ambiente Humano (REIGOTA, 2006).

Em 1975, foi o Primeiro Seminário Internacional de Educação Ambiental:

“……..se redactó la Carta de Belgrado, fijando seis principales metas y las grandes líneas de orientación para los programas de Educación Ambiental. Estos se resumen en conocer, desarrollar la conciencia, adquirir aptitudes y actitudes, capacidad de evaluación y participación en relación a los problemas ambientales (VALERIAS, 2006, p. 147).

 

Na assembleia geral da ONU em 1983, foi criada a Comissão Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, onde foi presidida pela primeira ministra da Noruega a Sra. Groharlem Brundtland com o objetivo de pesquisar os problemas ambientais mundiais. Em 1989, os resultados são publicados no “Relatório Brundtland”, onde são cunhados dois conceitos “desenvolvimento sustentado” e “nova ordem mundial”. Foi através desse relatório em julho de 1992, no Rio de Janeiro, ocorreu a maior reunião já realizada na história humana, com a presença de 180 chefes de Estado e a participação de todos os países do mundo — a Eco-92 (GRUN, 2006).

Os compromissos específicos adotados pela ECO-92 incluem três convenções:  Mudança do Clima,  Biodiversidade e  Declaração sobre Florestas. A Conferência aprovou documentos com objetivos abrangentes e natureza política: a Declaração do Rio e a Agenda 21. Ambos endossam o conceito fundamental de desenvolvimento sustentável, que combina o progresso econômico e material com a necessidade de uma consciência ecológica (UNB, 2008).

O aspecto pós-modernidade da ecologia está diretamente ligado com a globalização, ou seja, um conceito amplo da problemática em seu nível global. A ecologia passa das fronteiras nacionais e também dos discursos nacionalistas (REIGOTA, 1999).

 

2.2 Solo e meio ambiente

 

Solo é um componente dos ecossistemas terrestres, é um meio poroso, formando um sistema trifásico, onde possui uma fase gasosa, líquida e sólida. O solo é um produto de complexas interações entre clima, rochas, plantas, animais, relevo e cronologia (NISHIJIMA, 2006). Os solos formam-se a partir do intemperismo das rochas, quando expostos a diferentes níveis de temperatura, pressão e precipitação.

De acordo a alguns estudos, em média um centímetro de solo leva aproximadamente de 300-400 anos para ser formado. Portanto, o adequado tratamento dado a este recurso é primordial para sua conservação e a garantia para que as necessidades das futuras gerações sejam asseguradas.

O solo é a base que nos sustenta literalmente, pois é onde todas as nossas atividades ocorrem, é onde estão construídas nossas edificações, onde produzimos os alimentos, é onde pisamos e, portanto causamos algum impacto. O solo é o meio físico que dá suporte e de desenvolvimento as plantas, é também uma grande caixa de água, pois retém em seus meso e microporos uma parcela significativa da água das precipitações. O solo também é um meio de drenagem destas águas evitando desta forma as enchentes que inúmeros prejuízos causam, tanto nas áreas urbanas quanto rurais.

É nos solos que provém os alimentos que saciam a fome do mundo. Os efeitos antrópicos tem acelerado sua depleção, pois ocorrem em uma velocidade muito maior que seu poder de resiliência.Sendo assim seus atributos quantitativos e qualitativos,tem sido afetados de maneira nociva, não permitindo que o mesmo se renove, causando com isso imensos prejuízos ambientais, sociais e econômicos.

Segundo Machado (2005), o homem sempre causou impacto ao meio ambiente, porém no século XVIII, período da revolução industrial, é que as ações antrópicas e seus impactos ganharam proporções globais. Cada solo suporta uma determinada pressão, um determinado uso, e com o avanço das áreas agrícolas e urbanas, sem a observância da aptidão intrínseca dos solos, resultaram na sua degradação. A noção de que cada solo suporta um determinado uso e pressão, deriva de sua variabilidade de mineralógica, física, química e morfológica (SANTOS & REICHERT, 2006).

As atividades agrícolas interferem na dinâmica dos solos manipulando o fluxo de energia, ciclo hidrológico, e a dinâmica de nutrientes (SANTOS & REICHERT, 2006). Segundo os autores, a evaporação, ciclagem de nutrientes, translocação, decomposição de matéria orgânica ocorrem em todos os solos e os mesmos alteram-se em função do uso e manejo adotados. Estes processos alteram a funcionalidade dos ecossistemas (JUMA, 1999).

Estando o ser humano, inserido no ecossistema e suas atividades dependerem dos recursos naturais, o conhecimento das aptidões de cada solo, de suas características intrínsecas, seus fatores de impacto e sua resiliência através de um processo educacional são fundamentais para o desenvolvimento de uma consciência ecológica a cerca do solo e do que o mesmo representa para a humanidade.

 

2.4 Educação e solos

 

Os solos fazem parte do cotidiano de todos os seres humanos, porém a percepção dos conceitos a cerca do recurso é limitado. Esta limitação contribui para que o recurso não tenha um tratamento e manejo adequados.

A percepção humana de sua relação com o meio ambiente é de que os recursos naturais são dádivas e estão ali para serem usufruídos (MUGGLER, PINTO SOBRINHO & MACHADO, 2006). Esta concepção de usufruto dos recursos ambientais é justamente a causa do desequilíbrio e da degradação do meio ambiente e mais especificamente falando dos solos. Segundo os autores, em geral o solo não é reconhecido pelo papel que desempenha na vida humana e na conservação da biodiversidade, o qual faz parte de um contexto global (APARIN & SUHACHEVA, 2002).

A educação em solos permite que a partir do conhecimento de suas características, morfológicas, físicas, químicas e mineralógicas, os limites de resiliência dos mesmos sejam respeitados. Bem como a concepção de que o solo é parte integrante de um todo, fazendo parte de um processo interacional de todas as atividades terrestres. Deste modo o solo pode ser usado como um instrumento de educação ambiental, aumentando a percepção a cerca de sua importância para um uso racional estando integrado a todo um contexto ambiental global.

As informações científicas e empíricas para a conscientização e preservação ambiental dirigem um novo olhar para transformar e evoluir o pensamento educacional, partindo de conceitos que revelam a inexperiência e inconsequências dos maus tratos à natureza (MIRANDA, 2007).

O estudo dos solos e dos processos relacionados ao mesmo propõe a adoção de uma nova perspectiva de produção, uma transição para um modelo mais sustentável e menos impactante (LUZZARDI, 2006).

Desenvolver e sensibilizar a humanidade para a importância do solo e o valor que o mesmo possui para a vida na terra, baseada na concepção dos princípios da sustentabilidade através da educação ambiental pode vir a contribuir para a formação de uma consciência pedológica (MUGGLER, PINTO SOBRINHO & MACHADO, 2006).Desta forma a educação ambiental em solos torna-se ferramenta indispensável nesta conscientização da necessidade de ações e manejos adequados relativos ao solo em direção a sustentabilidade.

 

3. Material e Métodos

           

O instrumento de pesquisa utilizado foi um questionário aos agricultores, onde tais indivíduos possuíam diversas formações. O questionário foi composto por 10 (dez) questões fechadas aplicado a 17 (dezessete) agricultores do município de Jaboticabal /SP.Para responder às perguntas as pessoas tiveram aproximadamente 10 minutos.

            O enfoque foi o Meio Ambiente, Solos e Educação Ambiental, com o intuito de diagnosticar a percepção desse público-alvo sobre os eixos temáticos já citados.Os dados coletados foram distribuídos em uma escala de três níveis: nível básico, nível intermediário e nível avançado, onde cada um corresponde ao nível de conhecimento dos participantes em relação a cada questão integrante do questionário. A interpretação e classificação das respostas tiveram como base um estudo prévio bibliográfico. Respeitou-se o anonimato e o sigilo das respostas.

 

4. Resultados e Discussão

           

            Na análise de dados demonstrados na tabela 1, pode-se perceber que os resultados obtidos na questão n° 01 revelam que 35,25% dos entrevistados possuem uma visão antropocêntrica sobre o Meio Ambiente, ou seja, que o homem é o dono dos recursos naturais. Outros 23,55% têm uma visão intermediária, e 41,20% dos participantes possuem uma visão avançada (ampla) sobre o Meio Ambiente. Esse fato nos revela que o homem se preocupa com o meio que vive,mesmo estando inserida em uma sociedade globalizada.

 

Tabela 1 – Visão sobre o meio ambiente

Visão sobre meio ambiente

% Respondentes

Visão – antropocêntrica

35,25%

Visão – intermediária

23,55%

Visão - ampla

41,20%

Total

100,00%

 

            O solo possui várias funções, segundo Azevedo & Dalmolin (2006), os solos possuem funções como drenagem, retenção de água, aeração, retenção de elementos químicos,sustentação de obras, erosão, sustentação de plantas e aterros.

Essa abordagem foi feita na questão n° 02, na qual 64,70% responderam que o solo é utilizado para agricultura e35,30% visualizam as mais diversas funções do solo tais como: suporte de obras civis,processo erosivo, drenagem, retenção de água, aeração, retenção de elementos químicos,sustentação de plantas e aterros.

No entanto, esses 35,30% responderam em seus questionários com alternância nas respostas, ou seja, nesta percentagem foram compactadas diversas respostas em diversos questionários. Percebe-se que os participantes ainda precisam ampliar seus conhecimentos sobre a utilização do solo.

            Os participantes ao serem questionados sobre a existência de fauna no solo e sobre a sua função na questão n° 03,não foram específicos em suas respostas, mas 41,20% acreditam que não há vida no solo, entretanto, Aita (2006), afirma que, o solo contém uma mistura complexa de organismos e de produtos finais resultantes do metabolismo dos mesmos.

Os componentes vivos do solo desempenham funções fundamentais com reflexos sobre aqualidade do solo. Há, portanto desconhecimento sobre esse fator e 58,80% responderam que há existência de vida no solo e conseguem relacionar essa vida com as funções ambientais.

            Sabe-se que um solo bem manejado pode ser utilizado por um período maior. Na questão n° 04, 82,35% dos respondentes acreditam que manejo pode interferir na estrutura do solo, os outros 17,65% acreditam que não há interferência com a ação de manejo. Foi perguntado se no Brasil há um bom manejo do solo,47,0% responderam que não, outros 53,0% confirmaram que o manejo pode interferir na estrutura e formação do solo.

Conforme Kaminski (2004), “quase230 milhões de hectares do Brasil já tiveram a sua cobertura natural do solo eliminada ou perturbada”. Atualmente frente às novas tecnologias, os agricultores deveriam ter um conhecimento mais amplo a respeito dos recursos naturais que utilizam e a sua interligação com o Meio Ambiente. Dessa maneira deveria existir também um papel mais acentuado da Educação Ambiental num trabalho de sensibilização para o público diretamente ligado a esses recursos.

            Em relação à infiltração do solo na questão n° 05, 11,80% dos participantes da pesquisa acreditam que o solo desnudo (sem cobertura vegetal), são os que mais infiltram a água para o subsolo. Já outros 88,20%têm a concepção de que o solo com cobertura vegetal natural possui melhor drenagem.

            De acordo com a Universidade Federal de Santa Maria, o Rio Grande do Sul é dividido em 5 grandes regiões fisiográficas, onde ocorrem solos que se caracterizam pelos distintos processos de formação, os quais são resultados das condições ambientais atuantes em cada região, perguntado na questão n° 06, sobre a visualização dos solos do Estado de São Paulo, 76,45% possuem uma percepção básica dos solos, e 23,55% analisaram de forma intermediária. Percebe-se que há uma falta de conhecimento sobre a própria região, a sua localização, clima, impermeabilidade. Ao se perguntar sobre a visualização dos solos de Jaboticabal/SP, 82,35% possuem uma percepção básica e outros 17,65% uma percepção intermediária.

Quando perguntado sobre a relação da Educação Ambiental com o solo (questão n° 07), a percepção dos participantes demonstrados na tabela 2, revela que uma significativa parcela dos respondentes não soube relacionar a Educação Ambiental com o solo. Com isso, percebe-se que o público participante não consegue fazer essa importante relação de conceitos, fazendo com que, haja necessidade de implantação de programas educativos.

 

Tabela 2 – Relação entre Educação Ambiental e Solo

Percepção

% Respondentes

Alta relevância

29,40%

Relevância significativa

41,20%

Não veem nenhuma relação

29,40%

Total

100,00%

 

            Sabe-se que florestas nativas (ou naturais), e que compõem a flora, não são bens privados, nem bens públicos, nem bens de uso comum do povo, mas, sim, “bens de interesse comum a todos os habitantes do País” ou bens jurídicos ambientais, de natureza difusa.

ParaPiva (2000), “bem ambiental é um valor difuso, imaterial ou material,que serve de objeto mediato a relações jurídicas de natureza ambiental. Trata-se de um bem protegido por um direito que visa assegurar um interesse transindividual, de natureza indivisível, de que sejam titulares pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato. Se é um bem de uso comum, não há titularidade plena, pois o uso não é individual, mas de todos”.

Quanto a existência de florestas nativas nas propriedades pesquisadas, a tabela 3 demonstra os resultados sobre a opinião dos respondentes

 

 

Tabela 3 – Existência de floresta nativa nas propriedades pesquisadas

 

Questão 8

% Respondentes

Existência de floresta nativa (natural)

70,60%

Não há floresta nativa na propriedade

23,55%

Não souberam responder sobre a existência

05,85%

Total

100,00%


            E, por fim, ao se perguntar na questão n° 09, se os agricultores conheciam as leis ambientais, 64,70% responderam de forma positiva, ou seja, que conheciam a legislação, já os outros 35,30% afirmaram que não tinham o conhecimento da legislação.

Ressalta-se que todos os cidadãos deveriam conhecer sobre a legislação ambiental, pois, quando se trata do contexto da vegetação (floresta nativa), o Art. 1° do“novo” Código Florestal (1965) revela a existência de um regime jurídico muito peculiar às florestas (nativas) e demais formas de vegetação (natural), que é a sua instituição como “bens de interesse comum a todos os habitantes do País”.Cabendo, assim, aos educadores ambientais disseminarem esses conhecimentos aos cidadãos.

 

Conclusões

 

Conforme problema de pesquisa, o homem leigo não tem uma percepção ampla sobre o solo, o meio ambiente e a Educação Ambiental, não fazendo uma relação entre esses fatores. Através da realização dessa pesquisa, concluímos que realmente o homem leigo não possui uma percepção considerável sobre o assunto. Constatamos com a análise dos dados que em geral a visão deles é básica e em alguns casos intermediários, a minoria é avançada.

Percebe-se que, parte das pessoas não dá importância para o meio ambiente e consequentemente para o solo, vendo-o de como uma forma única de exploração. Entretanto,devem-se implantar programas de Educação Ambiental em diversos órgãos públicos eprivados conscientizando toda a população para os problemas ambientais que nos acomete atualmente.

 

Referências

 

AITA, C. Universidade Federal de Santa Maria/ Centro de Ciências Rurais (Núcleo de estudos em solos e água na agricultura familiar(NESAF). Qualidade biológica do solo.Unidade 5. Módulo a distância, Santa Maria: {s.n}, 2006.Não paginado.

 

ALMANAQUE, Brasil Socioambiental, Uma nova perspectiva para entender a situação do Brasil e a nossa contribuição para a crise planetária. Ministério da Cultura, São Paulo2007.Editora ISA.

 

APARIN, B; SUHACHEVA, E. Methodology of uninterrupted ecological education on soil science. In: Word Congress Soil Science, 17. Thailand, 2002.Abstracts. Bangkok, IUSS, 2002, p. 1685.

 

AZEVEDO, A. C; DALMOLIN, R. S. D. Solos e ambiente: uma introdução. Santa Maria:Ed Palotti, 2006.

 

AZEVEDO, A. C; DALMOLIN, R. S. D. PEDRON F.A. Solos & ambiente / I Fórum Solos& Ambiente; editores Antônio Carlos de Azevedo, Ricardo Simão Diniz Dalmolin, Fabríciode Araújo Pedron.Santa Maria: Pallotti, 2004.

 

CARVALHO, L.M de. A temática ambiental e o processo educativo: dimensões e abordagens. In: CINQUETTI, H.C.S, LOGAREZZI, A. São Carlos: EdUFSCAR, 2006. 216p.

 

GRUN, M. Ética e Educação: A conexão necessária/ Mauro Grun. – Campinas, São Paulo:Papirus,2006.

 

JUMA, N. The pedosphere and it dynamics: a systens approach to soil science. v.1 Introduction to soil science and soil resources. Edmonton, Canadá. Solman Productions., 1999, 315p.

 

KAMINSKI, J. Impactos da atividade humana sobre o solo: atividades rurais. Solo &Ambiente/ I Fórum & Ambiente; editores Antônio Carlos Azevedo, Ricardo Simão Diniz.

 

KOBIYAMA, M; MINELLA, J. P. G; FABRIS, R. Áreas degradadas e sua recuperação. Informe Agropecuário. v.22, n. 210, p. 10-17, 2001.

 

LUZZARDI, R. E. S. Educação ambiental: sustentáculo para o desenvolvimento da agricultura sustentável. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. v.17, 2006.

 

MACHADO, P. L. O. A. Carbono do solo e a mitigação da mudança climática global. Revista Química Nova. v.28, n. 2, 329-334, 2005.

 

MEYER, M. A. de A. Educação Ambiental e (des)envolvimento. In:Revista Ciência & Ambiente/ Educação Ambiental. Editora UFSM (Universidade Federal de Santa Maria), 1994.

 

MIRANDA, D. J. P. Educação e percepção ambiental: o despertar consciente do saber ambiental para ação do homem na natureza. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. v.19, 2007.

 

MUGGLER, C. C; PINTO SOBRINHO, F. A; MACHADO, V. A. Educação em solos: princípios, teoria e métodos. Revista Brasileira de Ciência do Solo. v.30, p.733-744, 2006.

 

NASCIMENTO, P. C do; GIASSON, E.; INDA JR; A. V. Aptidão de uso dos solos e meioambiente. Solo & Ambiente/ I Fórum & Ambiente; editores Antônio Carlos Azevedo,Ricardo Simão Diniz Dalmolin, Fabrício de Araújo Pedrón – Santa Maria: Pallotti, 2004.

 

NISHIJIMA, T. Água e solo. Apostila do curso de especialização em educação ambiental. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria-RS, 2006.

 

PIVA, R.C. Bem ambiental. São Paulo: Max Limonad, 2000. 179p.UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Museu de Solos do Rio Grande do Sul.Galeria de Solos do Rio Grande do Sul. Disponível em:. Acesso em: 13 jun/2008.

 

REIGOTA, M. Ecologia, elites e intelligentsia na América Latina: um estudo de suas representações sociais.Editora Annablume,1999.

 

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental? Editora Brasiliense, 2006.

 

SANTOS, D. R; REICHERT, J. M. Gênese e propriedades do solo. Apostila do curso de Agricultura familiar e desenvolvimento sustentável. 2006.

 

SATO,M. Educação Ambiental. São Carlos, RIMA, 2004.

 

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Programa de Educação em Solos e Meio

Ambiente (PES). Conhecendo minerais e rochas. Viçosa: UFV / DPS, 2005.

 

(UNB) - Universidade de Brasília. Disponível em:

http://www.unb.br/temas/desenvolvimento_sust/eco_92.php. Acesso: 10 nov de 2008.

 

VALERIAS, N. Contribuições da biologia ao desenvolvimento da educação ambiental. In: SANTOS, J.E dos; SATO, M. A contribuição da Educação Ambiental à esperança de Pandora. São Carlos: Rima, 2006. 622p.

 



" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
  Início      Cadastre-se!      Procurar      Área de autores      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Arte e ambiente     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Você sabia que...     Trabalhos Enviados     Breves Comunicações     Práticas de Educação Ambiental