Nada pode substituir o contato com a natureza para o desenvolvimento da consciência ambiental [...] (Genebaldo Freire Dias)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 77 · Dezembro-Fevereiro 2021/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(10) Notícias(6) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Entrevistas(1) Arte e ambiente(1) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(4) A Natureza Inspira(2) Relatos de Experiências(4)   |  Números  
Arte e ambiente
14/12/2010 (Nº 34) Novos ares, múltiplas imagens
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=955 
  
NOVOS ARES, MÚLTIPLAS IMAGENS

NOVOS ARES, MÚLTIPLAS IMAGENS[i]

Cláudia Mariza Mattos Brandão[ii]

 

 

Todos os dias espécies animais e vegetais desaparecem; idiomas são esquecidos; tradições perdem sentido; sentimentos se convertem em seus contrários, e espaços se transformam engolidos/incorporados pelo novo que emerge em meio às antigas estruturas

A dinâmica das relações sociais contemporâneas determina uma configuração ímpar para as suas metrópoles. Temos aí uma condição histórica a ser desvendada. O fenômeno traz à tona a experiência ímpar proporcionada pelo espaço urbano pós-moderno, como um vínculo entre complexos processos de produção cultural e transformações singulares.

A cidade como um espaço privilegiado de signos e imagens, mais parece um teatro labiríntico formado por diferentes palcos interligados por redes de interações sociais. Com uma configuração que por vezes beira o caos, ela é o lugar da fusão entre o fato e a imaginação. O pluralismo de estilos e os jogos estabelecidos entre as mensagens e as imagens dão visibilidade à heterogeneidade e à diferença, redefinindo a estética do urbano.

Parece que vivemos num mundo enquanto outro cresce e se multiplica num jogo especular. Os espelhos urbanos multiplicam e ampliam os espaços de acordo com uma lógica para a qual parece não haver limites para a ilusão enganosa. A anatomia dessa nova espacialidade nos revela a ontologia da realidade e nos apresenta referências a um modo de viver que cada vez mais parece ser menos o “nosso”. Afinal, estamos imersos nesse palimpsesto que mais parece uma miragem. Assim é Buenos Aires, e tantas outras cidades plasmadas em imagens que ludibriam as percepções. Assim somos nós, projeções anônimas, pequenos pontos de luz perdidos nos pixels da fotografia. 

 

Que estranha cena descreves e que estranhos prisioneiros,

São iguais a nós.

Platão, A República, livro VII

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 120.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 172.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 350.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 361.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 367.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 431.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 461.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 735.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 851.jpg

 

D:\Cláudia\Imagens Cláudia\10 11 Buenos Aires\Imagem 856.jpg

 



[i] Todas as imagens são de minha autoria, realizadas com câmera digital Sony DSC H9, em Buenos Aires, Argentina, em novembro de 2010.

[ii] Professora assistente do Instituto de Artes e Design, Universidade Federal de Pelotas, coordenadora do PhotoGraphein - Núcleo de Pesquisa em Fotografia e Educação, grupo de pesquisa UFPel/CNPq, www.photographein.com.br

attos@vetorial.net

Ilustrações: Silvana Santos