Estamos sendo lembrados de que somos tão vulneráveis que, se cortarem nosso ar por alguns minutos, a gente morre. - Ailton Krenak
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 86 · Março-Maio/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Dicas e Curiosidades(7) Reflexão(3) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(6) Dúvidas(4) Entrevistas(4) Saber do Fazer(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(4) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(2) Reportagem(3) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(25) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Notícias(21)   |  Números  
Relatos de Experiências
15/12/2023 (Nº 85) OS BENEFÍCIOS DA COMPOSTAGEM NA REDUÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=4693 
  

OS BENEFÍCIOS DA COMPOSTAGEM NA REDUÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS

Lailson Souza Meireles

Graduando em engenharia de materiais, Universidade federal do Pará

E-mail lailsonmeireles111@gmail.com



Resumo

No presente trabalho é apresentado como a compostagem de material orgânico ajuda na diminuição do volume de resíduos sólidos descartados em locais inadequados, além de demonstrar passo a passo, uma maneira de se produzir um composto orgânico de boa qualidade utilizando materiais encontrados em casa. O composto foi utilizado no acervo de plantas da universidade Federal do Pará, os resultados apresentados comprovaram a eficiência do composto orgânico, melhorando aparência das folhas, e acelerando seu desenvolvimento de forma saudável.

Palavras-chaves: Compostagem, resíduos, sustentabilidade.



Abstract

This paper presents how composting organic material helps to reduce the volume of solid waste disposed of in inappropriate places, as well as demonstrating step by step, a way to produce good quality organic compost using materials found at home. The compost was used in the plant collection of the Federal University of Pará, and the results presented proved the efficiency of the organic compost. improving the appearance of the leaves and accelerating their healthy development.

Keywoods: Composting, waste, sustainability.



Introdução

O processo de compostagem é sem dúvidas um dos meios mais práticos, eficientes e baratos de reutilização de recursos sólidos orgânicos. Segundo o Plano nacional de resíduos sólidos, 45,30% dos resíduos sólidos urbanos são de matéria orgânica. Diante dessa questão, notasse que ainda existe um déficit imenso quanto à destinação adequada desses materiais, o que vem a ocasionar graves impactos ambientais ao meio ambiente através da produção de gases do efeito estufa, poluição da água e solo. A compostagem surge então com um papel crucial na diminuição dessa crise de resíduos sólidos que afeta toda a população, oferecendo solução sustentável e ambientalmente amigável. Esse artigo é uma revisão bibliográfica de diversas publicações a respeito dos benefícios da compostagem na vida da sociedade, e também dispõem da experiência na produção de compostos orgânicos realizado no projeto trilhas ecológicas. O projeto “Trilhas ecológicas” localizado no campus da Universidade Federal do Pará em Ananindeua, desenvolve desde 2016, atividades de educação ambiental para crianças e adolescentes do 6° ao 9° ano do ensino fundamental, onde umas das atividades consiste em realizar compostagens de baixo impacto ambiental. A atividade de compostagem do projeto, realiza o mecanismo de vermicompostagem, onde é desejável que minhocas venham adentrar na mistura dos compostos orgânicos, com o objetivo de se alimentarem e produzirem o húmus. O objetivo principal desse artigo é mostrar que de maneira simples, é possível não só dar uma destinação adequada para seu resíduo orgânico, como ainda produzir adubos para suas árvores, jardins e hortas. A gestão apropriada do lixo orgânico é fundamental para minimizar a pressão sobre os locais de descarte, mas também contribui para a preservação de ecossistemas e melhora a qualidade de vida da população ao redor.



Impactos ambientais causados por falta de destinação adequada para resíduos sólidos

Resíduos sólidos são todos aqueles no estado sólido ou semissólido, que resultam da atividade de origem: industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Entretanto, apesar dessa definição etimológica, alguns gases e líquidos também são considerados resíduos sólidos (BRASIL, 2010; ABNT, NBR 10004/2004). Em geral, os resíduos são divididos em materiais orgânicos (papel, restos de culturas e sobras diversas) e inorgânicos (vidro, metal e plástico). Quando esses materiais são descartados no meio ambiente de forma indiscriminada e sem qualquer tipo de controle, passam por uma bioestabilização aeróbia ou anaeróbia, propiciando o surgimento de gases do efeito estufa e do chorume, que é um líquido de cor escura com elevada DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio), concentração de ácidos graxos voláteis e, em alguns casos, concentração de metais pesados (Luna et al., 2009). Ao longo dos anos o volume de resíduos sólidos teve um crescimento gigante, encontrar soluções eficientes e rápidas tornou-se um objetivo da população em geral, a coleta seletiva desses resíduos possui um papel importante na solução desse problema, mas sem a separação adequada de materiais orgânicos e inorgânicos fica difícil dar um passo à frente nessa questão. A destinação inadequada torna-se uma situação problemática, e vem acontecendo em várias regiões do mundo, onde não existem políticas públicas eficientes, nesse cenário, os resíduos são expostos às intempéries, desencadeando danos ambientais, incluindo a contaminação do solo, da água e das plantas, impactando negativamente na qualidade de vida. (Venezuela, 2001). A região metropolitana de Bélem (RMB) convive a anos com o horror causado pelo lixão do aurá, em 2015, ano em que suas atividades foram encerradas, o lixão recebia em média 1000 toneladas de lixo por dia. O grupo ligado ao projeto incubação, do programa interdisciplinar trópico em movimento, mediu a quantidade de gás metano, no lixão do aurá. O gás metano (CH4) produzido pela decomposição da matéria orgânica é muito comum em aterros sanitários e lixões, seus impactos são 25 vezes agressivos ao meio ambiente que o dióxido de carbono (CO2). Os resultados mostrados estimaram que desde a sua fundação até o final de 2017, o lixão já liberou 480 mil toneladas de gás metano e que 75% das emissões já haviam sido realizadas. As consequências causadas pela falta de destinação adequada dos resíduos sólidos, é sentida no dia a dia dos moradores, que convivem com o risco diário de contaminação.



Compostagem

Compostagem são resíduos de origem animal e vegetal transformados em adubo orgânico por microrganismos, principalmente fungos, bactérias e Actinomicetos (Motta; Nunes; 2018). Na natureza, a decomposição de animais mortos e de partes dos vegetais (folhas, flores, frutos, sementes, caules, raízes) é realizada por diversos agentes decompositores (várias espécies de microrganismos e animais invertebrados), que na presença de umidade e oxigênio se alimentam dessa matéria e propiciam que seus elementos químicos e nutrientes voltem à terra (Recicloteca, 2016).





Benefícios da compostagem

A compostagem é ecologicamente sustentável e econômica, diminui a quantidade de resíduos coletados, evita o acumulo de lixo e problemas com emissões gasosas, chorume e a lotação de aterros, estendendo a vida útil dos mesmos (Brink, 2020). Com a redução de matéria orgânica em aterros, é possível diminuir a produção de subprodutos tóxicos como o chorume e o gás metano, evitando a contaminação dos lençóis freáticos, o solo e a atmosfera. A reciclagem de matéria orgânica que ocorre no processo de compostagem favorece a presença e a manutenção de micro organismos beneficiários ao equilíbrio edáfico, e a retenção de água no solo (Batista et al., 2016). Entre outras vantagens estão: a capacidade de ser produzida com resíduos locais, fornecimento de nutrientes para as plantas, melhora atributos físicos, químicos e biológicos do solo.



Variáveis que interferem no processo de compostagem

a) Aeração: Segundo Ferreira (2016, p. 35): A aeração é um fator relevante na oxidação biológica do carbono que está presente nos resíduos orgânicos, tendo por intenção suprir a demanda de oxigênio requerida pela atividade microbiológica. O processo de aeração é de suma importância para que haja a decomposição de forma rápida e eficiente. Se a compostagem não for arejada, ocasionará um aumento excessivo de temperatura, terá emissão de odores e chorume.

b) Umidade: Sabe-se que, a compostagem trata-se de um processo biológico de decomposição dos materiais orgânicos, portanto, a presença de água torna-se fundamental para suprir as necessidades fisiológicas dos microrganismos (Pereira, 2013). É necessário ter controle da umidade, o ideal é que a umidade esteja em 50%, acima disso o tempo de decomposição aumentará e ocasionará mau cheiro. Um valor muito inferior a 30% vai impedir a fermentação e podem abaixar a ação biológica, ou seja, reduzirá a eficiência e ocorrerá aumento no tempo.

c) Temperatura: O fator crucial para definir se o processo de compostagem está a decorrer como o esperado, é a temperatura. A produção de calor é a indicação da atividade biológica, e também, indiretamente, o seu grau de decomposição (Bidlingmaier, 1985). É importante que a temperatura esteja entre 40 e 65°C, sendo o valor médio ideal 55°C. Temperaturas acima de 65 ºC devem ser evitadas por causarem a eliminação dos microrganismos mineralizadores que são responsáveis pela degradação dos resíduos orgânicos, provocando uma perturbação no meio, onde parâmetros físico-químicos como pH, relação C/N, umidade e concentração de nutrientes serão afetados, além de ocorrer a limitação da atividade microbiológica (Pereira Neto, 2007; Fernandes et al., 1999)

d) Relação Carbono (C) e Nitrogênio (N): Na compostagem, a análise da relação C/N é uma etapa importante, devido ao carbono e o nitrogênio que são os elementos mais importantes para a decomposição microbiana. O Carbono é utilizado como fonte de energia, já o nitrogênio atua na síntese de proteínas (MMA, 2010). A proporção indicada de C/N é de 25/1 a 35/1. Alta relação C/N (>35) indica um resíduo de degradação mais lenta e função estruturante. Baixa relação C/N (<25) indica um resíduo de degradação rápida e fonte de nutrientes.

e) Potencial Hidrogeniônico (pH): O pH afeta o processo de compostagem devido a ação dos microrganismos, pois uma faixa ideal, ou seja, uma adequada para os microrganismos realizarem a atividade microbiana está entre 6,0 e 8,0 (Santos, 2007). Se a mistura vier a apresentar pH inferior a 5,0 a atividade microbiológica cai consideravelmente, podendo não alcançar a fase termofílica. Segundo Brinck (2020) “Na fase termofilíca ocorre a rápida elevação do pH, se mantendo alcalino (7,5 a 9,0), pela hidrólise de proteínas e liberação de amônia”.

Materiais e métodos

Este presente artigo de revisão bibliográfica aborda como a compostagem pode influenciar na redução de resíduos sólidos orgânicos em lixões e aterros sanitários. Utilizando o método de compostagem praticado no projeto de extensão “trilhas ecológicas” da Universidade Federal do Pará (UFPA). O projeto realiza o mecanismo de vermicompostagem, onde é desejável que minhocas venham adentrar na mistura dos compostos orgânicos, com o objetivo de se alimentarem e produzirem o húmus.

Preparação da compostagem

Existem diversas maneiras para a realização de uma compostagem, a forma mais adequada dependerá das ferramentas que estarão mais acessíveis a pessoa. Na escolha do local para a realização do composto, é desejável que seja semissombreado, com árvores esparsas (para reduzir o uso excessivo de água), não sujeito a encharcamento, porém com disponibilidade de água para irrigação da pilha, além de fácil acesso e próximo aos cultivos. Nesta área serão depositados os resíduos orgânicos (por ex. palhas e estercos) para montagem das pilhas. Brink (2020, p.85).

No processo de montagem é feito um buraco no solo de 60 cm de profundidade e um diâmetro de 50 cm, em seguida é feita a pilha de compostos, onde são utilizadas matérias primas do próprio espaço como; folhas, palhas, madeiras em estado de decomposição, casca de banana e restos de alimentos. Esse material é misturado com esterco de galinha e terra, não é recomendado ter compactação, pois os microrganismos decompositores necessitam de aeração.

Após aproximadamente 15 a 20 dias a temperatura da mistura começa a aumentar, o aquecimento da pilha é indicativo da atividade dos microrganismos, que liberam energia na forma de calor durante a decomposição. A compostagem leva 90 dias para ficar pronta, de 30 em 30 dias a mistura é revirada com objetivo de corrigir a umidade no interior da pilha, e aproximadamente 60 dias é adicionado óxido de cálcio (CAL), para neutralizar o pH do composto. Após 90 dias a compostagem estará pronta para utilização e apresentará cor escura marrom café, consistência friável, certa maciez e aspecto gorduroso. Depois que o composto ficar pronto, deve-se utilizá-lo logo em seguida em sua horta ou plantas. Na figura 1 mostra-se as etapas do procedimento de compostagem realizado pelo projeto trilhas.



Figura 1: Etapas de preparação do composto orgânico. a) Buraco de 60 cm de diâmetro. b) É adicionado material orgânico para a compostagem. c) Mistura coberta com terra. d) compostagem pronta, após 90 dias.

Fonte: Projeto Trilhas (2023).



Resultados

No decorrer desse trabalho observou-se que é possível reduzir o volume de resíduos sólidos orgânicos descartados em locais inadequados, e conseguir de maneira simples, um bom adubo natural, que pode ser utilizado em jardins e plantas através do método da compostagem. O composto orgânico produzido pelo projeto trilhas foi utilizado no acervo de plantas localizado nas dependências da UFPA-Ananindeua, e verificou-se significativa melhoria no aspecto das plantas. Dessa forma, enxergasse necessário o incentivo na pratica, oferecendo oficinas ou divulgando massivamente nas grandes mídias de comunicação. Naturalmente o problema não será resolvido só com a compostagem, mas ao colocar em prática essa ação, o meio ambiente ganharia um pequeno desafogo quanto os problemas causados pelo acumulo de resíduos.



Bibliografia

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.004: Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

BATISTA, C. C. N. et al.; Compostagem doméstica: Desafios e possibilidades ao gerenciamento de resíduos orgânicos do lar. Educação ambiental em ação. v. 56, n. 58, novembro, 2016. Disponível em: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=2551. Acesso em: 06 de out. 2023.

BIDLINGMAIER, D. I. W. (1985). Quality-testing of waste sewage-sludge composts. Composts as Horticultural Substrates 172, 99-116.

BRINCK, R. R. L; Compostagem: Ferramenta Sustentável de Educação Ambiental e Redução de Resíduos. Cadernos de Agroecologia, 2020.15(4).

FERNANDES, F.; SILVA, S. M. C. P.; Manual prático de compostagem biossólidos. Londrina. PROSAB. Universidade Estadual de Londrina, 1999.

FERREIRA, A. K. C; Compostagem de resíduos orgânicos e seus efeitos no cultivo do tomate cereja. Tese (Doutorado em Manejo do Solo e Água) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Mossoró-RN, 2016.

LUNA, M. L. et al.; Tratamento anaeróbio de resíduos orgânicos com baixa concentração de sólidos. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v. 29, n.1, p.113-121, janeiro/mar. 2009.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Manual para implantação de compostagem e de coleta seletiva no âmbito de consórcios públicos. Brasília, DF, 2010.

MMA. Ministério do Meio Ambiente. Plano nacional de resíduos sólidos. Brasilía, DF, 2022.

MOTTA, I. de S.; Nunes, W. A. G. de A; Compostagem. Tecnologias para a agricultura familiar. 3. Embrapa agropecuária oeste, p.135-138, 2018.

PEREIRA, L. A. A.; FIALHO, M. L.; Gestão da sustentabilidade: compostagem otimizada em resíduos sólidos orgânicos com a utilização de metodologia enzimática na implantação de uma usina de compostagem de lixo no município de Santa Juliana/MG. International Journal of Knowledge Engineering and Management. Florianópolis, v.2, n.2, p.52-85, fevereiro, 2013.

PEREIRA NETO, J. T.; Manual de compostagem: processo de baixo custo. Viçosa, UFV, 2007.

RECICLOTECA; Orgânicos: definição, composto e como fazer a compostagem, 2016. Disponível em: https://tinyurl.com/ykzkppxl. Acesso em: 13 de out. 2023.

SANTOS, J. L. D.; Caracterização físico-química e biológica em diferentes laboratórios de produtos obtidos a partir da compostagem de resíduos orgânicos biodegradáveis. Dissertação (Mestrado em Ecologia Aplicada) - Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Porto, p.122, 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Programa Interdisciplinar Trópico em Movimento: Projeto incubação. 05 dez. 2017. Disponível em: https://tinyurl.com/yp3o75s5. acesso em: 27 de jul. 2023.

VENEZUELA, T. C.; Determinação de contaminantes metálicos (metal tóxico) num solo adubado com composto de lixo em área olerícola no município de Nova Friburgo. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Fundação Oswaldo Cruz, p. 79, Rio de Janeiro-RN. 2001.





Ilustrações: Silvana Santos