Estamos sendo lembrados de que somos tão vulneráveis que, se cortarem nosso ar por alguns minutos, a gente morre. - Ailton Krenak
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 86 · Março-Maio/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Dicas e Curiosidades(7) Reflexão(3) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(6) Dúvidas(4) Entrevistas(4) Saber do Fazer(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(4) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(2) Reportagem(3) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(25) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Notícias(21)   |  Números  
Ações e projetos inspiradores
06/09/2023 (Nº 84) PROJETO SOU DO MANGUE CHEGA A GUAPIMIRIM COM ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS MUNICIPAIS
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=4576 
  

PROJETO SOU DO MANGUE CHEGA A GUAPIMIRIM COM ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS MUNICIPAIS


Com o objetivo de disseminar informações e boas práticas socioambientais, o Projeto Sou do Mangue — iniciativa da ONG Guardiões do Mar, com parceria e execução da Nova Transportadora do Sudeste (NTS)— atuará, de outubro a dezembro, em quatro escolas municipais de Guapimirim. Alunos, do maternal ao quinto ano, receberão atividades de educação ambiental lúdicas e interativas, com ênfase na conexão serra/mar.

As escolas participantes serão E.M. Marcionílio Ignácio, E.M. Nicolai Habib, E.M. Neli Albuquerque e E.M. Rosa de Sarom. Localizadas nos bairros de Parada Modelo e Citrolândia, as unidades escolares foram selecionadas pela NTS seguindo o diagnóstico socioambiental realizado pela empresa e com base em consulta junto à Secretaria Municipal de Educação.

Nas atividades, utilizaremos recursos didático-pedagógicos voltados para a compreensão do que é a natureza e da inter-relação entre as pessoas e o ambiente em que elas vivem, com ênfase na conexão serra/mar. Explicaremos às crianças, por exemplo, como o município delas se conecta a outros municípios, aonde vai parar a água dos rios do lugar onde moram, o que acontece com os resíduos sólidos que são despejados lá em cima, na serra, entre outras informações e conceitos”, explica a educadora ambiental do Projeto Sou do Mangue Helensandra Costa.

Este grande trabalho de educação ambiental nos permite praticar a máxima — comumente atribuída a Pitágoras — de que se educarmos os pequenos, não será preciso punir os homens”, define o presidente da ONG Guardiões do Mar, Pedro Belga.

As ações de educação ambiental, que estão ocorrendo atualmente em Cachoeiras de Macacu, serão iniciadas em Guapimirim em outubro, se estendendo até o início de dezembro, quando o Projeto levará as atividades para escolas de Itaboraí.

Esperamos, que ao final da intervenção, os participantes das comunidades trabalhadas estejam melhor preparados para disseminar conceitos e boas práticas, levando aos seus familiares, vizinhos e amigos a importância do correto descarte de resíduos sólidos. Haja vista que, além do impacto estético e ambiental, eles trazem grandes riscos à saúde, além de comprometer os ecossistemas costeiros, em especial os manguezais da Baía da Guanabara, por conta da conectividade serra/mar”, explica o coordenador do Projeto Sou do Mangue, Guilherme Assis.

Parceria do bem

O Projeto Sou do Mangue, uma execução da NTS – Nova Transportadora do Sudeste, com realização da ONG Guardiões do Mar, teve início em outubro de 2020, quando começou o trabalho de Restauração Florestal de 10 hectares de manguezais degradados, localizados na APA de Guapi-Mirim. O projeto tem duração de 48 meses e segue os mais rigorosos indicadores de qualidade ambiental, como a Resolução INEA n° 143 de 2017, além de promover ações de Saúde, Segurança e Meio Ambiente – SSMA.

Diversas atividades foram realizadas, como: melhoria do fluxo hidrológico com correção de canais, roçada de espécies invasoras, transplante e plantio de mudas pertencentes às três espécies arbóreas nativas da região. Atualmente, a área encontra-se na fase de manutenção e monitoramento. Ao todo, foram plantadas 25.000 mudas. A ação conta com a parceria da Cooperativa Manguezal Fluminense para as atividades operacionais em campo, formada por membros da comunidade tradicional que reside no recôncavo da Baia de Guanabara.

Nessa nova etapa da parceria, com duração de 12 meses, a educação ambiental será utilizada como ferramenta para um trabalho de relacionamento comunitário com moradores de comunidades, direta ou indiretamente impactadas, do entorno do Gasoduto Itaboraí-Guapimirim (Gasig). O objetivo é sensibilizá-los e mobilizá-los para a disseminação de informações e boas práticas ambientais.

Serão atendidas, por meio ações continuadas, 400 pessoas (30 alunos e ao menos dois professores em cada escola), além da formação de redes de adolescentes protagonistas para o desenvolvimento de educação e cidadania na escola e comunidade onde vivem. Nas atividades pontuais, com ações de educação ambiental itinerantes — eventos em praças públicas, campos e demais espaços não formais —, espera-se um mínimo de 1.000 pessoas. Todas as ações e oportunidades podem ser acompanhadas nas redes sociais da ONG:

facebook.com/ongguardioesdomar e instagram.com/guardioesdomar

Fonte: https://bitlybr.com/nHzEw

Ilustrações: Silvana Santos