O conhecimento liberta, a ciência ilumina, informação salva vidas! – André Trigueiro
ISSN 1678-0701 · Volume XXII, Número 87 · Junho-Agosto/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(4) Dicas e Curiosidades(5) Reflexão(13) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(7) Dúvidas(2) Entrevistas(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(7) O que fazer para melhorar o meio ambiente(4) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(1) Educação e temas emergentes(7) Ações e projetos inspiradores(27) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) Relatos de Experiências(5) Notícias(24)   |  Números  
Notícias
06/09/2023 (Nº 84) INFRAESTRUTURA VERDE SEQUESTRA CARBONO E REDUZ EMISSÕES
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=4566 
  

INFRAESTRUTURA VERDE SEQUESTRA CARBONO E REDUZ EMISSÕES

Redação0 Commentsclima,CO2,Planejamento Urbano e Regional

Árvores do Campus da USP Butantã, que possui uma floresta urbana dentro da universidade e é uma das áreas mais arborizadas de São Paulo – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Infraestrutura verde sequestra carbono e reduz emissões

Dezenas de cidades europeias poderão atingir zero emissões líquidas de carbono nos próximos 10 anos, incorporando a natureza nas suas infraestruturas, de acordo com um novo estudo.

Publicada recentemente na revista Nature Climate Change, a análise mostra as formas como as cidades podem orquestrar uma vasta gama de soluções verdes, como parques, paisagismo urbano e jardins em telhados, não só para capturar as emissões de carbono, mas também para ajudar a reduzi-las.

O estudo foi realizado por pesquisadores da Suécia, dos EUA e da China. Recomenda as abordagens mais eficazes para o sequestro natural de carbono em 54 cidades da UE. E mostra como a combinação destas medidas com outras ações climáticas pode permitir que as cidades alcancem emissões líquidas zero de carbono e reduzam efetivamente as emissões numa média de 17,4%.

Os resultados baseiam-se na integração de dados de estudos anteriores sobre os efeitos de soluções baseadas na natureza. Estas incluem a agricultura urbana, pavimentos permeáveis que permitem a absorção da água da chuva para o solo, estradas mais estreitas com mais vegetação e árvores, preservação do habitat da vida selvagem e criação de ambientes mais agradáveis para caminhadas e ciclismo.

Por exemplo, parques urbanos, espaços verdes e árvores promovem mais caminhadas, ciclismo e outros hábitos ambientalmente positivos que substituem a condução automóvel. Combinadas com outras soluções, como infraestruturas verdes, estas medidas podem melhorar ainda mais os microclimas urbanos, absorvendo o calor e o frio e, como resultado, reduzindo o consumo de energia nos edifícios.

Também fornece orientações sobre quais medidas devem ser priorizadas e onde localizá-las para obter o melhor efeito, diz ela. Por exemplo, em Berlim, o estudo recomenda dar prioridade a edifícios verdes e espaços verdes urbanos, o que poderia resultar numa taxa de redução de emissões de 6% para residências, 13% na indústria e 14% nos transportes.

Referência:

Pan, H., Page, J., Shi, R. et al. Contribution of prioritized urban nature-based solutions allocation to carbon neutrality. Nat. Clim. Chang. 13, 862–870 (2023). https://doi.org/10.1038/s41558-023-01737-x

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.



Fonte: Ecodebate

Infraestrutura verde sequestra carbono e reduz emissões (ecodebate.com.br) 



Ilustrações: Silvana Santos