Nada pode substituir o contato com a natureza para o desenvolvimento da consciência ambiental [...] (Genebaldo Freire Dias)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 77 · Dezembro-Fevereiro 2021/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(10) Notícias(6) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Entrevistas(1) Arte e ambiente(1) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(4) A Natureza Inspira(2) Relatos de Experiências(4)   |  Números  
Arte e ambiente
28/05/2009 (Nº 28) Entre Olhares: um ensaio visual sobre subjetividades
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=695 
  

Entre Olhares: um ensaio visual sobre subjetividades[i]

 

Cláudia Mariza Mattos Brandão[ii]

 

 

Que olhos serão estes?

Imerso no ritmo alucinante do cotidiano o transeunte quase não percebe essas mudas presenças que, diferentes dos vigilantes olhos eletrônicos, manifestam as singularidades construtoras da cidade contemporânea. O palimpsesto gerado pelo graffiti no espaço urbano nos remete às imagens gravadas nas cavernas.

Estaremos construindo uma nova Lascaux?

Acima de tudo essas vozes latentes e anônimas compõem a histórica busca do homem pela claridade, como bem o descreve o Mito da Caverna.

Assim como as paredes da caverna de Platão serviram de suporte para as primeiras imagens, a fotografia é um meio de preservar e difundir os olhares que nos rodeiam, dando visibilidade ao eterno movimento da espécie humana em busca da luz, do reconhecer-se e ser reconhecido.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Será o graffiti “sujeira”, transgressão ou expressão? Ou de tudo um pouco?

No site de um dos mais reconhecidos artista grafiteiros, o inglês Bansky (http://www.banksy.co.uk/menu.html), ele declara na forma de “manifesto”[iii]:

 

When I was a kid I used to pray every night for a new bicycle.
Then I realised God doesn’t work that way, so I stole
one and prayed for forgiveness
.

Emo Philips

 

 

 



[i] Todas as imagens são de minha autoria, realizadas com câmera digital no Balneário Cassino, Rio Grande, RS, entre 2007 e 2008.

[ii] Mestre em Educação Ambiental, professora orientadora do curso de especialização lato sensu Mídias na Educação, CTI/FURG, coordenadora do PhotoGraphein – Núcleo de Pesquisa em Fotografia e Educação, FURG/CNPq.

[iii] “Quando eu era uma criança costumava rezar todas as noites por uma bicicleta nova. Logo me dei conta que Deus não funcionava dessa forma, então, roubei uma e rezei por perdão”.

 

Ilustrações: Silvana Santos