Nada pode substituir o contato com a natureza para o desenvolvimento da consciência ambiental [...] (Genebaldo Freire Dias)
ISSN 1678-0701 · Volume XX, Número 77 · Dezembro-Fevereiro 2021/2022
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Artigos(10) Notícias(6) Reflexão(1) Para sensibilizar(1) Entrevistas(1) Arte e ambiente(1) Educação(1) Ações e projetos inspiradores(2) Cidadania Ambiental(1) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(4) A Natureza Inspira(2) Relatos de Experiências(4)   |  Números  
Arte e ambiente
22/11/2007 (Nº 21) As APROPRIAÇÕES do GRAFFITI (re)significando o urbano
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=508 
  


Cláudia Mariza Mattos Brandãoi



A que lugar eu pertenço? A globalização nos leva a re-imaginar a nossa localização geográfica e geocultural. As cidades, e, sobretudo as mega-cidades, são lugares onde essa questão se torna intrigante. Ou seja, espaços onde se apaga e se torna incerto o que antes se entendia por “lugar”. Não são áreas delimitadas e homogêneas, mas espaços de interação em que as identidades e os sentimentos de pertencimento são formados com recursos materiais e simbólicos de origem local, nacional e transnacional. (Canclini, 2003, p.153)


Na busca de desvelar novas significações e procurar outras formas de entender o mundo, pode-se dizer que a apreensão dos contextos sociais pela via do olhar estético-crítico é um modo de construir uma bagagem de conhecimentos significativos, capazes de tornar os envolvidos no processo em sujeitos conscientes da realidade e do seu grupo social.

Desenvolver as capacidades sensíveis possibilita que se olhe de modo diferente, percebendo o mundo através de suas manifestações cotidianas.

Entendo que a realidade concreta não se reduz a um conjunto de dados materiais ou de fatos isolados que carecem de avaliações estatísticas e prognósticos técnicos. Acredito que está intrinsecamente relacionada às manifestações artísticas e culturais que permeiam nosso cotidiano, tais como o Graffiti e a Pixação. Práticas, essas que manifestam, acima de tudo, a vontade dos indivíduos de inserirem-se no mundo, marcando presença numa realidade que cada vez mais o condena à obscuridade.

Como exemplos de “artes marginais”, exercitam a comunicação, e estabelecem uma relação interativa com o contexto sócio-histórico, constituindo-se meios de expressão espontâneos e autênticos e, como tal, assuntos relevantes para uma Educação que ser quer Ambiental.

Valorizar a observação do cotidiano significa reconhecer nele o substrato das atitudes sociais, reflexo de mentalidades e comportamentos. O exercício da contemplação possibilita perceberem-se as relações e inter-relações que constituem a vida social, ressaltando a importância da atividade simbólica para a compreensão de qualquer agregação social.


  1. Em busca de um novo olhar


Será que não existe um reino da sabedoria, do qual a lógica está proscrita? Será que a arte não é até um correlativo necessário e um complemento da ciência? Questões como essas propostas por Friedrich Nietzsche, reforçam a necessidade de perceber-se o mundo a partir de sua dimensão estética.

A educação dos sentidos (Alves, 2005) é o elemento chave no processo de mudança de mentalidades, hábitos e comportamentos, em direção a uma consciência que se manifeste, principalmente, como compreensão sensível do mundo.

Discutir a cultura contemporânea pelo viés da sensibilidade ao visível é colaborar para a captação e maior entendimento da constituição do ser como parte integrante de um mundo de efeitos globais, pois existe um outro sentido que precede as palavras, o ato de ver que estabelece nosso lugar no mundo circundante (Berger, 1999, p.9).


Figura 1: Pintura rupestre

Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí.

Fonte: www.deltadoparnaiba.com.br/s_capivara.jpg.jpg


Comprovando que a arte constitui-se no primeiro canal de comunicação, e que dá vida a um real autônomo, temos as pinturas pré-históricas, espalhadas por todo o planeta. No Brasil, por exemplo, o Parque Nacional da Serra da Capivara, é uma área de preservação de sítios arqueológicos, localizada em São Raimundo Nonato, no interior do Piauí, considerado o local onde viveram os primeiros brasileiros.

Nos mais de quatrocentos sítios arqueológicos do Parque Nacional da Serra da Capivara no Piauí encontramos vestígios ancestrais da ocupação humana na América do Sul; diários de um cotidiano longínquo que o homem pré-histórico brasileiro preservou nas rochas das grutas. Entre cânions e morros distribuem-se quilômetros de galerias ricamente adornadas por essas pinturas, algumas datadas de cinqüenta mil anos atrás. Dotadas de um caráter místico, eram como rituais de magia através dos quais poderiam dominar seus inimigos, geralmente animais de grande porte, realizando assim, seus desejos de caçadores.

Na Pré-História, a Arte respondia à necessidade do homem de comunicar-se, de representar (Ostrower, 1991) suas idéias e angústias frente a um mundo que não conseguia decifrar em sua totalidade. Vestígios fascinantes da passagem do homem pelo planeta as pinturas rupestres são os primeiros graffiti que encontramos na história da arte (Gitahy, 1999, p. 11). Assim como elas, que, como uma segunda, pele revestem até hoje os ambientes de subjetividade, impregnando-os da sensação de presença, o Graffiti é uma autêntica expressão da criatividade humana, e um estilo de vida através do qual adolescentes do mundo todo cruzam os limites da legalidade.


Figura 2: Pintura rupestre

Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí.

Fonte: http://www.revistaturismo.com.br/Ecoturismo/serracapivara.html


O termo graffito (Gitahy, 1999, p. 13) deriva do vocábulo greco-latino "graphis", que significa escrever, desenhar, e se refere a inscrições ou desenhos datados de épocas remotas, toscamente riscados a ponta ou a carvão, em rochas, paredes, etc... No idioma italiano, a palavra deu origem a graffito (singular) e graffiti (plural), termo também utilizado para designar a técnica do grafite-arte.

Das inscrições paleolíticas, passando pelos graffito de Pompéia (figura 3), testemunhas do pensamento de uma cultura soterrada pelas lavas do vulcão Vesúvio (79 d.C.), chegamos à metrópole contemporânea recoberta por uma capa que desvela a forma de ser de gerações.


Figura 3: Graffiti de Pompéia

Fonte http://www.starnews2001.com.br/grafites.html


O graffiti constitui-se numa expressão visual e simbólica que pode ou não ter uma dimensão estética, porém sempre revela o pensamento da cultura urbana, e é um tema emergente para a análise da nossa sociedade (figura 4).


Figura 4: Cláudia Brandão

Fotografia digital, 2007.


2. A arte do graffiti


Figura 5: Aaron Siskind

Roadtrip

Fotografia, 1980-1988.


No início do século XX, a crescente presença desta manifestação artística nas grandes metrópoles mundiais, já despertava a atenção daqueles que buscavam debater, através do objeto estético, a cultura urbana e suas manifestações.

Historicamente foram os fotógrafos os primeiros a perceberem o potencial estético do graffiti e a valorizá-los como meio de expressão espontâneo e autêntico, já na década de 1940. Nos Estados Unidos, Aaron Siskind (figura 5), ligado ao grupo dos artistas abstracionistas, iniciou nessa época a série Scratched Walls, que influenciaria o trabalho de dois pintores amigos seus: Willem de Kooning e Franz Kline. Na Europa, o fotógrafo Brassai, por exemplo, dedicou boa parte de sua produção aos registros dessa prática (figura 6), publicando mais tarde, em 1961, um livro sobre o tema: Graffiti de Brassai.


Figura 6: Brassai

Fotografia

Fonte: http://www.interencheres.com/img/img_actu/228_brassai.jpg


No Brasil essa manifestação artística surgiu nos anos 50, com a introdução do spray, só se consagrando nos anos 80, quando conquistou espaço na mídia nacional com nomes como o do grafiteiro Alex Vallauri.

Vallauri, artista plástico italo-etíope, que chegou ao Brasil em 1964, é um dos principais precursores do graffiti no país, responsável pela recuperação da técnica do Stencil Art (figura 7), utilizada nos anos 30, pelos artistas da Ècole de Paris. Ele retomou para a arte contemporânea um antigo procedimento de impressão utilizado, inclusive, pelos grandes pintores renascentistas.


Figura 7: Pedro Stephan/Mix Brasil

Grafite de Alex Vallauri

Fotografia

Fonte: http://www.educacaopublica.rj.gov.br/jornal/imagens/


O artista criou figuras simples e irônicas abrindo caminho para uma legião de artistas, que em vez de usar os materiais convencionais da arte usaram a cidade como suporte para as suas obras. Sua instalação, idealizada para a 18º Bienal Internacional de São Paulo, em 1985, "A Festa na Casa da Rainha do Frango Assado" é considerado pela crítica um destaque da participação latino-americana na arte contemporânea do final do século XX.


Figura 8: Adriana Paiva/Verve Press

Arte d´Os Gêmeos nos muros de São Paulo.

Fotografia.

http://www.brpress.net/2006/gemeos11.jpg

No panorama atual, a dupla de grafiteiros mais conceituada do Brasil é formada pelos irmãos Gustavo e Otávio Pandolfo, que recentemente fizeram do muro um trampolim para o mundo das artes. Conhecidos internacionalmente como Osgêmeos, eles têm trabalhos (figura 8) expostos nos museus, galerias e ruas de países como Alemanha, França, Espanha, EUA, Cuba, Grécia, Chile, entre outros.


3. Lendo o mundo nas entrelinhas do graffiti


Atualizando permanentemente a discussão sobre a cidade, a partir das relações da paisagem com o homem, o graffiti cria diálogos lançando olhares sobre uma situação de transição: a de um universo de permanência para um universo de descontinuidade, dando visibilidade à formação do espaço urbano e a seus mecanismos de reprodução.

Ele dialoga com cartazes, placas de trânsito, outdoors, cintilantes néons e todas as infinitas grafias que se sobrepõem nas ruas e avenidas contemporâneas, estabelecendo uma rede comunicativa que acima de tudo manifesta um estilo de vida. A maciça presença dessas “tatuagens urbanas” aponta para a necessidade de melhor entendermos essas escrituras espontâneas, que revelam, acima de tudo, a presença de indivíduos em busca de significação própria.

Refletir sobre o homem e o universo em sua essência, tendo por base os fundamentos culturais é valorizar os elementos constitutivos das coisas, reconhecendo que a expressão artística é a exteriorização da existência, uma forma de ação cujos efeitos se produzem de modo indireto.

Perceber os detalhes, a sobreposição das mensagens, as composições transitórias e a comunicabilidade das inscrições nos fornecem matéria para uma recepção coletiva simultânea e propõem o aprendizado de olhar e repensar o espaço urbano de acordo com o processo de aceleração das cidades contemporâneas.

Para qualquer observador mais atento, é possível identificar que os desvios criados pelas constantes mudanças - determinadas pelo acúmulo de objetos, de mensagens e de pessoas - alteram a paisagem, provocando o gradativo deslocamento dos referenciais que garantem a manutenção da cultura de uma comunidade, e a conseqüente perda da alteridade do homem urbano.

Seja fomentando o diálogo sobre as relações do homem com o meio, desconstruindo a linguagem, explorando sua potencialidade narrativa ou assumindo um posicionamento diante do contexto nacional, os artistas grafiteiros com suas obras definem sistemas de elaboração de realidades, que nos explicitam mentalidades e comportamentos.

Antes de comunicar uma mensagem, a exposição da intervenção visual caracteriza seu autor, não importa com que técnica visual. É a marca de uma pessoa, de um grupo, da existência de alguém, de muitos desconhecidos que são vistos por toda a cidade. O fato de já serem vistos é suficiente para que continuem as exposições de suas marcas na apropriação do ambiente em que vivem. (Luciano Spenelli, disponível em http://www.graffiti.org.br/clm)




Apoio bibliográfico:

ALVES, Rubem. Educação dos sentidos e mais... Campinas, SP: Verus Editora, 2005.

BACHELAR, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

CALABRESE, Omar. A Idade Neobarroca. Rio de Janeiro: Edições 70, 1999.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas Híbridas. 4ª ed. São Paulo: Edusp, 2003.

Fotografia Del Siglo XX, La: Museum Ludwig Colonia. Alemanha: Taschen, 1997.

GITAHY, Celso. O que é graffiti. São Paulo, SP: Editora Brasiliense, 1999.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da Razão Sensível. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

_________________ O Tempo das Tribos. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2006.

OSTROWER, Fayga. Universos da Arte. 7ª ed. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

POATO, Sérgio. O Graffiti na cidade de São Paulo e sua vertente no Brasil – estéticas e estilos. Coleção Imaginário. São Paulo: Núcleo Interdisciplinar do Imaginário e Memória – NIME, Laboratório de Estudos do Imaginário – LABI, Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2006.

SILVA, Armando Imaginários Urbanos. São Paulo: Perspectiva, 2001.



i Licenciada em Educação Artística – habilitação Artes Plásticas, é Mestre em Educação Ambiental, líder do PhotoGraphein – Núcleo de Pesquisa em Fotografia e Educação, grupo de pesquisa FURG/CNPq, professora do CEFET-RS.

attos@vetorial.net

Ilustrações: Silvana Santos