Estamos sendo lembrados de que somos tão vulneráveis que, se cortarem nosso ar por alguns minutos, a gente morre. - Ailton Krenak
ISSN 1678-0701 · Volume XXI, Número 86 · Março-Maio/2024
Início Cadastre-se! Procurar Área de autores Contato Apresentação(4) Normas de Publicação(1) Dicas e Curiosidades(7) Reflexão(3) Para Sensibilizar(1) Dinâmicas e Recursos Pedagógicos(6) Dúvidas(4) Entrevistas(4) Saber do Fazer(1) Culinária(1) Arte e Ambiente(1) Divulgação de Eventos(4) O que fazer para melhorar o meio ambiente(3) Sugestões bibliográficas(1) Educação(1) Você sabia que...(2) Reportagem(3) Educação e temas emergentes(1) Ações e projetos inspiradores(25) O Eco das Vozes(1) Do Linear ao Complexo(1) A Natureza Inspira(1) Notícias(21)   |  Números  
Você sabia que...
14/03/2024 (Nº 86) ÁGUA ENGARRAFADA PODE CONTER MILHARES DE NANOPLÁSTICOS
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=4740 
  

ÁGUA ENGARRAFADA PODE CONTER MILHARES DE NANOPLÁSTICOS

Redação 10/01/2024



Água engarrafada pode conter milhares de nanoplásticos

Nos últimos anos, tem havido uma crescente preocupação de que pequenas partículas conhecidas como microplásticos estão aparecendo basicamente em todos os lugares da Terra, do gelo polar ao solo, água potável e alimentos.

Formadas quando os plásticos se decompõem em pedaços progressivamente menores, essas partículas estão sendo consumidas por humanos e outras criaturas, com efeitos desconhecidos de saúde e ecossistema.

Um grande foco de pesquisa: água engarrafada, que foi mostrado para conter dezenas de milhares de fragmentos identificáveis em cada recipiente.

Artigo de Kevin Krajick, Columbia Climate School

Agora, usando tecnologia recém-refinada, os pesquisadores entraram em um novo mundo plástico: o reino pouco conhecido dos nanoplásticos, a desova de microplásticos que se decomporam ainda mais. Pela primeira vez, eles contaram e identificaram essas minúsculas partículas em água engarrafada. Eles descobriram que, em média, um litro continha cerca de 240.000 fragmentos de plástico detectáveis – 10 a 100 vezes maiores do que as estimativas anteriores, que se baseavam principalmente em tamanhos maiores.

O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Os nanoplásticos são tão pequenos que, ao contrário dos microplásticos, eles podem passar através dos intestinos e pulmões diretamente para a corrente sanguínea e viajar de lá para órgãos, incluindo o coração e o cérebro. Eles podem invadir células individuais e atravessar a placenta para os corpos de bebês em gestação. Cientistas médicos estão correndo para estudar os possíveis efeitos em uma ampla variedade de sistemas biológicos.

A produção mundial de plástico está se aproximando de 400 milhões de toneladas métricas por ano. Mais de 30 milhões de toneladas são despejadas anualmente em água ou em terra, e muitos produtos feitos com plásticos, incluindo têxteis sintéticos, perdem partículas enquanto ainda estão em uso. Ao contrário da matéria orgânica natural, a maioria dos plásticos não se decompõe em substâncias relativamente benignas; eles simplesmente se dividem e dividem em partículas cada vez menores da mesma composição química. Além de moléculas únicas, não há limite teórico para o quão pequenas elas podem ficar.

Os microplásticos são definidos como fragmentos que variam de 5 milímetros (menos de um quarto de polegada) até 1 micrômetro, que é 1 milionésimo de metro, ou 1/25.000 de polegada. (Um cabelo humano tem cerca de 70 micrômetros de diâmetro.) Nanoplásticos, que são partículas abaixo de 1 micrômetro, são medidos em bilionésimos de metro.

Os plásticos em água engarrafada tornaram-se uma questão pública em grande parte depois que um estudo de 2018 detectou uma média de 325 partículas por litro; estudos posteriores multiplicaram esse número muitas vezes. Os cientistas suspeitavam que havia ainda mais do que eles já contavam, mas boas estimativas pararam em tamanhos abaixo de 1 micrômetro – o limite do mundo nano.

O novo estudo usa uma técnica chamada microscopia de espalhamento de Raman estimulada, que foi co-inventada pelo coautor do estudo Wei Min, um biofísico de Columbia. Isso envolve sondar amostras com dois lasers simultâneos que são sintonizados para fazer ressoar moléculas específicas. Visando sete plásticos comuns, os pesquisadores criaram um algoritmo baseado em dados para interpretar os resultados. “É uma coisa para detectar, mas outra é saber o que você está detectando”, disse Min.

Os pesquisadores testaram três marcas populares de água engarrafada vendidas nos Estados Unidos (eles se recusaram a nomear quais), analisando partículas de plástico para apenas 100 nanômetros de tamanho. Eles avistaram de 110.000 a 370.000 fragmentos de plástico em cada litro, 90% dos quais eram nanoplásticos; o resto eram microplásticos. Eles também determinaram qual dos sete plásticos específicos eram e mapearam suas formas – qualidades que poderiam ser valiosas na pesquisa biomédica.

Um comum era o politereftalato de etileno ou PET. Isso não foi surpreendente, já que é disso que muitas garrafas de água são feitas. (Também é usado para refrigerantes engarrafados, bebidas esportivas e produtos como ketchup e maionese.) Provavelmente entra na água como pedaços descamada quando a garrafa é espremida ou fica exposta ao calor. Um estudo recente sugere que muitas partículas entram na água quando você abre ou fecha repetidamente a tampa e pequenos pedaços se abradem.

No entanto, o PET foi superado em número pela poliamida, um tipo de nylon. Ironicamente, disse Beizhan Yan, que provavelmente vem de filtros de plástico usados para supostamente purificar a água antes de ser engarrafada. Outros plásticos comuns que os pesquisadores encontraram: poliestireno, cloreto de polivinila e polimetacrilato de polimetil, todos usados em vários processos industriais.

Um pensamento um tanto perturbador: os sete tipos de plástico que os pesquisadores procuraram representaram apenas cerca de 10% de todas as nanopartículas que encontraram nas amostras; eles não têm ideia do que são o resto. Se todos eles são nanoplásticos, isso significa que eles podem chegar a dezenas de milhões por litro.

[ Se você gostou desse artigo, deixe um comentário. Além disso, compartilhe esse post em suas redes sociais, assim você ajuda a socializar a informação socioambiental ]

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394



Fonte: Água engarrafada pode conter milhares de nanoplásticos (ecodebate.com.br)

Ilustrações: Silvana Santos