ISSN 1678-0701
Número 66, Ano XVII.
Dezembro/2018-Fevereiro/2019.
Números  
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

04/12/2018O JOGO DA MEMÓRIA AJUDANDO O ENSINO/APRENDIZAGEM DO TEMA ÁGUA.  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3520 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

O jogo da memória ajudando o ensino/aprendizagem do tema água.

Isabela Moreira Silva

bioisa@gmail.com

Claudia de Vilhena Schayer Sabino

sabinoc@pucminas.br

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Resumo: A pesquisa apresenta metodologia para sala de aula, que utiliza jogo com a temática água. A proposta de educação ambiental foi aplicada e avaliada por 30 professores do programa Reinventando o Ensino Médio. Os resultados mostraram que a atividade proposta contribui no processo de ensino aprendizagem e na formação social dos alunos.

Abstract: The research presents a classroom methodology, which uses game with water theme. The environmental education proposal was applied and evaluated by 30 teachers from the Reinventing High School program. The results showed that the proposed activity contributes in the process of teaching learning and in the social formation of students

Introdução

Os recursos hídricos do planeta estão esgotando gradativamente. A poluição dos rios e dos mananciais, o consumo irresponsável e o aumento da demanda são fatores relevantes na redução da água disponível para uso (DETONI et. al., 2007). Com isso os problemas se agravam: comunidades biológicas que levaram milhões de anos no desenvolvimento vêm sendo ameaçadas pela ação antrópica, ciclos naturais hidrológicos e químicos são perturbados pela devastação das terras, bilhões de toneladas de solo são lixiviados para rios, lagos e oceanos a cada ano (PRIMACK e RODRIGUES, 2001).

No intuito de contribuir com recursos didáticos para professores de ecologia e educação ambiental do Ensino Médio que trabalham com educação ambiental, esta pesquisa apresenta uma metodologia de intervenção pedagógica que utiliza um jogo didático com a temática da água. Vale destacar a importância de subsidiar o trabalho dos professores, pois são eles, fundamentais no processo de alfabetização cientifica, além de contribuírem para a conscientização e sensibilização dos estudantes para os problemas sociais e ambientais (AULER E DELIZOICOV, 2001).

A atividade aqui apresentada é lúdica, participativa e dinâmica. De acordo com Sabino et. al. (2014), atividades lúdicas e jogos, no espaço escolar, não se justificam somente pelo estímulo ao aprendizado, podem também contribuir de forma efetiva para a socialização dos alunos, educando-os para o respeito às diferenças, para o trabalho em equipe, para o desenvolvimento da personalidade e da autoestima, ensinando tanto a valorizar o prazer do sucesso como saber conviver com frustrações.

Esta pesquisa foi realizada, no âmbito do projeto Reinventando o Ensino Médio da Secretaria de Educação do Estado de Minas Gerais.

Reinventando o ensino médio

O projeto Reinventando o Ensino Médio foi implementado em 2012 e 2013, em algumas escolas piloto, e expandido para todas as Escolas da Rede Estadual de Minas Gerais em 2014, esta proposta reformulou a grade curricular do Ensino Médio, acrescentando na carga horaria semanal em disciplinas de áreas de empregabilidades. As finalidades do projeto eram:

Reformular o Ensino Médio reconstruindo sua identidade como última etapa da Educação Básica, por meio de uma ordenação curricular e estratégias didático-pedagógicas inovadoras que estabeleçam uma efetiva relação com o conhecimento e possibilitem a construção da autonomia e da emancipação dos jovens, seja para a conclusão ou continuidade dos estudos ou para a preparação à inserção no mundo do trabalho”. (SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS, 2014).

De acordo com a Resolução SEE Nº 2.030, De 25 De Janeiro De 2012, o projeto Reinventando o Ensino Médio, objetivou: - Buscar a excelência no ensino e na aprendizagem;

- Garantir a especificidade da formação do ensino médio da rede pública estadual de educação de Minas Gerais;

- Gerar competências e habilidades para empregabilidade;

- Preparar para o prosseguimento dos estudos. O desafio do REM foi estimular a motivação dos alunos, estimulando sua busca pelo saber, dessa forma, ele buscou proporcionar aos estudantes aprofundamento dos estudos nas áreas de empregabilidades ofertadas e aumentar suas chances de ingresso no mercado de trabalho. Tal projeto já não existe devido a decisões políticas.

Os jogos na educação ambiental (EA)

Nas escolas é comum encontrar alunos que apresentam dificuldades na aprendizagem e discussão de conteúdos de Educação Ambiental (EA) e na concretização (colocar em prática) o que foi aprendido.

No Brasil, segundo Souza e Nascimento Junior (2007), ainda faltam recursos instrucionais que facilitem e possibilitem a prática da EA, ou mesmo, há falta de um planejamento pedagógico. Segundo os mesmos autores, a atual situação do campo pedagógico da EA é falha, principalmente na educação formal, destacando-se a problemática que os professores enfrentam ao fazer a EA, por não buscarem alternativas para fazê-la.

Em relação ao processo de aquisição de conhecimentos na EA, Medina (1999) aborda a necessidade da democracia, na qual o educador e o educando emitam sua crítica sobre o conhecimento, na qual os educadores apresentam-se como facilitadores de aprendizagem e os alunos como indivíduos ativos, portanto participativos nas atividades. Dentro da mesma linha de pensamento, Guimarães (2003) propõe que um dos fatores que devem ser encontrados em um plano de ação na EA são os aspectos lúdicos e os criativos, pois a sensibilização do educando perante as questões ambientais deve ocorrer através de um processo prazeroso, no qual haja envolvimento integral tanto racionalmente quanto emocionalmente.

A EA deve ser um instrumento de sensibilização e capacitação do ser humano em relação à temática ambiental e, o uso do lúdico através de diversas atividades auxilia no desenvolvimento de atitudes ambientalmente responsáveis desde a mais tenra idade, com o objetivo de apoiar a formação de uma consciência ambiental crítica que leve a mudanças de comportamentos e atitudes (GUERRA, GUSMÃO; SIBRÃO, 2004).

Segundo Macedo, Petty e Passos, 2005, em um contexto com jogos e resolução de situações-problema ou desafios, os alunos colaboram bastante para que o ambiente em sala de aula fique mais favorável ao desenvolvimento do trabalho: envolvem-se com maior facilidade, prestam mais atenção, divertem-se aprendendo e pensando. Portanto, como a degradação ambiental é um problema de ordem mundial e deve-se buscar soluções eficazes para preservar o ambiente onde vivemos, a inserção de atividades lúdicas pode ser um método importante para EA. (MACEDO; PETTY; PASSOS, 2005).

Para Dias (2004) os materiais convencionais devem continuar sendo utilizados e desenvolvidos, mas há necessidade de novos recursos capazes de organizar os conhecimentos de modo que sejam mais representativos das questões do ambiente real. Neste caso, os jogos e as simulações, que abordem o tema meio ambiente, tornam-se importantes para acentuar o papel dos conhecimentos científicos junto às funções a serem desempenhadas pela tecnologia e o lugar dos valores sociais éticos, na tomada de complexas decisões e preparação de medidas para resolução de problemas ambientais.

O potencial do lúdico na EA está no próprio sentido em que as relações do ser humano com o seu meio ambiente são registradas pela história e estabelecidas pela ação da cultura. Esta cultura lúdica envolve a valorização das raízes e do processo de brincar de forma coletiva e não individualizante, e é justamente aí que reside a transformação, em um sentido de retorno, retornar ao prazer em comum, no simples ato de brincar, fazer parte do estabelecimento, do contato, com qualquer que seja o grupo (CARVALHO; MACEDO, 2003).

Para Evangelista e Soares (2011) faz-se necessária uma junção entre as atividades lúdicas e a EA, como meio de proporcionar uma EA mais efetiva e que se distancie das formas tradicionais utilizadas em seu tratamento e uso. A EA deve ser libertadora e causar mudanças significativas na vida das pessoas. E o lúdico faz isso. Essa junção é possível.

Os jogos educativos podem ser importantes instrumentos de aprendizagem na prática pedagógica da EA. (SILVA; GRILLO, 2008). Encontra-se na literatura atual vários relatos de experiência com jogos pedagógicos em educação ambiental (DIAS, 1991; CARVALHO; XAVIER, 1999; CARVALHO e MACEDO, 2003; KNEIPP, MIRANDA e ALBUQUERQUE, 2006; SOUZA e NASCIMENTO JÚNIOR, 2007; CHAPLA, et al., s/d; SILVA E GRILLO, 2008; CARVALHO, 2009; BOHRER et al., 2009). Essas experiências mostram que o jogo constitui uma metodologia eficaz no processo de ensino e aprendizagem de temáticas ambientais.

Jogo

O jogo é semelhante ao Jogo da Memória, mas para virar um par de cartas é necessário responder corretamente uma pergunta relativa ao tema água.

Objetivo

Compreender algumas propriedades químico-físicas da água por meio de uma atividade competitiva e lúdica.

Materiais

2 folhas de papel cartão, 1 tesoura sem ponta, 1 cola, 1 folha com imagens sobre a água para recortar (Figura A1 – Apêndice), 1 folha de cartas com perguntas e respostas sobre propriedades da água para recortar (Figura A2– Apêndice)

Procedimentos:

A - Para construir o jogo:

a- Peça para os alunos recortarem as cartas com as imagens relacionadas à água. Cada imagem deve ser em duplicata.

b- Depois corte as folhas de papel cartão do mesmo tamanho que as imagens.

c- Cole as imagens sobre as folhas de papel cartão cortadas.

d- Corte as cartas com as perguntas e respostas sobre as propriedades da água.

e- Depois cole as cartas com as perguntas e respostas sobre as folhas de papel cartão.

Regras do Jogo:

Dividir os alunos em grupos. O jogo é recomendado para grupo de 5 a 8 alunos, devendo ter sido preparado um jogo para cada grupo. Em cada grupo escolher um moderador e definir quem iniciará o jogo por meio de par ou ímpar. Dispor as cartas sobre a mesa com as imagens viradas para baixo, de modo que os alunos não consigam vê-las. Embaralhar as cartas.

O jogo inicia com o moderador lendo uma pergunta para um aluno, se ele acertar pode virar um dos pares de cartas, a fim de encontrar as imagens iguais, se errar, passa a vez. Se o aluno acertar o par de imagens, após responder corretamente nova pergunta, continua jogando até errar (a resposta ou a imagem), quando passa

Resultados

O jogo foi aplicado durante o Programa de Capacitação de Professores do Reinventando o Ensino Médio: Área de Empregabilidade Meio Ambiente e Recursos Naturais (Figura 1). Participaram 30 professores da Educação Média de diferentes regiões do Estado de Minas Gerais. O Programa foi financiado pela Secretaria de Educação do Estado. Todos os participantes, maiores de idade, assinaram termo consentindo na divulgação dos resultados e imagens para fins acadêmicos.

Figura 1 – Professores do REM utilizando o Jogo

Fonte: Autores

Inicialmente foi apresentada uma aula expositiva dialogada abordando os assuntos relacionados. Após a aula os participantes jogaram e foi aplicado questionário de avaliação.

Primeira pergunta: “As técnicas de ensino utilizadas nesta atividade podem ser aplicadas na sala de aula? Justifique.” 90% dos professores questionados consideraram que a atividade pode ser utilizada em sua prática docente, enquanto 10% que não. As justificativas dadas pelos professores podem ser observadas na Tabelas 1, vale ressaltar que o número de respostas (N) ultrapassa 30 (número de participantes) porque as respostas foram livres e alguns indicaram mais de uma opinião.

Tabela 1- Justificativas apresentadas para a pergunta: As técnicas de ensino utilizadas nesta atividade podem ser utilizadas na sua sala de aula? Justifique.

Respostas

Gerais

N

Positivas

Competitivas, interativas, claras, lúdicas, turmas cheias*, simples, práticas, etc.

14


Fáceis de aplicar

11


Motivantes

5


Atraentes e envolventes

5


Interessante

4


Dinâmica

3


Facilitam a concentração

3


Adequadas

3

Negativas

Não vender o jogo

5


Melhorar a descrição dos objetivos

3


Turma cheia

3


Barulho

1


Falta de recurso

1


Infantis

1

*De acordo com os participanes, turmas cheias são as com mais que 30 alunos.

A partir da análise da primeira pergunta, é possível afirmar que para os professores, a viabilidade desta atividade na sala de aula, está em sua fácil aplicação associada com técnicas: lúdicas, dinâmicas, reflexões e momentos de criação artística, que foram considerados motivadores, interessantes, e ainda podem desenvolver a concentração dos alunos.

Segundo Junior e Gonçalves (2013), a utilização de atividades pedagógicas em sala de aula pode aproximar os alunos do conhecimento, pois envolvem o acadêmico em um processo de formação no qual existe o confronto direto com situações educativas. Também Moraes e Rezende (2009), ressalvam que a introdução de jogos e atividades lúdicas no cotidiano escolar é importante porque se torna mais fácil e dinâmico o processo de ensino aprendizagem, já que os alunos estão emocionalmente envolvidos na ação. Os professores demonstraram ter gostado da atividade e se divertido durante o jogo.

Não importa com que faixa etária trabalhe o educador ou a educadora. O nosso é um trabalho com gente miúda, jovem ou adulta, mas gente em permanente processo de busca. Gente formando-se, mudando, crescendo, reorientando-se, melhorando...(Freire, 1996, p.92)

Alguns professores gostariam de comprar o jogo ao invés de monta-lo, mas a montagem é uma fase de entrosamento e expectativa, de acordo com a opinião de outros. Alguns consideraram que turmas cheias dificultam a aplicação, por outro lado, outros que a atividade deve ser utilizada preferencialmente em turmas cheias, para melhorar o envolvimento do grupo.

Segunda pergunta: A atividade apresentada foi capaz de estimular uma mudança em sua prática docente? Justifique.

Em relação a segunda pergunta 90% dos professores afirmaram que a atividade estimulou uma mudança na prática docente, 5% mudariam em termos, porque já consideram a própia prática docente como inovadora e a atividade apresentada para eles foi mais uma alternativa, que utilizariam em sua sala de aula. Em contrapartida, 5% afirmaram que não mudariam sua prática docente. (Tabela 2).

Tabela 2 – A atividade apresentada foi capaz de estimular uma mudança em sua prática docente? Justifique

Respostas

Justificativas

N

Positivas

Conciliou teoria e prática

11


Práticas excelentes, melhoria na aprendizagem, simples, motivadora, maior interação, grande diversidade, etc.

11


Acrescentou conhecimento

5


Novidade

5


Jogo interessante

3


Técnicas diferentes

3


Criatividade

3


Prazeroso

3

Negativas

Não sabe onde encontrar outros jogos

1


Sem novidades

1


Esperava mais

1

Um dos professores que afirmou que mudaria sua prática docente apontou “ A atividade apresentou formas didáticas diferentes de trabalhar o conteúdo água e que podem ser direcionada para outros temas”. Junior e Gonçalves (2013) endossam essa ideia ao concluírem que as atividades pedagógicas que abordam temas contemporâneos da sociedade, dentre eles a educação ambiental, podem atuar como meio na formação inicial e continuada de professores de ciências e biologia propiciando a reflexão sobre a ação do profissional ao trabalhar com diferentes temas em sua sala de aula.

Terceira pergunta do questionário: “Cite os pontos positivos da atividade.” Os resultados podem ser observados na Tabela 3.

Tabela 3 – Pontos positivos da Atividade segundo os Professores do REM

Respostas

N

Reforça o conteúdo, promove competição e trabalho em grupo, compartilhamento conhecimento, desmistificação de aulas formais, jogo, lúdico, etc.

24

Interação entre todos

14

Melhoria da aprendizagem

9

Concentração

6

Criatividade

6

Atrativa

4

Dinâmica

4

Atenção

3

Participação

3

Socialização

3

Prática inovadora

3

Adequada

3

Vários professores consideraram como ponto positivo o trabalho ter sido desenvolvido em grupos. É destacada a fala de um professor “ A interação entre os participantes pode estimular o estudo do conteúdo de forma mais atrativa e dinâmica”. A prática do trabalho em grupo vem sendo cada vez mais exigida em nossa sociedade, ainda marcada por individualismo, relações hierarquizadas e competitividade. O trabalho em grupo amplia a possibilidade de relações mais solidárias na medida em que as pessoas se reconhecem em suas semelhanças e diferenças, aprendendo a construir ideias e ações coletivamente. (Barbato, 2010)

Outro docente considerou que:

Pode se trabalhar o conteúdo da atividade em consonância com as disciplinas regulares, ou seja, com esta proposta os professores podem fazer projetos interdisciplinares que envolvam biologia, química, religião, história, sociologia, dentre outros”.

Os professores aprovaram a atividade e o uso do lúdico no ensino de ciências, o que é uma prática estabelecida, cujo objetivo é auxiliar os alunos a aprender ou revisar o conteúdo ministrado de forma efetiva (Focetola et al., 2012).

Quarta pergunta:” Cite pontos a serem melhorados.”. Vários professores não indicaram melhorias respondendo que a atividade foi válida. Em relação aos que responderam, os resultados estão mostrados na Tabela 4.

Tabela 4 –Pontos a serem melhorados segundo alguns dos professores do REM

Respostas

N

Disponibilizar o material

9

Justificar melhor os objetivos

6

Fazer mais jogos

5

Precisa de mais volume de informações

3

Mais tempo para os jogos

3

Fonte: Dados da pesquisa

Todas as críticas foram analisadas e consideradas. Um dos pontos a serem melhorados mais apontado pelos professores foi a disponibilização do material, porque afirmaram precisar de mais materiais para planejar melhor as aulas, como relatado pelo seguinte professor: “ Deveria ter disponível o material utilizado para levarmos para nossas escolas”. Todo o material foi disponibilizado no site do Projeto: Reinventando o Ensino Médio”.

Considerações finais

A água é um recurso natural indispensável para a nossa sobrevivência, portanto, pensar coletivamente sobre as questões relacionadas a tal recurso é fundamental e um dos caminhos que podem ser percorridos em direção a construção de uma sociedade sustentável.

A atividade aqui apresentada criou um ambiente de aprendizagem lúdico, crítico e participativo, no qual os envolvidos puderam participar de dinâmicas, jogo, debates, reflexões e momentos de compartilhamento e criação.

A maior parte dos professores que avaliaram a atividade mudariam sua prática docente para acrescentar atividades lúdicas em sala de aula, porque consideraram que esta estratégia de ensino pode trazer melhorias no processo de ensino aprendizagem. Esta mudança é necessária, pois os ambientes escolares que se configuram na realidade devem ser reestruturados, transformando uma “escola informativa” em uma “escola formativa”. Essas modificações implicam em uma educação que colabore na formação dos indivíduos mais críticos e participantes nas decisões dos problemas socioambientais.

A preservação do meio ambiente depende do conhecimento, por isso, conscientizar e esclarecer sobre os problemas ambientais são ferramentas imprescindíveis para a formação da cidadania e melhoria da sociedade e do meio ambiente. O investimento em formação continuada de professores é importante nesse processo. Sendo assim, as atividades propostas podem facilitar a tarefa dos professores porque ampliam a diversidade metodológica e contribuem no processo de ensino aprendizagem, na formação humana e inserção social dos alunos.

Bibliografia

AULER; D., DELIZOICOV; D. Alfabetização Científica Tecnológica para quê? Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências. v. 3. n. 1. Jun. 2001.

BARBATO, R.G.; SOUZA, C. B. APRENDER EM GRUPO: Experiência de estudantes de enfermagem e implicações para a formação profissional. Esc Anna Nery Rev Enferm 2010 jan-mar; 14 (1): 48-55

BOHRER, P.V.; KROB, A. D. J.; WITT, J.R.; VIERO, R.C.; FRANTZ, LO. Jogos e brincadeiras na educação ambiental: a arte de cativar para as descobertas que mudarão nossa percepção de mundo. In: VI Congresso Ibero-americano de Educação Ambiental. Disponível em: < http://pwweb2.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/curicaca/usu_doc/trab_gongea_jogosbrincad.pdf >. Acesso em 20 nov. 2014.

CARVALHO, J.M.K.; XAVIER, F. F. A. Utilização de atividades Lúdicas para a Sensibilização Ambiental. In: Encontro estadual de educadoras ambientais, 2, 1999, Cuiabá: Rede Mato-Grossense de Educação Ambiental, 1999.

CARVALHO, J. M. K.; MACEDO, M. Uma atividade lúdica como instrumento da educação ambiental: o pega-pega da cadeia alimentar. In: Fome zero da educação ambiental. Cuiabá: Rede Mato Grossense de Educação Ambiental. 2003.

CARVALHO, J. M.; MACEDO, M. Brincadeiras e ensino de ecologia: subsídios para uma educação ambiental lúdica. 2009. Disponível em: < http://www.ie.ufmt.br/semiedu2009/gts/gt3/ComunicacaoOral/JUAN%20AMARO%20 KERSUL%20DE%20CARVALHO.pdf > Acesso em: 20 mar.2013.

CHAPLA, P. I. et al. Elaboração e produção de material didático: o jogo da memória, como facilitador no ensino de ecologia e educação ambiental. Disponível em: <http://www.seb-ecologia.org.br/viiceb/resumos/179a.pdf> Acesso em: 4 jun. 2013.

DETONI, T. L.; DONDONI, P. C.; PADILHA, E. A. A escassez de água: um olhar sobre a sustentabilidade e a consciência acadêmica. In: XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. 2007. Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2007_TR650479_9043.pdf>. Acesso em 17 de out. 2014.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2004. 400p.

DIAS, G. F. Os quinze anos da educação ambiental no Brasil: um depoimento. Em aberto. v.10, n.49, p.3-14,1991.

EVANGELISTA, L.. M.; SOARES, M. H. F. B. Atividades lúdicas no desenvolvimento da educação ambiental. In: SIMPÓSIO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E TRANSDISCIPLINARIDADE, 2, 2011, Goiânia, Anais... Goiânia: SEAT, 2011. Disponível em: <http://nupeat.iesa.ufg.br/uploads52/original_45_Atividade_l__dicas.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2013.

FOCETOLA P. B. M., CASTRO P. J., SOUZA A. C. J., GRION L. S., ILVA PEDRO N. C., IACK R. S., ALMEIDA R. X., OLIVEIRA A. C., BARROS C. V. T., VAITSMAN E., BRANDÃO J. B.; GUERRA A. C. O., SILVA J. F. M. Os jogos educacionais de cartas como estratégia de ensino em química. Química nova na escola. v. 34, n. 4, 2012. – (Focetola et al., 2012)

FOLHA ONLINE. Oferta de água no Oriente Médio pode cair pela metade até 2050, diz BIRD. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/folha/bbc/ult272u61667.shtml>. Acesso em 4 de dez. 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GUERRA, R. A. T.; GUSMÃO, C. C. A produção de material paradidático para a implementação da educação ambiental em escolas públicas. 2004. Disponível em: <http://www.dse.ufpb.br/ ea/Masters/Artigo_3.pdf > Acesso em: 23 mar. 2013.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico. 5º ed. São Paulo, ed. Papirus, 2003.

JUNIOR; GONÇALVES. Oficina de jogos pedagógicos de ensino de ecologia e educação ambiental como estratégia de ensino na formação de professores. Revista Práxis. Ano v. n 9. Jun de 2013. p. 72-73. Disponível em: <http://web.unifoa.edu.br/praxis/numeros/09/71-76.pdf >. Acesso em: 02 de jun. 2014.

KNEIPP, R. E.; MIRANDA, A. C.; ALBUQUERQUE, R. C. Jogos na web: instrumento de ensino-aprendizagem de educação ambiental no ensino fundamental Revista Iberoamericana de Educación, n. 38/2, mar. 2006. Disponível em: <http://www.rieoei.org/experiencias115.htm>. Acesso em: 5 jul. 2013.

MACEDO, L.; PETTY, A. L. S.; PASSOS, N. C. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MACEDO, L. Jogo e projeto: irredutíveis, complementares e indissociáveis. In: MACEDO, L.; MACHADO, N. J.; ARANTES, V., A. (Org.). Jogo e projeto: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006. p. 15-48.

MEDINA, N. M. Formação de Multiplicadores para Educação Ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. v. 1, out. / dez. 1999.

MORAES, E.; REZENDE, D. Atividades lúdicas como elementos mediadores da aprendizagem no ensino de ciências da natureza. Enseñanza de las Ciencias, Número Extra VIII Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciencias, Barcelona, pp. 1008-1012, 2009.

PRIMACK; R.B., RODRIGUES; E. Biologia da Conservação. 328p. 2001.

SABINO, C de V. S; LOBATO, W.; AMARAL, F. C.; MOREIRA, I. Proposta de conteúdos alternativos e atividades para a abordagem do tema água no ensino médio. Terra e didática. 10-3:407-427,2014.

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS. Novo Ensino Médio (Reinventando o Ensino Médio). Disponível em: <http://www.educacao.mg.gov.br/sobre/programas/action/2825-novo-ensino-medio-reinventando-o-ensino-medio>. Acesso em 2 de jun. 2014.

SILVA, D. M.C.; GRILLO, M. A utilização dos jogos educativos como instrumento de educação ambiental: o caso reserva Ecológica de Gurjaú (PE). Contrapontos (Online), v. 8, n.2, p. 229-238, ago., 2008.

SOUZA, D. C.; NASCIMENTO JÚNIOR, A. F. Jogos didático-pedagógicos ecológicos: uma proposta para o ensino de ciências, ecologia e educação ambiental. Disponível em: <www.nutes.ufrj.br/ abrapec/venpec/conteudo/artigos/1/doc/p373.doc > Acesso em: 4 jun. 2013.

Apêndice



Figura 1A – Cartas com Imagens da água

Fonte: http://www.brasilescola.com/biologia/a-agua.htm

Fonte: http://www.saaeangra.com.br/php/material_agua.php

Fonte: http://natturalissimo.blogspot.com.br/2012/09/algumas-razoes-para-beber-agua.html

Fonte: http://jornalportalsul.com.br/nasa-alerta-sobre-degelo-acelerado-na-antartida/

Fonte: http://www.colegioweb.com.br/trabalhos-escolares/4-ano/os-estados-fisicos-da-agua.html

Fonte: http://www.pesquisaunificada.com/products/continua%C3%A7%C3%A3o2/

Fonte: http://www.profpc.com.br/Qu%C3%ADmica%20na%20Cozinha/Sal/sal6

Fonte: http://meioambiente.culturamix.com/recursos-naturais/captacao-de-aguas-subterraneas





Figura 2 A – Cartas com perguntas e respostas

Quando colocamos gelo dentro de um copo e o colocamos sobre a mesa, num dia quente de verão, a água que aparece na superfície externa do copo deve-se ao fenômeno conhecido como?

Resposta: Condensação

Indique se é verdadeiro ou falso:

A água controla a regulação da temperatura dos seres vivos pelo processo de transpiração.

Resposta: Verdadeiro

Indique se é verdadeiro ou falso:

Ao nível do mar, se você aquecer um recipiente contendo café preparado, o líquido entrará em ebulição a uma temperatura superior a 100ºC.

Resposta: Verdadeiro

Indique se é verdadeiro ou falso:

A molécula de água se estabiliza por ligação iônica, na qual o oxigênio doa elétrons ao hidrogênio.

Resposta:

Falso a molécula de água se estabiliza com ligações covalentes

A forma líquida da água apresenta uma densidade maior que a forma sólida. Se o contrário fosse verdade como seria a vida nas profundezas dos rios e mares no inverno?

Resposta: Não haveria vida, pois seria tudo congelado.

Completar

A participação da água no equilíbrio da temperatura celular, evitando variações bruscas que podem afetar o metabolismo, é consequência do seu….?

Resposta: Calor específico

A densidade da água varia de acordo com a temperatura e a pressão?

Resposta: Sim


Qual a temperatura da água durante a fusão do gelo ao nível do mar?

Resposta: 0 Cº


Qual a temperatura de ebulição da água a 25ºC e 1atm?

Resposta: 100 Cº


Porque a panela de pressão cozinha os alimentos em menos tempo?

Resposta: Porque esta panela aumenta a pressão do sistema e o ponto de ebulição.

Indique se é verdadeiro ou falso:

Os átomos de hidrogênio e oxigênio da água estão ligados por atração eletrostática chamada de ligação iônica.

Resposta:

Falso, os átomos da água estão ligados por ligação covalente.

Os polos são os primeiros locais do planeta a serem atingidos pelos efeitos das mudanças climáticas globais. Qual o nome do fenômeno físico envolvido no derretimento das calotas polares?

Resposta: Fusão

Qual a polaridade da molécula de água?

Resposta: Polar


O que é precipitação atmosférica?

Precipitação atmosférica é toda a água que cai da atmosfera na superfície da Terra.

O que é contaminação da água?

Resposta: É a introdução na água de substâncias nocivas à saúde humana e das espécies em geral.

A frase é verdadeira ou falsa:

Com o passar dos anos, existe uma tendência de a água aumentar seu percentual em um determinado tecido humano”.

Resposta: Falso

A frase é verdadeira ou falsa?

A proporção de água do organismo humano e do planeta é praticamente a mesma 70%”.

Resposta: Verdadeiro

Porque a água não se mistura com o óleo?

Resposta: A água é uma molécula polar e o óleo é apolar, e apenas semelhante dissolve semelhante

Qual o estado físico de maior grau de agitação das moléculas da água?

Resposta: Gasoso

Porque alguns insetos conseguem andar na superfície da água?

Resposta: Por que são muito leves e não vencem a tensão superficial.

Fonte: A pesquisa





" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Dinâmicas e recursos pedagógicos     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Sugestões bibliográficas     Educação     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Educação e temas emergentes     Ações e projetos inspiradores     Gestão Ambiental     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias