ISSN 1678-0701
Número 64, Ano XVII.
Junho-Agosto/2018.
Números anteriores 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Ações e projetos inspiradores     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias
Artigos

14/06/2018PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES EM MEIO AMBIENTE SOBRE OS PROBLEMAS AMBIENTAIS, ALCÂNTARA-MA  
Link permanente: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=3235 
" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">

Revista Educação ambiental em Ação 33

PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES EM MEIO AMBIENTE SOBRE OS PROBLEMAS AMBIENTAIS, ALCÂNTARA-MA

Neyla Cristiane Rodrigues de Oliveira1, Elisabeth Regina Alves Cavalcanti Silva2, Mayara Danyelle Rodrigues de Oliveira3, Francisca Carla Silva de Oliveira4, José Gustavo da Silva Melo5

1 Bióloga, Especialista em Ensino de Genética, Universidade Estadual do Maranhão-UEMA, São Luís-MA. E-mail: neylacristiane_bio@yahoo.com.

2 Professora EBTT do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão-IFMA, Campus Alcântara, Alcântara-MA. E-mail: elisabeth.silva@ifma.edu.br.

3 Professora EBTT do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, Campus Uruçuí, Uruçuí-PI. E-mail: mayara.oliveira@ifpi.edu.br.

4 Especialista em Educação Ambiental, Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Professora do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino-DMTE, Centro de Ciências da Educação-CCE, Universidade Federal do Piauí-UFPI, Campus Ininga, Teresina-PI. E-mail: carlaoliveira@ufpi.edu.br.

5 Mestre em Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, Universidade Federal de Pernambuco-UFPE, Recife-PE. E-mail: josegustavo_melo@hotmail.com.

Resumo: Percepção ambiental é a forma que cada indivíduo percebe o ambiente. Nesse sentido, este trabalho teve como objetivo analisar a percepção de estudantes em Meio Ambiente sobre os problemas ambientais em Alcântara-MA. A pesquisa foi realizada com 76 alunos e está inserida em uma abordagem qualitativa, sendo utilizadas entrevistas semiestruturadas, registros fotográficos e diários de bordo dos pesquisadores para obtenção de dados. Constatou-se que 60% dos pesquisados veem o meio ambiente como lugar ou espaço onde o ser humano vive apontaram também a falta de saneamento básico, as queimadas, o desmatamento e a poluição, como os principais problemas ambientais no município. Nessa perspectiva, os projetos de educação ambiental e as ações educativas foram as principais medidas destacadas pelos estudantes para mitigar os desequilíbrios ambientais.

Palavras-chave: Conscientização; Educação ambiental; Homem-natureza.

Abstract: Environmental perception is the way each individual perceives the environment. In this sense, the objective of this work was to analyze the perception of students in the Environment of a technical school, about the environmental problems in Alcântara-MA. The research was carried out with 76 students and is inserted in a qualitative approach, using semi-structured interviews, photographic records and the researchers' journals to obtain data. It was found that 60% of those surveyed see the environment as a place or space where the human being lives and pointed out the lack of basic sanitation, burnings, deforestation and pollution, as the main environmental problems found in the municipality. In this perspective, environmental education projects and educational campaigns were the main measures highlighted by students to mitigate environmental imbalances.

Key words: Awareness. Environmental education. Man-nature.

  1. INTRODUÇÃO

O meio ambiente é definido como “o conjunto de condições, leis, influência e interações de ordem física, química, biológica, social, cultural e urbanística, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas”. (BRASIL, 1981, p. 1). O relatório Brundtland, publicado em 1987, foi um marco nas discussões ambientais ao inserir o conceito de desenvolvimento sustentável, onde emergia a necessidade de adoção de uma nova postura ética, caracterizada pela responsabilidade tanto entre as gerações passadas quanto entre os membros contemporâneos da sociedade (BRUSEKE, 1998).

Nessa perspectiva, para formar cidadãos que apresentem boas condutas em relação ao ambiente é necessário que sejam desenvolvidas atividades que contribuam para a percepção e conscientização ambiental, uma vez que o meio natural é primordial a existência da vida (OLIVEIRA, 1997). A Percepção Ambiental (PA) pode ser compreendida como algo subjetivo, construído por meio das relações sociais, sendo a tomada de consciência do ambiente pelo homem, suas expectativas, anseios, satisfações e insatifações e julgamentos; o ato de perceber-se como constituinte do ambiente e aprender a proteger, cuidar do mesmo. Dessa forma, a PA é a precursora do sistema que estimula a conscientização do sujeito frente às questões ambientais (MACEDO, 2000; FAGIONATTO, 2007; FERNANDES, 2008).

A PA é importante para construir um indivíduo capaz de agir criticamente e transformar a realidade. Uma vez que o homem percebe que integra o meio e suas atitudes refletem na preservação e nos impactos causados. Ele procura a melhor forma de tratar o ambiente (CAVEDON et al., 2004; SILVA et al., 2015, 2017).

As ações centradas no individualismo, sem dimensionar a responsabilidade ambiental, podem afetar o meio natural e desse modo o bem-estar coletivo, pois o homem afasta-se da natureza e não mais percebe as relações de equilíbrio existentes. Assim, a atuação da sociedade sobre a natureza culmina na sua transformação e desnaturalização através da apropriação dos elementos naturais, de forma indiscriminada, intensa e em grande escala (GUIMARÃES, 1995; MELO et al., 2013; MELO et al., 2017).

Nessa perspectiva, destacam-se os trabalhos desenvolvidos sobre impactos ambientais, com ênfase naqueles provocados por ações antrópicos globais no clima e sua influência no âmbito regional. Os estudos de Gomes e Rezende (2017) referentes à percepção dos moradores sobre degradação ambiental no Rio Zutiua em Arame-MA; Silva (2017) com alunos sobre os impactos ambientais em bacias hidrográficas; Barros e Pinheiro (2017) a respeito da percepção de adolescentes sobre o clima; Silva et al. (2018) destacam os impactos das mudanças climáticas e Melo et al. (2018) sobre avaliação de impactos ambientais na Lagoa do Araçá, Recife-PE.

Desse modo, a racionalidade ambiental requer a adoção de novas atitudes frente à natureza, para que seja possível não só manter, como também expandir a compreensão sobre o conceito de meio natural e sua importância. A relevância desse tema reside, sobretudo, na tentativa de refletir a respeito da complexidade da relação homem-natureza e mitigar os impactos ambientais em decorrência dessa relação (PASSMORE, 1995; SILVA et al., 2017).

Tendo em vista a identificação de padrões de comportamento dos estudantes em relação ao meio e como eles estão inseridos na dinâmica homem-natureza, esse trabalho visa analisar a percepção de estudantes em meio ambiente sobre os problemas ambientais em Alcântara-MA.

  1. MATERIAL E MÉTODOS

    1. Área de Estudo

A pesquisa foi realizada em 2016 no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA), Campus Alcântara, localizado no município de Alcântara-MA, com 76 estudantes do curso Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio, durante a disciplina de Ecologia.

Alcântara é um município situado na mesorregião Norte do Maranhão e na microrregião Litoral Ocidental Maranhense, a 2°24’ de latitude e 44°25’ de longitude, a 5 m de altitude em relação ao nível do mar, área da unidade territorial 1.457,916 km² e com densidade demográfica 14,70 hab/km² (IBGE, 2016), pertence à Área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses e à Amazônia Legal devido à sua biodiversidade e às suas riquezas naturais.

Figura 1 – Localização da área de estudo, Alcântara-MA.

Fonte: Autores.

    1. Procedimento de Coleta dos Dados

A pesquisa baseia-se em uma abordagem qualitativa de acordo com Bogdan e Biklen (1999), que busca compreender o comportamento e experiência humana, mediante o processo pelo qual as pessoas constroem e descrevem significados. A mesma foi organizada em duas etapas: Etapa I: realização das entrevistas semiestruturadas para avaliar a percepção ambiental dos alunos; Etapa II: registros fotográficos dos principais problemas ambientais apontados pelos estudantes.

Foram utilizados como ferramentas para coleta de dados, imagens, diário de bordo e resultado das entrevistas adaptadas de Bezerra (et al., 2014 apud RICHARDSON, 1999) baseado em perguntas que serviram como guias para análise do tema “meio ambiente”.



    1. Análise dos Dados

Após a coleta de dados, foi feita a análise utilizando o Programa Office Microsoft Excel 2010; a discussão com base nos autores que fundamentam a pesquisa, nas ações, nos diálogos e, particularmente, nas reflexões no diário de bordo.

  1. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os estudantes quando foram questionados sobre meio ambiente, 60% deles consideram-no como lugar ou espaço onde o ser humano vive, que pode ser natural ou modificado por ações antrópicas. Embora tenham citado termos que condizem com o funcionamento dos ecossistemas, interações, relações ecológicas, biodiversidade e natureza, o homem é visto apenas como agente transformador do ambiente e não como parte dele.

É todo lugar em que possamos estar, independente de ser ambiente natural ou modificado pela ação humana.” (A., 15 anos)

Tudo aquilo que está ao nosso redor, todos os fenômenos naturais e ações humanas.” (C., 17 anos)

É o envolvimento natural, conjunto de unidades ecológicas, artificiais, relacionadas entre si e modificadas pelo homem.” (T., 16 anos)

É tudo que diz respeito à natureza, à biodiversidade, à fauna e flora.” (F., 17 anos)

É um conjunto de condições, leis e influências e interações tanto de ordem física, química e biológica, que regem a vida em todas as suas formas.” (E., 16 anos)

É um conjunto de unidades ecológicas que funcionam como um sistema natural, ou seja, todo lugar onde vivemos.” (L., 16 anos)

Nesse sentido, Trigueiro (2003) afirma que a maioria das pessoas não se vê como parte do ambiente natural, mas como algo externo, que não o inclui. Pardo-Díaz (2002) comenta que mesmo quando os atores sociais percebem o ambiente e o homem, não compreendem a relação e a interdependência entre os elementos naturais, assim como entre a sociedade (aspectos econômicos, sociais, políticos, culturais, históricos, entre outros) e a natureza. Cunha e Zeni (2007) comentam que o significado de meio ambiente é construído do imaginário social e vincula-se a noção física, natural e sem presença humana.

Quando perguntados sobre os principais problemas ambientais encontrados no município, 87% dos estudantes apontaram a falta de saneamento básico, as queimadas, o desmatamento e a poluição. Para os discentes a falta de saneamento básico afeta praticamente todo o município e o ponto mais crítico encontra-se próximo ao hospital devido ao risco de proliferação de doenças causadas pelos microrganismos patogênicos, principalmente no período chuvoso (Figura 2A). Segundo os entrevistados o lixo doméstico depositado em terrenos baldios causa mau cheiro, aumento de insetos e proliferação de doenças, além de provocar uma má impressão da cidade (Figura 2B). Assim, o acúmulo de lixo às margens do rio Pepital (Figura 2C), principal rio que abastece a cidade, é referenciado pelos estudantes como problema ambiental que está agravando a disponibilidade de água no município, associado ao desmatamento e às queimadas que ocorrem próximo ao leito, responsável pela erosão do solo e assoreamento do rio (Figura 2D; 2E).

Figura 2 – A- Falta de saneamento básico localizado na Rua de Baixo, por trás do hospital. B- Lixo doméstico depositado em terreno baldio. C- Lixo doméstico às margens do rio Pepital. D- Queimadas próximo ao leito do Rio Pepital. E- Assoreamento e erosão do solo.

Fonte: Autores.



Diante do exposto, os estudantes destacaram problemas ambientais como lixo, falta de saneamento básico, desmatamento, queimadas, assoreamento dos rios, que já haviam sido discutidos em sala de aula pelos professores o que contribuiu para a PA sobre a temática. Guerra e Abílio (2006) constataram que os alunos têm facilidade em dar exemplos de problemas ambientais; mencionam o lixo, esgotos nas ruas, as queimadas, a poluição e tudo que prejudica o meio ambiente referindo-se a problemas ambientais do município.

Quando questionados sobre as medidas que deveriam ser adotadas para solucionar problemas ambientais encontrados em Alcântara, 40% dos estudantes indicaram a educação ambiental, que leva a conscientização, citada por 27% dos alunos (Figura 3). As ações educativas são importantes para trabalhar as temáticas ambientais, principalmente nas escolas, pois contribui para a formação de indivíduos capazes de viver em sociedade com maior responsabilidade ambiental, respeitando os limites da natureza.

Figura 3. As principais medidas sugeridas pelos estudantes como solução para os principais problemas ambientais. Educação Ambiental (EA); Conscientização Ambiental (CA); Melhorias de Infraestrutura (MI); Não responderam (NR). O percentual não fecha os 100%, pois alguns alunos indicaram mais de uma opção.

Fonte: Autores.

Dessa forma, autores como Bonifácio e Abílio (2010) salientam a importância da realização de atividades de educação ambiental no âmbito escolar, a fim de promover a PA como elemento constituinte do cotidiano. Além de incorporar a visão do ser humano, como agente transformador do seu meio, não apenas com efeitos danosos, mas com ações mitigadoras de desequilíbrios ambientais.

Nesse contexto, Katon et al. (2014) em sua pesquisa sobre a percepção de alunos de um curso técnico em meio ambiente em áreas marinhas e costeiras, destacaram o fato deles não observarem os impactos causados pelos próprios estudantes ao meio, pois eles não se reconhecem como agentes no processo de desequilíbrio ambiental. Entretanto, destacam que atividades de educação desenvolvidas em campo são ferramentas capazes de ampliar a PA dos indivíduos, uma vez que, os mesmos conseguem notar uma maior biodiversidade, reconhecer padrões de distribuição e demonstrar seu encantamento com o ambiente.

Quando questionados sobre de quem deveria partir a iniciativa, com ações mitigadoras dos danos ambientais, 34% dos estudantes atribuíram tal função aos governantes e apenas 8% cada indivíduo, sugerindo a falta de responsabilidade ambiental individual (Figura 4).

Figura 4. Opinião dos estudantes a respeito de quem deveria tomar a iniciativa referente às ações para solucionar os problemas ambientais. O percentual não fecha os 100%, pois alguns alunos responderam mais de um responsável pela iniciativa.

Fonte: Autores.

Pereira e Luz (2011) afirmam que as ações individuais interferem no bem coletivo ou no meio no qual o homem está inserido, pois as relações e interações sociais se constroem na própria convivência, possibilitando o despertar para a participação como membro vivo e atuante com a responsabilização de si, dos seus atos e do cuidado com os recursos naturais existentes no planeta Terra. Além disso, Rodrigues et al. (2012) comentam que a integração da percepção da comunidade com a efetividade da gestão pública, mostra-se eficaz para acompanhar sua repercussão na postura e na vida dos indivíduos frente às questões ambientais.

Quando os estudantes foram questionados sobre a educação ambiental na escola, 94% citaram a necessidade da realização de mais atividades educativas com temas ambientais integrados ao cotidiano, uma vez que a educação ambiental pode aproximar o homem da natureza e incentivar ações antrópicas mais conscientes.

Uma excelente ideia! Pois, assim poderíamos conhecer melhor o meio ambiente local a fim de conhecê-lo para preservá-lo.” (D., 18 anos)



Ótimo! Estamos precisando urgente de ações, projetos e programas de educação ambiental para conscientizar a comunidade alcantarense.” (F., 17 anos)

Assim, os estudantes destacam a importância de ações de educação ambiental para aproximar o homem da natureza, pois o mesmo é visto pelos estudantes como agente modificador e causador de problemas ambientais. Diante disso, Guerra e Abílio (2006) comentam que a educação ambiental viabiliza a compreensão e a sensibilização da sociedade com a natureza, uma vez que minimiza a problemática socioambiental, criando alternativas para melhorar a qualidade de vida e promover a sustentabilidade.

Bezerra et al. (2014) comentam a necessidade da implantação de projetos de pesquisas que ajudem na resolução dos problemas ambientais. Essas questões referentes ao ambiente, sua degradação e formas de protegê-lo devem ser disseminadas em larga escala e integrada por meio do ensino formal e informal para desenvolvimento de medidas para preservar o meio ambiente.

  1. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os estudantes percebem o meio ambiente como local onde o ser humano vive, não como indivíduo constituinte, mas como agente externo capaz de modificá-lo, podendo causar problemas ambientais como poluição, desmatamento e queimadas. E a educação ambiental é uma forma de aproximar o homem da natureza a fim de sensibilizá-lo quanto a necessidade de adoção de uma postura ética e consciente frente as questões ambientais.

Nesse sentido, espera-se que sejam desenvolvidas mais pesquisas sobre PA no âmbito escolar, a fim de conhecer a opinião dos estudantes sobre as temáticas ambientais e fornecer subsídios para trabalhar temáticas de meio ambiente, através de atividades educativas, que contribuam para a formação de cidadãos conscientes de suas ações.

REFERÊNCIAS

BARROS, H. C.; PINHEIRO, J. Q. Mudanças climáticas globais e o cuidado ambiental na percepção de adolescentes: uma aproximação possível. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 40, p.189-206, 2017.

BEZERRA, Y. B. S. et al. Análise da percepção ambiental de estudantes do ensino fundamental II em uma escola do município de serra talhada (PE). Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 9, n. 2, p. 472-488, 2014.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto Editora, LDA, 1999. 336p.

BONIFÁCIO, K. M.; ABÍLIO, F. J. P. Percepções ambientais de educandos de escolas públicas – caso Bacia Hidrográfica do Rio Jaguaribe, Paraíba. Revista Eletrônica do Prodema, v. 5, n. 2, p. 32-49, 2010.

BRASIL. Lei Federal nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 02 set. 1981. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm>. Acesso em: 5 mar. 2018.

BRUNDTLAND, G. Our common future. New York: WCED, 1987. 300p.

BRUSEKE, F. A crítica da técnica moderna. Revista Estudos Sociedade e Agricultura, v. 3, n. 10, p. 5-55, 1998.

CAVEDON, C. C. et al. As múltiplas concepções de educação ambiental em uma comunidade escolar. In: EUNICE KINDEL et. Al. (Orgs.). Educação Ambiental: vários olhares e várias práticas. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004. p. 5-69.

CUNHA, T. S.; ZENI, A. L. B. A representação social de meio ambiente para alunos de ciências e biologia: subsidio para atividades em educação ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v.18. p. 399-414, 2007.

FAGIONATTO, S. O que tem a ver percepção ambiental com a educação ambiental. São Paulo, mar, 2007. Disponível em: <http.//educar.sc.edu.usp.br> Acesso em: 21 jan. 2018.

FERNANDES, R. S. et al. Avaliação da percepção ambiental da sociedade frente ao conhecimento da legislação ambiental básica. Revista Direito, Estado e Sociedade, n. 33, p. 149-160, 2008.

GOMES, S. C. S.; REZENDE, L. P. Percepção dos moradores sobre degradação ambiental no perímetro urbano do Rio Zutiua em Arame – MA. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 13, n. 6, p. 111-124, 2017.

GUERRA, R. A. T.; ABÍLIO, F. J. P. Educação Ambiental na Escola Pública. João Pessoa: Foxgraf, 2006. 233p.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas: Papirus, 1995. 107p.

KATON, G. F. et al. Percepção de Ambientes Marinhos e Costeiros: uma visão de estudantes de um curso técnico em meio ambiente. Revista de Ensino de Biologia, n. 7, p. 2648-2460, 2014.

MACEDO, R. L. G. Percepção e conscientização ambiental. Lavras, MG: Editora UFLA/FAEPE, 2000. 132p.

MELO J. G. S. et al. Mangrove vegetation structure of the Capibaribe River, Recife-PE: monitoring and conservation. Journal of Hyperspectral Remote Sensing, v. 3, n. 4, p. 81-91, 2013.

MELO J. G. S.; SILVA, E. R. A. C.; GALVINCIO, J. D. Preservação ambiental e novas tecnologias de monitoramento ambiental: potencial do sensoriamento remoto para avaliação da degradação ambiental em zonas estuarinas. Revista Educação Ambiental em Ação, n. 61, p. 1-13, 2017.

MELO, J. G. S.; SILVA, E. R.A. C.; ASSIS, D. R. S. Avaliação dos impactos ambientais na Lagoa do Araçá, Recife, Pernambuco, Brasil. Revista Acta Brasiliensis, v. 2, n. 1, p. 6-10, 2018.

OLIVEIRA, L. Contribuições dos estudos Cognitivos à Percepção Geográfica. Revista de Geografia, v. 3, p. 61-72, 1997.

PARDO-DÍAZ, A. Educação ambiental como projeto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002. 168p.

PASSMORE, J. Atitudes frente à natureza. Revista de Geografia, v. 11, p. 91-102, 1995.

PEREIRA, I. A. F.; LUZ, A. A. A educação socioambiental e o princípio da responsabilidade para estudantes privados de liberdade. Revista Olhar de Professor, v. 14, n. 2. p. 273-283, 2011.

RODRIGUES, M. L. et al. A percepção ambiental Como instrumento de apoio na gestão e na formulação de políticas públicas ambientais. Revista Saúde Sociedade, v. 21, n. 3, p.96-110, 2012.

SILVA, C. L. R. Percepção ambiental de alunos do colégio de aplicação da UFRR sobre impactos ambientais nas bacias hidrográficas urbanas de Boa Vista/RR. Revista Geosaberes, v. 8, n. 14, p. 85-94, 2017.

SILVA, E. R. A. C. et al. Space-time analysis of environmental changes and your reflection on the development of phonological of vegetation of mangrove. Journal of Agriculture and Environmental Sciences, v. 4, n.1, p. 245-253, 2015.

SILVA, E. R. A. C. et al. A transformação da natureza e as potencialidades do monitoramento ambiental na Lagoa Urbana Olho d’Água–PE: os desafios da complexa relação entre desenvolvimento urbano e a conservação de ambientes naturais. Revista Guaju, v. 3, n. 2, p. 32-64, 2017.

SILVA, E. R. A. C. et al. Análise da tendência temporal da precipitação pluviométrica interanual e intra-anual no semiárido pernambucano. Revista Brasileira de Climatologia, v. 22, p. 76 - 98, 2018.

TRIGUEIRO, A. Meio ambiente no século 21. Rio de Janeiro: Sextante, 2003. 368p.











" data-layout="standard" data-action="like" data-show-faces="true" data-share="true">
 
Início      Cadastre-se!      Procurar      Submeter artigo      Fazer doação      Contato     Apresentação     Normas de Publicação     Resultado do prêmio     Artigos     Dicas e Curiosidades     Reflexão     Para sensibilizar     Entrevistas     Culinária     Arte e ambiente     Divulgação de Eventos     O que fazer para melhorar o meio ambiente     Educação     Você sabia que...     Plantas medicinais     Práticas de Educação Ambiental     Ações e projetos inspiradores     Cidadania Ambiental     Relatos de Experiências     Notícias